Ferrovia Transiberiana

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
St Basils Cathedral-500px.jpg РУССКАЯ ВОДКА

Estin artigovski é russki!

Ele não gosta muito de chechenos.

Smirnoff.gif
Cquote1.png Você quis dizer: Transamazônica da Rússia??? Cquote2.png
Google sobre Ferrovia Transiberiana

Cquote1.png Na União Soviética a ferrovia imensa se cansa de andar em VOCÊ!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Ferrovia Transiberiana

Ferovia Transiberiana em seu desenho atual e expandindo diariamente

A Ferrovia Transiberiana conhecido também como Trem para o Inferno é a maravilha da engenharia da qual os russos se orgulham permanentemente. Possui uma extensão oficial de 10.000 quilômetros atravessando 10 fuso-horários, porém contando com seus desvios e passagens secretas durante seu trajeto estima-se uma extensão de 100.000 quilômetros e 24 fusos-horários.

O objetivo da ferrovia é globalizar a Rússia de modo que o Imperador que vive em Moscow possa ir para qualquer lugar da Rússia e assim conter rapidamente qualquer tentativa de revolução.

A passagem custa atualmente 2 reais, ou 1 vale-transporte ou 1 quilo de alimento não-perecível.

História[editar]

Projeto para a reforma da Ferrovia Transiberiana em 2050

O Czar Alexandre II, cansado de tanto ter que andar de carroça e levar anos para viajar pelo próprio país, isso sem contar que as correspondências demoravam em média 20 anos para serem entregues. Decidiu-se então criar a ferrovia mais cabulosa jamais criada que cruzaria inclusive a porcaria da região da Sibéria (apenas por ego, já que não tem nada nessa região). O nome Transiberiana então foi adotado por que esse é o único meio de transporte que cruza a região inóspita da Sibéria.

A construção se iniciou. Morreu e entrou czar e nada da construção terminar. Depois de 5 gerações e muito super-faturamento finalmente terminaram a ferrovia.

Depois dessa obra farônica, os operários russos putos da vida com esse trabalho massacrante decidiram organizar uma revolução do proletariado e tomaram o poder do país.

Durante a Segunda Guerra Mundial a União Soviética usou a linha alternativa da Transiberiana Moscou-Berlim para chegar em Berlim e matar Hitler.

Posteriormente durante a Guerra Fria, usando a linha Vladvostok-Havana quase destruiu o planeta quando instalou bombas nucleares em Cuba.

Construção[editar]

O ponto 100.000 km da Ferrovia Transiberiana em Vladivostok e uma turista americana gostosa posando para foto só de praxe

A construção da Ferrovia Transiberiana mobilizou 90% dos trabalhadores russos (9% eram cozinheiros e 1% é o governo) a salários irrisórios para trabalharem abandonados a própria sorte no meio do nada na neve fadados a morrer de frio.

A ferrovia Transiberiana não é como uma ferrovia qualquer e assim como os costumes de gastação que os russos possuem é constituída do melhor aço e melhor madeira e especialmente projetada para resistir o frio supremo da região de - 94 Gruas celsius média.

Os pontos mais críticos da ferrovia são nos contornos dos Montes Urais (que possuem abismos mortais. 1.000 trabalhadores sumiram na região caindo em seus desfiladeiros e até hoje 50 trens já descarrilharam na região e sumiram em seus abismos), na Sibéria (onde neva absurdamente muito e ninguém sabe até hoje por que decidiram construir uma linha lá. O único beneficiado é o Papai Noel mesmo. Defeitos nos trens nessa região são constantes quando o carvão congela e passageiros morrerem de hiportemia também é comum) e na Chechênia (todo trem que chega na estação da Chechênia é prontamente explodido por radicais separatistas)

Efeitos da Construção da Transiberiana na Humanidade[editar]

A Ferrovia Transiberiana é o fator determinante para que a Rússia seja como é hoje. Do contrário haveria no norte da Ásia uns duzentos países independentes cada um com um nome mais esquisito que o outro, então as aulas de geografia são ligeiramente mais fáceis.

Com a ferrovia, a União Soviética pode ganhar todas as guerras que disputou até hoje porque ela facilita muito a logística dos combates.

Curiosidades[editar]

Ver Artigo Principal[editar]

Ver Também[editar]