Deslivros:Ex-Narutard Recuperado

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Ex-Narutard Recuperado)
Ir para: navegação, pesquisa
Deslivros4.png
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.



Cquote1.png Você quis dizer: Ex-Naruteiro Recuperado Cquote2.png
Google sobre Ex-Narutart Recuperado
Cquote1.png Aff! Cquote2.png
Otaku e jogador de Magic sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png Aleluia, irmão! Cquote2.png
Pastor Silas Adoniran sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png Isto no ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png É mais um dos nosso! Cquote2.png
Narutard sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png Esse artigo não fala nada com nada! Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png Bem feito otario! Cquote2.png
Anti-Naruto sobre a parte da "Zangetsu da Tramontina"
Cquote1.png Quem bom que a Igreja Internacional não fala mal da Sony Cquote2.png
Sonysta sobre Ex-Narutard Recuperado
Cquote1.png Pegamos muitos macunheiros naquele evento! Cquote2.png
BOPE sobre a parte do AnimeGO
Cquote1.png Tira esse kinomo preto que tu é muleque Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre O Ichigo do evento


Narutard.png Ex-Narutard Recuperado ou Ex-Naruteiro Recuperado para os Noobs é uma história michuruca postada no blog do Pastor Silas Adoniran da Igreja Internacional que apos criar sua histórinha bonitinha alienou muitos otários fiéis a irem mais na igreja e pagarem o Dízimo.

A comovente história de um Narutard[editar]

"Sempre fui apegado a Deus (hmmm... 1º), ia aos cultos todos os dias, não perdia um encontro de jovens, estava sempre em sintonia com Ele, nosso Senhor Jesus Cristo. Chegava da escola na hora do almoço e ligava o meu televisor, sem saber que fazendo isso, deixava uma brecha para o demônio adentrar meu lar. Um simples desenho animado se tornou o meu maior tormento. Começou por acaso, liguei no SBT e estava passando um desenho muito colorido, feito pra atrair os jovens e levianos. Em pouco tempo não só me viciei no anime mas também passei a baixar todos os episódios pela internet. Estes desenhos são feitos por japoneses não-cristãos. Lançam mais de 500 capítulos para prender as crianças na frente do televisor e ganhar suas almas. São conhecidos como fillers no meio. Nesta época perdi o interesse em ir à Igreja e me envolvi (hmmm... 2º) com uma galera da pesada, os Otakus. Meu vocabulário se resumia à palavras japonesas, como Karai Kawaii, Itadakimasu e outras idiotices. No início meu pai ficou feliz, pois achou que eu estava falando línguas (O dialeto do Espírito Santo). Ele só foi perceber que eu havia me distanciado no dia de um evento de anime, o AnimeGO. Meus amigos me convidaram e disseram que tinha que fazer Cosplay, se vestir como os personagens dos desenhos. Ia saindo vestido de Sasuke, e ao passar por meu pai, ele ficou perplexo. De início ele não entendeu, pensou que eu havia me tornado homossexual, mas não, havia me tornado uma coisa muito pior, uma pessoa sem vida social Otaku.

Cquote1.png O que significa isso meu filho? Você não vai sair com estas roupas de mulher, vai? Cquote2.png
Pai de Ex-Narutard Recuperado sobre duvidar de sua sexualidade(com rasão)

O terrível Ichigo e sua "Zangetsu of Tramontina", muito eficiente contra Narutards.
Capitão Nascimento se preparando para invadir o AnimeGO, disfarçado e fazendo Cosplay dele mesmo.

Quando escutei isso senti raiva, e achei meu pai um ignorante, e até pensei em escrever seu nome na minha Caderno da Hello Kitty Death Note, contrariando o quinto mandamento. Saí de casa mesmo assim. Ao chegar no evento nossa galera se deparou com uma turma rival, os caras do Bleach. Logo na entrada, talvez sob efeito de drogas, começaram as provocações. Ficamos calmos, mas quando disseram que Bleach era melhor que Naruto no que tinham razão perdemos a cabeça e partimos pra cima deles. Pra nosso azar o Ichigo tinha um facão de verdade, uma Zangetsu da Tramontina muito bem amolada. Esse Ichigo, gritando Bankai, desferiu vários golpes em mim e nos meus colegas. O evento virou um banho de sangue, tive um corte no braço e meu amigo Olemário teve um dedo decepado. A polícia foi acionada e os que estavam em condição saíram correndo, outros ficaram no chão, cheguei em casa todo cortado, meus pais ao verem aquilo choraram muito e oraram pra que o diabo saísse do meu corpo. Mas eu só queria mais e mais, comecei a baixar mais animes e a ler mangás, que são lidos de trás pra frente, simbolizando o retrocesso da alma. Perdi totalmente os valores cristãos, até cogitei me mudar para o Japão. Passava horas na internet vendo pornografia japonesa, os hentai e jogando jogos de estupro, Rapelay. Um dia saí de casa pra jogar Magic e fumar maconha com os amigos. Coloquei a minha Bandana Kunai na cabeça e fui pegar o ônibus para o cemitério municipal, onde organizávamos os rounds.

Cheguei lá e começamos a jogatina. Magic é como um truco do diabo, são usadas cartas com temáticas umbandistas, e símbolos pagãos. O Olemário jogou uma carta muito forte, cheia de mana. Aí tive que usar meu trunfo, o Scion of Darkness. Quando joguei a carta na tumba ela estremeceu, senti um vento frio que me gelou a espinha. Nós tinhamos evocado uma entidade de umbanda sem saber. Olhei pra trás e vi um sujeito de terno branco, camisa listrada, chapéu panamá social branco, sapato mocassim branco e cordão de ouro. Era ele mesmo, o Zé Pelintra. Como eu era ligado em anime e Magic, conhecia todos as entidades do umbanda de cor. Meus amigos não se assustaram, mas eu sim. Corri e pulei o muro do cemitério, cheguei em casa e acordei meu pai, contei tudo que sabia. Ele, um obreiro conceituado, orou muito por mim. Nesse dia aceitei Jesus novamente (hmmm... 3º). Meus dois amigos que estavam comigo no cemitério estão perdidos na vida, um se envolveu com o tráfico de drogas. E o outro pelo que soube ingressou num grupo de samba e faz uso extenso de cachaça. Espero que este meu testemunho sirva de relato para todos aqueles que foram iludidos e seduzidos por estas obras do diabo."

Ver também[editar]

Ligações externas[editar]

Atenção: texto estranhamente humorístico.