Despoesias:O dia da criação

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é parte do Despoesias. O seu Cancioneiro/Romanceiro livre de conteúdo.
Bocage-2bus.png
Gregorio-de-matos.gif


I
Hoje é sábado e amanhã obviamente é domingo
O dia de amanhã será uma perfeita desgraça
Porque não poderei nem ligar a televisão
Para não ter que aguentar o Gugu e o Faustão

Hoje é sábado e amanhã infelizmente é domingo
Domingo é o dia em que o tempo não gosta de passar
O domingo foi a pior besteira que Deus resolveu fazer
E pra se converter, criou o sábado para nos salvar

Hoje é sábado e amanhã, que droga, é domingo
O amanhã não gosta de ver ninguém bem
Portanto tratemos de algo menos pior
O hoje, que é sábado!

É impossível fugir dessa dura realidade
Neste momento, todos os bares estão cheios,
É dia de bebedeira
Todos os namorados estão separados,
Noites de sábado não são boas para remissões
Todos os maridos estão vendo futebol,
Quem disse que as melhores partidas passam no domingo?
Todas as mulheres estão fofocando,
(Com a vizinha, para variar)

II
Neste momento há uma separação,
Porque está na moda
Um divórcio seguido de espancamento,
Porque aparece na televisão
Um trouxa rico que se mata,
Porque não sabe o que fazer com dinheiro
Há vários incestos espalhados,
Mas essa pouca vergonha é o ano inteiro
Não há espetáculo de gala,
Porque não tem palco
E as esperanças continuam inexistentes,
Já que nunca existiram mesmo
Há uma profunda discordância,
No mundo da discórdia o resto cala
Há um ricardão morto,
Porque o marido descobriu e meteu bala
Há uma cirurgia de troca de sexo,
Mas já estão todos acostumados com essa picuinha
Há um grande acréscimo de sífilis,
Não falei pra usar camisinha?
Há adolescentes prostitutas
Mas isso já faz parte
Há um grande aumento no consumo,
Óbvio, acabamos de falar no aumento da mercadoria
Há um noivo louco de ciúmes,
Cansado de saber que a mulher traía
Há uma linda lua cheia,
Já que não pode estar vazia
E damos o sábado por findo,
Ele que tão pouco foi citado
Para a perspectiva de um domingo,
O dia sem dúvida mais odiado.

III
Todas essas razões que deveriam ter sido dadas já foram riscadas do grandioso livro (ou não)
Já que não seria nem um pouco justo termos o sexto dia, o sábado para amenizar a total cagada que viria a ser o dia seguinte.
Teria sido bem melhor que Deus descansasse
O homem até que serve para alguma coisa, mas e o domingo?
Se ele não existisse, não teríamos grandes partes dos tormentos cotidianos:
Não teríamos os já citados Gugu e Faustão.
Não teríamos a porra do Fantástico
Não teríamos a Eliana e muito menos Silvio Santos
Não teríamos nenhum daqueles programas inúteis que só os domingueiros conhecem
Não teríamos aquele papo chato de boteco de quinta sobre futebol
Seria uma inefável beleza e harmonia
Que de tão inefável, nem Inri Cristo esqueceria
Para isso não seria necessário apreciar as belezas naturais,
Tais como o céu coberto de fumaça preta de São Paulo, ou aquela coisa imunda que chamam de lagoa no Rio de Janeiro
Não seria necessário tentar falar com um peixe, ou sentir a emoção em assistir o ato sexual das aves.
Precisamos encarar o problema criado pelo (dito) ser superior, o criador de problemas como pessoas normais e não como poetas esquizofrênicos.
Passar pela experiência de ouvir um operador de telemarkinting e aproveitar o telefone para outras práticas.
Tudo isso porque Ele resolveu não descansar no sexto dia e criar um sétimo, onde somos obrigados a passar por coisas bem piores que o descanso.
Eu poderia terminar filosofando que a criação da devastação do universo, digo, do homem, se deu porque era sábado,
Mas hoje é um triste domingo e amanhã será uma mais triste ainda segunda feira, tudo isso porque ontem foi sábado...