Estádio de futebol

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Estádio de Futebol)
Ir para: navegação, pesquisa
LULA CV.jpg
AVISO IMPORTANTE:

Clubismo aqui não, cazzo!


A Desciclopédia é um site de humor, portanto NINGUÉM se importa com que time você torce, seja o Vila Nova, o Criciúma ou o Paulínia . Seja engraçado e não apenas idiota.
Cquote1.png CHIQUEIRÃÃÃO!! Cquote2.png
Você sobre estádio do seu time rival

Cquote1.png O mais moderno do país, sem dúvida! Cquote2.png
Você sobre o estádio do seu time, por mais que ele tenha desabado

Cquote1.pngVocê quis dizer: CaldeirãoCquote2.png
Google sobre Qualquer um

Um estádio de futebol é aquele lugar em que você pode torcer pelo seu time, vê-lo ganhar Libertadores (ou não), vê-lo encarar grandes times como a Internazionale de Milão (ou não), ou até mesmo o ver rebaixado. Para alguns, um estádio de futebol nada mais é do que um sonho. Para outros, é a melhor coisa que o time fez até hoje no mundo do futebol. É atualmente um dos lugares mais seguros para se ir com a família - se comparado com o Complexo da Maré ou uma rinha de briga.

Exemplo do respeito mútuo existente entre torcidas durante uma partida de futebol.

O estado super conservado de vários estádios também é um atrativo, pois o conforto é indispensável para qualquer arena. Tanto que é possível ver o belíssimo estado de conservação da Fonte Nova, um exemplo de conforto e segurança, que não ameaça ninguém e que certamente pode levar você até ao céu de tamanho vislumbramento. Basta não cair da arquibancada no mau humor. Além disso, o pessoal que normalmente vai aos estádios também é um outro atrativo. As recepções muito calorosas e amistosas entre pessoas que vão para clássicos, como por exemplo, um Atlético Mineiro e Cruzeiro, chega a espantar. Entre abraços e beijos, além de elogios, o clima amistoso que lembra a festa que representa o futebol também sempre é uma boa razão pra ir no, neste caso, Mineirão.

Sem contar que com o preço dos ingressos, certamente todos vão poder pagar. O preço é semelhante ao de duzentas toneladas gramas de pão francês com recheio de ouro, o que faz com que qualquer idiota levante as nádegas gordas da poltrona e se desloque por quilômetros para ter a chance de ver seu time sofrer uma goleada e ainda ganhar de graça uma viagem. De Mercedes, para um lugar silencioso e tranquilo.

Bom, além de torcer, não há muita coisa. Você fica sentado, ou, dependendo da situação do jogo, em pé, seja para soltar um UHHHHH mesmo que a bola tenha ido pra casa do caralho ou para elogiar a bela atuação do juiz. Principalmente a ilustre mãe dele e seus comportamentos durante a noite. Do seu lado fica geralmente um gordo que usa óculos cuja camisa do time é falsa e que não para de gritar como se fosse uma cadela no cio. No outro, fica um mané, que provavelmente é um torcedor de ocasião e o seu filho, que de tanto perguntar porque, seja com relação à marcação de uma falta, seja porque a torcida está falando palavras feias, você acha que a quantidade de porquês do pirralho chegou a ser maior que a de toques na bola dos jogadores.

O jeito é aturar os mesmos, ou, pelo menos se amigar do gordinho, já que você vai ter que aturar ele mesmo. Talvez assim ele até te dê uns amendoins, o que é extremanente importante, visto que logo mais você verá que é difícil comprar os mesmos, seja porque os vendedores somem, ou porque os preços são altíssimos - e não é culpa da inflação. Na sua frente o jeito é torcer pra que não tenha um cara de blackpower. Se tiver, você é muito azarado, porque ninguém NUNCA acha um louco de blackpower na rua, e, justamente num jogo você não só acha um, como o mesmo fica na sua frente. Já é um sinal pra ir embora porque talvez seja uma proteção para poupar você da bosta que será o jogo.

Estádio Fonte Nova quando terminar de ser construído.

Tabela de conteúdo

[editar] Setores de um estádio

Ora, chegamos a uma parte crítica. A divisão do estádio, pelos setores dá pra se dintinguir os torcedores ricos dos que foram ao jogo porque trabalharam o mês todo fazendo hora extra no sofrimento pra conseguir ver uma pelada de seu time, e pra isso ainda atrasou a conta de água. Daí você vê a diferença entre torcidas. Como, a do Internacional mal enche os camarotes VIP, e, mesmo quado enche, é promoção de alguma empresa que resolveu dar um prêmio para os jogadores, bem como a do Grêmio antigamente reclamava que o setor popular não tinha cadeiras acolchoadas para reconfortar os traseiros da elite.

[editar] Camarote VIP

Cquote1.pngVocê quis dizer: PlayboysCquote2.png
Google sobre Estádio de futebol
Camarote vip de um estádio é onde os torcedores que realmente conseguem comprar algo pro clube ficam. Na verdade esses também cagam de medo das brigas nas arquibancadas e preferem distância desse povo, ficando num lugar seguro onde a qualquer momento também podem ir no frigobar e comprar uma coca gelada. Na realidade, a única diferença de ver o jogo do camarote do estádio pra ver de casa é que a TV de alta definição vira a vitrine, sendo que no Maracanã com zoom no mínimo e baixíssima definição - se garoar, aí entra o que seria interferência e sinal fraco. Já na Vila Belmiro, é zoom no máximo e alta definição. Na verdade, até em 3D, a diferença é que nessa tela 3D a bola realmente pode bater na sua cara.

[editar] Arquibancada Popular

Cquote1.pngVocê quis dizer: InferninhoCquote2.png
Google sobre Estádio de futebol

Esse é um dos tipos de babacas que vão na arquibancada popular.

É a arquibancada principal, onde as gloriosas e sempre pacíficas torcidas desorganizadas ficam, no Rio Grande do Sul. O preço dos ingressos é baixo (pelo menos quase sempre) e a favelada da cervejada de fim de semana se encontra por aqui. O aperto existente nesse lugar é semelhante ao existente no metro, só que com nível de suor e fedor extremamente maior. Em determinadas torcidas ainda há o aroma peculiar de maconha e outras drogas, principalmente entre a torcida do Flamengo, o que pode fazer você pirar de alegria durante o jogo, por mais que seu time esteja perdendo.

E, também, diferentemente do metro, não é possível se encoxar nenhuma mulher. Na verdade, até tem como, se você tiver a coragem ou já tiver sob alto efeito da maconha, e estiver afim de encoxar tias gordas e bundudas com cara semelhante à de uma puta mumificada, com odor de amor, não tomo banho há uma semana. Sim, salvo exceções, é esse tipo de mulher que vai nesse stor do estádio. As gostosas ou estão acompanhadas com um armário, ou serão capazes de te dar um golpe duro, estilo mulher macho.

