Filantropia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Filantropia (do grego βοηθήσει όσους βρίσκονται στα σκατά), é o amor irracional aos homens (e mulheres) que habitam este putrefato planeta. Também pode ser definido como uma forma de ganhar dinheiro fácil do governo ou ainda, o ato de jogar dinheiro fora praticado por velhos broxas da lista da Forbes. É o antônio de misantropia.

História[editar]

Teu avô cantando.jpg
Jimmy Wales mendigando.jpg
Nós da Desciclopédia também fazemos parte de uma entidade filantrópica, a Desciclomedia Foundation. O problema é que até hoje não conseguimos isenção fiscal do governo do Canadá para ajudar a custear nosso servidor.

Na imagem, nosso grande filantropo, Doutor Roberto: o maior doador do projeto de wiki de Jimmy Wales (abaixo).

Historiadores acreditam que essa modalidade de cegueira tenha surgido por volta do século I, em alguma viela de Roma, durante a doação da primeira esmola do mundo oferecida a um dos milhares de mendigos que infestavam aqueles becos estreitos e que na época assemelhavam muito ao que temos hoje no Rio de Janeiro.

Prática[editar]

Quem o pratica é chamado de filantropo, mas o termo filantropo não se refere apenas a quem pratica filantropia. Este apelido é dado a qualquer patriarca da mídia, como Roberto Marinho, Assis Chateaubriand e outros judeus gordos que não fazia outra coisa a não ser passar o dia todo sentado em seus respectivos escritórios.

No Brasil[editar]

No Brasil, a filantropia é sugerida ou praticada apenas com o dinheiro dos outros. No país é cultural quando alguém mais abestado abastado aparece no noticiário local se divertindo e os demais que não participaram começa a sugerir a abertura de entidades com o dinheiro dos outros.

Cquote1.svg Ele(a) podia doar pra uma instituição de caridade Cquote2.svg
Brasileiro médio na sua prática habitual de fazer filantropia com o dinheiro alheio.

Normalmente a filantropia está associada às ONGs, centros de reabilitação de drogados, alcoólatras e outras merdas urbanas do dia a dia, institutos de bilionários, instituições religiosas dentre outra sugadoras de recursos públicos. Estas entidades costumam usar sua "finalidade filantrópica" para garantir acordos vitalícios com governos do país. Apesar de ser considerado uma medida desonesta, a prática não é considerada crime no país do jeitinho, por isso não é considerado o ato pilantrópico.

No Mundo[editar]

No mundo a filantropia é praticada apenas por bilionários. Não se sabe ainda qual o motivo que os levam a cometer tamanha burrice, já que boa parte das nações afora não dá descontos na sugação de impostos.

Os filantropos do estrangeiro costumam fabricar lixo superfaturado para poder arrendar fundos para continuar financiando tal ato, como é o caso da dupla sertaneja Bill Portão e Carlos Fino. O primeiro costuma vender lixo eletrônico e TL;DR em forma de BASIC entupidos de bugs e falhas, enquanto o último oferece apenas franquias telefônicas (sem o serviço de telefonia) a preços extorsivos.

Ver também[editar]