Fraqueza Esporte Clube

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Futebolismo aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa pra quem você torce, seja o América de Natal, o Botafogo-SP, ou o Paraná Clube. Seja engraçado e não apenas idiota.


Gomez.jpg Este artigo pode levar-te para o lado rosa da Força!

E fez aulas de sapateado quando era criança.

Não o leia, exceto se você for macho, mulher ou está pintando as unhas de glitter.


Fortaleza Esporte Clube
Escudo do Fortaleza.png
Brasão
Hino Salve o tricoflor viado
Nome Oficial Freguês Eterno do Ceará
Origem Bandeira do Brasil Brasillink={{{3}}} Ceará Fortaleza
Apelidos Curral, Leoa, Bebel, Colorido, Seistaleza, Oitaleza
Torcedores Leoas da TUF, Gayzões da PUF, PUF GAY ou TUF GAY
Torcidas Modinha
Fatos Inúteis
Mascote Jubaitola
Torcedor Ilustre Tirullipa
Estádio La Curralera
Capacidade 3500 (mais 3500 no colo)
Sede Curral
Presidente O time foi vendido para uma indústria têxtil Até a Santana desistiu do "time", que agora está entregue às moscas do curral.
Coisas do Time
Treinador Um por quinzena
Pior Jogador Nuvola apps core.png todos
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Em falta
Patrocinador Governo brasileiro
Time
Material Esportivo Leoa 2018
Liga Campeonato Cearense; Campeonato Brasileiro
Divisão Série B, após ficar sete anos seguidos na terceira
Títulos como assim, cara?
Ranking Nacional Rebaixado
Uniformes Camisa patati.jpg



Cquote1.png Você quis dizer: Freguês Eterno do Ceará Cquote2.png
Google sobre Fortaleza Esporte Clube
Cquote1.png Você quis dizer: F3C Cquote2.png
Google sobre Fortaleza Esporte Clube
Cquote1.png Você quis dizer: Remo do Nordeste Cquote2.png
Google sobre Fortaleza Esporte Clube
Cquote1.png OOOLLLLLLÉÉÉÉÉ!! Cquote2.png
Torcida do Crato (pfff... huahuahuahuhaua!!) sobre Fortaleza (F3C)
Cquote1.png Gooool do Crato (4x)!! Cquote2.png
Narrador sobre Fortaleza apanhar de 4x0 para o Crato e se tornar o lanterna do mero estadual cearense de 2010
Cquote1.png Gooool do Vitória (6x)!! Cquote2.png
Narrador sobre Fortaleza ser humilhado pelo Vitória
Cquote1.png O nosso time tem o melhor elenco do Nordeste! Só precisamos de mais um atacante, um meia, um volante, um zagueiro, dois laterais, um goleiro e um técnico, mas já pensamos a respeito e vamos tentar contratar os que foram dispensados do Ceará. Cquote2.png
Dirigente do "time" sobre Fortaleza (F3C)
Cquote1.png Não cospe no gramado senão vai alagar! Cquote2.png
Dirigente do "time" sobre o gramado do Kurral
Cquote1.png Quem!? Cquote2.png
Torcedores de times grandes (e dos pequenos também) sobre Fortaleza (F3C)
Cquote1.png Vai ser transmitido? Cquote2.png
Torcedor do "time" sobre jogo do Fortaleza (F3C)
Cquote1.png Hoje o Kurral lotou no jogo do Fortaleza!! Cquote2.png
1º de abril sobre Fortaleza (F3C)
Cquote1.png Deixa fazer! Cquote2.png
Jogador do CRB, em momento de grande piedade, instruindo seu goleiro a deixar o Fortaleza (F3C) fazer o gol que o livraria do rebaixamento à Série D

Cquote1.png Nunca subiu para Série B em campo. Nas duas vezes, foi após "virada de mesa" Cquote2.png
Reportagem sobre o "time"

Fortaleza Esporte Clube, conhecido também por FEZES FEC, que significa "Freguês Eterno do Ceará", ou ainda F3C, em homenagem às suas sempre frequentes participações na Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro, é uma espécie de "clube" de futebol da cidade de Fortaleza, de onde usa o nome e não porque é um time forte ou algo do tipo, no estado brasileiro do Ceará.

O Fortaleza (ou "Freguês Eterno do Ceará") tem em sua história um Penta e um Hexa: o Penta-Terceirona e o Hexa-Terceirona. A conquista se refere às vezes que o "time" teve cinco e, depois, seis participações seguidas na Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro.

História

Fundação

"Não subir sem tapetão", lema do clube.

A origem do Fortaleza (ou Freguês Eterno do Ceará) é uma das coisas mais confusas em todo o universo. As incongruências espaço-temporais que sustentam sua "história" oficial são objeto de estudo da Física Quântica há décadas. Veja:

Em 1912 surge o Fortaleza. Um sr. chamado Alcides Santos resolve fundar um time chamado Fortaleza. Em 1914 acontece o primeiro torneio de futebol oficial do estado. Ao ver seu time não chegar nem à final num torneio de 5 clubes, Alcides fica puto e declara a extinção do Fortaleza.

Importante: a extinção de um clube, ao contrário da desativação, não tem volta. Um time extinto não pode jogar nenhuma partida oficial novamente.

1915: Stella Foot-Ball Club

Alcides Santos resolve então fundar outro "time", agora com um nome que homenageava uma famosa escola da cidade na época. Depois de ver o Ceará ser campeão estadual três vezes seguidas e o Stella não ganhar porra nenhuma, Alcides fica puto e anuncia a extinção do Stella.

1918: Fortaleza 2

Alcides Santos funda mais um clube, novamente chamado "Fortaleza" (que cara criativo...). Logo no seu primeiro ano o Fortaleza II viu o Ceará ser campeão do estado de novo. Fato que se repetiu no ano seguinte. Cansado de fracassar, Alcides muda de estratégia: dessa vez ele resolve assumir a gestão da organizadora dos campeonatos estaduais, a partir de 1920 chamada Associação Desportiva Cearense (ADC). A partir daí seu time passa a ganhar títulos como nunca havia conseguido antes. Milagre!

Só que em 1929 acontece algo estranho e a diretoria do Fortaleza II passa a acusar a ADC de ser injusta. Seria porque a ADC já não estava aceitando mais aquelas coincidências tão descaradas? Enfim... Alcides fica puto com a ADC e em 1929 anuncia a extinção do Fortaleza 2.

1930: Orion

Os dirigentes anunciaram a extinção do Fortaleza II por achar que a ADC era o diabo na Terra. O que eles fazem em seguida? Fundam um novo time e filiam à ADC, é óbvio! Sobre esse mar de coerência nasce o Orion, time com nome de biscoito. Mas o espírito colorido (ou seja: o chororô) ainda assombrava o "clube". Em plena final do estadual de 1929, o Orion resolve "excursionar" (leia-se "fugir"), não comparecendo à partida final. Obviamente perdeu por W.O. Alcides Santos, que talvez quisesse que seu time fosse campeão mesmo sem jogar, fica puto e anuncia a extinção do Orion.

1932: Fortaleza 3

Agora é que a porra fica séria. Em 1932 filia-se à ADC um novo "clube", mais uma vez chamado Fortaleza, que vem a ser o mesmo que existe até hoje. Esse "clube" afirma ser ao mesmo tempo aquele Fortaleza fundado em 1912 e extinto no mesmo ano, re-fundado em 1918 e extinto em 1929 (?) e também ser o sucessor do Orion (!). De onde surge a pergunta óbvia: como um time fundado em 1918 é sucessor de um nascido em 1930? Mas a putaria fica ainda pior, porque Fortaleza e Orion foram contemporâneos, inclusive jogando um contra o outro! Ou seja, o Fortaleza, fundado em 1932, diz ter nascido em 1918 e ser sucessor de um clube surgido em 1930 contra o qual jogou. A tentativa de compreender essa lógica gera uma fenda no espaço-tempo que só pode ser compreendida pela Federação Cearense, a única "inteligência" que foi capaz de apreender esse paradoxo e vergonhosamente reconhecer para o Fortaleza 3 os títulos do Fortaleza 2 (como o Fortaleza 1 não ganhou títulos, ele foi desprezado).

Cquote1.png A física não permite! Cquote2.png
Galvão Bueno sobre a explicação do Fortaleza III a respeito de sua origem

Série C, a querida

Após a CBF inventar a Terceira Divisão a partir de 1981, o Fortaleza viu nessa série o lugar perfeito para jogar, desde então dedicou-se a disputar a série C do Brasileirão eternamente sempre que possível. É bem verdade que as vezes sai dos planos e jogou uma temporada ou outra a série B ou A, mas isso foi exceção à regra.

Nas vezes em que "saiu" da Terceirona, isso aconteceu por meio do tapetão. Em 1987 o "time" terminou na modesta 13ª posição, "subindo" de divisão apenas porque a CBF resolveu extinguir aquele lixo de torneio que ninguém assistia. Em 1990 o Fortaleza encerrou o certame na medíocre 8ª colocação, "subindo" pra Série B pelo mesmo motivo da vez anterior. E posteriormente já em 1999 o "time" ficou na espetacular 21ª posição, "saindo" da Terceirona por conta das famosas viradas-de-mesa da Copa João Havelange.

Penta-Terceirona

Após mais uma eliminação na Terceirona, torcedor comprova o slogan "meu amor não tem divisão" beijando carinhosamente o escudo na camisa.

Depois de já ter sofrido na terceira divisão em situações esparsas em 1987 e depois em 1990, o "time" disputou a Terceira Divisão por cinco vezes consecutivas na década de 90, de 1995 até 1999. Nos três primeiros anos não chegou sequer às quartas de final, confiando sempre na suposta força da torcida e não dos jogadores em campo, ressaltando-se a campanha de 1997 quando ficou atrás até do Quixadá FC.

Nos 2 anos seguintes não ficou nem mesmo entre os 20 menos ruins. Durante este período também não conquistou nenhum título cearense. Em 1994 e 1993 também já não tinha vencido nada. Por conta dos sucessivos fracassos, precisou chorar se humilhar recorrer ao tapetão a fim de não decretar falência, e foi promovido por caridade para a Série B.

O Fortaleza foi o 39º colocado da Terceira divisão em 1998, ficando atrás de Limoeiro, Ferroviário e Icasa.

Em 1999, o Fortaleza conquistou a heróica 21º posição na Terceira divisão do Campeonato Brasileiro, ficando atrás do Brasil de Pelotas, dentre outros times expressivos, e só não rebaixando para a Série D porque a mesma não existia e aquele era o fundo do poço do momento.

Copa João Havelange

Para salvar o Fortaleza e mais uma caralhada de times nordestinos do buraco, em 2000 foi criada a Copa João Havelange, torneio este cujo regulamento esdrúxulo reuniu tudo quanto é time do Nordeste, pôs num mesmo saco e chamou de "Grupo B do Módulo Amarelo" (Série B). O desempenho do Fortaleza óbvio foi de medíocre para baixo, se contentando apenas em ter pelo menos passado da primeira fase, e ao invés de desejarem algo melhor, ficaram felizes em só zoar o Ceará que foi eliminado mais precocemente, mas no final das contas o Fortaleza se ferrou igual o rival ao ser eliminado pelo Paysandu.

Série A 2003

Comparativo entre as torcidas do F3C (segundo plano) e Ceará (80% do estádio) em um clássico comum.

Mais por ruindade e incompetência dos demais times do que por méritos próprios, o Fortaleza consegue acesso para jogar o primeiro campeonato brasileiro por pontos corridos em 2003. E mesmo num universo de 24 times dentre os quais havia um Paysandu com a perda de 8 pontos no tribunal, o Fortaleza mesmo assim amargou uma vice-lanterna e regressou direto para a Série B.

