Estônia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Флаг эSSтонии
CCCP of Eesti Repuplic
Ditadura Socialista da Estonia
Bandeira da Estônia
Brasão de Armas da Estônia
Bandeira Brasão
Lema: Se não fosse pela URSS nós seríamos uma merda
Hino nacional: CCCP! Hei Gorbachev

Localização de Ditadura Socialista da Estonia

Capital Talharim
Cidade mais populosa Moscow
Língua Finlandês piorado
Religião oficial Pagã
Governo Repressão proletariada
 - Czar Vladimir Putin
Heróis Nacionais Ragnar Klavan, Kerli
Área  
 - Total 10m² km² 
 - Água (%) 0
Analfabetismo 100 
População Uma tribo de wannabes russos de nome Vladimir 
PIB per Capita Uma balinha de melancia 
IDH
Moeda Redonda
Fuso horário + - 3
Clima Quer ser frio igual a Rússia
Website governamental Governo russo estoniano


Cquote1.svg É logo ali atrás do morro! Cquote2.svg
Mineirinho sobre a Estônia
Cquote1.svg É um tirim! Cquote2.svg
Outro mineirinho sobre a Estônia
Cquote1.svg Eu não fei de nada! Cquote2.svg
Lula sobre a Estônia
Cquote1.svg É a capital da Argentina? Cquote2.svg
Bush sobre a Estônia
Cquote1.svg As mulheres são loiras e gostosas!? Cquote2.svg
A preocupação principal sobre a Estônia
Cquote1.svg Hi! You is very beautiful! Can i add you? Cquote2.svg
Brasileiro no Orkut sobre para uma estoniana

Estônia (pronunciado como é escrito, mas nem sempre escrito como é pronunciado. Também comumente escrito incorretamente com duas ou mais vogais ausentes), também conhecida como Ex-tônia, é o país mais rico e desenvolvido entre a Finlândia, a Rússia e a Letônia. Um país de supra importância no mundo, e fica no nordeste da Europa e fazia parte da Rússia. Como sabemos, as coisas andaram meio complicadas por lá e os russos, caloteiros, resolveram que a Estônia não servia para mais nada e deram um pé na bunda dos caras.

Quem vai para a Estônia, acha o país frio para caralho, tímido e inútil, mas isso corre porque a brasilidade intelectual (pilantragem) de poucos não existe por lá, sem contar que no mapa daquele paiseco só tem nomes escritinhos num alfabeto bem esquisito e sem graça, que recebeu esta denominação idiota em homenagem aos santos padroeiros ao qual os escritores, parafrastas, wikipedistas e professores levam uma porrada de dias para receber a benção que esses redatores bobos, que voltaram rápido do hospício, tanto precisam para ganhar dinheiro com seus trabalhos. Uma curiosidade, aliás, é que existem mais de 3.574 artigos sobre o tema Estônia presentes na Wikipedia. O que fascina os wikipedistas tanto na Estônia é um mistério.

História[editar]

Antiga Estônia[editar]

Como a Estônia é relativamente isolada na orla da Europa e os russos e mongóis nunca foram alertados da existência desse tal local deserto e desconhecido, a Estônia na antiguidade era só um pedaço de terra desabitado onde tradicionalmente o povo nômade Aesti passava os anos colhendo amoras e caçando cervos. Qualquer historiador tem dificuldades em definir como foi essa antiguidade, dizem apenas que há potes de cerâmica de 2900 a.C., e mesmo assim são potes de cerâmicas finlandeses.

As Guerras de Saldejums contra a Letônia é um dos eventos mais importantes da história da antiga Estônia e serve para criar uma delimitação cultural e étnica entre estonianos e letões. Recentemente, espalharam-se boatos de que ainda existe uma parte do território letão que está sob o controle das "tribos selvagens da Estônia" e isso apenas apimenta a rivalidade desses países. No entanto, como nenhuma testemunha (sobretudo os próprios saldejumses) sobreviveram à Guerras de Saldejums de 1000 a.C., é difícil encontrar qualquer informação definitiva sobre estes acontecimentos.

O Kilusõda é uma outra guerra importante, essa entre Estônia e Lituânia. Começou quando 2 caras decidiram dividir uma sardinha-do-báltico mas eles dividiram de modo que um ficou com o filé e o outro com as espinhas, desentendimento este que levou à guerra generalizada. O Kilusõda, desde então, é um conflito que se repete a cada 4 anos e normalmente é uma guerra no mar onde os participantes fingem, a título de exemplo, que existem 600.000 fuzileiros navais, 320 tipos de navios diferentes, 30 porta-aviões, 50.000 aviões, 570 helicópteros e 25 cães de caça de cada lado, não incluindo os espiões russos que participariam em 5 tanques soviéticos.

É por isso que a história da Estônia é tão interessante quanto acompanhar um gelo derretendo, já diz um ditado local.

Idade Média[editar]

A bela e inóspita Estônia.

Na Idade Média a Estônia continuou esquecida (como sempre foi, e é até os dias de hoje). Entrou para a liga Hanseática (o antigo cartel de cevada e salsichão promovido pelas metrópoles germânicas), embora a Estônia servisse mais para ter seus recursos de cevada explorados do que outra coisa. Foi dominado por diversos ducados e reinados, todos nunca conseguindo permanecer por muito tempo naquelas terras tediosas, como o Ducado da Estônia, a Terra Mariana e a Ordem Teutônica.

A Estônia chegou a pertencer aos dinamarqueses e suecos também, mas a incapacidade econômica deste pequeno território levou ambos poderosos reinos escandinavos quase à ruína. Foi temendo a Rússia que a Dinamarca, Suécia e Polônia uniram-se e fundaram a Confederação da Livônia, e exatamente dessa mistura entre vikings dinamarqueses, loiras suecas e poloneses endividados que surge o povo que hoje conhece-se como estonianos. Mas a Confederação da Livônia falha miseravelmente, e o exército livono de 50 camponeses não consegue deter o domínio russo.

Governorado de Reval[editar]

As Guerras do Norte dizimaram a Estônia ao longo dos anos 1554 a 1721, então quando a Rússia imediatamente assume o controle de todos os Estados Bálticos em 1721, ninguém reclamou. O Império Russo chamou a Estônia de Reval como um proposital acinte em trazer um nome que possui mais consoantes do que vogais.

Durante a época do Império Russo, vários estonianos que foram considerados "não produtivos" e consequentemente foram raptados e lançados algumas centenas de quilômetros mais adiante no Oceano Ártico. Para isso, alguns russos, em sua maioria trabalhadores ingênuos, foram enviados para a Estônia, ao mesmo tempo que a população indígena estoniana reclamava da compulsão de aprender russo. Mas foi graças a algumas ameaças que o povo estoniano deixou de ser preguiçoso.

Primeira República da Estônia[editar]

União Soviética assina em 1918 com outras potências o acordo de não invadir a Estônia.

Aquele bando de dinamarqueses, suecos e poloneses, ao invés de voltarem para seus respectivos países, começaram a se achar de fato estonianos. Os russos que estavam preocupados demais em conter operários raivosos fazendo revolução em Moscou, dispersos, não conseguiram deter a declaração de independência da Estônia em 1918.

Por ser um país bastante irrelevante, a União Soviética dos primeiros anos ignorou a existência dessa república, mas assim que a Segunda Guerra Mundial envolveu a Rússia, aí em 1940 a União Soviética enfileirou 50 mil rolos compressores em Moscou fazendo-os marchar até Berlim, e o que estivesse no caminho seria pintado de vermelho, e foi o que aconteceu com a Estônia, que foi atropelada só por estar no lugar errado na hora errada, sendo transformada em República Socialista Soviética da Estônia.

União Soviética[editar]

Agora a União Soviética tinha mais um território para russificar, mas em 1941 os nazistas chegam e são recebidos com flores e música pela população estoniana. Como todos ali eram mais arianos e mais albinos que Hitler, a ideia é que eles não seriam massacrados, mas infelizmente o país tinha mulheres bonitas demais, então os alemães fizeram genocídio mesmo assim. Mas em 1944 um novo grupo de rolos compressores passa pela Estônia e o Exército Vermelho assume novamente o comando.

A presença russa-comunista na Estônia foi um grande incômodo para os estonianos, mas submissos como sempre foram, eles aceitaram a nova liderança. Durante o regime da República Socialista Soviética da Estônia todos os meios de comunicação em língua estoniana foram queimados. Mas graças à proximidade do país com a Finlândia, os estonianos do século XX puderam continuar a ouvir transmissões de rádio finlandesas fáceis de entender, assistir pornografia finlandesa e interagir com mulheres finlandesas. Os russos pouco podiam fazer sobre isso além de distribuir preservativos e garantir que os estonianos não se reproduzissem tanto.

Independência[editar]

Em 1991, graças à atuação do FDPMetsavennad ("capitalistas FDP" no idioma estoniano) a Estônia, junto com os outros estados bálticos, conquistou a independência da União Soviética sem precisar fazer nada, literalmente só cantando. Essa independência foi aceita sem resistência em Moscou, afinal não haveria sentido continua dominando um povo cantando na rua feito idiota na Revolução Cantada. No entanto, os benefícios da independência não vieram como o esperado: Muitos residentes se mudaram, alguns porque morreriam de fome, outros porque eram russos e não queriam mais viver em um país estoniano com mentalidade ocidental a o chamado "marasmo" condenou a Estõnia democrática a um período de estagnação e tediosidade econômica.

Sem teto e sem filiação ao MST, este povo que é 69% ateu, deu graças a Deus que aqueles russos malditos, metidos a KGB deram no pé, a partir daí eles começaram a fazer o que mais gostam, comer neve depois de mijar nela encher a cara de Vana Tallinn.

Eventos recentes[editar]

A Estônia atualmente é apelidada de e-Stonia graças ao seu povo tarado por tecnologia. A forma mais comum de pagar as contas de luz e água por lá é via celular. É o primeiro país (e único até agora) que elegeu o Presidente da República em votação por enquete feita pela Internet num chat de MSN. 420% da população tem acesso à web por banda larga em casa. O Discord é muito difundido, tem em praticamente qualquer lan house, o que facilita muito na hora de ligar para as migas do LoL.

Depois de aderir à União Europeia, o desempenho econômico do país melhorou graças ao contrabando de mercadorias, ao tráfico de pessoas e ao acesso mais fácil a medicamentos e mulheres ocidentais. Mas a crise financeira de 2018 jogou o país na Liga Africana, mas desde a introdução do Euro, a Estônia voltou a ser um país ocidental endividado e muito feliz.

Geografia[editar]

Típica paisagem estoniana. A mais movimentada rodovia do país que liga Tallinn à casa do Papai Noel.

Ninguém sabe ao certo onde fica esse lugar, o que sabemos apenas é que parece ter saído do filme Senhor dos Anéis, outro dado interessante é que existem depósitos portentosos de xisto betuminoso o que garante uma grana para esses caras. A julgar pelos seus vizinhos, sabemos que lá não deve ser um lugar muito legal para se viver, são eles: Golfo da Finlândia, o Golfinho Flipper, o Mar Báltico, o mar Manjo, a Letônia, a Begônia, e tem como capital Tallinn, que faz analogia direta aquele comunista pinguço que atendia pelo nome de Stalin.

A Estônia está localizada nos Estados Bálticos, junto ao Mar Báltico, sendo, portanto, abastecida com carcaças de animais frescos e resíduos de plástico todos os dias

Quem pensa que a natureza da Estônia não oferece nada de interessante além de neve e pinheiros está correto. Metade do território é coberto por uma floresta fria e sem graça, e a outra metade da terra arável pertencentes a agricultores ou velhas que coletoras de casca besouros. Isso deixa apenas cerca de 1% de área para construção de assentamentos e cidades, o que mostra que os estonianos são absolutamente amigos da natureza, exceto pela caça anual de linces, ursos e lobos. Segundo os estonianos, isso não acontece por fome, mas por tédio.

População[editar]

Uma estoniana das feias.

