Eda (Black Lagoon)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Hentaigirlimagesloppy.jpg Este artigo trata de uma Hentai Girl

Ela é gostosa, mas nón ecziste. Ela participa de algum desenho, jogo ou quadrinhos e tem orgasmos infinitos.


Eda
エダ

Eda4bl.jpg

Que freirinha...

Nome completo Eda...
Idade 20 e pouco
Opção sexual link={{{3}}} Feminino
Máfia a que pertence Rip-Off Church
Cargo Freira Alucinada e Espiã Internacional
Arma preferida Pistola
Hobbies Ser a única amiga da Revy
Nacionalidade Ianque
Objetivo Ajudar os EUA a dominar o mundo e se der dar uns pegas no Rock
Frase Favorita "REVYYYYY!!!!!!"


Cquote1.png Você quis dizer: Freira Alucinada Cquote2.png
Google sobre Eda (Black Lagoon)
Cquote1.png Vai com calma... Cquote2.png
Yolanda alertando Eda sobre qualquer coisa.
Cquote1.png Minha melhor amiga, para sempre. Cquote2.png
Revy sobre sua amiga de passado duvidoso.
Cquote1.png Essa daí dá mais que chuchu na horta. Cquote2.png
Sua avó sobre Eda.
Cquote1.png Ah, ah, ah, ah, ah! Droga... Molhei o teclado. Cquote2.png
Otaku punheteiro sobre a pobre da Eda.

Eda é a loira gostosa e mulher fatal do anime e mangá repleto de referências à criminalidade Black Lagoon. Sendo esta a personagem responsável por metade dos doujins já lançados sobre a série, todos com conteúdo destinado a maiores de 18 anos, mas encontrados livremente na internet para deleite de qualquer garoto gordinho e cheio de espinhas de 13 anos de idade que esteja afim de passar uma noite de amor e delírio com sua fiel companheira, sua própria mão.

Infância[editar]

Olha como seria se a Eda fosse de verdade...

É fato que personagens subsecundários destinados apenas ao hentai apresentado em fanfics escrotas de fãs não menos escrotos dificilmente apresentam um passado e quando o tem dificilmente é algo que faça algum sentido. No caso de Eda não é muito diferente, o autor não perdeu seu tempo dando uma infância ou adolescência a ela, mas ele dá algumas ideias que foram minuciosamente analisadas por um experiente grupo de psicólogos e terapeutas e que a partir desses fragmentos pôde remontar a infância dessa pouco importante personagem.

Eda nasceu em algum lugar do Texas, ou da Califórinia, tem de ser um desses lugares clichês dos EUA e teve uma infância feliz ao lado de seus pais, um cara que provavelmente tinha dinheiro e era casado com uma esposa que sabia se cuidar e que ensinou tudo isso a filha, desde cuidados com a higiene até como comer um pedaço de pizza e ainda parecer sexy, coisas que a Revy até hoje não aprendeu.

Dupla dinâmica de Black Lagoon, a freira pervertida e a assassina meiga.

Eda estudou, provavelmente em um colégio das zelite, onde foi animadora de torcida assim como qualquer outra loira peituda americana de 17 anos faz em todo filme classe B ianque. Ela se embebedava, dava para os caras populares e esculachava os nerds que acabavam ficando apenas com ela em seus sonhos molhados. Nessa vida normal e clichê de adolescente patty nasce um nó que ninguém imagina como explicar. Como uma menina dessas vai parar na CIA? Pergunta essa respondida pelos especialistas descíclopes após noites sem dormir com essa questão povoando-lhe a mente.

Trabalho[editar]

A patricinha, em determinado momento viu um anúncio de concurso público e incentivada pelo pai prestou, no entanto, como a pobre era loira ela acabou entregando em vez da prova algumas fotos dela na praia, no momento que os velhinhos que corrigiam as provas entraram em contato com as fotos eles sofreram de ataques cardíacos e os sobrevivente a aprovara por demonstrar ótima saúde, assim ela passou no exame teórico.

No exame físico foi mais fácil, bastou ela ir com aquela calça colada e top que foi aprovada unanimamente, mesmo não correndo 10% que os adversários correram. Assim ela chegava à CIA, no entanto não adiantava ter aquilo tudo se ela não serviria de nada, visto que era patty demais para saber como se faz café na cafeteira automática. Começou aí uma reviravolta na mentalidade da Eda.

Eda prestes a matar um ateu filho-da-puta, ela teria futuro em Hellsing.


Ninguém sabe o que ocorreu, apenas que ela deixou de ser uma patty chata e fútil e virou uma pessoa fria e calculista. A teoria inicial é que ela teve um treinamento especial com o Jason Bourne e teve 80% do seu cérebro revirado e os outros 20% consumidos pela tortura, a segunda alternativa e mais plausível é que ela foi parar nas mãos do Dr. Frankenstein e teve seu cérebro transplantado o que explica a mudança do comportamento.

