Faina

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Faina é uma pequena mata lá em Goiás, utilizada como esconderijo em diversas situações.

História[editar]

Uma atração cultural em Faina.

Diz-se que essa lendária cidade foi infelizmente inventada na década de 50 por um cara que queria muito se abrir, conhecido como Seabra, ele se abriu tanto, que fez nascer o "nascimento".

Durante eras, a existência de Faina não passou de lenda, mas descobriu-se que existia mesmo a cidade quando um dia, o tal do Seabra saiu pra caçar seu amigo no cerrado, e topou com um moreno chamado Iê-IÊ, correndo com uma multidão de mortos vivos (uns 20 na verdade), mas de qualquer forma decidiu marcar aquele local debaixo de um pé de pequi.

A mais conhecida história do Faina é a do pequeno gato que aprendeu a falar para pedir a seu dono que não o deixasse na cidade assombrosa de Faina. Sua fala dizia fainanaum, fainanaum... Este gato virou meme instantâneo na Internet.

Agora que você sabe disso, sempre passe longe de Faina, pois se você passar perto, poderás cair na porta do Inferno.

Geografia[editar]

Além da assombrosa Faina, existem ao seu redor cidades com nomes estranhos, que deixam as pessoas que passam por elas pasmadas, querendo nunca mais voltar no estado.

Uma delas é a Caiçara, que deriva da história de um homem que aparecia no escuro e dizia para uma pequena menina chamada Sara a seguinte frase que ficou marcada naquele local: Cai sara, cai sara. Até que um dia ela caiu e formou-se a cidade.

A outra vizinha de Faina é Burduna (que nome horrível), como o próprio nome já diz, parece que passamos por uma cidade que mais parece uma bunda, e suja.

Outra vizinha é a Jeroquara! (puts com esse nome não precisa dizer muita coisa), mas o pouco que sabemos é que essa é fruto de uma longa história, onde um dia simplesmente se encontrou uma santa dentro de uma caverna. Mais o que mais marca a historia desse buraco é a preocupação que a maioria das pessoas tem com a vida alheia, fazendo com que aquilo seja uma terra sem lei, onde tudo pode pois nem a policia vai lá, pois as crianças de lá são peritas em pilotar motos em alta velocidade. e caso você passe por lá (pois ninguém vai lá) procurem tomar cuidado pois as garotas de lá engravidam só de olhar para os homens.

O mais estranho nome do Brasil, (procura no Google e vocês verão que é mesmo), é o povoado de Tiririca, na verdade o ator Tiririca nasceu lá, mas nunca quis revelar isso para imprensa por vergonha, e em sua homenagem o fundador colocou esse nome.

Enfim, Faina desde sua história até as cidades circunvizinhas é rodeado de mistérios os quais ninguém quis revelar, e se ninguém quis simplesmente não tente se aproximar.

Mais informações sobre os mitos fainianos ligue para o gatinho do faina, e ele te dirá que no "Fainanaum"!

Clima[editar]

Faina é tão quente, que recentemente descobriu-se que lá tem um local chamado Porta do Inferno. Além do calor, essa entrada do Inferno também influencia a vida de Faina devido aos diabos e almas penadas que comumente são encontradas assombrando a cidade perambulando pela rua.

Os rios são uma delicia, só que ficam sujos de saquinhos de preservativos e latas de energético o ano inteiro, e o poço mais famoso é tomado de doidos varridos de um tal "Seca Goela".

Politica[editar]

A politica local é regida pelas mesmas pessoas de sempre, e só um doido dono de um salão de cabeleireiro que banca o militante da Al-Qaeda e dono da verdade absoluta, vai contra todas as opiniões e vive de brigar com o prefeito. Este mesmo doido já plantou algumas árvores na cidade e só por isso acha que fez uma obra faraônica. Agora que descobriu o Facebook seu moral caiu tanto quanto seu cabelo e os dentes.

Ninguém dá moral para o que os políticos dizem ou fazem, pois nem o tal gatinho quis ficar por lá.

População[editar]

Algumas estatísticas puramente falsas indicam que o Faina possui 7000 habitantes, mas como já dito isso é falso, pois o local onde se pode encontrar a maioria da população do Faina é nas gavetas do IML de Goiânia, ou seja, dá pena, mas a maioria da população do Faina, não pode simplesmente ter o livre-arbítrio, eles ficam trancafiados naquelas gavetas escuras e assombrosas. Enfim, só pode se conhecer um fainense num velório ou num centro espírita, onde eles ainda podem se manifestar.

E alguns dos poucos vivos fazem faculdade e se acham sabidões metidos a Aurelius.

Turismo[editar]

Nenhum. Apenas um puteiro onde primas de corpinhos salientes que trabalham lá são atração de caminhoneiros de todo o Brasil.