Eduardo Paes

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Nervosinho
Eduardopaesesergiocabral.jpg
A grande amizade entre Cabral e Paes
Cidadão honorário de Maricá
Período 2016 - presente
14prefê do Rio de Janê
Período 2021 - até ser preso
Vice Zé Pilintra
Antecessor Marcelo Crivella
11prefê do Rio de Janê
Período 2009 - Olimpíadas
Vice Zé Pilintra
Antecessor Seu Barriga
Sucessor Marcelo Crivella
Dados pessoais
Nascimento 14 de novembro de 1969 (51 anos)
Barra Pesada da Tijuca, RJ
Nível de honestidade Amigo de corruptos, aliado de corruptos, parente de corruptos... mas não é corrupto!
Nível de inteligência Médio-cre Enganou 60% da capital fluminense. Já é muito.
Alma mater Estácio de Sá
Cônjuge Cesar Maia (1992-1998)
Sérgio Cabral (2009-2014)
Lula (2014-2018)
Cesar Maia (2018-presente)
Partido O que pagar mais
Time Vasco da Gama
Profissão Passista de escola de samba
E-mail [email protected]

Cquote1.svg Fora Paes! Cquote2.svg
Manifestantes sobre Eduardo Paes
Cquote1.svg O que eu fiz? Cquote2.svg
Juliana Paes achando que é sobre ela
Cquote1.svg Não é você! Cquote2.svg
Manifestantes em resposta a Juliana Paes
Cquote1.svg Então sou eu? Cquote2.svg
Fernanda Paes achando que estão se referindo a ela
Cquote1.svg Não!!! É o Eduardo Paes, saco!!! Cquote2.svg
Manifestantes irritadinhos já quase jogando coquetéis molotov nas duas

Eduardo PaesPalho é a representação política do autêntico carioca: um playboy, malandro, 171 e ainda com cara de quem cheira. Por isso mesmo, conquistou o apoio de quase toda a população do Rio de Janeiro, apesar de só ser competente na corrupção e em pular carnaval. Nas últimas eleições, aliás, sua grande proposta foi tirar o dinheiro das escolas públicas para colocá-lo nas escolas de samba, refletindo as prioridades da população carioca.

Carreira política[editar]

Início[editar]

Dudu começou a carreira como papagaio de pirata do ex-prefeito Seu Barriga, demonstrando desde cedo vocação para a política, ao traí-lo. Quando era deputado federal pelo PSDB, tornou-se um dos maiores críticos do presidente Lula, seu futuro aliado, mas depois lhe escreveu uma cartinha de amor pedindo desculpa pelas brigas. Em 2006 foi candidato de mentirinha a governador do estado, com um programa eleitoral que consistia em lamber o saco do outro candidato Sérgio Cabral, dando a entender que o próprio Eduardo desistiu de votar em si mesmo por preferir o Cabral. Como retribuição, ganhou a prefeitura do Rio em 2008, derrotando o Gabeira por 50 votos e meio, supostamente porque os eleitores do fumador estavam viajando no feriadão.

Primeiro mandato (2009-2017)[editar]

Eduardo Paes demonstra sua lealdade ao presidente Lula.

Durante a campanha ele prometeu... hmmm... não interessa o que político promete para se eleger, certo? A gente sabe que, depois de eleito, ele vai cagar pras promessas a arrumar emprego para os seus parentes. Então, em um furo de reportagem, a Desciclopédia descobriu a composição do futuro secretariado do Governo Eduardo Paes na Prefeitura do Rio de Janeiro:

O governo de Eduardo Paes começou marcado por muitos factóides, como por exemplo a derrubada do Elevado da Perimetral, pois segundo o prefeito, os viadutos estragam a paisagem da cidade. O mesmo prefeito, no entanto, criou a Transacarioca, que provocará uma verdadeira orgia no trânsito da cidade, e nela estão previstos vários viadutos.

Seu governo também foi marcado pelo Choque de Ordem, uma imitação da política paulistana de Gilberto Kassábiba, com a diferença que no Rio a Prefeitura só da multa e bate em pobre, como camelôs, proprietários de casas de classe média e donos de vans; já donos de empresas de ônibus e grandes construtoras que desrespeitam a lei costumam ser poupados pela Guarda Municipal do Führer. Eduardo Paes se defende dizendo que seu governo é inspirado pelas ideias de sociedades perfeitas, descritas na ficção, tais como a Libria de Equilibrium[1], ou Heldon de O Senhor da Suástica.[2]

Em 2012, ano do fim do mundo, foi reeleito sem dificuldade, o que mostra como o povo carioca ama se foder. Seu governo foi marcado pelos Jogos Olímpicos de 2016, levando Duduzinho a construir uma porrada de viadutos, pontes e ciclovias que caem mais que o Vasco da Gama, e trouxeram um tal de legado olímpico para a cidade, que até hoje ninguém viu - talvez o legado esteja na sua conta bancária. Em 2016, mesmo ano das Olimpíadas, tentou eleger um poste como sucessor, mas este não chegou nem ao segundo turno, e o povo acabou votando no sobrinho do Edir Macedo. Na sequência, abandonou a cidade tão querida para ir morar em Nova Iorque.

Eleição 2018[editar]

Em 2018 foi candidato ao governo do Rio de Janeiro pelo DEM, apoiando e sendo apoiado pelo petista Fernando Haddad, candidato à presidência.De tão ruim que foi o governo do Crivella, o povo acabou esquecendo as merdas que o Eduardo fez, e a memória curta da população o transformou retroativamente num grande governante. Paes liderou a eleição o tempo todo, mas levou um chapéu do juizéco bolsonarista Wilson Witzel e foi derrotado por este no 2° turno, além de ter sido quase preso no debate. Por isso, Dudu teve que adiar por alguns anos suas pretensões de ser presidente. Dois anos depois, seu rival Witzel acabou se ferrando por provocar o presidente milico Jair Bolsonaro.

Eleição 2020[editar]

Em 2020, é novamente candidato à prefeitura do Rio pelo DEM sendo apoiado pelo PSDB, PL, CIDADANIA, e às escondidas pelo PT. Paes foi pro 2° turno e enfrentou o ex-ministro e prefeito Marcelo Crivella (REPUBLICANOS), jedi do bolsonarismo que finge nunca ter apoiado o PT. E sim, caso tenhas notdo, a eleição carioca tornou-se ianque e a disputa é entre Democratas e Republicanos, esse país imita tudo mesmo! Finalmente voltou a ser eleito para a prefeitura, com o apoio da página Fora Eduardo Paes no Facebook.[3] Durante os debates, Marcelo Crivella profetizou a prisão de Dudu, mas a profecia virou contra ele mesmo. Duduzinho, no entanto não quis zombar da prisão do rival, até porque nunca se sabe quem é o próximo.

Ver também[editar]

Referências