Famiclone

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Super clones.jpg
OFamiclone é um CLONE!O

...e é 100% confundível!

Mewtwos.gif
Night creature.JPG Famiclone surgiu das trevas!!

Of DOOOOOOOOOM!!!

Puro osso.gif


Cquote1.png Esse eu agarântio! Cquote2.png
Seu Creysson sobre um famiclone criado pelo Grupo Capivara.
Cquote1.png Originalíssimo, minha patroa! Cquote2.png
Camelô sobre enrolar seus pais.
Cquote1.png Ei, por que esse Playstation não roda CDs? Cquote2.png
Você sobre sua eterna decepção.

O mais popular (e troll) de todos os tempos, o Polystation.

Famiclones, ou erroneamente chamados pela Wikipédia Clones do NES, são um grupo monstruosamente gigantesco e abominável de pilhas de cocô triturados e passados na pasta quente de amendoim defecado por galinhas e vendida para pais burros que tolamente acreditam estar levando um NES ou um videogame até mais avançado, como um XBOX ou um Playstation para o filho e de repente se deparam com uma abominação criada a partir de um pirateiro que conseguiu roubar o hardware do NES e, algumas vezes, do Famicom japonês também, e enfiar tudo numa caixa de plástico, algumas vezes descaradamente roubada de outro console com o único objetivo de engabelar otários que pensam estar comprando um material de qualidade e muito bom e de repente esbarram num fake sem tamanho.

História[editar]

Top Game, mais uma porcaria criada pela CCE para enganar brasileiros trouxas, perceba o tamanho do analógico do console.

Como qualquer nerd panaca que pesquisa sobre essas coisas inúteis mas que eu adoro chamadas de videogames sabem ou deveriam saber, a Nintendo a partir de 1983 começou a reerguer o mundo dos games com seu fabuloso Nintendinho, ou Famicom na terra dos olhos puxados e paus pequenos. O sucesso absurdo do console e dos seus jogos, desde pérolas gamísticas incomparáveis como Super Mario Bros., Excitebike e The Legend of Zelda, até sacos de diarreia fedida jogada ao vento como Street Fighter 2010, Davey, o Sonhador, Deadly Towers e Castlevania II: Simon's Quest.

O maior problema é que em diversos países como na União Soviética (onde o videogame joga VOCÊ!!!) e na América do Sul (inclua o Brasil nesse meio) o NES não chegou ou simplesmente era caro pra carvalho. Com isso, e também porque nessa época parecia ser muito fácil fazer pirataria (imagina hoje em dia com os emuladores...), diversas empresas barbantes começaram a criar suas versões de NES, algumas até com cartuchos exclusivos que muitas vezes também liam no NES (mas só ALGUMAS vezes) ou em outros clones.

Alguns deles, para não tomarem um processo dos japas, diziam apenas que seu console era "compatível com NES", não dando muito na telha que na realidade ele era uma cópia carbono e mal feita do NES. Isso sem falar em alguns fakes mais "sofisticados", que devem até hoje dar ódio extremo na Sony e na Microsoft também. Atualmente contabilizam-se ao menos TREZENTOS E CINQUENTA E SEIS tipos de clones do NES. São tantos que nenhum ser humano com um pingo de bom senso vai tentar citar todos ou ter todos (nem o AVGN iria tentar essa proeza).

Clones mais conhecidos[editar]

Brasil[editar]

A visão mais infernal de todas.
Criança após ganhar um famiclone de presente.

O primeirão foi inventado pela Dynacom, se chamava Dynavision, criado em 1989 e que originalmente era um clone do Atari 2600, mas foi readaptado aos novos tempos, com um simples facto que só rodava jogos de 60 pinos, no padrão clássico do Famicom japonês. Essa praga existe até hoje e era inclusive um dos prêmios "mais cobiçados" em programas de auditório ou no Bom Dia & Cia. Em 1990 foi a vez da CCE lançar o seu, o Top Game, que era bem parecido com o Top Loader americano da American Video Entertainment e rodava jogos tanto de 72 pinos como de 60 pinos, podendo assim rodar games americanos e japoneses. Esse mesmo design foi utilizado pouco depois pela Milmar em seu Top System, e pela Gradiente, com o inigualável Phantom System, que mais parecia uma mistura insana de NES com Mega Drive, devido aos controles que eram cópias carbono do Mega Drive. SÓ EM 1993 a Nintendo lançou seu NES pelas terras tupiniquins, mas já era meio tarde, além do mais já muita gente estava já com o SNES em casa e nem queria mais comprar aquele trambolho enorme. Isso entretanto não impediu o surgimento do abominável PS-Kid, Game Player, Play and Power ou simplesmente POLYSTATION. Esse nem sabemos a empresa criadora, mas é completamente fake, tão fake que a Sony e a Nintendo JUNTAS desejam exterminar esse pedaço de cocô.

Em outros países[editar]

O Dendy, porque na União Soviética, o famiclone clona você.

Na África do Sul existe seres como o TeleGamestation, totalmente baseado no NES, só que com cartuchos que passaram um pouco de fome e ficaram menores; e o TeleGamestation II, que é um Mega Drive falsificado. Na Polônia existiram dois consoles praticamente indestrutíveis: o Pegasus, que nem com um MORRA SEIYA conseguia ser derrotado, e o Terminator, que filme após filme, sempre diz "I'll be back!"

Mas na Rússia é que a parada é mais pesada. Lá existe um verdadeiro mestre da falsificação, o Dendy, ou Junior Dendy para os íntimos. O console fez tamanho sucesso na Rússia e na antiga URSS que tinha um programa de televisão e até um DESENHO ANIMADO com o mascote do console, o Elefante Dendy. Esse sim é digno de menção e de admiração, por ser uma rara pirataria a fazer tanto ou mais sucesso que sua versão original.

Tipos[editar]

Phantom System, um lixo que foi muito popular no Brasil nos anos Sarney.
  • Console: O mais comum, todo mundo teve um. Muitos tinham design próprio, outros são apenas cópias estúpidas de SNES, PSOne, XBOX e até do Wii. Ex: Phantom System, Top System, Dendy, Polystation, Dynavision, Nintendo Vii
  • Portáteis: Teoricamente seriam meio "Gameboyclones", mas tá valendo, o princípio é quase o mesmo, só que emulando o Game Boy. Ex: Top Guy, Game Axe, Game.com, Good Boy, Pocket Fami.
  • Controle: Abominações bizarras em que o console na verdade é o controle, o joystick é o console em si mesmo. Encaixar o cartucho em um e jogar, eita coisa "inteligente". Ex: Mega Gun Jr, Gunboy. Muito comuns nos EUA, onde o povo gosta de "coisas paranormais".
  • Computador: O cúmulo do absurdo, são tentativas bizarras de misturar um NES com um Commodore 64 ou similar. Normalmente fedem pra cacete, pois têm funções reais de computador inclusas no famiclone, mas apenas se utilizando de linguagem BASIC, ou seja, pior que o computador de seu avô. Ex: PlayPower, Magic Computer, PC Gamer.

Ver também[editar]