Fenrir de Alioth

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


AmorFurries.jpg Este artigo foi escrito por furries!!

Por isso, é possível que ele contenha referências a raposinhas, Pokémons ou até mesmo Ursinhos Carinhosos sendo sodomizados por cavalos. Caso você tenha medo de furries, arme-se com um lança-chamas e NÃO leia a pagina abaixo.


Cooler pose.jpg Este artigo é relacionado a fillers!

Você nunca vai ver num mangá, provavelmente não serviu para porra nenhuma
e é difícil pacas de encaixar na cronologia original (ou não).

Clique aqui para saber de outras coisas sem importância.


Viking arca de Noé.jpg Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!

Fenrir

FenrirX.jpg

Classificação Guerreiro Deus
Cavaleiro
Deus a que serve Odin
Armadura Alioth
Golpes Garras do Lobo Assassino (Cruelty Kibarou Ken)
Golpe do Lobo Imortal (Northern Gunrou Ken)
Perfil
Nacionalidade Asgard
Local de Treinamento Asgard
Nascimento Não interessa
Frase Favorita "GARRAS DO LOBO ASSASSINO!"


Cquote1.png Você quis dizer: Mogli, o Menino Lobo? Cquote2.png
Google sobre Fenrir de Alioth

Cquote1.png Experimente também: Tarzan Cquote2.png
Sugestão do Google para Fenrir de Alioth

Cquote1.png Sou melhor do que ele. Cquote2.png
Asterion de Cães de Caça sobre Fenrir de Alioth

Cquote1.png Irmão! Cquote2.png
Mogli sobre Fenrir de Alioty

Cquote1.png Droga, ele me cegou de novo. Cquote2.png
Shiryu sobre Fenrir de Alioth

Cquote1.png Bom garoto, toma um ossinho. Cquote2.png
Hilda sobre Fenrir de Alioth

Cquote1.png AUUUUUUUUU! Cquote2.png
Lobo sobre Fenrir de Alioth

Cquote1.png Te vencí mesmo cego! Cquote2.png
Shiryu de Dragão sobre Fenrir de Alioth

Apresentação[editar]

Wolff.jpg

Fenrir de Alioth é primeiro Furry a aparecer em Asgard (se não o único), um lugarzinho do Norte da Europa e que desejava (e até tentou, mas só que inutilmente) destruir o Santuário de Athena, localizado na Grécia, em um filler que antecede a guerra dos Cavaleiros da Deusa contra os foderosos sete Generais Marinas de Poseidon (ou seja, episódios que foram aleatoriamente colocados para encher linguíça na trama). Ele é um dos sete (pelo visto esse número é muito quisto nesse desenho) Guerreiros-Deuses dessa localidade que, a mando da Hentai e malévola Hilda de Polaris (possuída pelo Anel de Nibelungo), representavam a guarda real do secundário e dispensável Odin.

Como o bom personagem secundário de filler que é (ainda mais desse filler em especial), Fenrir tem para contar, como todos os outros Guerreiros-Deuses (excetuando-se talvez Alberich de Megrez, que não passava de um playsson metido à pobre) uma história triste e bem emo (para que todos ficassem com dó dele no final), que o transformou na pessoa malvada e com sede de sangue vingança contra tudo e contra todos (apesar de que muito estranho eles não resolverem se rebelar contra a representante de Odin na Terra, mas isso é um assunto para mais tarde - Ou não).

História Trágica[editar]

Fenrir durante a infância

Fenrir, quando pequeno, era uma criança da foderosa High Society de Asgard, advinda da Nobre Família dos Fenrir (não me perguntem quem são eles, mas eles eram muito ricos e metidos a besta). Ele tinha tudo o que uma criança sempre quis ter na vida e mais um pouco, além disso, tinha dois pais carinhosos, era cercado de serviçais e comida a qualquer momento que desejasse. Pelo visto nada na vida de Fenrir poderia ser mais melhor agradável, sem falar que eles contavam com vários amigos, sendo eles muito úteis a todo e qualquer período que alguém dos Nobres Ferir precisassem, afinal vocês sabem como é que é o interesse nesse mundo e no anime yaoi Cavaleiros do Zodíaco essa regra não era diferente.

Fenrir respondendo a uma pequena confusão

Mas a vida é uma caixinha de surpresas e um dia tudo isso veio abaixo na vida dos últimos dos Ferir (que para o azar do garoto era a sua própria família). Acostumados a passear pelo bosque em período de nevascas para caçar, provavelmente veado (o animal, não o gay), os Nobres Ferir reuniram um grande contigente de "amigos-da-onça" para realizar a tal caçada que já era mais do que uma rotina, porém esse foi o dia da caça, e não do caçador! Durante o curto passeio, os Fenrir e seus amigos deram de encontro com um enorme Urso, que atacou ferozmente os pais do pequenino herdeiro dos Fenrir. O minino viu os pais sendo brutalmente devorados pelo urso e gritou apavoradamente, porém os "amigos" da família saíram correndo e o deixaram para trás, assim como as pessoas que, na aldeia, ouviram os seus gritos, não ajudaram também (ninguém era doido o suficiente, pelo visto).

O pequenino Fenrir seria a próxima vítima do faminto urso, se não fosse, porém, os seus gritos acabarem por atrair uma enorme alcatéia de lobos (não, de vacas) ainda mais famintos que o urso. Tais lobos resolveram atacar o enorme animal para depois dividir a criança proteger o menino, com isso em mente, botaram ele para correr. Como já não tinha mais ninguém com quem viver e muito menos para onde ir, Fenrir acabou se unindo a essa "nova família" que o protegeu (que era liderada pelo lobo Guingue), mesmo não tendo nenhum parentesco com aquela raça, os lobos acabaram por aceitar o humano na patota. Junto com eles, Fenrir aprendeu a caçar, se defender e uivar, além de balançar o rabo para conseguir alguma coisa lutar. Além disso, Fenrir deixou de acreditar nos humanos, somente confiando em sua new Family, os lobos (tadinho, virou emo!).

Saga de Asgard[editar]

Fenrir de Alioth, a Estrela Epsílon, e seu fiel companheiro Guingue

Crescendo e evoluindo dentro dessa alcatéia, mesmo sendo um homem (exatamente da forma como Mogli cresceu e evoluiu na floresta Amazônica), Fenrir foi adaptando uma série de golpes foderosos junto com os lobos (não se sabe como ele aprendeu, já que não tinha um mestre de verdade para ensinar, mas ele aprendeu e muito). Tal poder animal começou a chamar a atenção dos habitantes do Palácio Valhalla, que já havia ouvido falar de um garoto que tinha sido criado por lobos, depois de ter tido a sua família totalmente dizimada, e que para sobreviver ele caçava com os animais e (as vezes) cometia um roubozinho aqui e alí, nada de muito grave e que não chamasse muito a atenção (afinal, ele só queria o necessário para não morrer de fome e alimentar os seus mais de oito mil parentes caninos.

A Armadura do Guerreiro-Deus de Alioth

Com a chegada de Sorento de Sirene no Palácio, e de sua entrega do Anel de Nibelungo à Hilda de Polaris, a mando do Imperador dos Mares, as Sagradas Armaduras dos Guerreiros-Deuses de Asgard acabaram sendo ressuscitadas, para que se cumprisse a profecia o desejo de Hilda (já totalmente doidona) de matar Athena e levar todos para morar no Santuário. Graças a essa ressusreição, e vendo que não havia mais ninguém de bom para utilizar-se de uma das Armaduras, Hilda acabou presenteando Fenrir com uma dessas belezuras (que, diferentemente das Armaduras de Athena, não se desfaz ao mais simples soquinho, vendo que nenhuma sequer foi destruída em toda a saga todo o filler, só pra mostrar o poder das roupas de Odin.

Com uma Armadura de Guerreiro-Deus que, coincidentemente (e bote coincidência nisso), tem a forma de um grande Lobo negro afro-descedente, Fenrir se tornou o (agora) Fenrir de Alioth. Ele era protegido pela contelação de Ursa Maior (mas não a constelação toda, só um estrelinha era a sua protetora, já que ele é um filler e não tem toda essa moral), sendo a sua estrela a Estrela Epsílon (ou Y, como comumente conhecemos). Sua armadura continha a Safira de Odin na altura do umbigo, bem à mostra que, se juntada com as outras sete, poderia ressuscitar a Sagrada Armadura de Odin. Além disso, sua escama sapúris armadura ainda vinha com um belíssimo óculos de lentes amarelas embutida, para se proteger do sol que (um dia, talvez) resolvesse dar às caras por Asgard (se bem que ele utilizava sem ter sol mesmo, pura pobreza).

Luta com Shiryu de Dragão[editar]

Fenrir e Guingue (em um momento bem furry)

Cada Guerreiro-Deus de Asgard foi colocado em um determinado ponto estratégico, espalhados pela pacífica cidade, no caminho que se segue (a rota mais fácil, pelo menos) para o famoso Palácio Valhalla, onde a malvada e gostosa Hilda de Polaris estava escondida, rindo e bebendo a toa. Thor de Phecda (aquele gigante, burro que nem a Carla Perez), foi a primeira carta a ser descartada das mãos de Hilda o primeiro dos Guerreiros que lutou contra os Cavaleiros de Athena, porém acabou sendo (obviamente) derrotado por (imagina quem) Seiya de Pégasus, o famoso encosto do Zodíaco. Depois dele, que não deu nem pro cheiro, foi necessário mais um para ficar no caminho deles, e dessa vez Hilda caprichou na sua escolha (Ou não), mandando para o campo de batalha o canino Fenrir de Alioth.

