Grande Canal (China)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Grande Canal da China é a versão made in china da transposição do rio São Francisco, atualmente um charco milenar que existe no leste da China com mais de mil quilômetros de extensão, só mais um sinal de magalomania chinesa, pois não basta para eles construírem apenas uma enorme muralha sem o menor objetivo (afinal inimigos apenas poderiam contorná-la ou usar uma simples escada) mas também construir um rio artificial inteiro mesmo que ninguém o use por mais de 2000 anos.

Uma pergunta frequente sobre este canal sempre é "por que não construir uma rodovia? Ou uma ferrovia? Ou usar avião? Por que alagar milhares de hectares de meio-ambiente para ninguém usar direito pra navegar?", e a resposta está no tipo de cultura dos chineses, afinal eles preferem andar de barca do que de charrete para viajar de uma cidade a outra, lembrando que conforme o cenário da Chun-Li em Street Fighter II nos ensina, os chineses claramente odeiam e não usam carros mas apenas bicicletas, meio de transporte do qual é impossível ser usado para realizar grandes mudanças ou viagens.

História[editar]

Fila para uma lojinha de pastel, existente no canal.

Tudo começou no ano de 604 (sim, faz tempo pra caralho) quando o excêntrico imperador Yang Guang, conhecido por ser amante de um jacaré banguela algo que não existia na então capital de sua dinastia a cidade de Xian, ávido em saciar seus ímpetos sexuais, afinal sua manjuba de 8 centímetros era considerada enorme para os padrões chineses e ele tinha orgulho de colocá-lá em uso, transferiu toda capital do império para a cidade de Luoyang, ele assim ordenou que um enorme canal fosse construído para ligar a nova capital ao resto do país, mas como estamos falando de engenheiros chineses, eles fizeram uma versão genérica do encomendado e concluíram apenas um canal que acabou ligando Pequim a Hangzhou, muito distante da capital.

Ao longo dos próximos séculos os chineses foram descobrindo que haviam na verdade uma dúzia de pequenos canais artificiais em toda parte do interior do país, desviar rios e extinguir espécies de peixes de água doce virou uma espécie de mania, até que de tanto cavarem terra fazendo novos rios eles acabaram ligando num só enorme e longo canal, conhecido hoje como Grande Canal da China.

Curso[editar]

O canal, considerado o mais antigo, mais poluído, mais extenso, mais cheios de chineses, com maior quantidade de botos baiji extintos e com o maior número de arrozais do mundo tem um curso vertical (caso você esteja observando o mapa mundi corretamente de cabeça pra cima) que começa no norte em Pequim e termina no sul em Hangzhou. A parte norte encontra-se em abandono total, mais parecendo um pântano cheio de lixo do que propriamente um canal que transporte gente em barquinhos, depois de séculos fazendo do Rio Amarelo uma latrina, os chineses hoje enfrentam a consequência de terem formado a maior barragem de bosta da história da humanidade, o que compromete a vazão de água para a parte norte do Grande Canal.

A parte central é a mais antiga, havendo inclusive registros de que Confúcio passou por ali, porque como diz seu nome, ele estava muito confuso perdido na malha hidrográfica artificial da China. A parte sul é a mais utilizada para navegação atualmente, essencial para transportar as garotas de programa produzidas em Ninjing até Xangai.

Elevações[editar]

Como estamos tratando de um canal artificial há ao longo de seu curso elevações que foram engenhosamente construídas de maneira a exterminar todo um ecossistema local, como o agora extinto baiji proporcionar que através de consecutivos alagamentos e comportas barcos subam e desçam a montanha.