Fernanda Montenegro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rioband.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.


Arlette Pinheiro Esteves
Arlette Pinheiro Esteves
Ganhando mais um prêmio!
Nascimento 16 de outubro de 1929
Bandeira do Brasil Brasil Bandeira do estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Ocupação Atriz-mor
Signo Não te interessa
Cabelo Grisalho

Cquote1.png Minha melhor amiga. Cquote2.png
Dinossauro sobre Fernanda Montenegro.
Cquote1.png Mamãe! Cquote2.png
Dercy Gonçalves sobre Fernanda Montenegro.
Cquote1.png Não chega nem perto do meu talento... Cquote2.png
Marilyn Monroe sobre Fernanda Montenegro.
Cquote1.png Já tentei pegar. Cquote2.png
Francisco Cuoco sobre Fernanda Montenegro.

Arlette Gozadinha da Birosca ou Fernanda Montenegro é uma renomada atriz brasileira, ganhadora de Óscares, Emmys, Pintos de Borracha e Cacarecos em Geral. Fernanda descobriu seu talento ainda no rádio, o que a fez se desinibir e ficar sem calcinha na frente de variados diretores de teatro. A carreira dela começou a mudar depois do filme Central do Brasil onde sua atuação foi incrivelmente apelona e sem sentido.

Antes da fama[editar]

Arlette foi criada no bairro do Suvaco Duro, Rio de Janeiro, onde aprendeu a engatinhar, balbaciar e andar cagando para todos os cantos. O seu talento artístico só seria modelada a partir de seus quinze anos, quando se tornou mocinha e aprendeu a por enchimento no sutiã. Ela tinha uma dislexia infernal que a impedia de ler scripts que ela mesmo fazia para si para que quando fosse atora atriz ela não fizesse feio nos palcos. Arlette visitiva os teatros com frequência em busca de machos um emprego no elenco, mas tudo que conseguiu foi um emprego em um teatro furreco de esquina.

Os pais de Arlette eram veemente contra a decisão da filha de ser uma grande estrela dos céus cinema e dramaturgia internacional, mas como eles eram frouxos demais para puxarem a filha pelo cabresto ficou do jeito que é hoje, com a mocinha enveredando por um caminho obscuro, mesquinho e sem volta.

A moçoila no seu primeiro trabalho como enfermeira atriz.

Primeiros trabalhos[editar]

Como dito anteriormente Arlette trabalhou como dubladora de filmes eróticos em uma rádio safadinha na Praça de Santana, Rio. Lá ela avistou um grupo teatral amador que estava envolvido em uma suruba genial que ela sempre sonhou em participar, foi aí que ela se envolveu em uma brincadeira a três com duas mulheres e descobriu seu dotes putescos artísticos e sexuais. Arllete terminava os serviços na rádio e ia logo para "encenar" com o teatro e assim foi até se tornar uma atriz de facto. No primeiro serviço de atriz de Arllete ela foi convidada gentilmente com uma arma apontada para a cabeça a escolher um nome artístico. Assim nascia a lenda Fernanda Montenegro .

Quando Fernanda entrou na Rede Glóbulo de Televisão ela percebeu que se tornaria um grande nome naquela emissora de merda que tanta gente gosta (só que não) e em poucos meses já estava trabalhando com o drogado Miguel Falabella e fazendo o Especial de Fim de Ano com o Rei Roberto Carlos. Nas décadas de 60, 70 e 80 Fernanda completou quatro mil anos comemorando estrelando em mais de oito mil novelas que hoje ninguém dá a mínima, mas pelo menos ela fez algo.

Consagração[editar]

Ao mesmo tempo que estrelava novelas de cunho sexualizado intelectual (?) Fernandinha também participou de vários filmes do tempo dos arcos da velha e em um deles,Central do Brasil, a mulher foi endeusada como a "patricinha da televisão brasileira" destronando Val Marchiori. Mesmo depois do sucesso estrondoso de "Central do Brasil" conseguiu fazer outras coisas na TV e cinema com diferentes graus de sucesso.

Obras[editar]

Na televisão[editar]

  • Chicória (1964)
  • Rabecão (1966)
  • La Muchacha (1968)
  • Sangue da Minha Buceta (1969)
  • Me Pega (1973)
  • Tapa na Tua Cara (1979)
  • Baila com o Cachorro (1981)
  • Diamante Brilhante (1981)
  • Guerra das Bundas (1983)
  • Cambaleio (1986)
  • Sassaricando com a tua prima (1987)
  • Riacho Seco (1990)
  • Rainha do Lixão (1990)
  • O Dono do Universo (1991)
  • Remorrer (1993)
  • O Mapa da Favela (1993)
  • Incidente em Varginha (1994)
  • A Comédia Para Rir (1995 e 1996)
  • Tatá Werneck (1997)
  • O Belo e os Pagodeiros (1999)
  • O Auto da Falecida (1999)
  • As Filhas da Tia (2001)
  • Pastores da Universal (2001)
  • Desespero (2002)
  • Um Só Peido (2004)
  • Hoje É Dia de Putaria (2005)
  • Feissíma (2005)
  • Queridos Arrombados (2008)
  • O Natal do Menino Punheteiro (2008)
  • Som e Lua (2009)
  • Cagone (2010)
  • As Estrangeiras (2010)
  • Guerra dos Macacos (2012)
  • Doce de Filha da Mãe (2012)
  • Saracucaia (2013)
  • Xerecônia (2015)

Em filmes[editar]

  • A Falecida (1965)
  • Em Quadrilha (1970)
  • Pecado Vital (1970)
  • Minha Ficante (1970)
  • A Vida de Jesus Negão (1971)
  • Marília e a Pêra (1976)
  • Tudo Mal (1978)
  • Eles Não Usam Cueca (1981)
  • A Hora do Cometa (1985)
  • Trancado Por Cima (1986)
  • Fogo e Faísca (1988)
  • Veja Estes Mamilos (1994)
  • O Que É Isso, Meu Irmão? (1997)
  • Central da Bombril (1998)
  • Traição (1998)
  • Gêmeas Siamesas (1999)
  • O Auto da Emputecida (2000)
  • O Outro Lado da Avenida (2004)
  • Olga (2004)
  • Refletor (2004)
  • Nem Que A Vaca Muja (2004)
  • Casa de Vento (2005)
  • Love In The Time of Dercy (2007)
  • As Aventuras de Borat, o Cazaqui (2012)
  • A Dama Masculina (2012)
  • O Tempo e o Pato (2012)
  • A Igreja do Mussum (2013)
  • A Primeira Missa do Galo (2013)
  • Rio, Vai Toma no Cu! (2013)
  • Implicânca (2014)
  • Boa Morte (2014)
v d e h
Teatro