A Estônia tem quase o tamanho de Sergipe, mas tem metade da população de sergipanos, o que sugere que o país está relativamente vazio. A capital Tallinn é uma exceção por ser bem populosa, mas como não tem metrô, universidade, excelentes hotéis, bons cafés, lojas de roupas caras, e arranha-céus, não é possível chamar Tallinn de cidade cosmopolita. Sem contar que é uma cidade com 10 vezes menos habitantes que Aracaju. Uma razão para explicar a frigidez dos estonianos na cama e sua consequente baixíssima taxa de reprodução são as horrendas estradas de terra estonianas, um legado da época comunista nesse país. As vibrações causadas pelo contato entre os pneus do Toyota Corolla do estoniano e a estrada de terra disforme proporcionam ao motorista e aos passageiros múltiplos orgasmos tântricos (algo que Sting descobriu após dirigir um automóvel por 8 horas num tour na Estônia). Quando chegam em casa, os estonianos estão tão confusos que a ideia de qualquer tipo de proximidade íntima os faz vomitar violentamente.

A população diminui anualmente devido à emigração e à falta de capacidade reprodutiva da população idosa, de modo que apenas 1,3 milhão de pessoas ainda estão residindo na Estônia. Nesse ínterim, os estonianos voltaram a ser maioria, pois poucos estonianos fogem em comparação com outras etnias. Os estonianos são muito semelhantes aos finlandeses do norte em termos de linguagem, aparência e comportamento, exceto que eles bebem menos, fogem da sauna por motivos de custo e não estão realmente interessados ​​em corridas de Formula 1.

Graças à russificação dos tempos soviéticos, 26% dos habitantes são russos. Essa minoria russa (embora o termo "minoria" seja considerado ofensivo pelos russos) recusa-se a aceitar a cidadania estoniana porque os critérios (arrotar o alfabeto estoniano, cantarolar o hino nacional, xingar a Rússia, etc) são bastante severos. Como em seu país de origem, as principais ocupações dos russos-estonianos são beber vodka, carregar toras, cantar canções folclóricas russas e adquirir monumentos soviéticos que estão sendo deportados.

A mulher estoniana é uma atração. E geral são loirinhas gatinhas, muito mais bonitas que as finlandesas e que estão de saco cheio de tantos brasileiros que as adicionam em redes sociais e sites de relacionamento. As estonianas também estão de saco cheio de caras muito atrevidos e beberrões, estilo pedreirão, por causa da rixa que rola com os russos (para as estonianas, russo é a mesma coisa de bebum). Outra coisa que as estonianas não suportam mais são a onda de pessoas que vão para lá atrás de mulher gostosa e cerveja barata. O lance no xaveco estoniano é chegar já pedindo pra fuder. Não precisa daquela papagaiada à moda antiga de ser muito romântico e fresco, elas são modernas e sabem que você só quer uma trepada mesmo. Basta evitar a imagem de cavernícola. Mas cuidado, as estonianas em geral, sabem bem detectar cheiro de vagabundice masculina de longe, então, é bem provável que ao você encontrar com uma, elas vão correr de você.

Política[editar]

Sem surpresa, a Estônia é uma democracia, mas ao contrário de outras ex-repúblicas soviéticas, esta é a única democracia genuína. Não significa nada já que é um presidente pior que outro, mas mantém os observadores estrangeiros e os fuzis da Anistia Internacional afastados. A ideia da Estônia é tentar fingir-se um país da Escandinávia para que todos paguem pau. Por isso o espectro de partidos políticos na Estônia é o mesmo dos vistos nos países escandinavos, com exceção que existe na Estônia um partido central que representa os camponeses pobres, mas como a maioria dos camponeses não tem habilidades de leitura particularmente boas, apenas sucessos modestos foram alcançados até agora por esse partido.

Mas o estoniano que por décadas viveu entre o nazismo e o socialismo soviético tem trauma de política e preferem se abster desses assuntos. Somente 5% da população vota. Mesmo com a introdução das eleições via SMS e pela Internet não houve crescimento no interesse em votar, os jovens estonianos preferem ver pornografia de mulatas e latinas e não têm tempo para tais trivialidades. Por isso o presidente do país é um cara que basicamente aperta a mão de outros estadistas e sorri estupidamente, representando o povo estoniano.

A eleição de novo presidente é bem simples. O Riigikogu (nome de um seita xamânica formada por idosos de pênis murcho) elegem um novo presidente por procuração (votando no lugar do povo que está desinteressado de votar). Esse modo de eleição pode acarretar alguns atrasos, como em 2021, quando Alar Karis levou 6 meses para assumir o cargo.

Subdivisões[editar]

A Estônia é um país que consiste em 15 condados divididos em 35 estados, 3 asteroides, 14 postos de gasolina, cerca de 15.000 banheiros públiucos autônomos e 2 dimensões paralelas. Há ainda um litígio de fronteira com Fiji neste momento.


Economia[editar]

Depois que os soviéticos caloteiros foram embora, nada sobrou a não ser vários litros de vodka na venda do Seu Zëëää (Seu Zé, em português), que obviamente, foi saqueado e secado pela galera que sobrou. A festa durou umas 3 horas e ninguém ficou bêbado, logo eles precisavam de dinheiro para comprar umas doses extras no país vizinho. Para tentar contornar a situação, um cara que tinha uma gráfica resolveu fazer uns papeis que chamava de coroa estoniana, e trocava-os por barris de álcool com o Brasil.

A economia da Estônia em si consiste quase exclusivamente na agricultura, produção de móveis baratos (há matérias-primas e trabalhadores suficientes que trabalham por sub-salários), assassinatos de russos apoiados pela máfia finlandesa, minúsculos depósitos de petróleo que algumas crianças encontraram uma vez e importações de propinas. Com esses produtos o PIB estoniano aumentou acentuadamente nos últimos anos e atingiu a metade da média da UE.

Os gastos do governo totalizaram: Saúde (0,5%); Educação (0,8%); Forças Armadas (-0,3% depois que um soldado urinou no gabinete do presidente); Limpeza de monumentos da era soviética (6,4%); Pagamento de dívida interna e externa (92,6%).

O xisto betuminoso é o principal produto mineral do país. Pesquisas científicas apontam que as origens do xisto advém de uma infecção intrauterina, o que leva a crer que eles procuram na população as mulheres com xisto e ao encontrá-las, as empilham em depósitos e as vendem como escravas sexuais aos sheiks arábes que estão de passagem no local. Para conseguir extrair uma quantidade mínima de xisto, é feita uma manipulação manual clitoriana, mais conhecida como onanismo de grelho. Você poderá encontrar mais sobre a extração de xisto estoniano no Manual do Sexo Manual.

Infraestrutura[editar]

Transportes[editar]

Não existem estradas asfaltadas na Estônia, então sempre que a família de classe média da Estônia sai de férias ou para trabalhar eles usam o trem, economizando combustível e sem nenhuma economia em conforto (a menos que a ferrovia seja russa). Além disso, o transporte é de grande importância quando há um grande lago à sua frente e só gelo atrás. No entanto, desde que uma balsa afundou de forma titânica e mais de 800 pessoas morreram, especialmente crianças e idosos, pessoas mentalmente inconsistentes (todo mundo) têm medo de viajar em um meio de transporte flutuante desde então.

Segurança[editar]

O KaPo é a espinha dorsal da segurança da Estônia. Pode tranquilamente ser comparada a agências como FBI, KGB, Gestapo, Abin, etc. A história da KaPo começou em 1995 quando cinco estudantes de direito expulsos formaram uma organização terrorista que deram o nome de seu líder KAUPO, o Grande. O KAUPO original existiu apenas por 5 dias porque o líder Kaupo Ventsapilis foi preso por roubar leite de uma vaca civil. Então, uma série de retrocessos veio nos seguintes 7 dias: Seu QG foi invadido por focas e eles se mudaram para o canil de um dos membros. Em seguida, uma das membros do KAUPO ficou grávida e foi levada para as montanhas segundo mandava a tradição. Então a KAUPO faliu e não pôde fornecer charutos suficientes para o QG (12 maços por hora) e então o KAUPO foi desmantelada. 2 anos depois, um grupo religioso assumiu a organização e a renomeou para KaPo (porque DEUS não conhece a letra "U"). Eles continuaram as tradições do KAUPO original (atirando pedras em cães, esfolando passarinhos, etc.) até que todos eles chegaram ao fim em uma briga de rua e venderam a KaPo para um grupo fabricante de sucos açucarados infantis. Hoje conhecemos a KaPo como o principal motivo da fome, alto índice de sífilis, guerra com a Letônia e o desaparecimento "inexplicável" do gato do ex-primeiro-ministro.

Comunicações[editar]

Mulher estoniana usando wi-fi no meio da floresta, mas com cara de trouxa porque a bateria do notebook está quase descarregando e o governo não instalou tomadas no meio do mato.

Cquote1.svg Mingi v2rdjaz oled w22 ????????????? Vack kyll, meu octa elu omale-ää !!!! 111 !! 11 !! um! 1 !!! muhhahhaaa: DDDDD icicccc !!!!! 1 !! ' - Muhahaaish (1337 -sp34k) Cquote2.svg
Estoniano usando o rate.ee

A Estônia é o país com o melhor wi-fi do mundo, lá você pode acessar internet 5G no meio da floresta, no meio da montanha, onde estiver. Essa ideia foi implementada pelo governo por saber que eu país é um tédio desgraçado, então a melhor saída é proporcionar internet para qualquer um usar e assim esquecer da vida e do país ruim onde nasceram.

O problema de tanta conectividade é que lá é o lar do rate.ee, o site de relacionamentos para encontrar estonianas solteiras. O site é um fenômeno estranho e perturbador que atrai adolescentes com muitas espinhas e cabelos estúpidos na vã esperança de perderem o cabaço do pau, e então os engole inteiros. Pessoas que já se aproximaram do rate.ee e sobreviveram para contar a história relatam que ouviram gritos de jovens almas inocentes gritando: "Estuprem minha foto! Estuprem MINHA foto ou colocarei uma maldição sobre você !! yarrrrrrrrr ... ! ". Este monstro virtual é liderado por uma alma demoníaca chamada Andrei Korobeinik, a reencarnação de uma maldição que o czar russo Vlad VII lançou sobre a Estônia. Só há uma maneira de parar essa monstruosidade, sim, apenas uma maneira de salvar essas almas socialmente perturbadas da igreja da vaidade do rate.ee, é com um tiro de fuzil no moden de internet dessas pessoas. Estudos apontam que o rate.ee está habilmente disfarçado para parecer uma rede social quando na verdade é um resquício de União Soviética na Estônia. Qualquer usuário que criar uma conta nesse site receberá, 2 segundos depois, uma série de tarefas ilegais para fazer em troca de dinheiro. Ao lado dos pedidos de tarefas ilegais geralmente há uma mensagem de ameaça de morte, tornando o novo usuário do rate.ee um refém. As missões geralmente envolvem explodir ou envenenar algo ou alguém. Mas se você tiver sorte, poderá conseguir um emprego como entregador de pizza ou traficante de drogas. Mas tem havido casos em que a missão é só correr até a loja da esquina e comprar vodca para outros camaradas.

Cultura[editar]

Banda estoniana formada por quadrigêmeas.

A cultura estoniana é basicamente uma mistura de culturas diferentes de povos já anteriormente sem graça, o que resulta em uma cultura enfadonha sem quaisquer peculiaridades. Tudo na Estônia é enfadonho, tanto que o escritor mais famoso da Estônia é Kää Köö Küü (nome verdadeiro de Käää Kööö que assumiu um pseudônimo por considerar seu nome de batismo muito mundano) que escreveu o famoso livro "Como eu Passei o meu Verão Pescando no Rio Emma Perto da minha Cidade Natal de Tartu" ("est A Mii Tartu" no original), onde fala sobre suas férias de verão no rio Emma, ​​perto de sua cidade natal, Tartu.

