Fábio Luciano

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Fábio Luciano
Fábio Luciano Colônia.jpg
Dia no trampo
Apelidos Xerife
Nascimento 29 de Abril de 1975
Vinhedo, link={{{3}}} São Paulo
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasil
Altura 1,90
Peso 80 kg, mas mudou depois da tapioca que comeu ontem
Posição Zagueiro-zagueiro
Esquerdo pra bola e direito pra canela rival
Clubes Corinthians, Flamengo
Estilo de Jogo "Atacante morto não faz gol"
Gols De cabeça e de canela


Cquote1.png Você quis dizer: Xerife? Cquote2.png
Google sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Saudades... Cquote2.png
Torcida do Flamengo sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Favelado! Cquote2.png
Vascaíno sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Maloqueiro! Cquote2.png
Palmeirense sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Pode ter parado, mas, ainda tenho medo! Cquote2.png
Regina Duarte sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Where d’you go? I miss you so... Cquote2.png
Mike Shinoda Ronaldo Angelim sobre Fábio Luciano
Cquote1.png Nome de protagonista gala de novela Mexicana... Cquote2.png
Você sobre Fábio Luciano
Cquote1.png FILHO DA PUTA! Cquote2.png
Atacante adversário sobre Fábio Luciano

Em Vinhedo, uma aldeia de São Paulo, enquanto a situação era digna de filmes de faroeste com John Wayne e Charles Bronson protagonizando devido a violência, um dos xerifes se apaixonou por uma donzela bebaça graças a Festa da Uva, no processo de pacificação forçada. E, em 29 de abril de 1975, por lá mesmo, nascia FÁBIO LUCIANO, fruto do casal, que, anos após, resolveu ser mais um jogador de futebol, contrariando o pai, que queria que ele fosse o xerife da cidade no futuro, já que a profissão de boleiro pagava mais e não havia risco de levar um balaço no trampo, a não ser se fizesse muita merda... Mais um que teve aquilo roxo suficiente pra jogar nos 2 maiores e mais odiados times de futebol do Brasil, mostrando que caga e anda pra preconceitos, só querendo fazer o dele e ganhando dinheiro e mulheres por isso. É um clássico zagueiro, ou seja, achaque futebol-arte é coisa de viado (o que não é mentira, sem preconceitos) e, se bobear, após quebrar um adepto do futebol-arte e alguém da mídia reclamar, ele também vai atrás do gay reclamão.

A infância:[editar]

Fábio Luciano mostrou que, apesar no nome de galã de Novela Mexicana que lhe foi dado, ele era bem espartano, sempre se impondo, graças a educação do pai, xerife que tentava limpar a cidade, e achou que seu filho seguiria seu caminho. Entrou pra brigada mirim, chamada de “Batutinhas” (qualquer semelhança com a ficção não é mera coincidência), que era um grupo de crianças que combatiam crimes infantis (Bullying, Assasinato de passarinhos e porte ilegal de estilingues) com certa truculência, fazendo com que a violência infantil batesse recordes na cidade, e que batia a sua bolinha nas horas vagas. Numa dessas horas vagas, um boleiro, que tinha ido a delegacia relatar o roubo de seu carro por uma multidão furiosa que estava com raiva dele por ter tirado um garoto da cidade pra ir jogar bola, viu que ele era um excelente zagueiro, que, anos após veio a dizer que ele repetia a truculência das operações em campo. Não conseguiu seu carro de volta, e, de sacanagem, seduziu o garoto a sair da Brigada e jogar profissionalmente um dia (ou não). O pai não queria, queria que ele ficasse na cidade pra ser xerife um dia, mas, não era esse tipo de xerife. Queria ser um xerife no futebol, e, após ser expulso sem honras da Brigada Mirim, foi pra base da Ponte Preta, que queria ganhar alguma coisa, o centenário tava chegando. Na hora da Peneira pro time de cima, só ele e mais alguns foram aprovados. O resto se machucou após divididas e desarmes dele.

Carreira[editar]

Preparando o ataque...

Já no time de cima da Ponte Preta, em 1996, como manda a tradição, não ganhou nada defendendo o time de campinas, enquanto a sala de troféus do rival estava cheia, eles nem se deram ao trabalho de fazer uma, já que nunca ganharam nada, fazendo com que a rivalidade de Campinas seja a mais engraçada do mundo futebolístico. E com gana de ganhar, aliando isso o desejo da Ponte de montar um Dream Tem pó Centanada Centenário, o vende pro Corinthians, onde de cara, tem novas experiências. A 1ª delas foi ver uma sala de troféus, coisa que, vindo de onde veio, não sabia que existia. A 2ª foi enfrentar times estrangeiros, após a manobra da Traffic de tirar o Palmeiras do Mundial de Clubes no Brasil em 2000, pra colocar o Corinthians, manobra essa que fez com que o campeonato passasse a ser chamado carinhosamente de “Copa de Verão Traffic/Band” pela torcida arco-íris Anti-Corinthians. No campeonato, teve sua 3ª nova experiência: quebrar boleiros estrangeiros, e na sequência, a 4ª: finalmente ser campeão.

