Edward Lear

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Edward Lear também já trabalhou como Papai Noel de Shopping

Edward Lear foi um escritor inglês, responsável pelas atrocidades do nonsense. Foi o criador da literatura nonsense. Escrevia histórias e poemas nonsenses para as crianças. Edward Lear também foi o primeiro a contar histórias assustadoras para crianças, como se nonsense já não fosse assustador o suficiente. Se Edward Lear não tivesse nascido, Alice no País das Maravilhas, Monty Python e metade dos artigos escritos pelo guerreiro viking Canuto não existiriam.

História[editar]

Edward Lear nasceu na Inglaterra na época da Regência, mas viveu toda sua vida na Era Vitoriana. A rainha gorda gostava de seus poemas. Além de escrever os poemas assustadores para os pirralhos ingleses, Edward Lear também desenhava e pintava. Fazia pinturas de animais e de pessoas deformadas.

Além de ter habilidade para pintar e para escrever, Edward Lear também tinha habilidade para sofrer ataques epiléticos em horários impróprios. No teatro, em apresentações, no meio da rua ou em suas palestras, Edward Lear começava a se contorcer e babar. Por isso, muitos achavam que Edward Lear tinha um encosto.

Edward Lear morreu de catapora no ano da Abolição da Escravatura no Brasil. Antes de morrer, no entanto, ele disse suas últimas palavras: "Sim, te perdoo!". Edward Lear recebeu uma cobertura de chocolate e foi jogado no mar.

Seus poemas infantis[editar]

Edward Lear escreveu muitos poemas para as crianças. Pelo menos ele achava que era para crianças. E as crianças que compravam, ficavam traumatizadas. Vários livros com poesias medonhas foram vendidos. A maioria das crianças que leu ficou dodoi do cérebro. Alguns viraram maníacos.

Eis alguns poemas.

O menino de papel[editar]

Um das supostas ilustrações para crianças

Para o menino Gabriel
O destino foi muito cruel
Pois seu corpo é feito de papel

É ruim não poder se molhar
Pois seu corpo irá murchar
Até sua vida terminar

Porém, teimoso, entrou no lago
E causou um grande estrago

O corpo de Gabriel amoleceu
E a morte ele conheceu

Ver também[editar]