Bom, se não estiver a fim de tias gordas e quiser novas experiências, pode ir no meio de torcidas como a Coligay ou a Coxagay e ver se arruma uma encoxada gostosa (?) por lá. A torcida do Grêmio inovou nisso e organizou o momento para tais encoxadas, de forma organizada e coletiva, além de justa - você encoxa quem estiver na sua frente, seja homem, mulher ou hermafrodita. Esse movimento inovador se chama Analvalanche do Grêmio. No Rio de Janeiro, no Maracanã essa era a geral, onde ficam os favelados com cartazes Galvão, filma eu; Mãe, to na Globo ou ainda alguns aleijados mentais que vão fantasiados de televisão, Barack Obama ou ainda como o tcxhutcxhucão. Tudo isso pra aparecer na TV - na verdade a real intenção desse povo é aparecer 3 segundos na TV Globo, e pagam 25 reais pra isso, porque mal conseguir ver o jogo essa turma consegue.

[editar] Banheiros

Os banheiros são a parte mais interessante do estádio. O banheiro é o principal lugar onde se aplica a Lei de Murphy, quando você finalmente deixou seu lugar na arquibancada e o jogo está empatado algo acontece justamente quando se está no banheiro, aí você fica todo nervoso, muitos idiotas saem do banheiro e vão ver de quem foi o Gol, e é bem nessa hora que se decepcionam, quando voltam já há uma fila no banheiro novamente. Ou o papel higiênico acaba, ou nunca tem ou acabam fechando o estádio com você fazendo o trabalho de parto lá dentro.

Apesar de desconhecido, há dois banheiros no estádio de futebol: o masculino e o feminino (tem banheiro feminino nos estádios?).

[editar] Banheiro Masculino

Retrato do belo estado de conservação de um típico banheiro numa arena.

Cquote1.pngVocê quis dizer: Chiqueiro ou banheiro caipiraCquote2.png
Google sobre Estádio de futebol

O banheiro masculino é e foi o único banheiro que existiu nos estádios de Futebol. Quem construiu o estádio sempre faz ele pequeno e com o urinol sempre sem a "tampa" para evitar que os outros descubram o tamanho do seu Pênis, apesar de que dá para saber se há um viado entre a sua torcida. Banheiros masculinos tem cinco componentes: merda no chão, urina no chão, cheiro de merda com urina, cabines minúsculas e sempre uma fila enorme durante os intervalos.

Esse banheiro é alvo de decisões: sair no meio do jogo e perder o lugar ou ir no intervalo e encarar a fila? Um banheiro masculino também é alvo de estereótipo para os homens, eles, que nunca entraram em um banheiro feminino pois em suas cabeças está biologicamente escrito "evite o banheiro feminino", acham que em todo o mundo o banheiro feminino também tem merda no chão e é sujo como em um banheiro masculino mas não é bem assim.

Aqui é lugar não só de cagar mas também de Filosofar, fazer exercícios, ver como a mulher sofre no parto, fazer arte nas cabines, pensar o que o cara da cabine ao lado está fazendo e tentar adivinhar se esse barulho é de gol ou de Escanteio. Fora do banheiro a história é diferente: parece que quem está lá dentro está tricotando e esqueceu o que ele tinha que fazer ali naquele banheiro, por isso as filas demoram tanto e o banheiro masculino está sempre cheio.

Para todo caso, há o Urinol.

[editar] Banheiro Feminino

Cquote1.pngVocê quis dizer: Banheiro com disciplina japonesaCquote2.png
Google sobre Estádio de futebol

O banheiro feminino é uma utopia desconhecida para os homens, tal como em outras instituições, o banheiro feminino é prova de que uma sociedade de mulheres é a única forma de o Brasil entrar nos trilhos novamente. Enquanto o banheiro masculino é um chiqueiro o feminino parece uma cozinha, e ironicamente isso num estádio.

O banheiro tem o Gleide spray automático, não há papel higiênico ou cocô no chão, não há Urinol (apesar de haver estádios no Brasil que incluem esse artifício no banheiro feminino, não se sabe se é a forma dos pedreiros gozarem com a cara do dono do estádio ou se eles não conhecem mesmo a anatomia feminina), não tem cheiro de Mijo no chão, todas as tampas estão LEVANTADAS e que isso fique bem claro e por fim tudo no banheiro funciona, algo que é impossível de acontecer em um estádio de futebol.

Economistas e comentaristas de esporte nunca entraram em um banheiro feminino mas eles acham que o banheiro é tão limpo por dois motivos: o primeiro é que ninguém usa o banheiro feminino mesmo e o segundo é que as mulheres não tem Pinto para ver como é difícil a vida de um Homem. O banheiro feminino é uma boa aventura para alguém que foi obrigado a vir ao jogo, geralmente há filas intermináveis nos banheiros masculinos durante os intervalos mas nenhuma no banheiro feminino que sempre está no extremo oposto do banheiro masculino, por isso os mais corajosos e sem senso comum podem entrar no banheiro e evitar a fila, em contrapartida os homens vão olhar para ele com desconfiança: "Será que ele é mulher?", "É um impostor!", "Tinha que ser São Paulino mesmo!".

[editar] Parte (Anel) Superior

Os torcedores são tratados como cachorros há tanto tempo, que já estão até começando a pedir ração.

Cquote1.png QUE PORRA É ESSA!? Cquote2.png
Qualquer um sobre coreografias (!?) de torcidas organizadas
Cquote1.png Ih, fudeu... Cquote2.png
Qualquer um quando vê que cismaram de abrir um bandeirão na arquibancada, e assim, não conseguirá ver o jogo.

É onde ficam as torcidas organizadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Isso, bem no alto, de preferência onde tenham poucos policiais para a porrada poder rolar solta. O motivo dessa porrada ocorrer geralmente é simples, ou porque um fez mão boba com a mulher do outro, ou porque um xingou o jogador do time do qual o outro é cu xodó, ou até mesmo porque o time fez gol e rolou discussão se o gol era golaço ou apenas um gol cagado.

Os setores são mais caros, porque segundo alguns há uma visão panorâmica do gramado. Bom, do gramado pode até ser, mas de tão longe, fica quase impossível distinguir um jogador do outro. Além de chance de ocorrer uma tentativa de alguns loucos de fazer de tal arquibancada um local para prática de bungee jumping sem cordas para os seres mais fracos que assistem a derrota do time da casa do lugar. Tais setores só existem em estádios de grande porte, ou pelo menos em elefantes brancos perdidos no interior. Na Inglaterra, é muito comum naquelas arenas com design caixote, fazendo paracer um estádio feito de blocos Lego.

[editar] Pontos Cegos

Exemplo de um torcedor com muita sorte que garantiu certamente um dos lugares com melhor visão do campo!

Cquote1.png Puta que pariu... Cquote2.png
Qualquer um ao descobrir que o seu lugar no estádio tem vista para uma pilastra...e só.

A maior satisfação existente na vida de um torcedor de futebol é descobrir que ele se deslocou de sua confortável e simpática casa, pegou dois ônibus mais integração com o metrô andando o equivalente a metade de sua cidade para descobrir que pagou incríveis 20 reais mais tudo isso de passagem para ver uma incrível, magnífica, faraônica e imponente... pilastra. Sim, a maior trollagem já vista no futeobl mundial é vender assentos cujas cadeiras não tem vista pro campo, onde uma pilastra de sustentação, parede, ou qualquer outra coisa impede a visualisação do jogo. São os pontos cegos.

Ora, nesse caso não resta nada a fazer, além do que tentar paquerar alguma garota que fica num lugar melhor só pra ver o jogo (feias, de preferência, porque vão se iludir tanto que vão deixar você ver o jogo no lugar dela), ou então, da próxima vez, levar uma marreta para a arena. Chorar copiosamente pode fazer algum sentimetslista sentir pena de você - mas não deve adiantar muito. Mais uma vez, pode ser um sinal para você não ver a possível tragédia que será essa pelada.

[editar] Estacionamento

Para estacionar na Vila Belmiro, só assim: criando novas vagas.

Cquote1.png E agora? Cquote2.png
Qualquer um sobre não ter nenhuma vaga no estacionamento do estádio
Cquote1.png VAGA AQUI! 16 REAIS! Cquote2.png
Flanelinha sobre não ter vagas no estacionamento do estádio

Certamente uma das regiões de maior discórdia em um estádio. Primeiramente porque isso já é tradicional, tanto que até grandes empresas de planejamento e marketing, juntamente com vários institutos de pesquisa e com dados baseados em levantamentos feitos por estudantes da Universidade de Manchester, um estacionamento para 420 carros não dá conta para um estádio para 40 mil lugares. Alguém advinha o porque?

Todos os carros são vistos por aqui. Desde uma Brasília acabada, até um Kia Soul novinho. Também é um lugar perfeito para campos de guerra, primeiramente porque, independente do adesivo que seu carro carrega no para-brisas, ele será destroçado. Ou por um mané que estaciona mal, ou por torcedores rivais que invadiram o estacionamento reservado para a torcida de seu time. Uma vaga nesses lugares em dia de jogo chega a vale ouro, e é a maior valorização na Bolsa de Valores, superando inclusive ações de grandes empresas como Apple, Microsoft, Pepsi e CCE.

[editar] Lista do que se pode fazer num estádio

Um dos pontos de alimentação de altíssima qualidade encontrados ao redor dos estádios. Ah, a diarréia vem como um bônus pra você.

Além de torcer, como já dito, não há muita coisa. Um estádio tem geralmente alguns emos vendendo amendoim, cachorro quente ou Coca Cola a preços absurdos, que faz pensar que o amendoim é belga, a salsicha é importada da Alemanha e que esssa seria a última lata de Coca Cola do mundo. Tem também os banheiros, lugar onde você não se diverte, mas passa por momentos de pura adrenalina, principalmente para conseguir andar em meio a tanta merda.

A loja do clube seria aquele segundo lugar onde você mais se diverte. Sim, se diverte imaginando como seria bom ter dinheiro para comprar todas aquelas besteirolas, como camisa comemorativa do título e campeão do bairro do ano de 1900 e guaraná com rolha ou ainda um glorioso e utilíssimo íma de geladeira do mascote do seu time. A única utilidade dessa coisinha é pendurar o papel com o telefone do cara do gás que passa de vez em nunca na sua rua. Mas mesmo assim custa 10 reais.

Alguns favelados também se divertem tirando fotos nos stands fingindo estar comprando um daquelas bonés e/ou lembrancinhas com aqueles slogans que tentam dar importância à jogos ridículos que por acaso caem em fases finais de certos campeonatos, como por exemplo aqueles posters MAJESTOSO PEIXE vs. GRANDIOSO SANTO ANDRÉ: EU VIM! Realmente só pode ser usado se você quiser provar sua coragem se alguém duvidar quando você disser que fez a loucura de ver esse espetáculo.

[editar] Cabines de Transmissão

As cabines de transmissão é algo que precisa existir em um estádio de futebol, por vários motivos e o principal é que no Brasil há sempre um pobre que mora em Itaparaponga que não pode deixar seu confortável lar para ir a uma capital assistir o jogo do "Mengão" ou do "Curintcha" se bem que a classe alta também tem sua réplica: pra que eu vou deixar meu ar condicionado em São Paulo e ir assistir um jogo do meu time no mato de Goiás se eu posso vê-lo pelo PFC?

Pensando nisso, a Globo e a Band compraram os direitos de transmissão do campeonato brasileiro para levar o jogo até a sua casa e lucrar com as propagandas de Cerveja que ficam brilhando no campo durante o jogo, aí vem o seu filho perguntando:

Cquote1.png Papai! Tem uma Skol gigante no jogo do Santa Cruz! Cquote2.png
Seu filho

As transmissões da globo nos ensinam os nomes de Cervejas desde pequeno, não há algo mais santo que... Espera, o menino falou que a globo estava transmitindo um jogo do Santa Cruz? MWAHAHAHAHAHA! Enfim, nas cabines de transmissão há algo que poderíamos chamar de "injustiça capitalista" já que a CBF dá as melhores cabines pra quem dá mais, então é o que se pode chamar de "realidades diferentes".

[editar] Globo

Cquote1.png Se algum corinthiano escutar que to falando mal da marcação do time aqui na cabine, vou levar uma desse tamanho... Cquote2.png
Cléber Machado sobre narrar no Pacaembu.
  • Comentarista principal: Luiz Roberto, Cléber Machado, Galvão Bueno (mas só se o estádio for de luxo e oferecer caviar para Galvão trabalhar direito), e.. ahn... ahn.. Casagrande
  • Tamanho: metade das cabines para emissoras de TV é dela
  • Regalias: Pode xingar publicamente o torcedor palhaço que se pendura gritando Cala a Boca Globo! ou bater nele com seus seguranças. Pode colocar placas de patrocinadores em qualquer lugar da Arena, mesmo se for placas de puteiros na área de concentração de crianças. Ah, sim, a água que os narradores bebem pra não perder a voz é importada da Suíça, pois quem é da Globo merece água de primeiro mundo.
  • Ibope: Todo. Até quem está dentro do estádio dá um jeito de prestar atenção nos comentsristas da Globo, tamanho o efeito da lavagem cerebral.
  • Vantagens: Bom, a imagem pelo menos parece decente, visto que tem câmera até no teto do estádio, e tem microfone até no rabo dos treinadores, daí você pode ouvir até as flatulências dele. Tamanha cobertura assim, só na Globo, meu amigo.
  • Desvantagens: O estádio parece mais um estúdio de gravação da Globo, e qualquer coisa que ocorre com o jogador em campo parece novela.

[editar] Band

  • Comentarista principal: Neto (!?), Luciano do Valle, José Luiz Datena
  • Tamanho da cabine: 2 metros por 2 metros
  • Regalias: Sem banheiro particular, dividir "CC" com radialistas que ficam gritando no ouvido, sem espaço para por uma câmera, conexão roubada da Globo (Como a Band só tem grana para levar 2 câmeras ela faz um "gato" e as imagens privilegiadas da Globo são exibidas atrasadas na Band), boca de fumo no corredor da cabine de transmissão e a Polícia confundir a equipe da Band com mendigos que querem piratear os jogos do Brasileirão.
  • Ibope: Todo o público ou está no SBT ou está assistindo o jogo na Globo
  • Vantagens: A maior parte das gafes de comentaristas de futebol vem da Band onde a cada 10 minutos um comentarista solta um peido ou fala para o outro: "Ah vá conta pra tua vó que o Grêmio Prudente tá com uma campanha boa! Já vi viciados em Crack com mais juízo que você!"
  • Desvantagens: Os comentários são muito vagos e chatos, a voz do comentarista parece que ele está engasgado com um Tomate, há sempre barulho de vento na transmissão e a imagem a gato pega da Globo é pior do que a de um jogo transmitido do Congo.
Cquote1.png E daí que nossa cabine nos estádios tem uns petisquinhos a menos!? Ainda ganho grana mole por mês pra falar besteira, velho! Cquote2.png
Neto sobre sua situação na Band

A Band é o primo pobre da Record, se bem que ambas as primas estão na mesma situação, mais pobre que a Band e a Record só a Rede TV e mais pobre que a rede TV é o Canal do Boi. Justamente por isso a cabine da Band e os comentaristas dela quase nunca são exibidos para não revelar que a cabine de transmissão dela é um cubículo de 2 metros quadrados onde eles tem que dividir a transmissão mais com três comentaristas de rádio que são mais irritantes do que o próprio narrador da Band (que é duas vezes pior que o Galvão).

Em breve descrição a cabine da band: 2 metros quadrados, sem ar condicionado ou espaço para filmar os jogos, só conseguem filmar os jogos pois tem um cara que vai no "telhado" da cabine e filma de lá mesmo (por isso a sensação realista de barulho de vento na transmissão pela Band), os equipamentos são tão ruins que as vezes o vento na transmissão sai mais alto que a voz do comentarista e ele tem que ficar gritando para que acabem o ouvindo, a equipe são cinco pessoas espremidas na sala, 3 comentaristas, um câmera e o pseudo-diretor que fica gritando no telefone para ir para os comerciais logo e dar tempo para arrumarem uma fita isolante na câmera que estragou de novo.

Todos os "comes e bebes" saem do estádio mesmo, o pseudo-diretor pede para o assistente de um radialista para ir comprar uns churrasquinhos de gato e Churros para o pessoal da band comer, muitas vezes a maioria acaba conseguindo uma Diarreia e a pior parte é que não há banheiro pessoal na cabine da band, todo mundo faz em um balde que fica no canto da sala.

A Bandeirantes instruiu toda a equipe a NÃO comer nada quando estivesse no estádio desde que um comentarista começou a peidar em uma transmissão ao vivo em um jogo Atlético Goianiense X Guarani, ninguém jamais esquecerá das palavras de um dos comentaristas seguido de risadas:

Cquote1.png Esse jogo tá uma merda, né neto? Cquote2.png
Comentarista fazendo referência aos peidos que o comentarista Neto ficava fazendo ao vivo, após a Band cortar quando os dois começaram a brigar duas pessoas da equipe tiveram que ir ao hospital por asfixia, a culpa foi atribuída ao Churros que o Neto tinha comido

No fim, se você não liga para Futebol e sim só para as gafes nele é só sintonizar na Band, contar até 10 minutos que logo alguém começa a peidar, o câmera acaba caindo ou um comentarista solta um "PUTA QUE PARIU PRA FORA!!!".

[editar] Estádio normal X Estádio rural

No mundo não há esse tipo de divisão, é que na maioria das vezes ou há só estádios de futebol que foram importados do Japão ou o estádio está caindo aos pedaços, a grama parece mato e ele fica em algum buraco na África ou na América do Sul. Já no Brasil há esses dois tipos: o africano todo esburaco recebe o nome de "Estádio Caipira" e o "estádio japonês", que é mais pra chinês no Brasil, é aquele em que acontece a maioria das brigas entre torcidas que mais parecem uma revolta de presidiários.

[editar] Estádio Rural

Alguns desses estádios acabam virando também piscinas olímpicas. Principalmente se chover muito...

O estádio que fica no interior, na verdade o rural, é curto e grosso. Toda a verba da prefeitura do bananal de onde se situa esse paquiderme branquinho foi gasta na produção de um estádio digno para o time da cidade, isso quando a verba chega ou dá para construir um estádio. Na maioria das vezes há duas arquibancadas, uma de cada lado, e esse terreno era um matagal cheio de baratas que enchia o saco dos moradores da área. Para calar a boca desse povo, decidiram contruir um estádio de futebol. Normalmente as pessoas reclamariam, mas como normalmente essas cidades nem time têm, e, quando tem, sua torcida tem uma quantidade equivalente a 927482658365836583653. Tudo isso elevado a zero, o que resulta na quantidade incrível de... UM TORCEDOR! Geralmente o faxineiro ou zelador do time.

O aspecto dele é o mesmo dos melhores estádios do Gabão: ninguém corta a grama, há partes que ficam todas embarradas, o pessoal da estação de rádio fica gravando no meio da torcida as coisas e ainda, há uma grande evolução. Ao invés dos conhecidos quero-queros, galinhas (não, galinhas de verdade, não as putas que são líderes de torcida) e onças vivem no campo. Seja como for, ninguém nunca reclama da qualidade do estádio pois não se usa ele desde sua inauguração, quando o time da casa perdeu de 8 a 0 para o Atlético Guanabara da Titia.

A média de público é sempre dois, o juiz e o vice-prefeito, que tem que ir nos jogos pois o vice prefeito não faz porra nenhuma. Quando no terreno baldio estádio não há jogos, há sempre uma gangue de pivetes o invadindo por um furo na cerca para jogar futebol. Ou por um buraco no muro mesmo. Na maioria das vezes é uma obra faraônica que acaba mais servindo como palco pra cultos evangélicos das igrejinhas da cidade. E a média de público é muito maior nesses eventos se comparado à jogos que ocorrem lá.

Geralmente, o time da casa ou está na segunda divisão especial do estadual ou está em um churrasco com os jogadores. Nenhum jogador do time de cidade pequena pesa menos que uma tonelada 100 quilos. O estádio comporta geralmente a torcida do Avaí: 4 torcedores contando com o cachorro e os vigias. Sem contar que nos fins de semana pode ser tranquilamente usado para campeonatos de motocross, tamanha quantidade de lama no gramado.

[editar] Estádio Normal

O forte dessas arenas geralmente é a irrigação do gramado.

Diferente do estádio rural alguém cuida do gramado para que ele não fique parecido com o estádio do Gabão ou de Moçambique. São o que a maioria poderia chamar de "estádios que suportam uma Analvalanche e uma Intranal e não desabar após isso", esses estádios, em especial, são de times da primeira divisão os da segunda divisão dividem o estádio com os times da primeira e os da terceira divisão alugam um terreno baldio para jogar onde oferecem de graça churrasquinho de gato para ver se atraem público.

O estádio normal ele tem que ser adaptado ao time que tem em casa, se for um estádio do Botafogo tem que sempre haver um apagão para que possa haver um arrastão pré-jogo, se for um estádio da Bahia tem que ser mais resistente para não acabar desabando de novo e se for do Goiás e do Atlético Goianiense nem precisa se preocupar pois ninguém nunca vem mesmo assistir aos jogos.

Todo estádio normal tem que ter banheiros públicos, vendedores ambulantes, tijolos e rojões (para jogar quando o time for rebaixado ou perder um clássico) e cambistas que ficam na frente do estádio vendendo entradas para o jogo, em alguns estádios há alguns adicionais como bandidos nos arredores assaltando pessoas para ir ver o jogo do seu time (exclusivo para São Paulo e o Rio de Janeiro). Ao fim da farra, ninguém se preocupa sobre qual será o idiota que vai limpar toda a bagunça.

Mas há uma equipe de limpeza especializada pronta para jogar todo o lixo atrás das arquibancadas e sempre a comissão do time da casa reclamar porque os torcedores estavam estragando o próprio estádio.

[editar] Estádio internacional

Estádio europeu, mais um cuja arquitetura foi inspirada numa bandeija de pastelão.

Se encaixando aqui qualquer estádio que não exista no Brasil. E como só brasileiro sabe tocar uma bola, os gringos e europeus só tem estádios chiques, cheios de frescuras e limpinhos. Se um estádio internacional for sujo, ele com certeza não é pior e mais acabado do que os que existem no Brasil. Geralmente ele tem o formato de um caixote ou de uma lasanha.

Algumas coisas que tem nos estádios do Brasil tem nos estádios internacionais. Por exemplo, cambistas te oferecendo ingressos mais falsos do que as notas do Banco Imobiliário ou então mendigos que aproveitam o movimento para pedir esmola... Pelo menos os mendigos são mais limpinhos quando se trata de um estádio de futebol internacional. Até formam gente lá para ser mendigo!

Dentro do estádio tem um hall gigante com fotos, troféus e outras tranqueiras do time que é do estádio. Comparar o tal hall com o do estádio do Morumbi não tem nem graça e poderia fazer o São Paulo até mesmo desistir de jogar futebol. Continuando, se o estádio for da Europa ou um desses países, os bancos são limpados e desinfetados a cada 20 minutos por robôs e os policiais usam armas de choque para eletrocutar os torcedores que quiserem baixar o santo.

Agora, se o estádio for da China, África ou qualquer um desses países que são esculachados pelos estrangeiros, são limpinhos em apenas época de copa. Depois eles são detonados e a responsabilidade é do time que terá o azar de administrar tudo. Quem o diga ao Estádio do Tio Mandela na copa de 2010. Ele está tão destruído que pterodátilos do Lesoto usam aquilo como ninho, já aproveitando a arquitetura estranha.

[editar] Serviços

Dependendo de qual cidade que o estádio foi construído, poderá haver serviços por lá.Desde uma barraquinha que oferece um fio-terra antes de um jogo até a segurança... É que a polícia aproveita clássicos do futebol como Flamengo X Vasco para pegar os traficantes procurados.

[editar] Segurança

Uma expansão do jogo Counter Strike inspirada na segurança do estádio Couto Pereira, que cada vez que o Coritiba é rebaixado o estádio é sempre "reformado", por isso ele sempre parece novo.

A segurança é primordial em um estádio de futebol. Claro que isso só nos estádios de futebol gringos onde há a frescura de exame antidopping, exame físico, exame de urina... A frescura é tanta que no Brasil, se houvesse algo do tipo iriam duvidar da sexualidade da equipe que faria os exames e de quem mandou eles fazerem isso.

São várias as tragédias pela falta de segurança em todos os lugares. Mas claro, a maioria das tragédias ocorridas em estádios de futebol ocorreu entre clássicos de times desconhecidos que ninguém dá importância, como aconteceu com o Itamogi F.C contra o Atlético Mineiro. A torcida do Atlético Mineiro teria tido um ataque emo e teria invadido o estádio, sacando tridentes e tochas para caçar os jogadores do Itamogi. Não é à toa que os jogos de times da Série B são tão vazios: os torcedores levam o jogo tão a sério que metade deles está no hospital enquanto a outra metade comprando armas. De fato, só 10% deles vão para o jogo.

Aí foram tomadas medidas de seguranças muitas vezes inúteis.

  • 1ª medida: Os cambistas que forem pegos vendendo ingressos para a final da série B, por exemplo, são levados para uma sala sem janelas por dois policiais negões de 2 metros. Lá eles passam por uma "reeducação ética" e só saem 2 dias depois, pálidos e paranoicos. Fale a palavra "cambista" perto deles e ele é capaz de sacar uma faca contra você, gritando para não repetir essa palavra de novo.
  • 2ª medida: Depois de combater os cambistas, no dia do jogo os policiais separam as torcidas, sendo que quem for do time A vai para um lado e do time B vai para o outro. Embora alguns noobs já tenham errado isso e se fodido legal na hora que está cercado de rivais quando seu time faz um gol. A 2ª medida só foi levada à sério quando o Hulk foi ver um jogo e acabou entrando na arquibancada dos torcedores do Corinthians... Foi naquele dia que ele inventou o bordão dele: "Hulk Esmaga!"
  • 3ª medida: Caso algum idiota resolva fazer um churrasco dentro do estádio, era para ter extintores de incêndio e aqueles jatinhos de água no teto. Mas como aqui é o Brasil, só o estado de São Paulo tem algo para combater incêndios pois lá o número de torcedores pobres que fazem churrasco é maior.
  • 4ª medida: Quando o jogo começa, os policiais tem que ficar vigiando os torcedores, e caso um deles se manifeste, os mesmos policiais negões de 2 metros que levam os cambistas para a sala irão levar aquele torcedor para o cantinho da disciplina. Dependendo do número de pessoas no estádio e da "tensão" entre os dois times, contratam até atiradores de elite, oficiais do BOPE e se necessário, até usam CD de bandas emo colorida para neutralizar os torcedores que ficam se retorcendo de dor. Quando for um clássico que envolva o Flamengo, mandam um batalhão inteiro do exército brasileiro.
  • 5ª medida: Quando termina o jogo, a torcida que ganhou sai pelo portão A, enquanto a torcida que perdeu sai pelo portão B onde fica o depósito de lixo, encanamento e esgoto do estádio. Algumas pessoas acabam se revoltando e causando uma guerra entre torcedores. Aí parece uma batalha medieval ou algumas vezes algo pior do que mostrado nos filmes mais sangrentos de guerra. Sabe a vez em que o Fluminense ganhou do Coritiba? A torcida armou um barraco, pois no centenário ele seria rebaixado. Aí entram os policiais que tiram a torcida à força do estádio. O pior de tudo é que rolava a maior suruba, parecendo que o estádio havia virado um filme mal feito do Rolland Emerich com a voz dos narradores da Globo falando que aquilo era feio e que o Coritiba havia se fodido legal...
  • 6ª medida: Não existe 6ª medida sua anta! A 6ª medida é o capeta que vai receber quem foi apagado durante a confusão.

No final, a segurança por etapas funciona como todo protocolo deve funcionar: sempre tem um furo imenso e as etapas não tem sentido.

[editar] Limpeza

Engenhão depois de receber de braços abertos as torcidas do Flamengo e do Fluminense que deixaram isso e aquilo no estádio do Fogão. No fim quem paga o pato é o pessoal da limpeza, que nem deve torcer para o Botafogo e agora vai odiar todos os times do Rio de Janeiro.

A limpeza de um estádio de futebol também é uma incógnita. Depende em qual estado você está. Quanto mais perto do nordeste, mais sujo e detonado é o estádio. Parece que todas as pessoas que cuidam da limpeza parecem ser um velho que tem uma cara tão feia que só uma mãe poderia amar e que cumpriu 20 anos na cadeia para ganhar um trabalho de merda como esse.

Quanto mais torcida um time tem, mais são as chances do estádio ser destruído durante um jogo. Na verdade, um estádio de futebol só é algo limpo até começar a primeira partida nele. Depois ele vai parecer que existe há 50 anos e vai ter papel de bala, garrafas de cerveja e um gato morto na arquibancada, tudo deixado "com carinho" pela torcida.

Se o estádio for usado apenas para jogos da série B, ele pode ficar limpo até o 5° jogo e se for usado para a Série C, nunca ficará sujo pois ninguém irá aparecer mesmo para assistir os jogos.

Agora, se o estádio de futebol for gringo, com certeza terá catalisadores, robôs e todo tipo de parafernália que não haverá aqui no Brasil nem em 500 anos. Se o estádio for na China, algo poderá mudar. Só que no lugar dos policiais negões de 2 metros haverá dois comunistas que te levarão para uma sala de "educação para conservação do meio ambiente" (algo que a China entende) e depois você sairá como um legítimo amante do comunismo do meio ambiente.

[editar] Ambulantes

Típico camelô em frente ao Palestra Itália em dia de clássico. Pra não apanhar de nenhuma das duas torcidas quando perguntado seu time, ele trata de responder que torce pro glorioso Ituano. Quando no fundo torce pra Portuguesa Ora, convenhamos, não muda muito...

Os ambulantes são os parasitas do estádio. Pulam o um muro de 7 metros só para poderem entrar no estádio sem precisar pagar uma taxa para ter que vender coisas lá dentro. Por causa disso, eles aumentam o preço com o objetivo de ganhar lucro.

Os parasitas podem virar simbióticos quando você olha por esse lado: você está em um estádio superlotado, na sua frente tem um gordão com o maior cecê que tapa a sua visão e o jogo tá no 1 X 1, sendo que ambos estão em um limbo, prontos para serem rebaixados. Você está com uma vontade imensa de comer alguma coisa mas se você sair, os pobres (ou urubus de cadeira, como são chamados) estão prontos para quando você tirar suas nádegas da cadeira pegarem o seu lugar. Porém, tem um ambulante vendendo churros. E é aí que está sua salvação. Compra o churros por mais absurdo que seja o preço e degusta do sabor doce daquela coisa gordurosa.

Mas se você olhar por outro lado, depois do jogo, o ambulante vira um parasita: o churros (que deveria ter sido feito na privada do banheiro do estádio) te deu uma dor de barriga dos infernos, você pagou 15 reais por algo que custa 3 originalmente, seu time foi rebaixado, você não viu o gol, o gordão conseguiu fazer você feder ao sovaco dele e você perdeu a carteira e não tem dinheiro para pegar um ônibus. E perceba que o único parasita não é o ambulante, mas sim o que você pegou quando comeu o churros que provavelmente tinha lombrigas ou algo do tipo.

No fim do dia, o ambulante, volta para casa, todo satisfeito e se recosta na cadeira vendo um filme do Tele Cine Cult da TV à gato que tem, enquanto ri da cara dos otários que enganou desde que pulou o muro. E próximo jogo ele vai estar lá, dizendo que veio apenas para vender churros para você e você é obrigado a fingir que se importa, é claro.

[editar] Médicos

Não se engane com a sirene ligada: aquela ambulância só está ali pra dizerem que tinha ambulância no estádio. Isso se essa ambulância não for de isopor.

Nem só de segurança e limpeza vive um estádio. Aliás, se um estádio só vivesse disso, com certeza teria sido destruído após o final do primeiro jogo dele. Existem os médicos também! Aí é tudo por conta da SAMU que vai cuidar desde que alguém da torcida acabe sendo esmagado contra a cerca até os jogadores. A equipe médica se divide entre:

  • Equipe de qualidade: Esta equipe fica no campo, com ambulâncias prontas para dirigir para o hospital na velocidade da luz caso algum jogador acabe tendo uma torção em uma das pernas astronômica e isso possa prejudicar o time dos paramédicos. Ou então, às vezes quando os paramédicos são do time adversário, dizem que está tudo bem e ainda pedem para o juiz dar um cartão amarelo pelo jogador ser um maricas e estar fingindo uma contusão.
  • Equipe de validade: É a equipe que cuida dos pobres torcedores que forem se ferir. Sequer deram um nome que tivesse sentido/decência para essa divisão que só tem 5 médicos: 4 para carregarem pessoas com as macas e 1 que seria a pessoa que cuidaria dos ferimentos. Este seria ainda estagiário de enfermaria e coloca band-aids nos ferimentos, dizendo que ele já podia ser liberado. Só mandam um torcedor para o hospital quando, por exemplo, o olho dele está pendurado na cara. O restante, depende do programa de saúde que evitará que ele pegue uma infecção hospitalar.

[editar] Motins

Cquote1.png Se essa cambada toda invadir o campo de uma vez só, estamos fudidos... Cquote2.png
PMs e seu pensamento seguro e confiante em controlar a torcida do time da casa

Ou Brigas de torcida, tecnicamente falando pois nem sempre é são brigas entre torcidas mas o Juiz também. O motim é a prova da Teoria do Caos onde milhares de coincidências causam a demolição reforma do estádio, tanto que formularam uma lei para prever isso, a Lei do Vô Coxa.

A lei tem esse nome pois o estádio do Coritiba é certamente o lugar em que mais ocorrem brigas de torcida, se você achava que era o do Corinthians ou o Maracanã está errado pois o coritiba já foi tantas vezes rebaixado que a torcida destrói o estádio do time todas as vezes que ele é rebaixado (por isso ele sempre tem um aspecto novo).

Cita3.pngUma briga de torcidas acontece com a ajuda de três fatores: a posição do time no campeonato, o que aquele jogo está valendo e o que o oponente significa para ele.Cita4.png
Lei do Vô Coxa

Ou seja, vamos supor que seja um clássico "Atlético Mineiro" e "Cruzeiro", é o último jogo do brasileirão e quem perder vai ser rebaixado. As chances de ocorrer uma briga por parte da torcida perdedora ficam próximas a 235%. Mas durante a década de 2010 nenhuma briga de torcidas foi tão devastadora quanto o já mencionado jogo "Fluminense" e "Coritiba", onde o Coritiba acaba sendo rebaixado no centenário e pela porra do FLUMINENSE, não tem como não ficar puto. Essa briga de torcidas é usada como exemplo de segurança incompetente, de como a torcida do coritiba poderia vencer os policiais e também da briga que quase mudou os resultados do jogo. Imagine se o Coritiba tivesse torcedores árabes, aí ia ser tanto que eles iriam sequestrar o juiz e pedir um resgate: reverter a situação do time no brasileirão.

Por sorte, depois de 3 minutos de briga os torcedores irados põem um pouco de juízo na cabeça e percebem que arrancar a cabeça do Juiz não ia impedir o rebaixamento do coxa pois a merda já tava feita, se eles queriam impedir algo tivessem o feito antes do fim do jogo.

Abaixo uma briga de torcidas com observações bem detalhadas, essa briga "Fluminense-coritiba" será o exemplo do "motim dentro de um estádio".


Guerra do Paquistão, digo, Torcida do Coritiba redecorando o Couto Pereira.

O respeito à sinalização do estádio é uma das maiores virtudes de certos torcedores do Coritiba...
  • 0:14 Primeiramente o choque: o apito foi dado e o time verde rebaixado. As mulheres choram e a primeira fileira, contagiada e irada, resolve fazer algo a respeito disso. A regra é clara: quanto mais perto do campo o torcedor sentar mais chances ele tem de ficar louco após o time ser derrotado.
  • 0:17 A guerra começa, um torcedor vai tirar satisfações com o juiz Cquote1.png Juiz féla da puta! Apitô antes pra favorecer aquele bando di pó de arroiz! Cquote2.png
  • 0:23 No canto superior esquerdo da tela podemos ver um zagueiro do time vermelho apanhando de três torcedores do time perdedor, e o zagueiro nem tinha feito o gol! Note a importância da troca de lados: se o time de vermelho fizesse gol no lado em que a torcida da casa estava certamente o artilheiro (o mais cobiçado pela torcida rival) ia acabar morto.
  • 0:33 Alguns torcedores vão a guerra ("Estamos em maior número, porra!") outros ficam com cara de cu em cima do muro, literalmente.
  • 0:45 Fuga do juiz e dos bandeirinhas ("50 REÁL PRA QUEM ME DER A CABEÇA DE UM BANDEIRINHA!")
  • 1:05 A guerra fica no seu meio, nesse ponto os jogadores do time perdedor já entraram no clima e até parece que eles se misturaram com a torcida e estão ajudando a torcida a conseguir a cabeça do juiz. Um torcedor gira um bastão do mesmo modo que Espártaco fazia para chamar os escravos para uma revolução!
  • 2:02 Vista panorâmica da briga.
  • 2:10 Um paralelo, o time tenta fazer a sua festa ignorando o que tem atrás das costas, ninguém se diverte muito pois além da torcida dos vencedores estar em menor número certamente o outro lado vai querer matar todo mundo na saída.
  • 2:23 Reciclagem: os torcedores usam os destroços e pedaços do que um dia foi o estádio do coritiba e começam a atacar a polícia com bancos e o que vem pela frente. Logo tudo vira uma suruba com direito a repórteres correndo para todo lado.
  • 2:45 "Man down! Man down! All personal fall back!"
  • 2:53 "Desculpa ter largado... Mal aê!"
  • 3:34 A briga não se limita só ao campo mas a arquibancada, os poucos seguranças não destripados tentam segurar a torcida do time verde para não passar para o lado da torcida de vermelho e transformar esse encontro em uma grande confusão!
  • 4:00 Primeiro inocente é pego no meio da briga. "Eu só quero minha mãe sinhô oficial!"
  • 4:25 Sempre tem Posers no meio dessa briga toda achando que aquilo é uma guerra de verdade: note o pessoal da globo se defendendo atrás daquela joça de metal se achando o máximo.
  • 4:43 Alguns torcedores percebem a merda que tinham feito e recuam, outros usam a guerra psicológica com gestos e insultos que a globo não consegue censurar.
  • 5:00 "Não deixem o Pó de arroz escapar! Bloqueiem a saída!"
  • 5:47 Desabafo inelegível do técnico do time adversário. Eles achavam que poderiam fugir pela saída do time da casa mas depois da derrota e da própria torcida destruindo o estádio...
  • 6:25 "Bah... Bando de Joselitos esses do Coxa"
  • 6:31 "A guerra ainda não acabou! VOLTEM AQUI COVARDES!"
  • 6:50 "Fodeu negada!"
  • 7:07 Finalmente o rival consegue escapar

O restante é a torcida acabando o que começou: a destruição do estádio, apesar da guerra já ter perdido o sentido já que o time e o juiz já tinham fugido.

[editar] Tipo de gente que se pode encontrar no estádio

Nesta imagem, você pode ver o estádio do Corinthians.

A maioria das pessoas que se encontram em estádios de futebol são torcedores... Quer dizer, deveria ser assim. Mas os seres que habitam esse conturbado espaço fétido e detonado que chamamos de buraco do inferno estádio de futebol são...

  • Fanáticos: Os fanáticos quase pagam de idiotas em estádios de futebol. É o clássico clichê de torcedor que se pinta inteiro só para mostrar que está se humilhando o Ipatinga Club é o time do coração dele. Alguns fanáticos chegam a insanidade de tatuar a camisa do time na própria pele e exibir a "obra de arte" no estádio. Podem ser as pessoas que tornam ir ver um jogo em um estádio de futebol uma experiência ruim, pois berram, xingam e por algum motivo biológico, não ficam com fome no meio do jogo e não vão ao banheiro.
  • Radinhos: Os radinhos são os torcedores ou pessoas que ficam ouvindo rádio com pilha enquanto veem o jogo. Frequentemente são vistos com o rádio perto da orelha e com uma cara de cu olhando para o gramado. Aí o que eles devem estar sentido é mais enigmático que o sorriso da Mona Lisa: algumas vezes estão tristes e outras estão simplesmente, pensando em uma filosofia cósmica, completamente desconexos do jogo. Diversas vezes são amigos dos ambulantes.
  • Playboys: Não podia faltar os playboys, a maior praga da nação brasileira. Os playboys ficam na parte mais privilegiada, geralmente, trazem uma caixa de isopor cheia de cerveja que pode variar de vagabunda para importada (dependendo se o playboy for pseudo ou real) e ficam em uma rodinha de amigos. Só prestam atenção no jogo em 10% das vezes, nas outras 90% são para falar do último traveco que pegaram da última garota que pegaram, do salário dos pais deles e o pior de tudo: quando voltarão para o estádio.
  • Empurrados: O empurrado está no estádio porque está interessado em alguma gostosa de seu trabalho que torce para o time que está jogando, e achava que tinha alguma chance se fosse com todos para o jogo. Ele pensa longe, tal como os radinhos, só que eles pensam longe o tempo inteiro e seus pensamentos são mais desconexos do que o dos outros. Se um empurrado acaba comentando "por que você grita assim?", "o juiz não vai anular o pênalti! Olha lá a fratura exposta que o zagueiro levou!" ou "o que é impedimento?" ele é excluído. O empurrado só assiste o jogo até o intervalo quando ele arranja uma desculpa para sair de lá logo.
  • Policiais/Paramédicos/Faxineiros: Só aparecem em dia de clássico e são as únicas pessoas que estão no estádio de futebol contra sua vontade... Além disso, são os únicos pagos para ir a um estádio.
  • Urubus de cadeira: Os azarados que só chegaram no meio do jogo ou então de tão lotado que o estádio está ficando esperando para que alguma cadeira seja desocupada para eles poderem sentar suas nádegas flatulentas. Ficam dando infinitas voltas pelo estádio, procurando uma cadeira vaga, já que o ingresso que eles compraram dos cambistas era só um xerox vagabundo. Os urubus geralmente são pessoas chatas cujos fins justificam os meios. É muito comum você ver um deles levando uma pedrada durante uma confusão de estádio.
  • Pobres: Os pobres são quase indispensáveis. Até em jogos da série B eles existem. Eles formam um pequeno aglomerado em alguma parte da arquibancada e trazem a própria comida e - algumas vezes - fazem churrasco de gato no estádio. Pelo menos 109% da torcida do Flamengo é constituída por pobres que usam a camisa do time para encerar o chão e para ver os jogos. O restante sobre este espécime é o normal: tem dentes faltando na boca, ficam sorrindo mesmo quando o time se fode e os filhos de pobre estão lá apenas para comer o churros vencido dos ambulantes.
Quando os estádios de futebol se tornam inúteis: nos jogos da Terceira Divisão, repare que o único que "veio" foi um vendedor de amendoim que achava que alguém ainda dava apoio para o Paysandu e para o Remo.
  • Parasitas: Vem mais em forma de ambulantes, embora seu objetivo seja basicamente tirar dinheiro dos pobres (que são a maioria do público em estádios de futebol). Eles fazem coisas como levar o filho de alguém para o banheiro e cobrar como resgate um cachorro quente ou algo que venha de um ambulante do estádio. Vendem até mesmo brinquedos que quebram com facilidade, bolinhas que ficam brilhando e pulando que são feitas do mesmo material que um vibrador e carteiras com o brasão do time.
  • CU: Também chamados de Criadores de Urubucacas, ficam jogando macumbas e fazendo todo tipo de apelo que envolva superstição para que seu time vença. Os CUs são aquelas pessoas que fizeram alguma aposta idiota, apostando com os amigos mil reais que o Santa Cruz não vai ser rebaixado nesse ano mais uma vez e sendo que se eles perderem a aposta ficarão mais duros do que já estão.
  • Torcedor visitante: É o otário que aparece no estádio apenas para dizer para seus amigos "eu já estive no puteiro Maracanã! Sou tricolor!". O torcedor visitante encara ver um jogo do time no estádio dele como uma peregrinação para Meca, só que no caso do torcedor visitante, seria a prova que você é torcedor de time X. Esse tipo de torcedor pode ser chamado de otário pois paga quase um salário mínimo para poder ver um jogo no Morumbi.

[editar] Outras utilidades

Algumas vezes também é usado para práticas de UFC coletivo.

Ótima pergunta: para que serve mais um estádio de futebol além de assistir futebol, comprar churros e conseguir uma Diarreia, encoxar nos homens suados e ficar babando na lojinha do time. O time consegue lucrar alguns trocados a seguir.

  • Shows de música (pois deixou de ser "shows de rock em estádio" a muito tempo): É a única vez em que uma pessoa que não gosta de futebol vai pisar em um estádio desses, costuma Ownar o time que cuida do estádio pois nunca que o futebol conseguiu atrair tanto público quanto em um show musical. A única pessoa que nunca vai a um show musical em um estádio é aquela pessoa que daria a Bunda 20 vezes para o seu time ganhar o mundial de clubes, sim é daquele tipo que não vai pois "é a casa do inimigo". Apesar de ser um show no estádio o evento tem os mesmos problemas de um jogo de futebol: cambistas, vendedores ambulantes, arrastões, pontos cegos... É a única vez em que dá para arranjar uma namorada em um estádio de futebol já que se uma mulher está presente na arquibancada em um jogo do Vasco não é bem do tipo que vai querer conversar com você.
  • Base militar: muito comum em epidemias zumbis e em países que ficaram debaixo d'água. O exército vai escolher um estádio onde o time da casa não presta, quase ninguém vai para lá e que é só mato ao redor, por isso mesmo o Brasil tem um plano de levar o presidente para o Estádio do Mangueirão (Calipsolânida) pois o Paysandu e o Remo estão tão ruins que a sala de troféus deles foi assaltada e ninguém sabe ainda que os roubaram.
  • Casamentos (WTF?): Exclusivo de países podres de ricos. Jamais aconteceu no Brasil justamente porque se fosse um casamento em um estádio brasileiro com certeza iria ter ambulantes tentando vender amendoins a preço de Banana e os pobres assaltando e depenando a mesa de comes e bebes. Os casamentos só ocorrem em dois lugares: no Oriente Médio e nos Estados Unidos. A Arábia Saudita estava tão rica que o Califa mandou construir um estádio para o casamento, em um estalar de dedos o estádio surgiu com vários ninjas-de-burca para servir e limpá-lo, logo após a festa o estádio foi demolido (ninguém perde tempo jogando futebol na Arabia Saudita). Já nos Estados Unidos alguns políticos fanáticos pelo Corinthians se fosse um time de basebol faziam seus casamentos em cima da terceira base onde o Red Sox quebrou o jejum e ganhou a libertadores do basebol, algo que jamais vai acontecer para o Corinthians e você vai ver o Ronaldo morrer e o corinthians não ganhou essa libertadores.

v d e h


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas