Feijoada

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Se vəndalizarish, um bäenfiquista vai atrás də tua mãe

Cquote1.png Branco não pode comer feijoada! Isso pertence à cultura negra! Cquote2.png
Feminista negra sobre Feijoada

Cquote1.png LOL! Cquote2.png
Português sobre citação acima

Depois de comer isso ao almoço, você vai passar a tarde na privada.

Cquote1.png Depois que comi, nunca mais fui a mesma pessoa... Cquote2.png
São paulino comenta sobre a linguiça da Feijoada
Cquote1.png Uma feijoada só é realmente completa quando tem ambulância de plantão. Cquote2.png
Stanislaw Ponte Preta sobre Feijoada
Cquote1.png Para uma boa cagada, nada como um bom prato de feijoada Cquote2.png
Você querendo ser babaca
Cquote1.png Nunca vi nem comi eu só ouço falar Cquote2.png
babaca imitando você sobre Feijoada
Cquote1.png Na União Soviética, a feijoada come VOCÊ!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Feijoada
Cquote1.png CRIME OCORE NADA ACOTECE FEIJOADA Cquote2.png
Coreano sobre Feijoada


Feijoada é uma nojice iguaria típica do Norte de Portugal, que foi exportada para os antigos países do Império português, como o caso do Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, recebendo várias adaptações. Nos últimos tempos, alienadas Feministas negras ignorantes invadiram a Internet a reivindicar que a feijoada é exclusiva da cultura negra, enquanto os tugas de bigode soltaram uma risada.

Trilha sonora de uma evacuação bem sucedida.

No caso do Brasil, isso se tornou num típico prato de Domingo, consistindo em feijão preto (enquanto em terras tugas são utilizados o feijão branco e o vermelho, dependendo da região) cozido com miúdos de porcos, parte íntimas e gordurosas e quaisquer outras coisas nojentas, desde que contenham gordura suficiente e muita pele, para fazer disparar o seu colesterol. Vale incluir qualquer coisa que esteja passando pelo local do preparo da feijoada, seja correndo, rastejando, voando ou mesmo trazido pelo vento que depois sua tia diz que é folha de louro.

Origem[editar]

Como no Algarve não havia carne, os tugas começaram a cozinhar uma feijoada com chocos.

Não se sabe ao certo como os tugas começaram fazendo a feijoada, mas foi algures em Trás-os-Montes na Idade Média, quando os pobres comiam as vísceras e entranhas nojentas (que fazem os favoritos de Hannibal Lecter) dos animais lá em Portugal, enquanto os presuntos, lombos e outras partes deliciosas ficavam reservadas aos ricos e poderosos. Então, os pés-rapados tugas começaram cozendo aquelas partes nojentas e misturaram com feijão branco e vermelho, cenouras e couves, fazendo um ensopado meio nojento e que com grande poder laxante. Àquela nojice deram o nome de "Feijoada à transmontana", que logo se tornou um sucesso entre a plebe portuguesa, enquanto os ricos continuaram comendo seus assados carnudos. A moda de misturar feijão com miudezas não era exclusivo dos tugas, já que os pobres da Espanha, da Itália e da França também tinha variações desse laxante.

Sua irmã fazendo bulimia anal.

Atualmente, a feijoada continua sendo um sucesso e um prato tradicional em Portugal, mas já levou várias adaptações e varia conforme a região e o grau de nojice de cada distrito português: enquanto no Norte continuam preferindo as partes nojentas do porco, no Sul e Litoral tugas preferem o peixe, marisco, polvo, búzios e outras bichezas marítimas. Contudo, esse deixou de ser um "prato de pobre" e agora ir comer uma feijoada ao restaurante já é coisa de zelite.

A Feijoada no Mundo[editar]

Quando começam a viajar pelos mares e a assentar praça em vários países, os portugueses que iam para essas terras eram pobres, e muitos deles criminosos (como serial killers) que o rei ordenava que fossem morrer longe de Portugal, pelo que levaram a feijoada com eles, enquanto os capitães dos navios continuavam comendo sua refeição de rico.

No Brasil[editar]

Essa você conhece, já que é a que você come todos os Domingos.

Conta-se uma lenda muito interessante sobre a origem da feijoada. Havia no vilarejo de Ponta Grossa um cozinheiro e muambeiro chamado Tiozão do churrasco. Um certo dia ao passar em frente à casa de um rapaz sentiu a fome bater no mocambo e decidiu filar uma bóia no local. Como Tiozão era o rei do pedaço e fazia tudo o que queria, chutou a porta e pediu ao indivíduo que fizesse um cuscuz para ele em troca de sua vida. O pobre rapaz já todo cagado e com sede de vingança, viu que estava num beco sem saída, porém não hesitou e raspou a bosta que escorria e jogou dentro do caldeirão como último ato de vingança. Bateu no liquidificador um gato que passava no local e misturou com um feijão mofado e algumas algas que cresciam na parte de trás de sua geladeira. Tiozão provou da comida e gostou, para a infelicidade do pobre rapaz que esperava a morte do próprio após ter consumido aquela gororoba. Porém como não se tratava de um cuzcuz Tiozão estrangulou o rapaz e o jogou dentro do caldeirão, melhorando o paladar e acidentalmente incrementando a receita. Nascia ali a feijoada. Os servos de Tiozão, que o esperavam para almoçar já há alguns dias, aflitos e com muita fome, realizaram um ato de desespero. Neste momento Tiozão entra no local e pega seus servos comendo o rabo um do outro. Indignado com a ocasião saca sua motosserra e corta o peru de seus escravos e joga em sua quentinha da receita recém criada. Nascia ali a feijoada 2.0 tal como a conhecemos hoje. Após muita reviravolta, a feijoada foi adotada como remédio para intestino preso, hemorróida, caganeira e aperitivo para ressecados com disfunção intestinal e fissura anal. Houve uma grande discussão na torcida do São Paulo sobre o tamanho da lingüiça da feijoada, alegando que quanto maior a linguiça melhor o gosto, gerando a frase que marcou a época: Não fatia não que estraga a receita!

Em Cabo Verde, Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe[editar]

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...

Nas suas trocas comerciais com os reis de África, os portugueses utilizaram a feijoada como moeda de troca em muitos desses negócios, principalmente porque os chefes desses reinos se queixavam de prisão de ventre, então os portugueses disseram que a feijoada era remédio santo para o problema, e a moda pegou lá na África.

O Movimento negro e a Feijoada[editar]

Como o Movimento negro e, em especial, o Feminismo negro, tem se vindo a focar em burrices em vez de problemas sérios (ganhando a carinhosa alcunha de "geração Nutella"), principalmente durante essa era da Internet, cujo objectivo já só é fazer mimimi em relação aos brancos, as suas militontas cibernéticas têm vindo a fazer militância em relação a esse prato tradicional português (pormenor que elas ignoram), dizendo que é um prato tradicional da cultura negra, para não encostar na minha feijoada!, que os brancos não podem comer porque é apropriação cultural, que os brancos andam arruinando a feijoada, e outras bostas semelhantes. Isso tudo por causa da parva lenda idiota de que a feijoada foi inventada pelos escravos negros no Brasil porque lhes eram dados de comer as vísceras dos animais. Ora, isso não passa de uma mentira idiota inventada pelo Movimento negro, para fazer mais mimimi porque os escravos só comiam umas papas de farinha e água, e eram os colonos portugueses que comiam feijoada, visto já ser um prato típico em Portugal desde a Idade Média, bem antes da descoberta do Brasil. É caso para a mulher portuguesa dizer: não encosta, você, na minha feijoada!

Parvoíces ignorantes que você pode ler em qualquer blog de Feminismo negro.

Afiliados[editar]