Glória Menezes

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do Estado de São Paulo.svg.jpg Salve, mano! Este artigo é paulista: não gosta de gaúcho nem de carioca e se acha um puta trabalhador, né, meu! E não tá completo, pois o vacilão foi tomar um chôps e dois pastel, meu!
Cquote1.png Experimente também: Múmia Cquote2.png
Sugestão do Google para Glória Menezes

Cquote1.png ... Cquote2.png
Doutor Roberto sobre Glória Menezes
Cquote1.png Tarcísio pega o meu formol ai! Cquote2.png
Glória Menezes sobre Um produto muito utilizado por ela
Cquote1.png O_o Cquote2.png
Você sobre ver como era Glória Menezes na juventude

60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Glória Menezes.

Nilcedes Soares Magalhães (São Paulo,Capão redondo) uns dos filhos de Adão com um crocodilo femeá é uma atriz e manequim de funerária brasileira,nascida em em algum lugar em 19 de outubro de 42 A.c,depois que a sua mãe fez a maldade de colocar um nome feio pra porra,quando se deu por gente mudou para seu nome artístico de Glória Menezes,ela é casada com o filho mais velho de tutakamon Tarcísio Meira,nesse relacionamento teve uma bichona fruto chamado Tarcísio Filho.Glória Menezes tem na composição do seu sangue algumas células da Dercy Gonçalves daí vem a explicação dela ter mais de oito mil anos, a maioria das novelas em que participa são da globo,recentemente foi convidada para participar da novela da Record Os Mutantes com o papel de múmia,mas recusou o convite

Glória Menezes tomando banho de sol ao lado dos seus bonequinhos de brinquedo

Novelas[editar]

  • 2008 - A desfavorita .... antiga senhora idosa
  • 2006 - Páginas da morte .... dona morte
  • 2004 - Senhora do Destino .... cobra fumante
  • 2004 - Da Cor do melado .... surfista figurante
  • 1964 - Eu e Você e tua mãe ...figurante

Prêmios[editar]

Tumbleweed01.gif

Veja também[editar]

Precedido por
Norma Bengell
Bandeira do Brasil.jpg
Mulher mais desejada do Brasil

1967 - 1969
Sucedido por
Leila Diniz