Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Logo Gov Brazil 2015.jpg
O Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações, ou FUST é um fundo público de captação de valores para usufruto do próprio governo e também das operadoras, quando na lei[1] consta que deveria ser usado para o que o próprio nome do fundo sugere, para ampliar a oferta da pobre malha telefónica brasileira, através do fracassado Plano Nacional de Acesso à Banda Larga. Deveria ser de gerência do Ministério das Comunicações, mas este mesmo só quer saber de fazer maquiagem para publicidade governamental. Então resta ao pobre contribuinte brasileiro esperar (sentado) uma operadora telefônica chegar próximo a sua residência, para quem sabe um dia, ele possa fazer um gato e assim poder ascender ao fabuloso mundo da internet.

Origem[editar]

Tipos de investimentos realizados com o FUST.

O plano foi criado lá pros anos 2000, no fim do desgoverno FHC e inicio do governo mensalista e visava (tentar) entregar internet para regiões longínquas, situadas lá no cu do mundo, próximas ao puta que pariu, mas ainda assim menos distantes que o suposto Acre. Imaginaram que com a privataria privatização a internet deixaria de ser um serviço público, essencial a todo e qualquer brasileiro, bem como é com a energia elétrica, água e saneamento básico. Então decidiram criar esse fundo para servir de financiador para possíveis expansões na rede nacional de telefonia.

Resultados[editar]

A ideia no princípio até funcionaria, mas na prática o que se tem visto é um caixa 2 para as teles caso elas venham a alegar atestado de pobreza o que acontece frequentemente, mesmo com as teles ganhando rios de dinheiros na cobrança extorsiva de telefonia fixa. Além do mais, a rede passa anos e mais anos sem sair das grandes metrópoles, cabendo a um ou outro pequeno provedor fazer seus pés de meia para levar internet a toda uma localidade, mesmo que mais cedo ou mais tarde alguma das grandes operadoras queiram aproveitar o mercado consumidor criado por este pequeno empreendedor. Por fim, qualquer brasileiro com um pouco de noção do que é o Brasil sabe que uma ideia assim, aqui, nunca daria certo.

Ver também[editar]

Referências