A música na Estônia é outra coisa enfadonha. O principal artista do país é Arnold Oksmaa que para o bem maior de toda a humanidade e outras nações e países na terra, ele é totalmente bissexual depois que foi liberado do Instituto Mental Imperial da Estônia onde foi curado com sucesso da doença "Pensar em si mesmo como Síndrome do Cidadão Hetero Indigno Comum". E tem também uma banda comum de meninas gostosinhas chamada Vanilla Ninja. Uma nova figura surpreendente do entretenimento de Tallinn é a cantora Kerli de quem a Lady Gaga rouba as ideias. Kerli é uma cantora de pop estoniano excêntrico que ganhou notoriedade por ter carinha de atriz pornô e se comportar como uma maluca que fugiu do hospício.

Culinária[editar]

Pão com sardinha, o máximo que a Estônia consegue entregar de culinária rebuscada.

Na verdade, a culinária da Estônia consiste apenas em alimentos básicos rurais, portanto, infelizmente, não há destaques culinários a serem mencionados. Só comidas a base de álcool, peixe e batata. Uma especialidade notável inventada por fazendeiros em tempos de fome é o grillitud puud que consiste em uma árvore (havia ainda mais daquelas naquela época) que é marinada com sal e cerveja de baixo custo e então grelhada. Os ingredientes estão em todo lugar, apenas não é realmente palatável.

Os pratos típicos são repolho podre (hapukapsas), pepinos podres (hapukurk), mingau azedo velho (kaerakile), e leite estragado (hapupiim).

Mas se for precisar forçar dizer qual é o prato mais típico da Estônia, então a resposta é sangue com grãos e pedaços de gordura dentro de um intestino, a tradicional verivorst. Esta especiaria é feita matando um porco, drenando seu sangue, cortando seu reto, enchendo o cu do porco com sangue, grãos e gordura e então - você adivinhou - comendo. Todo estoniano gosta de comer esse sangue no cu de porco, comer sangue é normal para eles, até mesmo a principal franquia de fast food do país, o Mäkdonalds serve hambúrguer de sangue. Você pode comprar sangue em supermercados, é vendido em pequenas embalagens como suco.

Idioma[editar]

Ninguém que eu conheça entende o que esse povo fala, temos que levar em consideração o alto grau etílico do povo, o que dificulta a comunicação com as demais pessoas que estão absolutamente sóbrias. Provavelmente somente entenderá um monte de fonemas complexos como: teadsin, et sa oleks kasutada tõlkija tõlkida!

Mas apesar da aparência hostil das palavras, o idioma estoniano (eesti küüüläää-nüümm) é considerado um dos idiomas mais fáceis de aprender, razão pela qual é falado por cerca de 900.000 estonianos e 7 estrangeiros em todo o mundo. A gramática não é complicada - há apenas 145 casos gramaticais no idioma (caso nominativo, caso locativo, caso dativo, caso žbljetiv, etc) e 27 sintaxes.

Exemplo de diferenças entre português e estoniano:

  • Casa - Lömannnikkkusarelanőőtiimööna.
  • Ácido desoxirribonucleico - Aii lüu.

Religião[editar]

A Estônia não têm religião, a grande maioria é composta por ateus, e grande parte também é niilista, ou seja, um bando de filhos da puta, hereges e antissemitas. Também tem um resto que é crente e/ou evangélico, que dizem estar arrependidos e fazem orgias mensais, nas quais gritam mais que gato no cio, quando isso acontece é um inferno, na Europa ninguém dorme.

Veja também[editar]

Flag-map Estônia.png Estônia
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino
Bandeira da União Europeia.png
Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia do Norte | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Tchéquia | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Jan Mayen | Kosovo | Ossétia do Sul | País Basco | República de Artsaque | Svalbard | Transnístria

OTAN
Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)
v d e h

Países Membros: AlbâniaAlemanhaBélgicaBulgáriaCanadáCroáciaDinamarcaEslováquiaEslovêniaEspanhaEstôniaEstados UnidosFrançaGréciaHungriaIslândiaItáliaLetôniaLituâniaLuxemburgoMacedônia do NorteMontenegroNoruegaPaíses BaixosPolôniaPortugalReino UnidoRomêniaTchéquiaTurquia