Gel Lubrificante Ai Meu Ânus

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Polixop.JPG
Philtrosfasis.jpg


Gel Lubrificante Ai Meu Ânus é mais uma porcaria um artigo da Polishop!


Não espere mais! Ligue agora e adquira já seu(a) Gel Lubrificante Ai Meu Ânus e ganhe uma sensacional espátula e uma bandeja coletora de gorduras!

Cquote1.pngVocê quis dizer: Maionese para salsichaCquote2.png
Google sobre Gel Lubrificante Ai Meu Ânus
Cquote1.png Eu aprovo! Cquote2.png
Júnior sobre Gel Lubrificante Ai Meu Ânus

O gel lubrificante Ai Meu Ânus é um produto revolucionário que simplesmente revolucionou a indústria revolucionadora do mundo da entrada e saída pelos fundos. Antes do surgimento do revolucionário Ai Meu Ânus, a entrada era muito dura e a saída pelos fundos era furtiva. O atrito cometido na ação tradicional de ocultar o quibe causava extrema desconforto no oríficio passivo do passivo e cheiro de queimado no ambiente. O pessoal acostumado a queimar a rosca já não suportava mais esta condição desfavorável à prática do mesmo. Este foi o estopim para um gaúcho pelotense tentar amenizar suas dores através de produtos naturalmente artificiais. Mas ele acabou criando algo melhor ainda, que seria conhecido como o revolucionário gel lubrificante Ai Meu Ânus®.

[editar] História

Versão Brasileira do Gel, com aplicador embutido

Quirino Imário Antunes Roscolli, popular Q. Imário A. Roscolli, um gaúcho viado(que pleonasmo), curioso profissionalmente, típico morador da cidade tipicamente pelotense de Pelotas, era um açougueiro graduado pela Universidade Federal de Pelotas acobertar linguiças e embalar salames. Ele trabalhava no açougue do Zé, privilegiadamente localizada nos fundos de uma construção em andamento que deixou de ser construída a tempos, que por sua vez é localizada no fim de um beco sem saída.

Q. Mário costumava frequentar uma boate gay e arranjar novos amiguinhos, farrear, soltar a franga, agasalhar o croquete, dar a ré no quibe, morder a fronha, entre outros que significam a mesma coisa. A frequência era tanta que o fim do arco-íris já não estava mais resistindo à invasão de bárbaros OVNIs ( objetos violentos não-identificados ). O calor da noite deixava seu fundilho mais quente ainda, tendo que recorrer aos bombeiros costumeiramente. O problema é que, ao invés de apagar o fogo, eles incendiavam ainda mais o pobre orifício. Q. Imário A. Roscolli tentou todos os artifícios milagrosos, inclusive minâncora, hipoglós, gelol, gelinho, creme de babosa e extintor de incêndio, mas nada surtiu resultado. Revoltadinha e quase pensando em desistir da prática, ele teve um devaneio, e em um sonho muito bonito com serpentes aladas, onde ele recebia a fórmula secreta de um produto secreto vindo de uma sociedade secreta fundado em um lugar e tempo secreto para uma utilidade não tão secreta. Ele acordou e foi logo anotar a fórmula recebida em seu sonho. Experimentou fazer a mistura recebida e testou no próprio anel. A princípio, ele não sentiu nenhuma diferença. Quando chegou a hora de fazer festa, Q. Imário foi aquecer os fundilhos com a mesma mistura feita, e ainda não sentiu diferença. Q. Imário estava desiludido, achando que jamais encontraria a felicidade traseira. Foi farrear na casa do Albertão, como de costume, mas sua rosca neste momento estava com a mistura que ele havia criado. Q. Imário havia esquecido o produto no interior de seu corpo, lá onde o sol não alcança, e a farra estava quente naquela noite. Depois do laço afetivo com Albertão, Q. Imário voltou para sua casa, mas estranhou a falta de dor no local. Pensou em o que poderia ter acontecido e se lembrou de sua mistura.

Na noite seguinte, Q. Imário foi fazer o teste, aplicando a mistura e indo pra festa. Novamente, ele não sentiu dores. Toda noite antes de farrear, Q. Imário aplicava um pouco de sua mistura. Ele havia descoberto a fonte da felicidade. Q. Imário era uma pessoa dada, gostava de ver outras pessoas felizes, e fez mais de sua mistura, para vender para seus colegas de noitada. O sucesso da mistura fez Q. Imário A. Roscolli ganhar uma boa grana com as vendas e colocou um sorriso grande no rosto de seus amigos. Assim começou a história de sucesso do gel lubrificante Ai Meu Ânus.

[editar] Marketing

Recentemente, a empresa assinou um contrato milionário com o jogador Ronaldo Fenômeno

O setor de marketing da empresa Ai Meu Ânus não poupa esforços para divulgar a marca no mundo inteiro. No começo, a empresa apostava na divulgação underground, onde atores do cinema pornográfico gay brasileiro faziam o merchandising em filmes selecionados. Alguns filmes onde a publicidade do Ai Meu Ânus foi feita:

  • Tacaram o fogo na rosquinha
  • A mão que balança a banana
  • Três dentro, dois fora
  • Onde os machos não tem vez
  • Bofe Story
  • Sem medo de ser feliz

Com o projeto de anúncio em filmes do cinema pornográfico gay, a empresa conseguiu fazer seu produto alcançar lugares inimagináveis, mas não era o bastante.

Em 2004, quando a empresa começou a ficar famosa no país, o setor de publicidade já partia para a força bruta, anunciando o produto em revistas do ramo, como a revista G e a Quatro Rodas. O anúncio também era feito em programas do ramo, assistidos por homossexuais, como os programas do Clodovil e do Gugu. Com o anúncio no programa do animador Gugu Liberato, o produto ganhou a popularidade também na Argentina, Bolívia, Chile, Uruguai e Paraguai. O gel lubrificante Ai Meu Ânus já era comercializado nestes países, mas só entrou na rotina das pessoas com o merchandising do Domingo Legal. Em pouco tempo era o gel lubrificante mais popular da Argentina e Uruguai.

Em 2006, o setor de publicidade das empresas Ai Meu Ânus anunciava um contrato milionário e ambicioso com o famoso Júnior, da dupla Sandy e Júnior. Em todos os shows que a dupla fazia, Júnior deixava um pequeno frasco do produto sobre um caixa, perto de sua bateria, visível ao público que assistia ao espetáculo. Era um marketing prático. O contrato com Júnior seria rompido em 2007, com o anúncio do fim da dupla. Ainda em 2006, para atrair pessoas vindas do futebol, a empresa anunciava o contrato com o jogador do São Paulo Futebol Clube Richarlyson. O jogador Rogério Ceni havia recusado a oferta pois já tinha um contrato com outra empresa. Um pequeno anexo do produto era destacado em sua camisa de Richarlyson nos jogos de seu time. O contrato com Bicharlyson seria rompido em 2007, com a derrota de seu time na copa Libertadores da América. A empresa não queria estar associada a um perdedor.

Em 2007, depois que os laços com pessoas famosas foram rompidos, a empresa entrou de corpo, alma e membro no mundo da bandas jovens. Quando estourou o alegre e ao mesmo tempo triste movimento Emo, a empresa tentou fechar contrato com a banda Fresco, orgulhosamente gaúcha, mas recebeu um não. A empresa resolveu investir uma grande fortuna em uma banda internacional. A banda escolhida para a promoção do produto foi a alegre Simple Plan. Eles também haviam recusado a proposta. A banda que assinou o contrato foi a My Chemical Romance, que não era tão famosa quanto é atualmente. Assinaram um contrato de dois anos. O produto então foi distribuído para o mundo todo através da publicidade feita em cima da banda. Ainda em 2007, quando a banda estourou de vez, e muitos fundilhos também estouravam de paixão pela banda, o produto tornou-se popular na Europa, Ásia, Estados Unidos e Austrália. Em 2008, a banda resolve romper o contrato milionário.

Neste ano, a empresa ainda não tinha nenhum contrato feito. Em maio, aproveitando o caso Clodovil, a empresa conseguiu firmar o contrato, depois de várias tentativas. No início foi apertado, mas pressionando aos poucos o Clodoviu cedeu. O contrato mais caro já feito pela empresa. Com a morte de Clo, o contrato com a Ai Meu Ânus foi rompido . Ele já era o garoto propaganda mais lucrativo que a empresa contratou nos últimos anos.


Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas