Gerônimo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Gerônimo
Gerônimo
Apesar do cabelinho de pega-rapaz, Gerônimo era um elemento de alta periculosidade
Nascimento 16 de Junho de 1829
Bandeira do México México
Ocupação Exterminador de soldados mexicanos e estadunidenses

Gerônimo, que possui o horrível nome de batismo de Goyaałé, foi um índio cabra-macho que matou a cobra e mostrou o pau. Ele liderou os apaches em direção à Terra Prometida, porém, acabou tendo que lutar contra diversos brancos malvados, que não queriam entregar de bandeja o terreno onde estavam localizados os seus melhores e mais sofisticados prostíbulos. Após anos trocando flechadas e tiros de carabina caipira com esses brancos, Gerônimo resolveu se render, pois já estava ficando velho, e cansado dessa rotina estressante que lhe causava rugas que nem mesmo as ervas de sua aldeia conseguiam melhorar. Após essa rendição, o exército americano o jogou dentro de uma cela fétida, com cheiro de merda e esgoto, onde ele ficou até a sua morte - Os livros de história e a Wikipédia dizem que Gerônimo morreu por conta de uma pneumonia, mas a teoria da conspiração diz que, na verdade, ele morreu porque levou uma picadura de naja na bunda.

História[editar]

Não, não é a tua avó. Este é Gerônimo, o grande líder dos apaches, que se tornava o próprio Satanás nas batalhas de vida ou morte.

Gerônimo nasceu em Bedrock, uma aldeia rústica próxima de Tangamandápio. Apesar dessa aldeia ser o principal ponto de encontro entre coiotes e idiotas dispostos a atravessar a fronteira ilegalmente, tudo era muito pacífico, e os apaches nunca tiveram que guerriar para manter o controle do lugar - Mesmo assim, o pajé de lá sempre mandava seus índios valentes deixarem os arcos e flechas preparados, apenas por garantia. Gerônimo cresceu nesse clima de paz e amor, sendo que a sua única função na aldeia era plantar pézinhos de maconha nas margens de um riacho poluído que passava ali perto.

Apesar de estar predestinado a comandar os seus semelhantes, Gerônimo nunca foi de inovar muito, e seguiu à risca todas as tradições clichê e sem graça de sua tribo: Ele se casou com uma índia peituda de nome impronunciável, teve alguns filhinhos que viviam andando pelados por aí, continuou plantando maconha e exportando para a Vila do Chaves, toda noite batia um papo-cabeça com os seus miguxos da aldeia... Enfim, ele fez tudo aquilo que qualquer apache comum fazia. Porém, essa história estava para mudar. Em 5 de Março de 1851, em uma noite de Lua ensanguentada, diversos mercenários mexicanos, comandados pelo General Senhor Furtado, invadiram a aldeia de Gerônimo, querendo roubar todas as ervas que a a tribo deste estava estocando. Eles conseguiram pilhar até o último maço, e, como agradecimento por toda a cordialidade, jogaram um napalm na aldeia, matando 99% dos índios que lá viviam. Esse último ataque matou toda a família de Gerônimo, fato este que o transformou em uma espécie de vingador.

Após esse acontecimento, Gerônimo e o chefe de sua tribo, chamado Mangas Coloradas (?), se juntaram a tribo de Cochise, um outro chefe cabra-ôme que queria se vingar dos mexicanos. Após essea união, eles começaram a guerriar quase que diariamente contra as tropas mexicanas, até que, certo dia, um fato inusitado aconteceu: Quando todos os aliados estavam com um pé na cova, Gerônimo entrou em Modo Berserker, aumentou o seu ki milhares de vezes, e conseguiu matar mais de 8000 mexicanos chavesmaníacos usando apenas uma faquinha de cortar pão. Após esse massacre, Gerônimo ficou conhecido como O Exército de um homem só.

Quando voltou para a aldeia de Cochise, Gerônimo se tornou uma espécie de estrela pop, afinal, não é todo dia que alguém consegue matar um monte de soldados bem treinados na base da faquinha. Aproveitando seu sucesso repentino, Gerônimo se casou com uma índia da aldeia, que era ainda mais peituda que sua antiga esposa. Com ela, ele teve alguns filhinhos eunucos, que apesar de não possuírem pinto, foram bastante felizes e orgulhosos, por terem um pai tão valente e forte.

Rendição[editar]

Mesmo conseguindo matar diariamente mais de trocentos soldados mexicanos e estadunidenses, Gerônimo não estava feliz com sua vida. Na verdade, o que ele queria era ficar fumando uns baseados na beira da lagoa. Ele já estava de saco cheio de ter que ficar enterrando seus companheiros, e tendo que conduzir aquelas cerimônias pagãs demoradas pra cacete. Então, para botar um fim nessa bodega sem fim, ele resolveu assinar uma rendição, na qual ele aceitava ir preso, desde que sua cela tivesse TV a cabo, chuveiro elétrico e algumas revistas de sacanagem. Como não queriam bater de frente com o exército de um homem só, as tropas americanas aceitaram esses termos, e finalmente prenderam Gerônimo.

Tendo finalmente posto as mãos no cara que exterminou sozinho mais da metade dos soldados mexicanos e estadunidenses, o exército americano resolveu comemorar com uma festa regrada a muito álcool e putaria. Gerônimo não participou disso, mas bebeu alguns goles de Cachaça Nabunda, afinal, ele não era de ferro. Apesar da cela ser fedida, o exército americano cumpriu a sua palavra, e tinha colocado todas as regalias triviais que Gerônimo tinha pedido, e este conseguiu aproveitar bem a sua estadia por lá.

Alguns anos mais tarde, Gerônimo acabou morrendo de maneira misteriosa, com a bunda para cima e com uma expressão sádica. Como não tinha explicação para isso, o governo americano declarou que ele morreu por pneumonia, após ter tomado algumas cevas muito geladas e ter insistido em ficar sem camisa durante o rigoroso inverno estadunidense. Bem, apesar dessa desculpa ser totalmente esfarrapada, os apaches aceitaram, e não entraram em guerra novamente com os Estados Unidos.