Geografia da China

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

China é o terceiro maior país do mundo em território, perdendo apenas para a Rússia e para a Sibéria, compõe 95% do território total da Ásia. Faz fronteira à nordeste com a Manchúria, ao norte com a Mongólia e a oeste numa zona desconhecida e muito mal mapeada de fronteiras com países que todos desconhecem ou duvidam da existência como Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão. Toda a fronteira sul da China é litigiosa pois encontra-se nos Himalaias e não há ser humano racional que possa mapear aquele picos escarpados, havendo então indefinição de fronteira com Paquistão, Índia, Butão, Nepal e a Birmânia. Há sudeste há ainda um pedaço de fronteira com a Indochina por onde entra o arroz importado. Todo o leste do país é banhado pelo Mar da China Austral, Mar da China Oriental e Mar Amarelo onde encontra-se os territórios das províncias ultramar de Taiwan, Hainan, Japão, Coreia do Norte e várias outras ilhotas sem importância como Iwo Jima. Há ainda pelo menos uns 50 exclaves espalhados pelo mundo em centros urbanos como Nova York, Londres, São Paulo, Moscou e Los Angeles, oficialmente denominados de "territórios arrendados" e informalmente chamados localmente de "Chinatown".

Relevo[editar]

Devido às suas vastas proporções, a China é dividida em quatro porções geográficas bem definidas: Desertos, Himalaia, Pastelarias em Massa (ou caos urbano) e Mesetas de Plantações de Arroz.

Ao longo de todo norte e do oste do país estão o deserto de Takla-Makan e o deserto de Gobi, considerados os mais áridos do mundo e por serem habitados por mongóis e árabes são frequentemente confundidos como Afeganistão.

Em toda fronteira sul, no Tibete, estão os picos do Himalaia, onde fica o Monte Everest que é a montanha mais alta da China, visto que Nepal não é reconhecido pelos chineses.

Em toda China Central, de Sichuan à Anhui há os verdejantes vales de plantações de arroz recordados pelas centenas de usinas hidrelétricas responsáveis pela extinção do baiji (um antigo deus pluvial).

E finalmente todo litoral chinês cujo relevo é dominado por uma grossa camada de fuligem tão espessa que já ganhou formato, chamados de Pequim, Xangai e Hong Kong.

Hidrografia[editar]

Rio Vermelho perto de sua foz, em Xangai.

A China tem grandes rios, aliás, enormes rios. Aliás, rios gigantescos. Tão grandes que para pescar neles foi criada a Grande Muralha da China, só para sentar em cima. Os principais rios do país são o Rio Amarelo e o Rio Azul, embora os rios Rosa, Vermelho e Púrpura sejam grandes também.

No norte o principal é o Rio Amur, importantíssimo para denominar onde acaba a Manchúria e onde começa Vladivostok.

Já ao sul dominam o Rio das Pérolas e o Rio Mekong, ambos com nascente no Himalaia e escorrendo para a Indochina onde virão se tornar os rios mais poluídos do mundo.

Clima[editar]

Na China há quatro climas predominantes: O mais predominante é o clima de poluição existente no litoral e nas principais cidades. Ao norte há o clima temperado com invernos rigorosos, e justamente por causa desse frio é comum os russos acharem que ali é a Rússia por causa do frio. No centro e no oeste predomina o clima desértico, enquanto o clima polar pode ser encontrado no Himalaia.

Vegetação[editar]

As paisagens naturais da China são famosas basicamente por suas plantações de arroz, cães e bicicletas.

Flag-map of the Greater People's Republic of China.png China
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografia
EconomiaCulturaTurismo