Dodô (ave)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Danca.gif Dodô (ave) é uma ave!

Este artigo é sobre um bicho que voa, tem penas e asas! (ou não)

Cuidado com o que faz por aqui, pois o Pica-Pau está vigiando.


Dodô
Dodoh.jpg
Classificação científica
Reino: Desanimalia
Filo: Aquele
Classe: Tinha alguma
Ordem: Jamais se extinguir.
Família: Redodinhus gorduns
Género: masculinus e femininus
Espécie: Tudus fudidus
Nomenclatura Binominal
Dodô dó


Cquote1.png Você quis dizer: Dodói Cquote2.png
Google sobre Dodô (ave)

Cquote1.png Filhos da puuuuuuuuta! Cquote2.png
Dodô sobre humanos.


A-Dead-Dodo.jpg
Dodô é uma ave... não, não: Era uma ave que gostava de comer sementes de grasnovúdia, ou Calvária, seu nome oficial, uma planta que também se extinguiu por tédio, já que quando o dodô foi pro saco a planta se entediou por não ter mais ninguém para a comer. Essa planta deixava os dodôs gordões e felizes e, assim não podiam voar mas, nem por isso reclamavam muito.

Onde essa criatura se desenvolveu[editar]

Dodô fazendo uma última cagada observação.
Eles habitavam as ilhas Maurício de e aí ficaram por muito tempo até que os exploradores chegaram e fizeram tudo ir pelos ares e, como os dodôs não voavam eles se foderam em terra mesmo. Na verdade eles também tiveram que escapar de ser comidos mas, só os primeiros já que sua carne era horrível com um autêntico gosto de bosta... quer dizer, dizem os relatos que assim o era mas, os relatos dos dodôs já dizem que era porque davam um azar desgraçado a quem comia e não tinham esse gosto mas, sim faziam um estrago no estômago por terem muito óleo em sua carne. E deve ser verdade esse último relato porque eles continuaram sendo mortos e só pode ser por conta da extração desse tal sebão (sebão, não sabão).
Periquita tentando agasalhar o dodô para salvá-lo.

Segundo relatos dos dodôs esse óleo era usado pelos invasores como lubrificante, uma espécie de K.Y. para se divertirem uns com os outros por assim dizer, enquanto que suas penas eram usadas como espanador. Os dodôs tentavam correr mas, muito desajeitados iam igual a uma frangona prenhe e sempre eram pegos, até os mais mongos conseguiam alcançá-los. Nem teve como sobreviverem a isso, muito embora fossem praticamente os reis da ilha, sendo que nem grandes feras ligavam muito para o território, que era bem pacífico até a chegada dos desbravadores.

Falando nos desbravadores, eles eram antes tratados pelos dodôs e outros animais por visitantes e depois também os chamaram de desbravadores como os próprios se classificavam mas, os dodôs mal sabiam o que isso queria dizer: Sujões, desmatadores compulsivos e assassinos! Mesmo nem sendo para comer, mesmo nem sendo para extrair alguma coisa como já descrito, eles matavam quase como que por matar: Não tinham o que fazer, há, vamos matar uma daquelas aves desengonçadas. - Sim era isso... não é por isso que precisa chorar já.

Mascote[editar]

A variedade da cara azul, foi a que conseguiu aprender a falar as linguagens humanas, assim mesmo foi a primeira a ir pra fita.

O dodô também não sabia nada sobre essa história de mascotinha ou mascotão, coisa que os papagaios tentaram lhes ensinar por dó, assim que viram que os dodô estavam indo pra ruína pouco a pouco... bom, nem foi pouco-a-pouco, foi bem rápido e, saiba que as ilhas eram repletas deles.

Os papagaios tentaram mesmo ensinar eles a reproduzirem som e, eles conseguiram mas, os humanos não apreciaram suas vozes estranhas que mais pareciam galinha sendo estuprada, assim mesmo alguns piratas que passavam por alí, bom ao menos os piratas eram bandidos assumidos e não legalizados, e levaram alguns como mascotes mas, isso também não deu certo, já que os dodôs não se adaptaram e, também sentiam falta das sementes da tal
Perceba a mágoa em sua face.
árvore Calvária e, nem queriam saber de nada mais, nem se reproduzir em outro lugar. Por sinal eles se reproduziam muito bem nas ilhas de origem e, não se sabe muito de bichice no sentido gay da palavra entre eles mas, assim mesmo eles não escapam das piadinhas por conta do nome dodô mas, não se prova nada sobre eles darem muito.

