Dona Marocas

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
I love nerds.jpg

Sim, Nerds Gostosas existem!
E por mais que você não acredite, este artigo trata sobre uma delas!

Serjão entrevista.jpg Enxada-1.png Esti artigu é caipira, sô!! Enxada-2.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!

Taki03 2.jpg Este artigo trata de uma Hentai Girl
Ela é gostosa, mas nón ecziste. Ela participa de algum desenho, jogo ou quadrinhos e já teve que fugir de tentáculos.

Mais uma vez Chico engana a sua professora.

Cquote1.png Você quis dizer: Professora Marocas? Cquote2.png
Google sobre Dona Marocas
Cquote1.png Você quis dizer: Gina? Cquote2.png
Google sobre Dona Marocas
Cquote1.png Experimente também: Professora gostosa Cquote2.png
Sugestão do Google para Dona Marocas
Cquote1.png A aula de hoje é sobre educação sexual! Cquote2.png
Dona Marocas sobre a aula de hoje
Cquote1.png Iêba! Cquote2.png
Núcleo da Roça sobre o tema da aula

Apresentação[editar]

Dona Maçerôa Pereira Mocréia da Silva, ou geralmente, popularmente e pobremente conhecida como "Fessora" (sem falar que, além dessa alcunha, pouco se usa do verdadeiro nome dessa mulher), trata-se da professora (que é a forma de pronuncia correta na Língua Portuguesa) do nosso querido (?) Chico Bento, um personagem caipira e casca-grossa, que mora no interior de São Paulo, namora com a Rosinha e fala "Uai, sô!", presente nos gibis da Turma da Mônica (sem falar que ele tem o seu própria gibi ganho através de cotas). Dona Marocas, é um exemplo raro de mulher gostosa que mora na roça e que vai além de sua beleza na parte estática, pois combina também uma parte que cabe a uma legítima nerd gostosa e que acabou evoluindo para uma professora gostosa, tudo de uma forma bem suave, afinal, tais revistinhas são somente para crianças (ou não). Assim que chegou nesse lugar, Marocas teve que encarar a prova mais difícil de sua vida (vestibular ainda foi coisa fácil), que é realmente ensinar a essa turminha do barulho e ignorante pra burro.

Professora modular[editar]

Chico usando uma prática plágiada de um seriado para ganhar uns pontos extras na prova.

Dona Marocas passou cerca de quase cinco anos em sua universidade, na grande São Paulo. Apesar do curso (a princípio) ter de durar somente três anos, teve vários problemas no decorrer dele, devido a falta de professores, de um ambiente adequado de ensino, ou mesmo de grana para tirar cópias das mais de oito mil apostilas que lhe era passadas, tudo isso como problemas típicos de quem estuda em uma universidade (de preferência a federal). Assim que saiu das garras dos braços de seu antigo instituto, meteu (ui!) a cara em todo e qualquer concurso público que aparecesse pelo caminho, mesmo assim, não foi fácil ela conseguir passar em nenhum. Porém, como uma boa (e bota boa nisso) brasileira, ela não desistiu tão fácil, continuando a pagar todo e qualquer boleto de concurso que aparecesse pela frente, nem que fosse para dar aulas no Acre, ela estava topando tudo, menos ter que acabar como uma profissional do séquiço depois de ter cursado cinco anos em uma universidade "de grátis" (isso sim seria uma puta duma sacanagem com a querida fessora).

Sim, essa era a Dona Marocas, só que de cabelo solto.

Com o passar do tempo e vendo que seu destino estava desandando mesmo para o nada, aceitou de proposta de uma empresa de palitos de dente para ser a garota propaganda da nova marca, sendo que alí recebeu a sua primeira alcunha antes da definitiva "Fessora", sendo chamada primeiramente de Gina, a mulher da caixa de palitos. Foi assim que ela ficou conhecida no mundo nacionalmente, porém, era somente uma fama de passagem, pois poucas eram as pessoas que se atentavam para a caixa, sendo que a maioria se importava era mesmo com o que tinha dentro dela, afinal, era aquilo que limpava os dentes e não a caixa (ou não, tem cada doido nesse mundo). Ao final de sua "fama" meteórica (tal qual de um ex-participante do BBB), Gina Dona Marocas resolveu deixar de lado esse lado se representar uma caixa de paus pra limpar dentes e seguir o rumo que queria realmente ser na vida, ser professora (aliás, ela não tinha passado vários anos solteira e a madrugada inteira acordada para virar marca de palito de dente, oras essa).

Foi então que ela soube de um concurso que iria ocorrer para professores modulares (aqueles mestres que passam cerca de três meses em um fim de mundo qualquer e recebem quase o triplo de um professor normal que trampa numa cidade). Como sua última salvação, ela resolve participar desse, mesmo que desacreditada, afinal, nem nos outros ela sequer chegou na lista de espera. Para a sua surpresa, no dia do resultado seu nome era um dos primeiros da lista de espera chamada, sendo que foi contratada para fazer seu trabalho em uma vila do interior de seu estado, vulgarmente conhecida como Vila Abobrinha. Para uma citadina ir parar no interior, só por causa de um trabalho de professora, é como estar matando cachorro a grito, mas ela estava mesmo. Ao se deparar com aquele local, Marocas logo pensou que tivesse pego um atalho para o Acre, pois alí tinha somente uma escola, uma igreja, o comércio do Nhô Lau e várias casas equidistantes, além do famoso Ribeirão. Foi então que ela começou a pensar que tivesse feito a maior cagada da sua vida em se inscrever nessa joça, mas pelo menos ela só ficaria por alí por três meses mesmo.

A turma da roça[editar]

Dona Marocas em versão live action com a turminha da roça (se os alunos fossem realmente bonecos, Marocas nem teria problemas).

No seu primeiro dia de aula, Dona Marocas logo descobriu que aqueles seriam os três meses mais longos de toda a sua vida acadêmica, ainda mais com aquela turma em que lhe foi confiada, onde quase todos usavam roupas de festa junina ou pelo menos um chapéu de palha. Entre os mais bizarros estavam: Chico Bento, um caipira burro de dá dó e que vive descalço, usando suas botinas somente para ir na quermesse, sem falar que vive a fugir da aula; Zé Lelé é lelé mesmo, parece que não passa nada na cabeça do menino a não ser vento; Hiro, um japonês que resolveu deixar de lado os transtornos citadinos para entrar em contato com a natureza, ainda é um dos mais normais por alí; Zé da Roça, mais um caipira metido a conquistador, mas pelo menos veste um par de sapatos, não é que nem o Chico e o Zé Lelé; Rosinha, única garota que se destaca na turma, mas que, de tão exibida, chega a incomodar, típica nerd da sala, tentando se aparecer mais do que os outros. Para a sua surpresa, além dessa turma estranha, seu nome Marocas foi completamente esquecido, dando lugar a sua alcunha com a qual é mais conhecida hoje "Fessora".

Dona Marocas e a sua Didática para prender a atenção dos alunos à aula.

Ensinar aquele povo não é nada fácil, ainda mais que nem no próprio lar eles tem alguma educação básica ou sequer podem estudar mais um pouco além do que aprendem (ou fingem aprender) em sala, haja visto que o trabalho infantil corre solto por aquelas bandas. Dos destaques da sala, somente o nipônico Hiro e Zé da Roça conseguem pronunciar o "L" sem dificuldades, sendo que o resto só sabe falar frases trocando letras tal qual o Cebolinha (só que de uma forma menos bizarra, já que eles só trocam o L pelo R e o Cebola é o oposto disso) como: "afinar", "legar", "armejar", "probrema"; além dos clichês típicos de interioranos, como: "uai, sô!" e os bizarros erros de português (como chama-la de "Fessora"). Mas com o tempo, Marocas acabou se adaptando aos costumes pré-históricos caboclos dos caipiras da Vila Abobrinha, mantendo até mesmo um caso às escondidas com Nhô Lau, em troca de algumas goiabas diárias. Quando chegou ao final de seu contrato de três meses, Fessora decidiu pedir ao Ministério da Educação para que ela ficasse lá para sempre mais um tempo, somente por uma melhor educação aos caipiras alunos com quem ela realmente se pegou apegou. E até hoje ela está lá, afinal, quem é que quer mudar de lugar com ela pra ficar na bendita vila no fim do mundo?

Curiosidades da Fessora[editar]

  • É a única que tem um curso superior em toda a Vila Abobrinha;
  • Já teve um caso íntimo com o Nhô Lau;
  • Vive sendo enganada pelo Chico Bento, que diz que o Torresmo comeu a sua lição de casa;
  • Nunca vai deixar de ser a única professora da Vila Abobrinha;
  • É a mulher mais bonita de toda a Vila, se não fosse por ela, nem ler os gibis do Chico eu lia;
  • Já protagonizou mais de uma história em que toma banho de cahoeira no dia de folga, para aumentar o ibope da revista.

Ver também[editar]



Stughet.jpg
OMG!!!

Este artigo fala de uma raríssima Loira Inteligente!
Não ouse vandalizar, pois esta moça provavelmente tem um QI muito superior ao seu e pode te detonar!
MWAHAHAHAHAHA!