Com alguns dias de casa conseguiu o que não tinha conseguido em 4 anos em Campinas: um título oficial (ou não, há controvérsias). Após um ano de muita truculência, vai pro Rio Grande do Sul por empréstimo, jogar no Inter, que tinha armado uma parceria homofóbica pra exterminar os jogadores do Grêmio e, após o fim da parceria, ele volta ao Corinthians, onde fez o que todo mundo fez em 2002, coisas como ser humilhado pelo Robinho na final do Brasileirão, e iniciar uma longa e duradoura freguesia diante do River, as conspirações pra derrubar o Parreira, que são as maiores derrotas da sua vida. Se sentindo um merda com isso, se manda do Brasil e vai jogar escondido em algumcanto na Europa onde não se sabia nem se tinha futebol lá. Após jogar um dardo no mapa mundi que tinha em seu quarto, que caiu na Turquia, vai pra lá, até então, um lugar desconhecido, pois seus maiores bens modernos ainda não existiam: o autódromo e o Orkut.

Comemorando em dúvida. Destaque pra tatuagem em Kanji, escrito "Quebro mesmo".

Orkut Büyükkokten financiou a ida dele pro Fenerbahçe, num acordo que lhe daria condições de criar a sua rede social, que, a princípio, seria só pra comentar o desempenho do jogador, mas, virou o monstro que virou. Lá, ele deu a ideia de trazer mais jogadores brasileiros pra vencer a Rússia na categoria: novo pólo de jogadores brasileiros, assim, conseguiu fazer uma debandada de jogadores daqui pra jogar lá, até porque ele não confiava em jogadores turcos, mas, alguns foram pra concorrência, e ele entrou pra história como o cara que arregaçou o buraco (Ui!) turco pro futebol brasileiro. Após 3 anos jogando lá e ficando muito rico, é expulso da Turquia a pedido dos boleiros turcos, alegando que ele “era muito truculento e uma ameaça pros jogadores rivais”, sem saber que ele era só um zagueiro que fazia seu trabalho, enfim, futebol não é muito conhecido lá na Turquia. Sem nenhuma proposta, resolveu pedir só alguns milhões de euros mensais pra quem quisesse seus préstimos.

Abrindo a poitêra pro futebol brasileiro na Turquia.

Assim, o Colônia, que tava jogando dinheiro avanço, graças a venda do Fodolski Podolski ao Bayern, se deu ao luxo de aceitar as condições que ele queria, e o contratou pra ser a truculência do time na luta pra voltar a elite do futebol nazista alemão, não conseguindo, já que, se o time tivesse gastado o dinheiro do Podolski bem, o acesso teria sido mais rápido, e, como o dinheiro foi todo gasto nele, e em águas de colônia (que lá é chamada só de “água”) e conseguindo as Guerreiras pros boleiros no puteiro de lá, o maior da Europa. Já com o rabo cheio de dinheiro, com a sua “Guerreira” alemã e com muitos jogadores contundidos graças a divididas e desarmes, resolve voltar ao Brasil, fazendo com que os times entrassem em Guerra Civil pelos seus préstimos. Após muita destruição, o Flamengo (“Framengu”, “Fraengo”, “Flavela” ou “Flamerda” entre emos e coloridos) conseguiu o jogador, que seria decisivo na manobra “In dê mídiu from birráinde” do Joel Santana, que consistia em ele fazer parceria com Gergelim Angelim pra fazer uma zaga intransponível e fazer com que o time tentasse se livrar (de novo) do rebaixamento.

Seu talento natural foi útil pra ajudar o time a, não só não cair como ir pra Libertadores de 2008 (emos e coloridos falam que a CBF ajudou adiando os jogos, mas, vários times tiveram jogos assim e eles se omitem pra falar do adiamento de outros. Hipocrisia Rocks!), e fazer vergonha na citada Libertadores, e ainda não conseguiu se classificar pra 2009 por causa do medinho do Caio Júnior de acreditar na zaga, e porque ele não se intimidava perante a negão, ao contrário do árbitro que operou o Flamengo contra o Cruzeiro (sim, o Flamengo também é roubado, mas, os antis viram eremitas nessas horas), já que, ao dizer isso, tinha sido expulso do campeonato. Já velho, caquético, cansado, de saco cheio da vida e de consciência pesada por causa do seu trabalho, resolve parar, mas, ao ver que enfrentaria o Botafogo na final do Cariocão, o que era considerado “Bônus Stage” na Gávea, resolve jogar um pouquinho mais, só pra levantar seu último troféu, era o Botafogo. 100% de chances do troféu ir pra Gávea. Atualmente, não quer saber de futebol, e, voltou pra sua cidade, onde é crítico da Festa da Uva, porque todos gostam de beber vinho grátis, e, fez as pazes com o pai, que, finalmente conseguiu impor a paz na cidade.