Edéia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Edéia é um desses municípios do centro-sul goiano que só conhece quem mora mesmo (e as vezes nem isso), até a estrada passa longe. Você ganha mais indo se masturbar do que saber mais de Edéia, no geral é uma cidadezinha bem chata.

História[editar]

Uma foto incrivelmente fake encontrada no site de turismo de Edéia.

Buraco fundado em 1913 quando naquele fim de mundo chegaram dois bravos caipiras dispostos a fazer uma versão goiana de Segredo de Brokeback Mountain. Em 1915 já havia uma lojinha de berrantes e um povoado cheio de gente esquisita que era denominado de Alegrete, uma mistura de alegria e vinagrete, as duas marcas do antigo povo de Edéia.

Em 1938 o nome é modificado para o atual Edéia, quando o povo chega à conclusão que "Alegrete" era imbecil demais. Um homem herdou uma fazenda e lá tinha uma curral com alguns matutos, e ele perguntou para seu Tio Coronel Caiado: "Tioooooó, me dá uma edéia pra punha o nome nas minha terra?" o Coroner respondeu do alto de sua sabedoria :"Ponho Edéia mesmo sua besta", ai foi que surgiu essa currutela.

Edéia é uma cidade que enfrentou Edealina durante a Primeira Guerra Mundial, e em decadência Edéia foi derrotada pelo exército de micos de Edealina, que conquistou a sua independência.

Atualmente Edéia é uma cidade hospitaleira, tranquila, pacata e limpa, uma forma simpática de dizer tediosa. Destino de goianienses que dedicam suas férias para ir lá sujar.

De acordo com o Acordo Ortográfico de 1990, o nome "Edéia" deveria ser modificado para "Edeia" sem acento, mas oficialmente a prefeitura preferiu manter-se no atrasado nome utilizando-se o acento. O povo, não gostou da ideia, e insistem em escrever o nome da cidade sem acentuação.

Economia[editar]

Edéia é como um imenso quintal, a sua economia é predominantemente agropecuária como de qualquer cidade em desenvolvimento de Goiás, é cheia de plantações de cana-de-açúcar, soja, milho e todas essas coisas de cidades do interior. Seu povo é muito trabalhador, mas também tem muita gente preguiçosa como os que trabalham no fórum de Edéia (vivem dormindo e se masturbando).

A pecuária leiteira é também base da economia local, o problema é que ainda ordenham o leite na mão, o que é muito nojento e demorado.

O que tem de excesso em Edéia são supermercados, farmácias, lojas de móveis e puteiros.

Edéia orgulha-se de sua usina sucroalcooleira, que se dedica a explorar os recursos naturais locais e fingir que paga impostos (ou então esses impostos foram parar no bolso do prefeito, porque ninguém viu a cidade melhorando até hoje).

Geografia[editar]

Se distancia da capital Goiânia 126 km, marcada pelo alto índice de estradas esburacadas e sem manutenção, é margeada pelo córrego Alegrete que atualmente se encontra poluído. Seu povo é hospitaleiro, mas tem fama de tomar muita cachaça, a cidade atualmente tem 12.000 habitantes, que gostam muito de festas e são muito animados. Como em outras cidades existe também uma divisão social bem clara, os ricos tomam whisky e os pobres toma cachaça mesmo. A cidade é tão parada que mesmo se alguém passasse nu no centro, ninguém veria.

Política[editar]

Política típica de cidades do interior, baseada no coronelismo e a prática de cargos vitalícios em re-eleições intermináveis. Dizem por aí que os prefeitos de Edéia são os melhores do mundo, só não dizem porque a cidade é irrisória...

Turismo[editar]

O turismo de Edéia é baseado em alguns eventos, tais como:

  • Circuito Goiano de MotoCross - Uma vez por ano Edéia é a sede do circuito de MotoCross, uma das mais competitivas, a prefeitura trabalha duro nesse evento, nunca asfaltando as ruas da cidade ou tapando buracos, tudo em nome do desafio aos motoqueiros e para a população estar o ano inteiro no clima do motocross. Qualquer pessoa que tenha uma moto em Edéia pode experimentar a sensação radical de andar naquelas ruas.
  • "Pecuária de Edéia" - Os famigerados moradores de Edéia se reúnem num parque de exposições estilo country, que em dias mais gloriosos era também glorioso (na verdade era menos pior), mas que hoje em dia só conta uma arena de rodeio de 3m² e shows com bandinhas furrecas.
  • Encher a cara no boteco mais próximo - Há muitos botecos onde todos se embebedam de segunda a segunda.