Grão Mogol

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Só o cume interessa! Cquote2.png
esportesradicais.com sobre Grão Mogol
Cquote1.png A cidade de 7 domingos na semana! Cquote2.png
empregos.com sobre Grão Mogol
Cquote1.png Naum posso comer isso! Estou de dieta! Cquote2.png
Carla Perez sobre Grão Mogol
Cquote1.png As melhores praias onde já surfei! Cquote2.png
Felipe Dylon sobre Grão Mogol
Cquote1.png Você quis dizer: Longe para caralho e que não tem nada. Cquote2.png
Google sobre Grão Mogol
Cquote1.png Uma ruína muito muito mutio muito...muito muito distante Cquote2.png
Narrador de Shreck sobre Grão Mogol
Cquote1.png Nunca vi! Cquote2.png
Stevie Wonder sobre Grão Mogol
Cquote1.png Onde fica? Cquote2.png
Aécio Neves sobre Grão Mogol
Cquote1.png Ucê vai pra lá, ta venu onde tah u infernu? Aí quando ucê cair na dobra do fim do mundo segue mais uns cincuenta quilometro e entra por uma istradinha de terra que só passa mula e vai retu! Cquote2.png
montesclarences sobre como chegar em Grão Mogol

Grão Mogol (ou Grão Mongol) é uma cidade roça, que se encontra no norte do estado de Minas Gerais, a (estimados) 958.756 anos luz da civilização moderna e a, no mínimo, 5.345.985 anos luz de uma civilização inteligente.

Há vários gentílicos para os moradores de Grão Mogol:

  • Grão-mongoloide (o mais aceito na forma culta da língua)
  • Grão-mogolense (gentílico criado pelos gramongolóides que dão piti ao serem chamados de grãomongolóides)
  • Capiáu
  • Jeca(que não é joia)
  • ou também, abreviando o primeiro, simplesmente mongolóide

Economia[editar]

A economia de tal cidade roça, que por muito tempo achava-se que não existia, baseia-se basicamente na retirada de leite da vaca "mimosa" do seu "Zé Manel", e da grande "fábrica de quejus du nhô jaquim", esta que tem como fornecedor de matéria prima a outra entidade responsável pela economia da roça.

Apesar de não ser na Ítália a cidade vilarejo possui uma máfia que emprega 50% da população, enquanto os outros 50% vivem das migalhas que sobram ou migram para locais mais prósperos em busca da sobrevivência.

Hospitaleiro centro da cidade.

Educação e cultura[editar]

Por falta de número de habitantes suficientes para fundar algum colégio, e falta de verba e história para montar um museu, toda a cultura encontra-se centralizada num senhor conhecido como "Bicalho de Grão Mogol". Este que é considerado pelos habitantes da cidade fazenda como a pessoa mais famosa do Norte Mineiro, mesmo que só os próprios familiares conterrâneos tenham ouvido falar nele. Atualmente, por falta de curandeiras na cidade, os grãomogolenses (grãomongolóides que não aceitam ser grãomongolóides) estão enviando os jovens da cidade vila para ir estudar em Brasília de Minas(buraco menos subdesenvolvido da região) e trazerem conhecimento para construir o primeiro hospital posto de saúde da cidade.

Urbanização[editar]

Urbanização é uma coisa que não se pode esperar encontrar em Grão Mongol, mas a ruralização apresenta-se em grande avanço.

Trânsito[editar]

Mesmo sendo lá uma roça muito minúscula, Grão Mongol já apresentou cenas alarmantes de engarrafamento. O maior engarrafamento já registrado na localidade de Grão Mongol foi de 6 krs (6 carroças, se bem que 1 era charrete), fato ocorrido devido ao empacamento da mulinha "rosa", esta pertencente ao "nhô jaquim".

Turismo[editar]

A cidade aglomeração teve muita tradição no seu rally de 50 km,reconhecido pelo grau de dificuldade,que aconteciam a entrada da cidade. Agora com o asfalto, deve apenas tomar cuidado com "a curva" e a "ponte estreita". O programa de incentivo ao turismo é avançadíssimo, recolhe-se os pobres das cidades vizinhas, transportam e acomodam de graça e esquecem de falar que domingo deve ter algum restaurante de plantão, é melhor se garantir com o frango assado ao lado da ponte (acaba as 10hs!) As casas antigas,onipresentes no cenário urbano distrital mostram a avançada arquitetura do século re-re-re-trasado,com materiais abundantes na região(pedra e pedra).

Avisos ao turista incauto:

  • Beber água mineral equivale a ser Plininho (primo rico do Mauricinho) ou Patricinha.
  • Se alguém te chamar para o córrego das mortes é uma piscina natural bem rasinha.
  • Ao visitar a guarita do parque Parque Encantado, nao pergunte o preço do ingresso, vc pode ser preso.
  • Meninas, levem seu bofe para não concorrerem ao prêmio Jaspion (so pega monstrinho).
  • Meninos, levem sua baranga para não concorrerem ao prêmio São Jorge (pegando o dragão).
  • Não existe dicionário do dialeto local.

Ver também[editar]