FALHA DE S. PAULO

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


v d e h
CUIDADO! Folha de São Paulo pertence ao Grupo Folha
Isso significa que Folha de São Paulo é só mais um jornal mentiroso
que tentará manipular sua opinião.

Caso você ainda não esteja sendo manipulado por matérias jornalísticas não leia esse artigo, ou isso poderá mudar (MWAHAHAHAHAHA!). Mas se você está lendo a Folha de S. Paulo e analisando as estatísticas do Datafolha enquanto vê esse texto bem-vindo ao clube. =D

Cquote1.pngVocê quis dizer: VejaCquote2.png
Google sobre Folha de São Paulo
Cquote1.pngExperimente também: O Globo Cquote2.png
Sugestão do Google para Folha de São Paulo
Cquote1.png É esta revista que uso para aumentar os meus conhecimentos Cquote2.png
Luciana Gimenez sobre a Folha de São Paulo
Cquote1.png Veja bem, é arquievidente e irrefutável, como provei anteriormente, que esta Folha é mero satélite de Havana! Cquote2.png
Olavo de Carvalho sobre a Folha de São Paulo
Cquote1.png Esta matéria está disponível na íntegra para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha). Cquote2.png
Folha Online sobre sobre ela mesma
Cquote1.png E é, E é! Cquote2.png
Olavete sobre o comentário de Olavo de Carvalho
Cquote1.png Iczo infelizmente ecziste. Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Folha de São Paulo

Tabela de conteúdo

[editar] O que é isto?

Leitor assíduo da Folha de S. Paulo

A Folha de São Paulo é um jornal de posicionamento político vergonhoso e de comentários completamente idiotas e sem graça, voltados a alienação do típico idiota reacionário de classe média no dia-a-dia.

Esta publicação, juntamente com a Rede Globo e as publicações do Grupo Abril (responsável por revistas de qualidade sofrível, como a Veja que lixo e a Onanism Magazine) é integrante de uma das maiores redes de desinformação da mídia tupiniquim.

Ao fim, não é tão difícil entender o sucesso de tal publicação de qualidade pra lá de duvidosa, uma vez que a intelectualidade brasileira se baseia em um bando de idiotas que vivem reclamando de político e despejando suas emoções no Futebol, nas novelititicas de merda, no Baile Funk ou mesmo no Twitter e em redes sociais como o Orkut e o Facebook.

Há boatos de que tal publicação forma a mentalidade da nata da elite, em especial a paulistana, formada por macaquitos fãs de futebol e peruas fofoqueiras, na qual a convivência diária com o esgoto faz com que qualquer merda, mesmo as porventura publicadas pelos meios de descomunicação e desinformação sejam vistas com conivência e com o típico olhar de derrota que caracteriza o paulistano médio.

Segundo informações não comprovadas, esta budega pseudojornalística já teria empregado gente como Alberto Dines e Luis Nassif, coisa que não é de se surpreender se formos considerar a qualidade do material que eles publicam, que a bem da verdade, não passa de puro lixo.

[editar] Diagramação

Uma mostra da grande qualidade do jornal paulistano.

A diagramação do Jornal é uma característica à parte que marca o sucesso chamado Folha de São Paulo, no qual se destaca o tal caderno C, que muda de nome conforme a região do estado de São Paulo ao qual está sendo destinada a venda da porcaria.

Infelizmente, os filhos da puta semi-analfabetos não conseguem sequer separar o joio do trigo, empurrando as notícias marrons da capital e de outros lugares em cadernos com títulos como "Folha Ribeirão".

Afora isso, temos os Classificados, onde alguns patetas anunciam em restos de páginas ditas Jornalísticas e os anúncios empresariais que o Seu Patrão faz de apartamentos especialmente para iludir os idiotas da Classe Média sem cultura alguma, que são na prática a maior clientela desta publicação enriquecida de factoides e de assuntos que pouco interessam.

[editar] Posição Política

A Folha de São Paulo, para ser mais especifíco, essa é vendida em Itu

A Folha de São Paulo tem posição política igual a sexualidade do seu dono: enrustida. Assim como a Falha pende para a direita bocó, Otavinho Frieiras pende para sair do armário rococó.

Emprega ilustres recebedores de jabá governamental a título de cortesia com o governo de José Serra (cognominado "Vampiro Anêmico") que lhes abriu os cofres quando de seu desgoverno em São Paulo.

Em tal projeto, se visava desovar a uma quantidade astronômica de jornais nas escolas e que obrigam os professores da rede a desinformar ainda mais os que já são tão bem desinformados por si só: os pobres e temíveis alunos.

Assim, vigaristas como Nelson de Sá, Monica Bergamo do Sapato Grande, Elio Gaspari, Laura Capriglioni e Eliane Cantanhede fazem aulas de adoração ao seu grande mestre Sr. Burns fingindo-se de sérios articulistas. Para contrabalancear, o jornal dá espaço para gente como José Sarney e Antônio Carlos Magalhães aparecerem como intelectuais lustrados e versados, ainda que isso na prática só sirva de consolo para idiotas.

Está mais que provado que o alinhamento tendencioso dessa arma de destruição em massa não é normal de uma mídia séria, a tornando mais próxima de uma Folha Universal do que de um noticiário a sério.

