Fúria nórdica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Viking arca de Noé.jpg Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!

Mantenha distância... ALLAHU AKBAR!!!!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
Bombaatomica.gif
Um viking qualquer, em modo normal

A fúria nórdica era um estado de espírito atingido pelos guerreiros nórdicos europeus vikings escandinavos germânicos do norte da Europa, quando alcançavam o mais perfeito descontrole já visto no mundo. Também chamado de modo furioso, modo berserk, fúria viking, fúria de Tyr e perda total, a fúria nórdica deixava os guerreiros em transe, doidões e ferozes. Quando os guerreiros atingiam a bela fúria nórdica, viravam búfalos raivosos.

O poder[editar]

Tomados pela fúria, os guerreiros nórdicos ficavam corajosos e resistentes. Os berserkers, que só usavam um casaco de pele no lugar de armadura, viravam máquinas de guerra revestidas de adamantium. Quando atingiam o modo berserk, os vikings tinham seus pensamentos modificados. Em vez de inimigos, só conseguiam enxergar ratos. Lanças viravam pirulitos, espadas viravam sorvetes e machados viravam maçãs-do-amor. Quando eram atingidos pelos golpes das armas, não sentiam dor, mesmo com ferimentos profundos. A fúria descontrolada era tão grande que era bem provável que, mesmo se um viking fosse decapitado, seu corpo andaria sozinho, movido apenas pelos estímulos da fúria.

O mesmo viking, no modo berserker

A fúria viking deixava o guerreiro sedento de vontades. Ao atingir o nono sentido, o guerreiro invadia as cidades e começava a tocar o terror. Os vikings doidões ainda formavam gangues para saquear cidades. Se um berserker já incomodava muita gente, milhares deles incomodavam muito mais. Casas eram queimadas, mulheres eram estupradas, homens eram empalados, lojas eram roubadas e paredes eram pichadas. Bebiam toda a cerveja da cidade, torturavam os soldados inimigos, levantavam as saias de velhinhas, jogavam lixo no chão e envenenavam os alimentos, tudo em nome de Tyr. Antes de o eeito terminar, os guerreiros voltavam para suas aldeias. Quando o efeito terminava, ninguém lembrava merda nenhuma do que havia acontecido.

Transformação[editar]

O destino das cidades arrasadas pelos berserkers

Berserk significa pele de urso. A fúria nórdica recebe este nome por fazer os vikings acharem que são ursos raivosos. Mas entrar no modo berserker era para poucos. Apenas os guerreiros mais experientes conseguiam entrar no modo berserker sem problemas. Os demais apelavam para o doping. Consumiam DORGAS para atingir o modo berserker, normalmente cogumelos. Por isso o pessoal costuma chamar a fumaça de explosões de "cogumelos", já que estes faziam os berserkers explodirem de raiva. Mulheres entravam em modo berserker quando estavam de TPM, mas não usavam isto em guerras, pois guerrear era profissão para homens. Lugar de mulher era no tanque de lavar roupas (e ainda é). Nenhuma mulher guerreava, somente as valquírias, mas essas nem existiram de verdade.

Enquanto lúcidos, os nórdicos eram pessoas calmas. Alguns pescadores, outros agricultores, alguns artistas, outros eram músicos. Todos os nórdicos tinham profissões. Quando surgia o tédio, os nórdicos viravam berserkers e iam se divertir nas cidades inimigas. Como na época ninguém tinha hora pra nada, eles deixavam o trabalho pela metade. Pescadores pacíficos se transformavam em seres possuídos pelo Capeta em poucos segundos. Bastava falar a palavra "pilhagem".

Ver também[editar]


Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!