Djavan

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Doriapinga.jpg Este artigo é sobre uma subcelebridade

e é ator de pegadinha do Sérgio Mallandro.

Cuidado: Djavan pode cobrar cachê por ler este artigo.

Passarinho.jpg

Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.
Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!

Cquote1.png Você quis dizer: Fofão Cquote2.png
Google sobre Djavan
Cquote1.png Você quis dizer: Carlinhos Brown Cquote2.png
Google sobre Djavan
Cquote1.png Você quis dizer: Milton Nascimento Cquote2.png
Google sobre Djavan
Cquote1.png Você quis dizer: Deja Vú Cquote2.png
Google sobre Djavan
Cquote1.png Nem margarida nasceu, Dudira idon dudiron ue......... ue ue ui durirarom....... dudaroirom dom..... Cquote2.png
Djavan em mais uma de suas letras
Cquote1.png Dudirai rodim di doirom Cquote2.png
Conversando com um mendigo

Foto do Djavan.

Cquote1.png É música de macumba? Cquote2.png
Silvio Santos sobre Djavan

Nascido em Maceió, Alagoas, Djavan teve que ir pra lavoura cortar cana e plantar maconha para o "seu pai" (não o seu, o dele!).

História[editar]

Às vésperas de fazer 13 anos de idade, conheceu sua esposa Rafaella Brunini e no dia do seu aniversário deu uma rapidinha pra comemorar.

Dessa rapidinha nasceu sua filha Margareth Menezes, que era um bebê gordo e feio, e logo comercializaram réplicas desse bebê para todas as crianças do Brasil nas lojas de 1,99 , e todas as crianças catadoras de lixo tinham a boneca pretinha da Margareth Menezes.

Logo após serem encontrados corpos de criancinhas estraçalhadas no Lixão da Alemoa, descobriram que a boneca de Margareth Menezes era possuída pelo demônio, e toda vez que cantava Maimbê Dandá soltava almas demoníacas que matavam as crianças.

Uma das crianças mortas pelos efeitos parapsicológicos das bonecas do mal foi Margarida, irmã de Margareth, irmã de Daisy, que é irmã de Deisy, que é irmã de Deise, que é irmã de marguerite e por aí vai...

O hit (lê-se hoax) dos e-mails sobre a história de Maria (o nome de sua segunda mulher) foi surpreendente. Segue na íntegra o hoax fudidaum rs e-mail que causou a polêmica toda:

Djavan teve uma mulher chamada Maria, os dois teriam uma filha que se chamaria Margarida, mas sua mulher teve um problema na hora do parto e ele teria que optar por sua mulher ou por sua filha.

Ele pediu ao médico que fizesse tudo que pudesse para salvar as duas, mas o destino foi duro e a mulher e a filha faleceram no parto.

Agora é possível "sentir" a letra da música. Conhecendo esta breve história passamos a ouvir a música sob novo contexto, entendendo como a dor pode ser transformada em poema e arte.

Flor de Lis

Valei-me, Deus!

É o fim do nosso amor

Perdoa, por favor

Eu sei que o erro aconteceu

Mas não sei o que fez

Tudo mudar de vez

Onde foi que eu errei?

Eu só sei que amei,

Que amei, que amei, que amei

Será talvez

Que minha ilusão

Foi dar meu coração

Com toda força

Pra essa moça

Me fazer feliz

E o destino não quis

Me ver como raiz

De uma flor de lis

E foi assim que eu vi

Nosso amor na poeira,

Poeira

Morto na beleza fria de Maria

E o meu jardim da vida

Ressecou, morreu

Do pé que brotou Maria

Nem margarida nasceu.

E o meu jardim da vida

Ressecou, morreu

Do pé que brotou Maria

Nem margarida nasceu.

Sabemos que isso não tem simplesmente nada a ver, contudo boatos sobre históricas não verídicas são comuns hoje em dia (maldita inclusão digital).

O nonsense[editar]

Djavan possui uma forma interessante de fazer suas letras: primeiro, ele se isola num quartinho escuro para pensar. Depois começar a beber uísque da Polinésia Francesa com adoçante. Em seguida pega umas balas e enfia no Koo, seu cachorro e companheiro de cela. Koo fica alucinado e começa a latir em dialetos africanos. Djavan então ouve tudo que ele late e vai botando no papel. Sua genialidade transforma os latidos incompreensíveis em melodias arranjadas pelo ritmo, tempo, entonação e altura dos latidos. Depois de formar seu solo na cabeça mesmo ele pega uns "adesivos da onda" e bota em si mesmo para ter uma visão dos céus. Sua inspiração divina advém de todos os orixás possíveis da macumba, candomblé, umbanda, quimbanda, vagabanda, lambada, lambida, lambda, catimbó-jurema, pajelança e afins. Assim, logo temos a letra maravilhosa, indescritível, magnânima, inexorável e por fim, mas nem por isso menos importante, completamente nonsense de Djavan.

O nonsense é uma técnica criada na música e que somente Djavan tem pudor de aplicar corretamente. Letras que na verdade não possuem profundidade alguma, mas que fazem um bando de idiotas os fãs pirarem o cabeção de tanto buscarem o seu entendimento. Usar haxixe, cigarrinho do capeta, marijuana, baseado ou mesmo bala de menta ajuda bastante o ser humano a chegar no mesmo trip de drogado nível transcendental em que a letra foi escrita.

Muitas das canções atribuídas a ele na verdade foram compostas por seu irmão gêmeo, Indijavan. Elas são reconhecíveis, porém, por conta dos repetidos gritos de coprostasia hemorroidal.

Exemplos de nonsense[editar]

Vêm a seguir exemplos de suas letras onde se aplica sem qualquer vergonha o nonsense. Uma conhecida e outra desconhecida. Por mais que queira não tente interpretá-las de modo algum por você estar sujeito a ter os neurônios trocados de lugar, os nervos retorcidos e a compreensão do mundo alterada o que pode gerar sinestesias como a de ver um cheiro de haxi na forma de forma de flores da varanda se transando ou um suco de açaí de tez branca e com gosto de barulho de besouros.

AÇAÍ[editar]

Açaí

Solidão de manhã,

Poeira tomando assento

Rajada de vento,

Som de assombração, coração

Sangrando toda palavra sã — a partir daqui você vê um coração gemendo e arrastando correntes ao mesmo tempo que você sangra até a morte —

A paixão puro afã,

Místico clã de sereia

Castelo de areia,

Ira de tubarão, ilusão — verá uma sereia num castelo de areia sendo atacada por um tubarão de holograma que o sol produziu juntamente com os gnomos felizes da floresta encantada do seu guarda-roupa

O Sol brilha por si

Açaí, guardiã

Zum de besouro um imã

Branca é a tez da manhã — não precisa nem comentar que esse refrão não tem nada a ver com o resto da letra, certo? —

ANDALUZ[editar]

Estrela minha

luz do dia abacate e mel (hã?)

cheiro de haxi

tarde de frio

beija-flor, flores na varanda se transam (hãããããããããããã?)

sombra de luz

ui de amor frugal, casa azul ("frugal"? What the fuck?)

babalaó, olorum, alá, dalai-lama (isso faz muito sentido, não é mesmo?)

vigiai governador

porque o povo, Virgem Maria! (aff Maria!)

Sai da janela se quer sonhar

vem pra cama (aiaiai uiui! Créu!)

Deus lhe fez viver

pra me querer amor

quase 2.000 (já estamos no século XXI...)

salvaria a arara azul (do Globo Repórter)

o circo é orfei

vai lua, é dia

deixa vir os raios de sol (-qqqqqqq)

tens a noite

longe de mim

sevilha incensa o ar andaluz (sem comentários)

babalaó, olorum, alá, dalai-lama

vigiai governador

porque o povo, Virgem Maria!

Sai da janela se quer sonhar

vem pra cama

vem pra cá pra você ver

o que é bom pra você (essa foi kanty)

(Agora começa a terceira parte. Prepare-se!)

montes au ginkgo (montes de merda)

plein de rameaux (play de kamehame-ha)

viens dõici soup'onner des oiseaux (vens, dói, sim, a sopa ownou dos coisou)

qui ne volent pas (que na violenta passa)

viens tu voler (vens tu! vou lê!)

je voyage partout (eu viajo parte fora)

Percebamos a abundância de rimas sem qualquer tipo de significado. Aliás... Às vezes nem rima tem. Na minha época era melhor ouvir as letras do Bonde do Tigrão! Falava de sacanagem, mas pelo menos falava de alguma coisa.

Djavan & Caetano[editar]

Também se especulou muito sobre a sexualidade dos cantores da época de Djavan, porém ninguém dizia nada sobre ele até vê-lo cantando com Caetano.

O vídeo abaixo mostra certo interesse um no outro, principalmente na hora que Caetano manda um "Vem cá, meu nego" pra Djavan e o mesmo depois dá aquele olhar de "Pegael".

Tenso... Muito tenso!

Discografia[editar]

  • 1976 - The best of etiopia songs Vol1
  • 1978 - in the anals of MPB
  • 1980 - Empretamento e logo após, Fuder
  • 1982 - Dê um pão para quem têm fome
  • 1984 - Tributo a Bob Marley - disco feito logo após seu pai ter morrido de oxiúros
  • 1986 - Meu jeitinho black de ser
  • 1992 - Cigarrinho de acender - Uma visível alusão a sua arte nonsense
  • 1998 - Bixa Solta - disco feito logo após ele ter decidido mudar a sua sexualidade e, de quebra, virar crente.
  • 2001 - ''Milagreiro de são padim ciço
  • 2004 - Vaidosíssima!
  • 2005 - No terreiro - músicas remixadas pelo DJ Olodum
  • 2007 - Matrizes - Determinantes, matrizes inversas e sistemas lineares em letras românticas ou dor-de-cotovelo

Uma das suas mais marcantes composições foi Te Devoro música onde ele descreve a mulher ( ou homem ) amado ops amada...

Com grande inspiração poética nosso querido compositor escreveu “Tudo que Deus criou pensou em você Fez a Via-láctea, fez os dinossauros....” uma clara alusão a idade e beleza de sua musa ... linda como um tiranossauro rex , uma ótima dica para o dia dos namorados quando você leitor (a) estiver sozinho com seu amor...

Outra composição maravilhosa tem por trecho “Quem tentar seguir seu rastro Se perderá no caminho Na pureza de um limão”

Isso faz com que o ouvinte pense em como seria um limão safado...

Ótima para uma meditação a natura...