Nai Fudsu

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Fuda)
Ir para: navegação, pesquisa
Pastel chines original.jpg Pastel de flango, né?

Este altigo foi fablicado na China e pode queblar a qualquer momento. O autor plovavelmente luta Kung Fu e tem uma pastelalia. Não estlague este altigo, pois Jackie Chan está de olho.

Dalai-lhama: repare na sua expressão de paz e serenidade. Muitos acreditam que ele pode ser a 69ª encarnação do Fuda

Cquote1.png Eis que me encontrarei ao lado, atrás, por baixo e por cima de vós, pelos séculos dos séculos! Cquote2.png
Nai Fudsu sobre as seguidoras do Fudismo
Cquote1.png E para aqueles que praticam o mal, que são cabeça-dura, que são homofóbicos, que são heterofóbicos, que são fanáticos, que são chatos, eis que lhes digo... Ai de vós, pois eis que ele virá, e seu cajado cairá sobre vós Cquote2.png
12º Dalai-Llama, sobre Fuda

Nai Fudsu, também conhecido como Ian Fuda, ou simplesmente por Fuda, é um filósofo chinês do século IV, criador da Teologia do Foda-se, também conhecida como Fudismo.

12º Dalai-Lhama, antigo líder espiritual filosófico e ruminante do Fudismo

Fuda não pregou, pois ao contrário de Jesus, não era carpinteiro. Também não escreveu nada, porém seus discípulos seguiram fielmente suas palavras, descritas na Forah, livro sagrado do Fudismo que mostra a sua saga diante do Socialismo imperial chinês.

Alguns fudistas hoje creem que Fuda está ao lado da deusa Athe, padroeira dos Atheus.

Atualmente, muito do que a China é hoje deve-se em parte as sábias palavras do Fuda, que somente disse para seus seguidores, "Paz e Foda", resultando assim na enorme população de olhos puxados que hoje habita nosso planeta. Por esse ângulo, analistas de marketing religioso afirmam que os fudistas foram mais espertos na colocação (sem duplo sentido) das palavras em relação aos cristãos, que com seu "crescei e multiplicai-vos", não obtiveram o mesmo apelo comercial.

Fuda nunca quis ser considerado um deus, pois sempre detestou puxa-sacos e paparazzis, porém nunca se negou a introduzir (sem trocadilho, ou com, dependendo do momento) sabedoria nas pessoas que iam procurá-lo. Muitas parceiras mulheres disseram ter ido ao céu enquanto se consultavam com ele, daí o fato dele ter sido considerado um ser venerável.

Sua filosofia entusiasmou muita gente em países como Nepal, Peru, Brasil e Jamaica (onde há o "Fudismo Verde"), porém foi na Tchetchênia e na República Tcheca que penetrou com mais intensidade, e sem sofrer resistências.

O fudismo é considerado uma religião imoral pelas grandes religiões gays moralistas. Isso ocorre porque os líderes dessas merdas de crenças raramente transam e são amargurados por isso. Outro motivo pelo desgosto com o fudismo é a falta de artigos no Credo Fudista com relação ao celibato clerical. Isso ocorre porque os gays representantes das religiões monotonoístas querem destruir a razão de ser do fudismo. Com o celibato, torna-se vazio o próprio fudismo. Querem destruí-lo com uma espécie de doença auto-induzida que destrói a religião internamente, mais ou menos como a Teologia da Libertação faz com a Igreja Católica.