Ainda assim, os magnatas que controlam esse jornal resolveram criar um jornal especialmente dedicado a agradar descaradamente os Lulistas que recebem o benefício do ProUni com o nome de Notícias Populares Agora São Paulo, focado nas classes C, D e E e na qual se colocam as matérias que nunca seriam publicadas no Jornal Sério (sic) intitulado Folha.

Um paradoxo é constatar que a única coisa que presta no dito "jornal sério" são seus humoristas, a saber: Macaco Simão, Barbara Gancia e o trio Angeli, Glauco (já morto) e Laerte.

[editar] Exemplos de matérias da Folha

Como dá para se perceber, além da politicagem e safadeza explicita, há traços de falhas no português que por sorte não chegam ao nível de seus concorrentes, que chegam a colocar termos crassos como Aceano e Omintir, cuja falha seria reconhecida até por boçais como a Gyselle Soares e o Kleber Bambam.

Por sorte, estes erros não são de grande importância, apesar de a Marilene Felinto ter mania de reclamar do português incorreto, por isso pedimos atenção as matérias abaixo.

[editar] Presos são acusados de tramar sequestros - Página C6 - 20/02/2008

(...)Após busca em uma casa alugada pelo grupo, investigadores teriam encontrado armas (três fuzis, revólveres, pistolas e munição), algemas, coletes, capuzes, celulares, R$ 2.000, celulares, câmeras e três cartas com ordens para sequestros. (...)

[editar] Brasil Atraente - Página B7 - 20/02/2008

Após colocar um volume recorde milho no mercado externo em 2007, o Brasil torna-se atraente para o produto paraguaio. Nas últimas semanas, centenas de caminhões estão cruzando a fronteira em direção ao Paraná, principal produtor brasileiro de milho. O preço de US$ 205 por tonelada é considerado bom pelos exportadores paraguaios.

[editar] Copiando o lixo

Considerando que os Paulistas não tem gosto pela leitura e que por isso mesmo eles se contentam com lixos como a Folha e a Revista Veja, o pessoal do jornal O Estado de São Paulo, também conhecido como Estadão, resolveu copiar o seu concorrente pelo fato de estar passando por graves dificuldades financeiras.

O Estadão, conhecido por ser feio e pesado, ganhou novas cores, mas perdeu toda a identidade, se tornando uma cópia tão fiel da Folha de São Paulo a ponto de os dois Jornais apresentarem na página A5 o mesmo anúncio publicitário.

O fato da mudança de visual do Estadão chegou a ser noticiado pelo pessoal da Folha como um feito histórico e como reconhecimento de que eles faziam um "jornal de qualidade", enquanto que na verdade a Folha é um dos lixos mais deprimentes e descartáveis da imprensa Brasileira.

Além disso, temos a Folha de Pernambuco e a Folha Online, versões mini-mim do grande projeto de dominação (abominação) mundial representada pela publicação e por gente como Adolf Hitler e Olavo de Carvalho.

[editar] Ver também:

Mirror2.jpg
Conheça também a versão oposta de Folha de São Paulo no Mundo do Contra:


Espelhonomdc.jpg



v d e h
Jornais mais mentirosos do Brasil e do Mundo
link={{{3}}} Bahia: A Tarde - Correio da Bahia - Tribuna da Bahia

link={{{3}}} Ceará: Diário do Nordeste - O Povo
link={{{3}}} Distrito Federal: Correio Braziliense - Jornal de Brasília
link={{{3}}} Minas Gerais: Estado de Minas - Gazeta de Uberlândia - Hoje em Dia
link={{{3}}} Paraná: Gazeta do Povo - Folha de Londrina - Tribuna do Paraná
link={{{3}}} Pernambuco: Aqui PE - Diário de Pernambuco - Folha de Pernambuco - Jornal do Commercio
Rio de Janeiro Rio de Janeiro (estado): Jornal do Brasil - Jornal O Dia - Folha Universal - Meia Hora - O Globo - Tribuna da Imprensa - Extra
link={{{3}}} Rio Grande do Sul: Zero Hora - O Pioneiro - Gazeta do Sul - Correio do Povo - Diário Gaúcho - Diário de Santa Maria - Diário Popular - O Sul - Jornal do Comércio - A Razão
link={{{3}}} Santa Catarina: Diário Catarinense - Hora de Santa Catarina - Jornal de Santa Catarina - O Estado
link={{{3}}} São Paulo: Jornal Primeiramão - Notícias Populares Agora São Paulo - Correio Popular - Diário do Povo - Folha da Tarde - Folha de São Paulo - O Estado de São Paulo - Jornal da Tarde - Diário de São Paulo - Gazeta Mercantil - Valor Econômico - Bom Dia - Diário do Grande ABC
Internacionais: Clarín - Corriere della Sera - Daily Mirror - El País (Espanha) - El País (Uruguai) - La Nación - Le Figaro - Le Monde - Los Angeles Times - New York Times - Pravda - The Sun - Washington Post - Yomiuri Shimbun - Asahi Shimbun - Diário do Povo (China) - Izvestia - Mainichi Shimbun - Sankei Shimbun - Bild - La Repubblica - Eleftherotypia - Hürriyet - Zaman - De Telegraaf - Aftonbladet - Correio da Manhã - Diário de Notícias - Jornal de Notícias - Público - Helsingin Sanomat - The Daily Telegraph - The Guardian - The Times - Rossiyskaya Gazeta -

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas