Gregor Mendel

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


Clique e venha fazer parte de nosso projeto!!
Projeto Desconhecimento

Este artigo de Ciências ganhou nota C, sendo considerado Razoável, podendo melhorar.

Visite a discussão do artigo ou o projeto e Conheça-nos

Mendel ainda bebê estudando para frequentar uma universidade.

Mendel era um jovem frustrado por não ter realizado seu desejo de ir para universidade (para participar do baile de formatura e perder a virgindade) e ao invés disso foi confinado a uma carreira religiosa. Apesar de ser monge alimentou seu gosto pela ciência e passava horas e horas vendo a Playboy do mês observando o cruzamento de animais para seus estudos sobre sexo hereditariedade. Sendo assim o bispo da região considerando aquele ato pervertido inadequado para um padre com votos de castidade obrigou-o a mudar seu objeto de estudo. A solução encontrada por ele foi pesquisar Hentai vegetais, pois o bispo ( virgem) não sabia que também existe sexo entre as plantas, coisa que Mendel sabia muito bem por ser admirador dessa arte.

O objetivo de Mendel era ter uma desculpa razoável para sua perversão entender a transmissão de características de pais para filhos. Ele foi capaz de fazer indivíduos treparem vislumbrar que existe uma diferença entre as características visíveis dos indivíduos (fenótipos) e as unidades responsáveis por essas características (genótipos). Concluiu isso principalmente após ver e comparar as Playboys da Helo Pinheiro e de sua filha Ticiane Pinheiro.

As leis de Mendel sobre a hereditariedade a partir de estudos com ervilhas todos que fizeram II Grau conhecem. O que é de desconhecimento geral é que seus primeiros estudos sobre o assunto foram com o cruzamento de minhocas com centopéias. Dada a estranheza do estudo, Mendel sofreu séria desaprovação de sua pudica família, que considerava seus experimentos, além de uma profanação às criações divinas, uma grandessíssima babaquice.

O monge não foi compreendido em vida quanto menos em morte.

Tabela de conteúdo

[editar] Primeiros experimentos

Esquema de Mendel descrevendo uma Minhopéia. Ou uma Centonhoca.

Os experimentos com animais foram batizados por Mendel de "Experiências com hibridização de seres rastejantes". Na 1ª geração obteve-se bichinhos com 50 patas, 25 de cada lado, que ele denominou “cinquentopéias” (por questão de coerência científica), perfeitas, em mais de 90% dos casos. Na geração seguinte, cruzando cinquentopéias perfeitas, os resultados já não foram assim tão impressionantes: 50% dos descendentes eram cinquentopéias, 25% minhocas e 25% centopéias.

Entretanto, conforme citado, na 1ª geração houve 90 % de cinquentopéias perfeitas, com 25 patas de cada lado; os restantes 10 % tinham a totalidade (ou a quase totalidade) das 50 patinhas de um só lado do corpo e nada ou quase nada do outro lado. Ao tentar obter, por cruzamento, uma 2ª geração destas cinquentopéias disformes, deu-se o impasse: como elas só tinham patas de um lado, logo só andavam em círculos e nunca se encontravam para acasalar; não sendo possível então obter uma segunda geração. A partir daí, Mendel dirigiu seus estudos para vegetais, bem mais fáceis de cruzar: começou com girassóis-anões da Tanzânia e depois com ervilhas de flores coloridas, que é o que conhecemos hoje de suas experiências. Como resquício de sua frustrante experiência com minhocas e centopéias, Mendel (que era canhoto) ainda criou uma taxonomia das cinquentopéias disformes: Minhopéias, aquelas com patinhas à direita (centopéias, se vistas pela direita, minhocas, se vistas pela esquerda) e Centonhocas, aquelas com patinhas à esquerda (centopéias, se vistas pela esquerda, minhocas, se vistas pela direita).

Para piorar ele passou a duvidar de sua própria teoria após os experimentos com as centopéias e minhocas falhar e ser obrigado a estudar ervilhas. Porém foi com isso que sua sorte começou a mudar, pois com os estudos das ervilhas ele pode concluir que:

Exemplificando: passivo e recessivo.

Representando por R, o caráter (dominante) e por r, o (recessivo). O F¹ resulta da união do gameta masculino com o feminino, logicamente receberá um gene de cada progenitor.

Mendel comparava com a relação : ativo e passivo. Ativo no caso seria o dominante que ‘guiaria’ a situação e passivo o recessivo que é submisso.


Cada pai em suas células possui RR ou rr, o F¹ será Rr. Os gametas de F1 serão R e r. Ao se cruzar as plantas, haverá a união do gameta masculino R ou r com o gameta feminino R ou r. O ovo resultante possuirá ambos os genes, sendo, portanto, híbrido, Rr.


[editar] Genótipo

É a constituição genética do indivíduo que apesar de não ter as características aparentes do pai ou da mãe ele possui seu gene.

Seu vizinho, que preferiu seguir a carreira da mãe.

[editar] Fenótipo

É a manifestação das características do genótipo que nem sempre são visíveis, mas isso será determinado pelo fator dominante.

Temos como exemplo das duas situações aquele vizinho viado, ele herdou um gene de seu pai, porém, as características que se impõe são da mãe, principalmente se tratando da aparência e preferência sexual.

[editar] Monoibridismo sem dominância

Isso ocorre quando a equivalência de efeitos entre os dois membros de um dado par de alelos são iguais, resultando um heterozigoto ou híbrido com caracteres intermediários àqueles observados nos progenitores. Traduzindo, é quando há uma mistura dessas características formando uma só. Nesse caso não há dominante nem recessivo (é uma suruba onde não tem quem mande mais que o outro).

[editar] Ver também

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas