Friendly Fires

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Friendly Fires
Friendly Fires no paredão.jpg
O trio no paredão esperando as groupies
Origem Londres
País Bandeira da Inglaterra Inglaterra
Período 2006 – Atualmente (desde 2008 com o atual nome)
Gênero(s) Indie Rock eletrônico
Gravadora(s)
Integrante(s) Ed Macfarlane;
Jack Savidge;
Edd Gibson.
Ex-integrante(s)
Site oficial

Babel fish.gifTraduzindo: Fogo Amigo
Babel Fish sobre Friendly Fires
Cquote1.png Essa banda pode ser uma ameaça ao psicológico dos soldados. O que teve de gente morrendo por causa disso... Cquote2.png
Coronéis, majores e brigadeiros sobre Friendly Fires
Cquote1.png On Board, Hold On e Skeleton Boy Cquote2.png
Gamer sobre Friendly Fires
Cquote1.png Banda de merda! Se fosse boa, “On Board” e “Hold On” estariam em Forza Motorsport! Cquote2.png
Forzista sobre Friendly Fires
Cquote1.png Rola direto aqui nas exumações! Cquote2.png
Perito forense sobre ”Skeleton Boy”
Cquote1.png Chamaram? Cquote2.png
Esqueleto sobre ”Skeleton Boy”

Friendly Fires é uma banda de indie rock eletrônico, ou seja, uma suruba que só, formada na Inglaterra em 2006, em uma universidade, ou seja, era o clichê de bandas americanas atravessando a poça. Agora quero ver uma banda americana se formando em um pub.

A banda bem requisitada por parte da comunidade gamer por quase ter a música tema do Gran Turismo 5: Prologue, ou seja, um caça-níquel da Polyphony, já que o jogo original, após algum tempo, bateu o recorde mundial de adiamento. Quando este foi lançado, era a vez de uma outra música entrar na soundtrack, e, ainda conseguiu colocar música em um monte de jogos da EA.

Começo disso tudo[editar]

Em uma universidade lá na Inglaterra (não é Oxford, ou seja, eles não são tão inteligentes assim), alguns adolescentes que acabaram de sobreviver ao trote de ter que ser alvo de paintball.

Durante a sessão médica para tentar se curar desse problema, decidiram jamais entrar em um paintball da vida. O fogo amigo já era inimigo naqueles dias.

Trocaram o paintball por uma lan house cheia de adolescentes jogadores de CS, que sempre são adversários de valor, e que era gerida pelos alunos de ciência da computação dessa universidade. Lá, eles viviam tomando sova deles mesmos, novamente sendo vítima de fogo amigo, assim, desistiram de armas e deram fim ao sonho de serem militares um dia. Como a Inglaterra é um país cheio de Pubs, e que 99% das bandas locais começaram neste tipo de bar, toparam começar uma banda de rock.

Carreira[editar]

Com outro nome[editar]

Sendo fichado. ELES SÃO UNS BÁRBAROS!

Cientes de que jamais voltariam no tempo, resolveram se consolar e batizar a banda de “First Day Back”, ou seja, usar suas músicas para limpar as merdas que fizeram na universidade, mesmo com os letrados da universidade discutindo até hoje se esse “Back” é uma alusão a maconha, dados os clichês de universitários.

Na falta de criatividade, concluíram que mamar nas tetas do Green Day, aquela banda que fãs e indiferentes dizem ser punk e haters dizem ser emo, fazendo parte do modismo do “não gosto, logo é emo”, e que estavam faturando bilhões chamando o Bush Filho de filho da puta nas entrelinhas com o American Idiot.

Após um tempo de tímido sucesso, eles viram que essa banda era uma bicicleta ergométrica, ou seja, não estava levando a lugar algum, já que os ingleses não-anarquistas não tinham quem xingar no país quanto a política. Até hoje eles argumentam que na época tinha gente a ser xingada no país, mas, no esporte: não eram muito fãs de Roman Abramovich, o homem que implementou a Máfia Russa no futebol inglês, império que reina até hoje com adesão de mais mafiosos gerindo os times e tornando o campeonato mais rico e com mais dinheiro sujo envolvido (o segundo fato é omitido pela mídia).

Após alguns anos, um estúdio de música eletrônica chama Ed num canto e tenta comprar sua musicalidade. Após meses de transações e acordos que seriam bom para ambas partes, concluíram que já era hora de mudar a musicalidade e deixar Billie Joe Armstrong & Seus Blue Caps em paz.

Querendo evitar processos da banda original, que nem sabia da existência deles, resolvem trocar o nome da banda. Aí se lembraram que se ferraram tanto com fogo amigo que resolveram pensar neles e batizarem a banda pro que conhecemos hoje, FRIENDLY FIRES.

Já com o atual nome[editar]

Ouvindo o próprio trabalho. Acho que eles não estão gostando muito...
Clipe de "On Board"

Assim que soube da nova banda, o pessoal da Polyphony, com pouca grana após pagar todas as licensas para o Gran Turismo 5, resolveram chamá-los para fazer a música de abertura do GT5 Prologue, uma conspiração para ninguém ficar reclamando do excesso de adiamentos do lançamento do GT5: Now It Gets Fucking Serious, assim, compondo “On Board”, que não foi o tema de abertura porque o Weezer pagou aquele jabá que ajudou na hora de repor o dinheiro gasto com as licenças.

Com essa música, eles resolveram gravar um CD e compor mais algumas músicas que jamais seriam usadas em games, só serviriam para tocar nas rádios, vender discos e encher os cofres deles.

A banda usou uma estratégia extremamente agressiva, onde conseguiu estourar com várias músicas simultaneamente, cada uma com um público-alvo: góticos e antropólogos forenses e gamers com “Skeleton Boy”, apaixonados com “Lovesick”, gamers com “On Board”, patricinhas e franceses com “Paris”, nadadores artísticos com “Jump in the Pool”, ou seja, essa estratégia fez com que a banda pudesse passar muito tempo só vivendo dos seus prêmios e cantando “On Board” em torneios de GT5P. Assim, a banda conseguiu realizar um sonho dentro da música: não ter música poser.

Quando a banda já estava caindo no esquecimento, já que as músicas estavam ultrapassadas e com o GT5 sendo lançado, precisaram voltar ao estúdio gravar o 2º álbum. Para a sorte deles, o pessoal da Polyphony voltou a procurar seus préstimos querendo colocar mais músicas a baixo custo na sua nova criação. A história que contam é que GT5 foi adiado tantas vezes por causa das negociações com a banda para colocar uma música no jogo, eles queriam a abertura acima de tudo, após ter o tapete puxado pelo pessoal do Weezer. Após tudo isso, chegaram a um acordo e, o jogo previsto para 2009 estreia em 2011.

Raio-X[editar]

Integrantes[editar]

  • Ed MacFarlane: Vocalista e o cara que se vendeu para conseguir um contrato com um estúdio. Se não fosse por ele, o mundo teria só mais uma banda de post-hardcore
  • Jack Savidge: Mais um dos acadêmicos que queria realizar o sonho de uma banda universitária. Já estava na universidade, só faltava a banda em si...;
  • Edd Gibson: Apesar do sobrenome, não é um guitarrista parente do Mel Gibson nem do Edd (aquele que chamam de Dudu no Brasil), um cara desses seria um dos maiores fodões do universo, com certeza...

Álbuns[editar]

  • Friendly Fires: Um álbum homônimo que não seria homônimo se fosse lançado uns anos antes. Entendeu? Esse álbum foi criado só para ter algumas faixas a mais e ninguém ficar os conhecendo só por “On Board”. Não queriam que já ganhassem haters de cara (os Forzistas, achando que estes se interessariam por outras faixas (2008);
  • Pala: “Bola” em italiano, “Para” em Cebolinhês. Até hoje ninguém sabe o porquê desse nome. Talvez seja uma alusão a algum esporte com bola ou então uma homenagem ao Cebolinha. A Polyphony acredita que esse álbum é uma propaganda subliminar do Citröen C4 Pallas (2011).

Músicas[editar]

Skeleton Boy
  • Música do Gran Turismo 5: Prologue e do Wii Fit: A banda começou querendo dominar o mundo através dos games, compôs essa música com o objetivo de ser a abertura do GT5P, mas, não contavam com uma coisa: o Weezer existia. Forzistas, logicamente, reprovam a música;
  • Garoto Esqueleto: A música preferida de góticos e antropólogos forenses, mostrando que aquelas animações clássicas de esqueletos dançando servem para alguma coisa, assim, fazendo uma versão live-action dessas clássicas danças. Essa música está em jogos da NBA e do NHL. No 2º, é a música que toca durante as brigas, pois os skeletons sempre aparecem nas fraturas expostas resultadas das brigas;
  • Amor Doente: Conta uma história de amor bem simples, mas, contada pelo ponto de vista do apaixonado;
  • Paris: Música favorita dos franceses (com esse nome…) Paris Hilton foi a Paris assistir Paris, Texas. A merda que deu? Escuta a música! Por ter alusões a patricinha/socialite/desocupada/pseudoatriz/atriz pornô Paris Hilton, as patricinhas adoram essa música;
  • Diamantes Brancos: Com esse nome, só mesmo para tocar em Gossip Girl...;
  • Pule na Piscina: Música composta para ser a música da performance da equipe inglesa de nado sincronizado nos Jogos Olímpicos de 2008, mas, Omo na verdade o que foi visto foi “nada sincronizado”, ficaram feliz de a música não ter sido escolhida;
  • A Música do Gran Turismo 5: Você que esperou 2 anos para que GT5 finalmente fosse lançado e odious isso, tem a opção de culpar essa banda, que ficou fazendo doce com essa música pros diretores da Polyphony. Só para constar: todo mundo já fez música chamada “Hold On”. Eles não ficaram para trás;
  • Cacete Azul: Já imaginaram um pornô dos Smurfs? Se sim, você é um doente (principalmente se você imaginou as personagens em um Gang Bang com a Smurfette). Não? Escute essa música e tire suas conclusões. Algumas pessoas falam que essa música na verdade foi escrita após um dos integrantes da banda manjar um integrante do Blue Man Group em um mictório;
  • Ar Havaiano: Tocando com os Engenheiros do Hawaii no Havaí.