Estado do Tapajós

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Quevedo25on.gif Este artigo trata de coisas que nón eczisten!

Este artigo trata de algum mito, lenda, conto, história de pescador ou desculpa esfarrapada. Tome cuidado, pois você pode espirrar e ter sua alma levada pelo capeta caso alguém não fale saúde.


Estado do Tapajós
Bandeira de Estado do Tapajós
Bandeira do Tapajós
Lema
Hino
Gentílico Tapajoara, Tapajoense, esfomeado
Localização
[[Arquivo:|280px|center|Localização de Estado do Tapajós]]
Região Meio do Norte
Capital Santarroça
Cidade mais importante Altamiséria
Estados limítrofes Pará, Carajás, Colônia do Maranhense do Sarney e Amazonas
Governo
Governador
Partido
Características geográficas
Área
População 1.000.002 hab. 2007
Densidade
Clima Sub-Infernal de Planície
Indicadores
Analfabetismo 0,1% 6/03/2021
Mortalidade infantil 2% 6/03/2021
Expectativa de vida 186 anos 6/03/2021
IDH 0,984 6/03/2021
PIB R$ 2.099.364.221.000,00 6/03/2021
0,9999999% do nacional
PIB per capita R$ 34,00 6/03/2021


Cquote1.png Experimente também: fim do mundo Cquote2.png
Sugestão do Google para Estado do Tapajós
Cquote1.svg Isto non ecziste!!! Cquote2.svg
Padre Quevedo sobre Estado do Tapajós
Cquote1.svg Maixxx quando? Cquote2.svg
Paraense sobre o Estado do Tapajós
Cquote1.svg É um bando de vagabuuundo! Cquote2.svg
Kassab sobre o Estado do Tapajós
Cquote1.svg Separa que é briga! Cquote2.svg
Visitante sobre o Estado do Tapajós
Cquote1.svg Cuma? Cquote2.svg
Didí sobre Tapajós
Cquote1.svg Eu tenho medo! Cquote2.svg
Regina Duarte sobre Tapajós
Cquote1.svg É uma cilada, Bino! Cquote2.svg
Pedro sobre a mesma coisa que Regina Duarte sobre Tapajós
Cquote1.svg Puta que pariu! Cquote2.svg
Dercy Gonçalves sobre Tapajós

Também chamado de Tapadós, pois os colonos - um bando se tapados por sinal - que lutam por sua emancipação, atravessaram séculos com essa tal proposta e se quer conseguiram o maldito plebicito. A região localiza-se aonde Judas perdeu as botas, no meio do nada cortada por uma rodovia(Transamazônica) que tem um nome impronuciável pela maioria dos habitantes, pois antes de terminar de falá-lo já contrairam febre amarela e morreram.

História[editar]

Área formada pelo oeste do pará (apenas 56% da área do Pará), fumada e esquecida por governadores que só governam para Belém, há mais de 200 anos se organizam para transformar essa região no estado do Tapajós, o que Belém se vaza só de se falar nesse assunto. Tanto que em 1858 o estado saiu por iniciativa do povo, que financiou a campanha comprando o papel higiêncico com o rosto do então governador Almir Gabriel(Aquele de eldorado dos carajás), foi um lucro de 300 porrilhões de reais.

Guerra dos Tupaius

A situação se agravou quando Belém enviou 700 milhões de soldados, liderados por Bento Maciel, para a região(cabocos, lisos, freqüentadores de festas de aparelhagens, esses tipos), mas depois de 900 milhões de mortos, 6 trilhões de reais gastos pelo estado e 450 anos de luta, deu empate, porém isso arrebentou o caixa do estado e até hoje, quase 950 anos depois do fim da guerra, tudo de imposto recolhido é pra pagar os juros dos empréstimos contraídos no Basa, Bradesco, Itaú, Al Kaeda Bank, HSBC e CEF e as indenizacões de ex-combantentes que ameaçam tirar Ana Júlia do poder.

Revolta do Peixe Liso

Então em 1973, tropas Amazonenses entraram em Santarém e declararam a independência so estado do Tapajós em relação ao Pará, com a intenção de aumentar seus estoques de pescados e mandioca, levando o Pará a se tornar dependente destes produtos tão essenciais. Por fim levar a cabo finalmente seu plano de dominar o Pará e depois o Mundo.

Este episódio levou a fúria as elites belenenses, que lideradas pelo pelo Comandante supremo das forças majoritárias do Tecnobrega, Jader Barbalho e seus aliados a organização secreta chamada ORM (Organizações Romulo MaiorSacana), a invadir o local e tentar implantar o Amazonic Way of Life na vida dos colonos e matutos locais.