Se os dodôs ainda existissem nos dias atuais, considerando-se a falta de bom gosto, a vontade desesperada de aparecer e as bizarrices, ele seria sim, usado como pet, não querendo isso dizer que seria bem tratado, pode-se até imaginar ele sendo usado como treino para galos de briga, ou mesmo, após algum ridículo ou ridícula insistir em tê-lo como pet, largar o dodô de qualquer jeito, e até morrer de fome... ele teria duas opções: Virar algo hibrido, ou sofrer mutação mediante aquelas manipulações aberrantes feitas em laboratório. Nessas condições, os dodôs preferem mesmo estar extintos. Imagine as penas exóticas (você leu exóticas e não eróticas), sendo visadas para as coisas mais sem noção, a menos pior delas, um espanador... ou pior uma manipulação de cachorro (um bicho que é manipulado de todas as formas) com dodô e sempre existirão idiotas sem ter o que fazer para apreciar coisas assim.

Com eles extintos porém, a árvore também se fudeu nessa história toda porque dependia dessas aves para espalhar suas sementes, coisa que nem em laboratório conseguiam provando que nós humanos somos uns imprestáveis mesmo, que nem para descobrir os segredos das sementes servem mas, dessas árvores agora só restam oito mais véias que sua bisavó e, ainda não se descobriu como fazer as sementes fecundarem coisa que os dodôs sabiam fazer muito bem peidando... ou cagando, desconfia-se que o segredo era esse: A bosta que os dodôs cagavam que fazia as sementes fecundarem.

Nem critique esse método, nem sua bosta serve pra nada, nem adubo, assim como você, mas nem vem ao caso agora, ninguém sabe como fazer a tal da calvária fecundar mesmo, melhor enterrar o assunto já que não adianta enterrar as sementes.

Um pouco mais da beleza do Dodô[editar]

Cada variação do pássaro era uma de encher mais os olhos que a outra, pois se quem visse não chorasse de susto, chorava de rir. Era um festival de beleza rara que não é mais possível reproduzir, como já citado, mas como naquele tempo já haviam desocupados artistas, felizmente podemos, através de suas gravuras, comtemplar a beleza única do Dodô. Além das gravuras haviam ainda os psicopatas sádicos empalhadores que possibilitaram o conhecimento mais detalhado do pássaro, após sua extinção. Claro que, pelo tempo, as múmias empalhadas foram achadas piores do que a Emília, mas isso não vem ao caso. Segue beleza do Dodô:

Cquote1.png Eu era feio, mas não era bonito. Cquote2.png
Dodô sobre imagens acima.


Depois desse show de encanto, vamos falar mais da forma do Dodô. Ela era complexa, mas não inexplicável, ele apenas foi uma ave pouco favorecida na escala evolutiva, apesar disso, vivia bem e o restante da natureza, fora os humanos (mas fazemos parte da natureza), gostava dele, de modo a ser dos mais equilibrados... fora uma briguinha aqui e alí. Vamos explicar essa morfologia de modo resumida. Corpo, pegue uma melancia das bem tamanhudas, agora sente em cima dela para descansar, essa parete é importante, pois talvez ela se achate um pouco e, fique ainda mais parecida com a parte maior dos dodôs, mas é mais fácil a sua bunda sair achatada, ou se você estiver com a forma parecida com a da melancia (o corpo todo, não a bunda) e nem tanto com a dos dodôs, pode até partir a melancia, a hipótese dela se achatar é das menores.

Mas, digamos que com uma melancia bem grande, você já tem ideia do corpinho desse pássaro. Agora pegue um par de pés de pato e umas varetas: Essas serão as patinhas simpáticas, perceba que essa gracinha pode lhe despertar podolatria. As asas, são grandes, porém, são pequenas em relação ao corpo, então pegue as desse anjinho de enfeite, que em sonho te mostrou a enorme espada outro dia, que dá e sobra. A cabeça tem que ser feita com um pouco mais de carinho, pegue um material maleável e forme uma expressão meio desanimada, um bicão, e o crânio parecido com o do Yoshi. Essa é a morfologia aproximada dos dodôs.