No ano de 2004 até viria a subir de divisão novamente, mas só o que marcou mesmo o ano de 2004 para o Fortaleza foi o gol singular sofrido na final do 2° turno do estadual cearense. O gol, marcado por Zezinho, foi tão desconsertante que o time desistiu de participar do campeonato com medo de ser humilhado outra vez. O Fortaleza alegou que o drible de Zezinho deveria ser considerado falta violenta, já que quebrou uma costela do zagueiro.

Série A de 2005

Lá estava novamente o Fortaleza na Série A do Brasileirão, e mesmo que o time fosse só uma bosta que só servia para os times do Sudeste reclamarem de ter que viajar para tão longe só para jogar com uns perna-de-pau, a torcida do Fortaleza, em sua mediocridade, passou o ano inteiro dedicados apenas a gozar os torcedores do Ceará, como se brigar para não rebaixar na Série A fosse algum tipo de algo a se orgulhar. Ainda achou que beliscaria uma vaga na Copa Sul-Americana, mas não deu.

Série A de 2006

No começo de 2006, ainda pelo campeonato estadual, o time-do-arco-íris envergonhou mais uma vez sua diminuta torcida após ter mais uma vez o tetra-tapeonato frustrado após uma final lícita contra o Ceará para quem foi derrotado. Sobrou então dedicar-se à Série A, mas infelizmente, o time mais ruim fora da zona de rebaixamento era o Palmeiras, que é time grande demais para o Fortaleza dar conta, e assim o clube rebaixou com 8 pontos atrás do Palmeiras.

O Fortaleza ganhou ainda uma nova alcunha no dia 14 de julho de 2007. Naquela ocasião o time foi humilhado pelo Vitória da Bahia por um placar de 6 x 0, fora o baile. Em razão desta proeza o time colorido passou a também ser identificado como Sixtaleza. Porque o "Fourtaleza" já era pouco.

Série B de 2007

Anunciado como a grande contratação do ano, jogador semi-aposentado assina contrato em uma cerimônia tão imponente quanto o "clube".

Após o rebaixamento melancólico em 2006, o Fortaleza reformulou sua gestão afim de voltar a crescer no futebol, e a nova organização do clube se viu nítida já em 2007, quando o Fortaleza demitiu o treinador Amauri Knevitz apenas três jogos após sua contratação. Um grande exemplo de planejamento e organização, características que o time tanto se orgulha em ter.

Uma quinta colocação na Série ficou até de bom tamanho, porque assim o time nem sobe de divisão e nem parece ser tão ruim quanto na realidade é.

Série B de 2008

"Tentaremos somar 10 pontos em 4 jogos" foi o que disse em 2008 o então treinador Luiz Carlos Barbieri no dia de sua contratação. Em apenas cinco jogos Barbieri foi mandado embora por só conseguir 1 ponto. Mas não esqueçam: "organização e planejamento" são as marcas do Fortaleza.

E assim, pela Série B de 2008, o Fortaleza, novamente à beira de um rebaixamento, ofereceu um "presentinho" ao árbitro antes do jogo contra o América de Natal. Como quem foi rebaixado em seu lugar foi o desprezível Marília Atlético Clube que ninguém liga, o juiz foi banido do esporte mas o "time" do Fortaleza nada sofreu, mostrando mais uma vez que sua força se limita ao tapetão.

Série B de 2009

Em 2009 o Fortaleza preparou uma campanha especial para comemorar os 10 anos da subida no tapetão. Com um grande esforço que mobilizou diretoria, jogadores e torcida, o "time" conseguiu ótimos resultados. Foi terceiro colocado na Série B (virando a tabela de cabeça pra baixo), conseguindo o histórico acesso para a terceirona com uma rodada de antecedência, criando inclusive a promoção de ingressos a R$ 1,99 para que qualquer mendigo pudesse entrar no estádio.