Missão Roanapur[editar]

Eda passou um bom tempo em missões pequenas que não exigiam lá muita perspicácia e sagacidade, no entanto ela estava afim de algo mais emocionante e vibrante algo que a pusesse em risco extremo. A priori ela foi mandada na missão de ser guarda-costas do Fiuk, trabalho esse onde ela levou uma quantidade colossal de arranhões e tabefes das ensandecidas fãs do preiboizinho metido a cantor hardcore.

Antes de ser efetivada na CIA, Eda fez um estágio como Claymore.

Após sobreviver a tortura de aguentar uma bandinha colorida com músicas absolutamente idiotas e melosas a Eda pediu algo menos psicologicamente destrutivo para fazer a seu amado chefinho. Assim o superior da loirinha a mandou fazer espionagem nos confins da Tailândia em um local muito tenso, onde o ar dá choque e se pode morrer eletrocutado na banheira, era Roanapur o destino da norte-americana.

Na cidade ela foi amavelmente acolhida pela Rip-Off Church, isso após o devido pagamento de alguns milhões de dólares para as freirinhas usurárias. Agora o trabalho da Eda seria basicamente ver o tempo passar, analisar o crescimento da grama e assistir a tudo que ocorresse a seu redor para repassar à central e eles oficializarem a decisão de não fazer porra nenhuma com o infame lugarejo perdido no Sudeste Asiático.

Eda e Revy, amigas para toda a eternidade, ou até o primeiro trabalho de lados opostos da pistola.

Assim passou Eda seus pacatos dias, vestida com uma desconfortável roupa de freira católica e numa tremenda seca, já que não há nenhum macho decente em Roanapur e encarar o Bao e pior que se divertir com o rodo do banheiro. Assim prosseguia a vida dela, ajudando as freras a acumularem capital vendendo drogas, armas, vetnamitas e outras bugigangas, coisa que todo paraguaio faz com maestria ímpar.

Nos anais da história, ou do mangá ao menos[editar]

Eda surge em diversas oportunidades na trajetória do mangá, mas nenhuma vez ela chama a responsabilidade e arrasta o episódio nas costas como a Roberta o faz nos 5 OVA's que tratam basicamente do momento em que ela pirou e incorporou o Gatts e saiu deixando um rastro de sangue tão grande quanto um vazamento de plataforma de petróleo. A Eda sempre restringiu-se a pura secundariedade na trama, sendo mais relegada aos hentais posteriores feitos pelos fãs.

A freira falsa focando o nada com seus olhos de femme fatale.

Eda é apresentada no caso dos gêmeos Hansel e Gretel, onde ela é contratada para ir atrás das crianças e acaba sendo rendida e com os seios apalpados por uma guria problemática de 10 aninhos de idade, além desse momento a Eda mal aparece na missão, ficando relegada apenas a mera citação e sendo lembrada apenas quando a Revy a xingava.

O outro momento da Eda é na saga da Greenback Jane, em que ela ajuda a nerd a sair com vida de Roanapur, isso eme troca de uma forma de fazer dinheiro falso quase perfeita. Dessa vez a participação da loira não foi mero apoio moral visto que ela foi para o tiroteio e conseguiu até foder a Shenhua, um feito para alguém tão inútil, até então, na trama.

Apesar do disfarce e da vivência como freira Eda jamais se acostumou e costuma tocar o puteiro no convento.

Mais para frente, aparece a grande revelação sobre essa personagem, que já foi spoliada nesse artigo, descobre-se que a Eda era da CIA. Isso ocorre na saga da Roberta com o Alucinação mode ativado, nessa parte a Roberta pira e sai matando igual o Jason Voorhees e o patrãozinho dela vem pará-la. Mas a empregada estava afim de caçar ianques, aí que a Eda entra para tentar dar uma parada na sanguinária quatro-olhos, ao fim consegue, depois de esbanjar muita arrogância ianque, mostrando que como todo americano e/ou atleta da Nike ela é extremamente mala.

EdaXRock[editar]

Às vezes a Eda fica doidona até demais com seu trabalho extremamente monótono de mera observação.

É comum ver na Internet, em hentais feitos por fãs de Black Lagoon de 40 anos que ainda moram com os pais a Eda junto com o Rock, isso está longe de ser verdade, mas não é de todo viagem. Por dois motivos básicos:

  1. O Rock é o único personagem masculino que realmente aparece na história, já que o Benny é nerd e o Dutch prefere manter-se sempre no canto dele com um baseado, talvez ele não ganhe falas pois ele sequer deveria estar ali, acabou indo para a história apenas para cumprir cotas.
  2. A Eda simplesmente, pelo que se vê "dá mais que chuchu na horta", recorrendo a uma expressão digna da sua avó.

Convém lembrar que a Eda é a melhor miguxinha da Revy, entupindo a morena de conselhos bestas recheados com frases feitas de livros de auto-ajuda, no entanto pensando no histórico de ambas não é impossível imaginar algo ali, já que ambas são mais macho que 90% da população biologicamente masculina do globo.

Ver também[editar]