Guia do pássaro Dodô[editar]

O cientista fez um retrato do último dodô com o que dispunha na época: Repare que a ave estava com os olhos inchados de tanto chorar, mas feliz em dar a entrevista.

Esse guia é um documentário deixado pelo pássaro Dodô e repassado no Tv Escola (acho) que conta todas as preces de Dodô antes de morrer, bem como suas recomendações às espécies que não querem ser extintas, mas ele falou mais aos humanos por acreditar que seriam uma das espécies próximas à extinção. Não se sabe se a parte aos humanos foram advertências ou pragas mas, como eles eram muito pacíficos mesmo em momêntos críticos, devem ser advertências.

O dodô quem deu essa entrevista era o ultimo e antes fez ao desbravador, que por sorte dele era um cientista, a ave tinha os olhos mais tristes do que de costume e o seu ouvinte (veja um humano) se comoveu e começou a chorar junto com ele, depois de muito choro, que nem se sabe como o desbravador aguentou pois devia ser tipo o de uma galinha e, também não se sabe como o último dodô suportou, pois seu entrevistador chorava como um emo bem sentido mesmo, enfim, depois dessa choradeira mútua, a entrevista saiu, bem como um belo de um cocô da bunda da ave, mas isso não diminuiu a importância, e foi assim mais ou menos:

1.Não me olhe com essa cara - O dodô quis dizer que não é bom encarar muito ninguém se quiser sobreviver pois isso pode dar problemas.

2.Não seja desejável - Nem pense que é bonito ser feio mas, a cobiça pode levar um ser a tornar-se caça, indo de borsa a bichinha de estimação.

Após ser ouvido, o dodô se sentiu uma nova criatura... credo...

3. Fique longe dos humanos - daí você vem com a perguntinha: Mas ele disse pra um humanos ficar longe dos humanos? Deveras, ele disse também pra um humanos ficar longe do outro para sobreviver, principalmente aqueles que gostam de comer coisas estranhas.

4. Ande em bando - não para quebrar a cara de uma etnia ou sexualidade que você não gosta, mas para se proteger de alguém que quer seu coro de outra etnia ou fresco, no caso do dodô era um por todos e cada um por si entre outras coisas.

5. Saiba migrar - ou seja, tenha sempre uma segunda opção para onde ir, se seu pai leva uma jararaca estranha pra casa, por exemplo, é bom que você seja benvindo pela sua mãe, ou sua avó, alguém que possa proteger suas penas. Bom, jararaca é seu pai quem diz ser sua vó materna, mas isso é pra ele, com você pode ser diferente.

6. Tenha cu-de-ferro - o que não significa ced-efe, sinônimo de nerd nesse caso, mas sim, significa suportar certas coisas e ser persistente, pois pode ser que assim o inimigo desista, inclusive de comer sua bunda para não se machucar, já que o cu é de ferro.

7. Não faça dancinhas estranhas - principalmente perto de pessoas intolerantes, isso nem é difícil entender, pois veja como quem gosta de coisas do tipo Restart provoca irritação e é até compreensível, os dodôs tinham um adança do acasalamento bem estranha, segundo último dodô contou e, voltemos aos ítens por ele (snif) deixados.

Melhor amigo do filho da puta, segundo os dodôs, expressando seu carinho por eles.

8. Cuide do ambiente em que vive - isso não significa que o ambiente dos outros seja casa da mãe Joana, como pensam os ingleses e seus decendentes americanebas por exemplo, mas não ande cagando, isso também se refer a papeizinhos, plásticos, embalagens e cartinhas de amor rejeitadas pelo seu bofe, tudo que é porcaria que você larga por aí entre outras coisas.

9. Saiba voar - esse é o que o dodô mais se lamenta, pois ele tinha asas, ora nem todos os animais as tem, tipo os humanos, mas mesmo sem asas os humanos voam, o que é um bom recurso para fugir se for preciso, inclusive várias criaturas que já sumiram pelo ar após dispor de cofres públicos indevidamente, depois só ficam as penas esvoaçando e ninguém sabe do resto.

10. Não tem ítem dez, mas o dodô quis ser original fazendo dez ítens e inventou isso: Peça ajuda para alguém de confiança, esse ítem não existe mesmo porque o pobre galináceo(?) nem tinha em quem confiar... agora eu vou chorar, com licença.

Ver também[editar]

Cquote1.png Vai ofender ainda? Cquote2.png
Dodô sobre sugestões acima.