Em 2009 o Fortaleza encheu de orgulho sua pequena torcida com este acesso à Terceira Divisão, pois já fazia 10 anos que o clube não frequentava a divisão mais querida pelo clube. Tornou-se assim a terceira força do futebol cearense, atrás de Ceará e Icasa, que no mesmo ano ganharam vaga respectivamente para as série A e B.

Série C de 2010

Em 2010, mesmo fazendo parte de um grupo que incluía times do Acre, sinal de fundo do poço, o Fortaleza não conseguiu sequer passar da primeira fase da Terceira Divisão, sendo desclassificado pelo glorioso Águia de Marabá. Foi uma campanha mediana e até mesmo inocente, o que o Fortaleza não sabia era que naquele ano começava a sua inacreditável jornada épica pela Série C.

Série C de 2011 e a Vergonha do Nordeste

A Vergonha do Nordeste continua anos depois a ser lembrada nas arquibancadas.

Em 2011 o Fortaleza, além de mais uma vez ser incapaz de passar da primeira fase da Terceirona, ainda brigou para não rebaixar para a quarta divisão. O "clube" fez uma campanha ridícula na Série C, reclamando que a regionalização das chaves colocou a equipe num grupo da morte com times tradicionais fortíssimos e multi-campeões como América de Natal, CRB, Guarany de Sobral e Campinense.

Jogadores negociam o resultado em campo.

Chegou, portanto, a sentir o perigo de ser miseravelmente rebaixado, mas no jogo contra um já classificado CRB, o clube marcou quatro gols no time alagoano, após comprar o time inteiro. O Fortaleza corria sérios riscos de ser rebaixado para a Série D do Campeonato Brasileiro (que time grande, esse). Chegou na última rodada precisando golear o CRB. O problema é que, até então, o Fortaleza havia vencido uma única partida, e pela diferença mínima de 1 gol, enquanto o clube alagoano era nada menos que o líder do grupo. Mesmo assim, o Fortaleza conseguiu o heroico resultado, em um caso que passou a ser conhecido como "a vergonha do Nordeste". Veja os principais lances do jogo:

  1. No segundo tempo, o goleiro do CRB, sabendo que seu time já tinha feito todas as substituições, resolve chutar a bola para longe e provocar o juiz. Logicamente acaba expulso.
  2. Logo após o Fortaleza fazer seu terceiro gol no time sem goleiro, Carlinhos Bala e Gustavo Papa imploram aos atletas do CRB para que deixem o "time" colorido fazer mais um gol.
  3. O goleiro improvisado do CRB faz cera, esperando o outro jogo da rodada acabar. Após o término daquela partida, e ciente de que o clube alagoano estava garantido na primeira posição, um atleta do CRB avisa ao goleiro: "deixa fazer"!
  4. Jogadores do Fortaleza negociam à beira do gramado com Aloísio Chulapa, do CRB, oferecendo cheque em troca da facilitação.
  5. O "time" colorido faz o gol que precisava, enchendo de orgulho a "torcida", já acostumada com as sujeiras nas quais o Fortaleza se envolve.

O caso obviamente terminou em pizza, afinal estamos falando do STJD.

Série C de 2012

Em 2012, a Série C foi reformulada afim de beneficiar o Fortaleza, agora o torneio era dividido em apenas duas chaves, e o Fortaleza seria sempre ocupante da chave dos times mais fracos (que reúnem os times do Nordeste e do Acre), o Fortaleza portanto fez uma excelente primeira campanha, precisando assim decidir a vaga contra o modesto Oeste de Itápolis, para quem perdeu de 3x1 e foi eliminado, chegando à marca histórica de três anos seguidos sem dar uma alegriazinha sequer ao seu "torcedor". Nem mesmo um título estadual.

Série C de 2013

A "torcida", ner-vo-sís-si-ma, quebra cadeiras do estádio após mais uma eliminação na terceira divisão.

Em 2013 o Fortaleza perdeu todos os quatro clássicos-rei que disputou no ano, tomando no total nove gols e fazendo apenas um, de pênalti. Tal desempenho no nível estadual refletiu na má campanha do clube pela Série C de 2013, quando sequer ficou entre os quatro primeiros na primeira fase, perdendo a vaga para o Sampaio Corrêa.

Série C de 2014

Depois de mais uma tradicional eliminação na terceira divisão, a "torcida" fez novamente seu famoso mosaico "estádio desdentado", dessa vez no Castelão.

Continuando sua saga por fracassos incríveis na Série C, o Fortaleza faz uma campanha incrível na primeira fase da Série C de 2014, encerrando a chave com 8 pontos de vantagem para o segundo colocado, desgastando todos seus jogadores durante os jogos que já não valiam mais nada. Para decidir a vaga de acesso, enfrentou o Macaé, um time da segunda divisão carioca, contra quem empatou dentro de casa por 1x1. Como o regulamento previa que times café-com-leite tinham a vantagem do empate, o Macaé ficou com a vaga.

Série C de 2015

Mais uma vez o Fortaleza surpreende a todos com futebol primoroso na primeira fase da Série C, dessa vez em 2015, classificando-se com inúmeras rodadas de antecedência. Para decidir a vaga de acesso, enfrentou o modesto Brasil de Pelotas, cujo time havia morrido ao cair de ônibus numa ribanceira. Apesar do positivo ataque e sua orgulhosa média de pelo menos 2 gols por jogo, quando mais precisou o time cearense não conseguiu fazer um único golzinho num time gaúcho de retranqueiros, e foi então eliminado vexaminosamente pela sexta vez da Série C.

Série C de 2016

Parece até um disco arranhado. Mais uma vez o Fortaleza teve uma campanha primorosa na primeira fase da competição, mas no jogo realmente decisivo, ao enfrentar um time estruturado do sul do país, foi sumariamente humilhado e eliminado. No começo do ano, até ganhou o campeonato estadual no qual aparentemente o rival nem participou (final com Uniclinic) e depois foi lá vencer times falidos como Ríver do Piauí ou Confiança, coisa que qualquer clube peladeiro consegue, assim o Fortaleza trilhou fácil a primeira fase da Série C a qual terminou líder como sempre, e ainda por cima conseguira eliminar o Flamengo na Copa do Brasil, time carioca que obviamente entregou e perdeu de propósito por desejar classificar-se para a Copa Sul-Americana, todo este falso sucesso criou todo um clima favorável de soberba e confiança na torcida do Fortaleza que se aglomerou mais em vez para assistir mais um fiasco homérico, o sétimo consecutivo. Impossibilitado de vencer um mero Juventude, decepcionou mais uma vez, firmando-se como time símbolo da Série C do Brasileirão.

Série C de 2017

Seção a ser escrita.

Estádio

A imponente sede do "time"

O estádio do Fortaleza não é o Castelão (que é do Ceará, time que realmente lota aquela joça), mas sim o tal Parque dos Campeonatos. Depois de passarem anos em uma campanha de arrecadação de sacos de cimento com seus "torcedores", o Fortaleza finalmente conseguiu construir dois pequenos lances de arquibancadas em seu campinho de treino, passando a autoproclamar de "estádio". Por ter condições precárias de (in)segurança e (des)conforto, o local só pode receber partidas pequenas de competições inferiores (ou seja: 95% dos jogos do "time" por ano poderiam ser disputados lá).

Quanto ao Centro de Treinamento, é o CT da Fumaça. As categorias de base treinam em um CT emprestado que é de propriedade de um empresário local, sofredor do "time". Acontece que o dono, já sabendo que não valeria a pena gastar muito dinheiro com essa droga de "clube", resolveu construir o CT em um terreno doado pela prefeitura de Maracanaú, justamente em uma área industrial, com emissão de fumaça e pó de carvão. O resultado é que não se enxerga sequer a bola, tamanha a poluição que infesta o local, e que as crianças são obrigadas a respirar.

Símbolos

A origem das cores do "time"

As cores adotadas pelo Fortaleza foram inspiradas no famoso Palhaço Bozo. Até hoje o time traz em seu uniforme as cores azul, branca e vermelha que são tradicionais nas roupas do famoso e carismático palhaço do SBT. Segundo os mais antigos torcedores sofredores do "time", o Palhaço Bozo foi escolhido para representar a astúcia da diretoria, a inteligência dos torcedores e a maturidade dos jogadores.

Há alguns anos, um ex-presidente do "time" resolveu adotar o leão como mascote. Ele afirma que se inspirou na "raça e valentia" dos jogadores. Na verdade, a adoção desse símbolo é só uma cópia do Sport de Recife.

É de conhecimento geral que o Fortaleza, numa clara demonstração de criatividade, procura imitar o São Paulo Futebol Clube em todos os detalhes - prova disso é seu escudo, uma cópia mal-feita da cueca são-paulina.

Se vocês bem notarem, no símbolo do Fortaleza podem ser enxergadas 5 estrelas. O curioso é que o time nunca foi pentacampeão de nada anteriormente. Então mais uma vez, para tentar se igualar ao Ceará (que possui 5 estrelas por ter sido pentacampeão de fato), colocou-se 3 estrelas amarelas, relativas a um tri-campeonato, e mais 2 brancas, que aludem a um bi-campeonato.

Torcida

Cquote1.png Ti-mi-nho! Ti-mi-nho! Ti-mi-nho! Cquote2.png
Torcida apoiando o Fortaleza no primeiro tempo
Cquote1.png Ver-go-nha! Ver-go-nha! Ver-go-nha! Cquote2.png
Torcida aplaudindo o Fortaleza no segundo tempo
Cquote1.png UUUUUUUUHHHHHHH!! Cquote2.png
Torcida cantando o hino do Fortaleza
Cquote1.png Eu esperava que 15, 20 ou 25 mil aderissem ao sócio torcedor Cquote2.png
Técnico do "time" sobre a "torcida"
Cquote1.png O clube teve apenas 70 adesões de sócio torcedores Cquote2.png
Reportagem sobre a "torcida" do Fortaleza

A "maior da capital" mais uma vez lotando o estádio.

A torcida do Fortaleza, espelha-se em equipes do sul. Sua torcida, a segunda maior do estado e pode ser encontrada nos dias de jogos do Fortaleza espalhada em todas as churrascarias da cidade. O presidente do Fortaleza, prometeu abrir mais umas 30 churrascarias para que a sua grande massa, 5 mil integrantes, possam assistir os jogos tranquilamente.

Se você estiver no estádio de frente para esses torcedores, perceberá que eles formam apenas um pequeno bloco de pessoas propositadamente espremidos para criar uma falsa impressão de numerosidade. Porém eles insistem serem a maior torcida, e justificam a aparente falta de torcedores afirmando que têm o costume de sentar uns nos colos dos outros, o que diminuiria o espaço que ocupam nas arquibancadas.

A intensa vibração da "torcida", mais uma vez lotando o estádio

Entre os grandes feitos da torcida podemos ressaltar:

  • No dia 29 de abril de 2007, após um jogo contra o time do Icasa, a torcida do Fortaleza conseguiu, sozinha, depredar mais de 50 ônibus e 2 terminais, provocando um prejuízo superior a R$ 60 mil a ser pago pelos cidadãos da cidade. Não satisfeitos,os torcedores fizeram o que parecia impossível e bateram seu próprio recorde na semana seguinte: danificaram mais de cem ônibus, rasgaram as redes das traves, derrubaram alambrados e destruíram o gramado do estádio Castelão. Tudo isso após terem corrido atrás dos jogadores do time, arrancando-lhes EN-LOU-QUE-CI-DA-MEN-TE as camisas e calções.
  • No dia 17 de novembro de 2007, durante o jogo Fortaleza vs Paulista de Jundiaí, a torcida que se intitula "maior da capital" invadiu o Estádio Presidentes Vargas, colocando exatos 1072 pagantes. O site do clube, por humildade, resolveu não divulgar os expressivos números.
  • Em 23 de janeiro de 2008 as torcidas do Fortaleza e Ferroviário se uniram na tentativa de conseguirem finalmente lotar o estádio Presidente Vargas, que naquele dia tinha capacidade para apenas 10 mil pessoas. Era a oportunidade perfeita para que as torcidas finalmente realizassem o sonho de encher um estádio. Realmente o número de torcedores foi maior que o esperado, mas ainda insuficiente. O sonho foi mais uma vez adiado. Menos de 5 mil pagantes.
  • Em 8 de abril de 2012 as duas equipes coloridas resolveram compensar o público vergonhoso citado no item anterior, mas não deu certo: apenas 3641 corajosos foram à partida.
  • No dia 21 de fevereiro de 2008 os torcedores do Fortaleza se mobilizaram para apagar o vexame do jogo contra o Paulista. A torcida provou toda sua grandeza e encheu o estádio Castelão com pouco mais de 1600 pagantes!
  • Em 1 de fevereiro de 2009 a torcida do Fortaleza "esqueceu" de comparecer ao Castelão no jogo contra o Ceará.
  • 25 de setembro de 2010: Fortaleza (F3C) 1 x 1 ABC. Público: 396 almas.
  • 11 de novembro de 2012: após mais uma eliminação de seu "time" na Terceira Divisão, dessa vez em pleno estádio Presidente Vargas, a "diferenciada" torcida do Fortaleza quebrou mais de 600 cadeiras, além de lixeiras, corrimãos, parede de banheiro, portão e hidrante.
  • Em 20 de março de 2013 o Fortaleza (F3C), precisando conter despesas, resolveu jogar contra o Tiradentes no seu próprio campo de treino, o famoso Curral. A "torcida" comemorou o jogo em casa lotando as arquibancadas de areia com 496 testemunhas.
  • Em 13 de outubro de 2013, após mais uma eliminação de seu "time" na Terceira Divisão (sim, mais uma!), a distinta torcida do Fortaleza destruiu 82 cadeiras da Arena Castelão, além de porta, gradis, dentre outras instalações do estádio.
  • Em 18 de outubro de 2015, após uma eliminação na Série C para o inexpressivo Brasil de Pelotas, depredou e arrancou 965 cadeiras do estádio Castelão em comemoração a mais uma frustrante eliminação do seu lixo de time.

Gritos da torcida

Cquote1.png Fica, leão, na primeira divisão! Cquote2.png
Em 2006
Cquote1.png Volta, leão, pra primeira divisão! Cquote2.png
Em 2007
Cquote1.png Fica, leão, na segunda divisão! Cquote2.png
Em 2008/2009
Cquote1.png Volta, leão, pra segunda divisão! Cquote2.png
Em 2010
Cquote1.png Fica, leão, na terceira divisão! Cquote2.png
Em 2011

Títulos

  • Nunca ter sido bi-tetra campeão estadual
  • Nunca ter sido penta-campeão estadual
  • Nunca ter sido campeão da Copa do Nordeste
  • Nunca sequer ter chegado na final da Copa do Nordeste
  • Nunca ter chegado a uma final de Copa do Brasil
  • Nunca ter chegado pelo menos a uma semifinal de Copa do Brasil
  • Nunca ter participado de torneios internacionais oficiais
  • Nunca ter aparecido no ranking da FIFA
  • Não ser o time cearense de melhor campanha numa Série A
  • Penta-participações na Série C (1995 a 1999)
  • Octa-participações na Série C (2010 a 2017)
  • Ter ficado cinco anos seguidos atrás do Icasa em Campeonatos Brasileiros(2010 a 2014)
  • Empatar em 0x0 com o Cori-Sabbá: 2 vezes (1996 e 1998)