Mas os Amazonenses e Paraenses não contavam com o forte apoio das forças do Exército Paramilitar del Sarney, que vinham do Maranhão e Amapá, com a intenção de implantar mais uma colônia para o Sarney. Contudo o conflito não durou muito os soldados do Pará e Amazonas fugiram das tropas do Sarney, e os soldados sarneístas partiram imediatamente em retirada ao descobrirem que a população da região dança Carimbó e come Maniçoba.

Os Tapajoaras então se juntaram aos rebeldes carajaenses e declararam independência em em 27 de agosto de 2006.

A Guerra do Itacaiúnas

Combatentes lamentam a morte da guerreilheira Dorotéia

A resposta do governo paraense à declaração de independência das províncias separatistas de Carajás e Tapajós foi imediata. O grupo de elite das forças armadas paraenses foi enviado para assassinar líderes separatistas e o evento ganhou os noticiários mundiais na ocasião da morte da guerrilheira separatista norte-americana Dorotéia Strange. Uma sucessão de conflitos teve lugar nas matas de Carajás e Tapajós ao todo cerca de 30 mil homens morreram. Nenhum pelo conflito, mas todos por insolação e febre amarela. Os sobrevivente se organizaram em aldeias onde engravidaram casaram-se com índias nativas brasileiras tentando aumentar a população destes locais para se precavir de novas incursões armamentistas paraenses.

Hoje em dia os Estado do Carajás e Tapajós são reconhecidos como federação por 3 dos 47 estados brasileiros e pleteiam uma vaga nos Estados Unidos do Sul. Até o momento, seu status oficial perante Brasília é o de "Território separatista do Tapajós".


CIA descobre megaplano do São Raimundo


Graças ao vazamento de informações sigilosas propiciado pela Wikileaks, descobriu-se uma grande investigação do FBI e da CIA, em parceria com o serviço secreto nauruano, ao longo de vários anos, usando-se escutas telefônicas, imagens por satélite, aviões espiões e espiãs gostosas, enfim, dando conta de que na verdade o maior interessado na criação do moribundo Estábulo do Tapajós é o time do São Raimundo: pois está cansado de nunca conseguir ganhar do Remo nem do Gaysandu e quer ver se desse jeito finalmente consegue ser campeão estadual alguma vez na vida - assim como muitos políticos de Santarém e cercanias querem ver se viram deputado ao menos uma vez na vida.

Uma fábrica de Tacacá

Foi descoberto também que a diretoria do clube mantém uma conta em Liechtenstein, um paraíso fiscal na Europa Central, com o valor total de 900 trilhões de dólares do Zimbábue, doado por um magnata russo interessado em patrocinar o clube - mas só a partir do dia que ele conseguir ser campeão de alguma coisa além do campeonato santareno (que, na prática é ao que vai iria se resumir o campeonato estadual do Tapajós).

A diretoria do São Raimundo está disposta a torrar essa fortuna inteira na campanha do plebiscito, subornando com doando uma pick up para cada político do Oeste do Pará fazer campanha (afinal, como Tapajós mau vai iria ter dinheiro para pagar os custos com gabinetes de políticos, vai iria sobrar quase nada para asfaltar estrada), além de aviões para os principais políticos. É por causa desse motivo que mau tem água para beber no clube, tudo em nome de poupar para a campanha.

Economia[editar]

Enquanto as atividades econômicas do Pará sustentam-se pela criação de carangueijos nos esgotos de Belém e da Pirataria de CDs da Banda Calypso, a economia Tapajoara é sustentada na atividade sem-terra, baseada na invasão e ocupação de terras. Esta é apoiada por vários partidos políticos brasileiros. Os integrantes do MST, invadem as fazendas e depois que o governo dá as terras eles, a revendem para os proprios fazendeiros que eram donos das terras invadidas.

Clima[editar]

O clima é quente e úmido com temperatura média anual variando de 335º a 489°C, o que significa que se você algum dia se mudar para lá, você irá cozinhar lentamente. Mas, se preferir, poderá deslocar-se para uma das inúmeras e maravilhosas praias fluviais próximas, mas antes de mergulhar você nas águas corre risco de de se esbarrar com coliformes mutantes saindo das puras águas do Rio Amazonas ou ainda ser subtamente abduzido por botos tarados presentes em todos os rios locais.

Ver também[editar]