Destruição Mútua Assegurada

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: se procura pela revista, olhe Revista MAD.


Somebody set up us the bomb!!!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
Exploding-head.gif


A real representação da doutrina MAD (não confundir com a revista).

Cquote1.png Você quis dizer: Revista MAD Cquote2.png
Google sobre Destruição Mútua Assegurada
Cquote1.png Eu tenho medo. Cquote2.png
Regina Duarte sobre Destruição Mútua Assegurada
Cquote1.png Eu também. Cquote2.png
EUA sobre Destruição Mútua Assegurada
Cquote1.png Eu também. Cquote2.png
URSS sobre Destruição Mútua Assegurada
Cquote1.png Isso é loucura! Cquote2.png
Mensageiro persa sobre MAD
Cquote1.png Isso é Espartaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!! Cquote2.png
Leônidas de Esparta sobre a frase acima e o clichê desta fala

A Destruição Mútua Assegurada (MAD, no inglês, significando Espartaaaaaaaaaaaaaaaaaa loucura ou você louco) foi a teoria bélica em vigor durante os anos quentes da Guerra Fria que impediu que os Estados Unidos e a União Soviética se pegassem no pau e explodissem o mundo com uma guerra nuclear enquanto os dois jogavam War com todo o planeta.

Antecedentes[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Guerra Fria
Sukita Nikita Khrushchov botando pra quebrar durante a Crise dos Mísseis de Cuba (exemplo clássico da neutralidade e compromisso com a verdade dos meios de comunicação capitalistas).

Embora tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética fossem aliados durante o segundo round a Segunda Guerra Mundial, o objetivo desta aliança era apenas de derrotar a Alemanha Emuxinha, os amiguinhos fascistas e os japas. Com o fim da guerra, surgiram os EUA e a URSS como as duas grandes impotências do séc XX, sendo que o primeiro liderava os porcos capitalistas e a segunda liderava o bloco Unidos dos comedores de criancinhas, respectivamente.

A bomba soviética Tio Joe, fotografada pouco antes de ser detonada. Note a clara referência ao camarada Stalin.

Os EUA começaram na frente, pelo fato de já terem desenvolvido a tecnologia nuclear necessária ainda no final da Segunda Guerra e também pelo fato da URSS gostar de ficar atrás. No entanto, em setembro de 1949, os soviéticos testaram sua primeira bomba atômica, bomba esta que foi batizada de Tio Joe, numa clara homenagem a Josef Stalin, tanto porque a bomba também possuía bigode. Mas os americanos ainda tinham uma pequena vantagem: não adianta apenas construir bombas, naquela época era preciso construir aviões que as lançassem no alvo devido. A URSS ainda não tinha uma frota de bombardeirtos estratégicos suficiente para foder com a América, ao contrário dos capitalistas, o que tornava o jogo a guerra levemente desequilibrada.

Mas os ianques não contavam com a astúcia da URSS. Com os esforços no campo aeroespacial (mandar lixo o Sputnik, sua mãe uma cadela e sondas para o espaço) e o desenvolvimento do motor a jato tornou os bombardeiros segunda linha de ataque. Logo os dois lados estavam desenvolvendo mísseis balísticos (em especial os ICBM's), armas químicas e biológicas, napalm (melhorado), roupas usadas de franceses (cujo extrato é conhecido por gás VX) e mais armas mortíferas, para poder ferrar com o outro lado. Com o desenvolvimento desses mísseis, era quase impossível deter um ataque nuclear em massa de ICBM's. Era sentar e ver os fogos.

Os americanos chegaram à Lua, os soviéticos fizeram a Tsar Bomba (capaz de explodir a Lua), os americanos tomaram uma surra no Vietnã, os soviéticos se fuderam no Afeganistão. Ambas as superimpotências estavam em equilíbrio de forças. E, através da lógica portuguesa, os conselheiros militares e generais de ambos os lados decidiram que o jeito era construir mais ICBM's, para fazer o inimigo perder a vontade de atacar, ou seria vaporizado por uma chuva de bombas atômicas. E cada vez mais bombas atômicas eram construídas. Até que chegou ao ponto em que havia bomba demais. Muita bomba. Uma porrada de bomba. E, se todas elas fossem usadas, não ia sobrar nada, nem ninguém. Nem Rambo, Jack Bauer, Charles Bronson ou mesmo o outro cara lá.

A Teoria[editar]

Камаяаdа ряэzïdеите, а Дмéяика эѕта иоѕ ÿйvаdïиdф!
Camarada presidente, a América está nos invadindo!

Эитћо ареяте о вотão vеямегно ойδе эѕтα эѕкяïто "вомва" е δеιхе-ме аѕѕιѕтιя о Нокеÿ...
Então aperte o botão vermelho onde está escrito "bomba" e deixe-me assistir o Hockey...

A Teoria da Destruição Mútua Assegurada surgiu no meio dos anos 60. Com o aumento vertiginoso de gastos em material bélico e na construção de bombas atômicas, o número de mísseis nucleares era tão grande em ambas as partes que, se uma guerra nuclear começasse, não ia sobrar porra nenhuma, absolutamente nada. isso supõe que, por mais duro (Ui!!!) e violento que fosse o estupro primeiro ataque, o inimigo teria condições de retaliar e, desta forma, foder com o outro lado. Se isso acontecesse, a partida de War guerra terminaria em empate e armageddon.

Cquote1.png Você quis dizer: Worms Armageddon Cquote2.png
Google sobre Guerra e Armageddon

A lógica da teoria é baseada na capacidade de retaliação do inimigo. Se um primeiro ataque fosse bem sucedido a ponto de impedir que o outro lado lançasse suas armas nucleares, ou que as explosões provocadas pelo primeiro ataque destruissem toda a infraestrutura balística e os mísseis inimigos, então o lado atacante seria vitorioso, tendo seu território praticamente inatingido. Claro que certos efeitos seriam sentidos, como a contaminação pelas cinzas nucleares, os aumentos incomensuráveis dos casos de câncer, o inverno nuclear e outros efeitos colarerais. Isso sem contar, no caso de um ataque norte-americano, do risco de tsunami e aumento do nível do mar devido ao derretimento do gelo da Sibéria e da banquisa ártica. Mas isso pouco importava, pois o que realmente era importante era ganhar a partida de War a guerra e provar que um lado era melhor que o outro, mesmo que pra isso fosse preciso acabar com o mundo. Isso demonstra outra notável aplicação da lógica portuguesa na geopolítica e estratégia da Guerra Fria.

Mas, porém, contudo, todavia e entretanto, se a capacidade de retaliação do inimigo não fosse suprimida, aí fudeu geral. Seria bomba atômica pra todos os lados, atingindo inclusive países que não sabiam de nada. Depois do primeiro ataque de mísseis, bombardeiros terminariam o serviço, lançando bomba no que os mísseis não foram capazes de destruir, até que as bombas atômicas de ambos os lados acabassem, ou todo mundo morresse ou a soma dos dados desse 11. E então teria começo o inverno nuclear (que se crê que os russos aguentariam melhor, devido à experiência do frio siberiano do cacete e da vodka como aliado na resistência ao frio).

As Distensões e Tensões[editar]

Esquema da divisão de poder e das esferas de influência entre os EUA e a URSS. Nota-se o comportamento amigável entre os dois.

Desde a década de 60 o mundo se viu mais ou menos perto do botão vermelho ser acionado. Entre os principais eventos desta época, temos:

  • Incidente com o avião U2 (1960): um avião de espionagem norte-americano foi abatido pela URSS, no entanto a fuselagem foi recuperada e o piloto sobreviveu. O incidente foi utilizado pela União Soviética para desmoralizar e constranger o governo estadounidense, no que os comunistas foram muito bem sucedidos.
  • Crise dos Mísseis de Cuba (1962): um dos primeiros eventos durante a doutrina MAD, tinha de ser, justamente, uma das maiores tensões entre URSS e EUA. E o caldo só não entornou porque Sukita Nikita Khrushchov abriu as pernas e desistiu de encher Cuba com ICBM's endereçados aos Estados Unidos. É claro que só fez isso porque John F. Kennedy retirou uma montueira de mísseis nucleares (que eram um presente bombástico para a URSS) da Itália e da Turquia.
  • Distensão (1972-1979): ambos os lados assinaram mais de oito mil tratados, com o intuito de dizer que eram abiguinhos, para limitarem o número de ogivas nucleares (como se alguém fosse inspecionar) e para separar juridicamente as zonas de influência entre os lados. Certos encontros eram organizados por Brejnev, a fim de tirar uma casquinha dos presidentes americanos e das primeiras-damas.
  • Guerra do Vietnã (1964-1975): quebra-pau encoxado encabeçado pelos Estados Unidos contra o Vietnã do Norte, que era comunista (e que, portanto, recebia ajuda, armamento e suprimentos da URSS, China, Coréia do Norte e charutos de Cuba). O Vietnã do Sul era apenas um sock puppet dos porcos capitalistas. No entanto, ao contrário das apostas de todos alguns e das previsões da Mãe Dinah, a zebrinha apareceu, e quem se fudeu foram os EUA, que se obrigou a se retirar em 1975. Em menos de três meses após a retirada dos ianques, o Vietnã comunista estava sodomizando o Vietnã do Sul e o Camboja.
  • Primavera de Praga (1968): a população da Tchecoslováquia e Sováquia, temendo o monopólio comunista da região da atual República Chota e querendo um socialismo mais aberto e alegre, iniciou inúmeros panelaços e protestos na capital do país. Brejnev, puto da vida com essa praga, mandou o Exército Vermelho meter bala nos manifestantes e conter as manifestações através do velho métoddo stalinista.
  • Guerra do Afeganistão (1979-1988): a fim de seguir o exemplo dos EUA, a URSS se meteu em uma treta com o Afeganistão, onde o exército soviético tomou um nabo violento dos mujhadins e terroristas, da mesma forma em que os americanos se ferraram no Vietnã. Vexames à parte, ambas as potências demonstraram serem incapazes de vencer um bando de milícias treinadas, o que explica os arsenais nucleares gigantescos de ambos os lados. Como já dizia o velho deitado: Cquote1.png Quem tem cu, tem medo. Cquote2.png
  • Revoluções de 1989, queda do Muro de Berlin e o colapso da URSS (1989-1991): em meados dos anos 80, a União Soviética estava irremediavelmente falida. Completamente quebrada. Estava tão na pindaíba, que tava importando urubu e pintando de verde para vender como papagaio. Com a ascensão de Ronald Mc Donald Ronald Reagan a presidente ditador EUA e da baba ovo Margareth Thatcher como primeira ministra do Reino Unido, a guera fria teve uma leve esquentada e o dinheiro com gastos militares aumentou. Isso deu numa bela merda para a economia da URSS, que faliu e abriu as pernas.

Fim da Guerra Fria[editar]

Mapa das Ex-Repúblicas Soviéticas, formadas após a dissolução da URSS, em 1991.

A década de 1980 foi desastrosa para a União Soviética. Após o término do Saturday Night Fever período de estagnação de Brejnev, o aumento das tensões da guerra fria, o impasse da Guerra do Afeganistão e a ascensão do careca com um morango na testa ao comando da URSS a decadência do império comunista foi mais rápida que descida de carro de lomba em ladeira. Então Gorby decidiu lançar dois planos a fim de salvar o país, no entanto, sem sucesso. De 1989 a 1991 foi só país comunista traindo o movimento, véio. E ninguém sabia o que fazer.

Embora pareça tranquilo, o período de 1989 a 1991 foi um dos mais tensos da doutrina MAD e da Guerra Fria, mas não pelas rixas entre EUA e URSS, mas pelos arranca-rabos internos que estavam acontecendo na segunda e na sexta. Inclusive, a linha dura do partido comunista tentou passar a rasteira no Gorbachov a fim de limá-lo do cargo e assumir o controle do país. E, como o comunismo estava arruinado, pouco importava que lançassem um ataque nuclear total contra os ianques, só pra ver o planeta circo pegar fogo, pelo menos assim, a partida guerra terminava empatada.

Mas, felizmente (ou não), os comedores de criancinhas não apertaram o botão vermelho. A URSS se dissolveu, um pudim de vodka assumiu a presidência da Federação Russa, os outros cacos da antiga Mãe Rússia se uniram na Comunidade dos Estados Independentes (ÇEI) e o comunismo deixou toda a Europa, só restando a China, Cuba, Vietnã, Inferno e Coréia do Norte com o socialismo ainda em prática.

Atualmente[editar]

Mamute Almadejihad, presidente do Irã, demonstrando em assembleia da ONU o que fará com os cientistas que ajudarem o programa nuclear iraniano.

Embora o Reino Unido, Índia, França, Paquistão e China sejam potências nucleares declaradas e saídas do armário, apenas a Rússia e os EUA tem capacidade de retaliação. No entanto, se algum dos países citados entrarem em um quebra pau, pode acontecer o início de uma guerra, em especial Índia e Paquistão, posto que a região do Oriente Médio e sudeste asiático é bastante explosiva e os dois países nunca se bateram.

Com relação às nações européias, EUA e Rússia, todas andam na moita, embora de vez em quando a Rússia aponte umas ogivas de alguns quilotons contra países com os quais tem algum desentendimento diplomático (incidentes esses que rapidamente são resolvidos). Apenas uma questão de estratégia proporcionada pela vodka. Os Estados Unidos alegam que veem reduzindo seus arsenais nucleares, mas isso deve ser balela, do contrário não iram querer instalar um escudo antimísseis na Europa (vai que algum míssil era o alvo e cai num Reino Unido da vida...).

Já a Coréia do Norte e Irã, tdentando demonstrar que cantam de galo e que vão desenvolver tecnologia nuclear para fins pacíficos, querem desenolver suas bombinhas. No entanto ninguém acredita nisso e a ONU já enfiou sanções até no rabo desses países, porém sem sucesso. Com esse aumento de armamento e desenvolvimento de tecnologia nuclear, e o terrorismo, logo a doutrina MAD pode voltar com toda a força, exatamente como no período da guerra fria (ou não).

Ver também[editar]