Goianésia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Goianésia é um município brasileiro,localizado no centro do estado de Goiás, ou seja, no cu do Brasil. É considerada a capital do Vale do São Patrício, um dos mais pobres conjuntos de fazendas (aka municípios) de Goiás. Já possuiu a muito tempo atrás um carnaval, hoje dispõe apenas de um ajuntamento de pessoas para ficarem bêbadas no meio da rua ( mas agora tem Encontro de Motocicleteiros). A cidade vem crescendo exponencialmente, e o desenvolvimento acelerado pode ser observado no fato de a cidade já ter três sinaleiros.

História[editar]

Carnaval na cidade.

As origens de Goianésia é similar ao surgimento do sistema solar, onde as partículas de poeira se aglutinaram pela força da gravidade, mas no caos de Goianésia um bando de caipiras se aglutinaram pela força de promessas de queijos grátis feitas por Laurentino Martins Rodrigues, o co-fundador de Goianésia.

Em 1953 é elevado à município ao se desmembrar de Jaraguá que tinha mais o que fazer do que administrar essa longínqua fazenda.

Vários nomes honraram e marcaram o passado e história de Goianésia, seja pelo seu pioneirismo, pela força, pela burrice, pela feiura, pela falta de dentes, pelos chifres ou pelo desconhecimento completo do restante do mundo, herança que vem sendo passada de geração em geração marcando as características de um típico goianesiense.

Atualmente é só mais um núcleo qualquer de pobreza e gente inculta do interior goiano. Um acontecimento histórico ficou marcado na memória dos moradores da cidade (roça), o maior e mais trágico acidente já ocorrido por lá. Um capotamento de carroça no único cruzamento de avenidas na cidade, aonde o cavalo ficou gravemente ferido, e teve sua quinta perna amputada, a carroça foi dada como perda total pelo seguro, e o condutor apelidado de Tavão ficou meio lélé... Desde então o mesmo se tornou figura icônica da cidade.

Política[editar]

A cidade é marcada por uma intensa disputa política entre os plantadores de cana (que quase sempre ganham), e os partidários do ratinho Topogigio Naves (que de vez em quando não perdem). A disputa intensa já deixou inúmeras famílias sem emprego comissionado na prefeitura municipal, mas também é marcada por intensas brigas de puxa-sacos sem futuro que brigam pelas ruas da cidade, tentando decidir qual dos dois lados tem mais puxa sacos e baba ovos.

Recentemente uma nova classe de puxa sacos vem surgindo, oriundos dos primários e jardins de infância locais, esses seres anencéfalos com a capacidade cognitiva reduzida são classificados como os bolsotontos de Goianésia, adeptos do político Jair Bolsonaro, essas crianças com fetiche por homens fardados e/ou armados dedicam seu tempo em redes sócias em querer "oprimir" todos que não são simpatizantes do Bolsonaro, quando na verdade as pessoas ficam é com pena desses catarrentos desprovidos de maturidade intelectual. Por outro lado, a classe esquerdista da cidade não ajuda muito, com hordas de zumbis sem pensamento próprio que apoiam indiscriminadamente célebres bandidos que praticamente já assaltaram o país, mas que veem em seu esquerdismo a desculpa pra fumar maconha e dar o cu em público aos 13 anos de idade sem serem oprimidos por nenhum tipo de ideais de bom costume homofobia.

Economia[editar]

Apesar de Goianésia se destacar mundialmente nos comércios de açúcar, álcool, arroz, café, esterco e berrantes, vem aumentando exponencialmente a participação da exportação de puxa sacos para outras regiões.

Geografia[editar]

Uma rua que vai, uma rua que volta! Quem sair por último fecha a porteira... e assopra a chama da lamparina.

Apresenta relevo relativamente plano, mas também tem uma serra muito legal para se arriscar descendo de moto e torcendo pra não morrer(quase sempre da certo...).

Localizado isolado no cerrado quente pra cacete, tem 6 fazendas adjacentes denominadas de Natinópolis, Juscelândia, Cafelândia, Morro Branco, Limoeiro e Campo Alegre.

Demografia[editar]

Cidade imensa para os padrões goianos. Os nativos de Goianésia aparentemente não possuem massa cinzenta. Um bando de caipiras metidos a esperto mas que na verdade não sabem a raiz quadrada de 4.

Não espere grande coisas das mulheres goianesienses, a menos que você tenha um carro que faça poluição sonora com música de corno (aka música sertaneja), do contrário só vai te sobrar as desdentadas e as gordinhas.(ultimamente você também tem de estar puxando uma motonáutica ..)

Educação[editar]

Goianésia conta com duas Universidades sem nenhum curso expressivo, a maioria dos estudantes vão para cidades realmente avançadas (para o nível goiano) como Goiânia e Anápolis, alguns mais inteligentes vão para Brasília. As mulheres esperam ansiosamente para estudar em Goiânia para poderem ir em boates e bares se prostituirem com outros estudantes enquanto os pais juram que as filhas estão estudando. Depois de se formarem em cursos medíocres após dez anos de formação, regressam a Goianésia, abrem uma farmácia ou coisa do gênero e se sentem os reis da cocada preta.

Lazer[editar]

Cidadãos goianesienses em um momento de lazer e descontração.

Lazer...hmmmm... coisa rara, não há nada para fazer nessa porcaria de cidade além de caminhar na lagoa (e ser assaltado) ou encher a cara nos seus inúmeros botecos, bodegas, pés sujos e puteiros. Há ainda 3 radios FM, um número muitíssimo grande para os padrões de Goiás.

Todo cidadão de Goianésia já sabe o tradicional roteiro de se passear de carro na cidade, passando pelo Oasis,Scarpas, Postim, esquina dos bebim(lub.Santos), Rural Grill, Tonin, Cerveja em Pé e seguindo até a Av Pará, retornando então ao ponto de partida e repetindo ate secar o tanque.

Além do que a cidade sofre com uma praga que já dominou a Goiás inteira, a existência dos Playboys Rurais, uma raça que compram um carro, (geralmente gols G-3 ou saveiros financiados), o entopem com mais $8000,00 de "ruído automotivo" e saem em desabalada carreira amedrontando a população que não compartilha de seu péssimo e questionável gosto musical, que é só superada pela população de puxa-sacos também local que acha isso bonito e paga-pau. Assim a melhor opção de lazer em Goianésia é encher a cara num dos 150 bares/butecos/budegas/risca-faca e emprenha umas fulanas da alta/média/baixa/baixíssima/paupérrima sociedade.

Outra opção é ir para Jaraguá achando que está abalando, mas estando bêbado feito uma cabaça resolve capotar o carro pelo caminho no meio da estrada, adivinha pra quê? Só para atrapalhar o trânsito, como se fosse a última moda em Paris morrer de forma trágica e idiota.

Provavelmente o maior lazer para a massa desprovida de bom senso e mínimo de cultura que habita Goianésia seja se fazer valer do seu direito cívico de ter péssimo gosto musical. Ocorre tanto em ambientes de baixo meretrício quanto no próprio veículo onde estão sempre os mesmos crimes musicais que, diga-se de passagem causam ânsia de vômito onde são executados. Antenados no que há de pior, volátil, descartável, grosseiro e pobre na música interiorana essa récova de playboys rurais exibem um comportamento social incrivelmente bem definido: Um copo de breja em uma mão, um smartphone (o que não faz um cartão de crédito em 10 vezes na Ricardo Eletro...) na outra, uma fêmea da mesma espécie debaixo do braço enquanto ao fundo ouve-se música ruim esquartejando os ouvidos alheios tanto nos versos quanto no ritmo. Dessa forma não é incomum ouvir os berros indiscerníveis de Luan Santana gemendo, miando e grunhindo tal como seria o de se esperar de um musaranho fêmea no cio.

Trânsito[editar]

Uma forma de lazer aparentemente muito apreciada em Goianésia é dirigir a esmo, sem origem ou destino aparente; atrapalhar o trânsito, interromper o fluxo e estacionar na contra-mão haveriam de ser modalidades olímpicas nos jogos municipais. O sujeito não se sente rebaixado o suficiente em exibir seu diploma de ensino fundamental incompleto e tenta estender sua personalidade ao seu veículo: isso mesmo; rebaixando-o. O resultado é um veículo que apresenta comportamento atípico movendo-se a saltos, pulos e solavancos e que, diante de um quebra-molas ainda necessita invadir a faixa da conta-mão porque o motorista (normalmente tentando alcançar a direção estando no banco de trás do carro) é completamente incapaz de dirigir como um representante da espécie que visitou a Lua em 1969. Aparentemente esse tipo de condutor ainda sofre de alguma chaga que o faz perder a noção de tempo e de espaço pois o mesmo dirige a 20 km e no meio da via, apresentando comportamento antissocial ao ser ultrapassado, evidenciando sua total inépcia e boçalidade ao volante. Uma variante muito interessante no esporte "Dirigir como um Idiota" é vista na modalidade "Estacionar na Esquina do Buteco"; e esta merece uma menção honrosa visto que é largamente praticada em todos os cruzamentos onde está presente este tipo de estabelecimento. Mas há de se citar que também os pedestres e ciclistas demonstram tendências suicido-esportivas e dentre elas estão: trafegar na contra-mão e fazer cara de fome quando uma buzinada é dedicada à sua técnica superior em atrapalhar o trânsito.

Esportes[editar]

A cidade conta com a representação do fantástico Goianésia Esporte Clube, time futebolístico que se dedica a conquistar consecutivas derrotas e rebaixamentos no campeonato estadual onde só tem dois times. Só não faliu ainda porque é patrocinado pela prefeitura e porque o estado de Goiás é uma merda no quesito futebol, então qualquer time ruim joga a primeira divisão do estadual. Goianésia possui o maior e mais desenvolvido estádio da região, com capacidade para acomodar 500 pessoas sentadas (arquibancada), 800 (espremidas), 300 (no colo), 5000 em pé, e muitos outros milhares em cima do telhado das casas adjacentes.