Ele pode até dizer que não, mas que ele parece com o Batman nessa roupa ele parece

Fenrir escolheu como local de duelo um prescipício (da pra se imaginar o que pode acontecer, não?) próximo a uma enorme cachoeira congelada (o frio de Asgard era tão foderosos em algumas épocas do ano que chegava até mesmo a congelar uma cachoeira, WTF?), sendo esse um dos locais favoritos dele e de seus amigos lupinos para caçar e cheirar o rabo um do outro se divertir, já que ficava próxima a uma grande floresta. Acabou que os Cavaleiros de Athena resolveram passar por esse local e deram de cara com o Cavaleiro de Alioth, que os desafiou para um luta (ORLY?). Porém, como tempo era uma coisa que eles não tinha, já que Athena estava para virar picolé, somente Shiryu de Dragão ficou para trás para se encarregar do Mogli de Asgard do Guerreiro-Deus que os (incocientemente) desafiara.

O menino lobo não tem muita pena do Cavaleiro de Dragão e o golpei pra valer, não deixando nenhuma brecha para que ele se defenda. Utilizando do seu poderoso golpe, aprendido com os lobos (WTF?), Garras do Lobo Delinquente Assassino, o pequeno Cólera do Dragão não tem a mínima utilidade. Apanhando mais do que mulher de malandro, Shiryu resolve começar a chorar conversar com Fenrir sobre o motivo dele está em Asgard, que era para salvar Hilda e a todos, pois, com ela dominada pelo poder do Anel de Nibelungo, o papel de impedir o gelo de Asgard derreter e alagar o mundo estava comprometido. Fenrir pouco se importa com essa história, pois não confia em Shiryu, em Hilda, em Odin, ou em qualquer outro humano que falasse com ele, aí ele começa a contar a sua triste história emo de vida.

O lobo dá o seu último uivo[editar]

O Guerreiro-Deus de Alioth pagando uma de poser!

Depois de conhecer a triste (e chata) história de Fenrir de Alioth, Shiryu finalmente caiu a ficha conseguiu entender o porquê do cara não estar lutando por nenhuma mulher (como Hagen de Merak, que lutava por Freya ou Siegfried de Dubhe e Thor de Phecda, que lutavam por Hilda) ou por um interesse próprio (como Alberich de Megrez o fazia e bem). O cara era um completo Furry e pouco se importava com os humanos, por isso que vivia em companhia de seus amigos uivadores (quem sabe já não tivesse um filho Lobisomem por aí, talvez). Mas, mesmo assim, Shiryu continua a lutar com ele, já que, afinal, Shiryu por ser um humano era inimigo mortal dele. Com isso, o Dragão acaba levando (mais alguns) especiais de porradas, ficando (pra variar) momentaneamente Stevie Wonder cego.

Ele acabou sendo derrotado quando isso provocou uma avalanche

Mesmo ferido dessa forma (que não é nenhuma novidade, visto que ele sempre tem que ficar assim em algum episódio), Shiryu consegue se concentrar e desviar dos ataques de Fenrir (vai ver que ele "encherga" melhor cego do que vendo - WTF?). Percebendo que os seus ataques não surtiam mais efeitos contra o Cavaleiro de Athena, Fenrir começa a utilizar-se do seu mais foderoso ataque Golpe do Lobo Imortal (mas que era a mesma coisa que o de cima, só de uma forma mais foderosa). Shiryu então pede ao Guerreiro-Deus para que ele dê aos homens (ui!) mais uma chance de mostrarem que podem ser, sim, amigos. Além disso, ainda fala para Fenrir crescer, pois já está mais do que na hora de deixar o passado no passado e terminar o chororô. Fenrir ignora esse papo do cavaleiro de Dragão e promete derrotá-lo com o próximo golpe.

Com o Golpe do Lobo Imortal, Fenrir ataca o Dragão, porém este golpe acaba se equiparando com o Cólera do Dragão do mesmo. Como a luta já estava cansativa e o ibope caindo, Shiryu decide acabar com tudo e acaba atingindo a cachoeira congelada com o seu golpe. Isso desencadeira uma avalanche, que pega de surpresa Alioth (que se encontrava próximo ao prescipício e próximo a cachoeira, para azar dele) e é puxado pela neve, caindo daquela altura e morrendo. Quando Shiryu estava comemorando a vitória, os lobos de Fenrir o atacam, jogando-o também prescipício abaixo (bem feito! é o que dá cantar vitória antes do tempo).

Curiosidades[editar]

  • Fenrir não ia com a cara de nenhum dos outros Guerreiros-Deuses;
  • Não se sabe o porquê dele servir a Hilda se não gostava de humanos e muito menos se subjugar a eles;
  • É furry e, consequentemente, pratica zoofilia;
  • Provavelmente tem um filho que virá a se tornar um Lobisomem;
  • Nunca conheceu o amor entre homens (coitado!).

Técnicas[editar]

"Golpe do Lobo Imortal" (pelo visto é só o golpe mesmo)
  • Uivar:Com essa técnica, Fenrir chama seus lobos para auxiliá-los, seja para caçar alguém ou para tirar onda;
  • Garras do Lobo Assassino:Consiste em criar um tornado de vento que arranha todo o inimigo (sadomasoquismo puro);
  • Golpe do Lobo Imortal:O mesmo que o de cima só que de uma forma mais foderosa. Falam que é o seu golpe mais forte, mas até agora ninguém morreu depois de receber ele.

Ver também[editar]



Cavaleirospredef2.jpg