Grupo Gay da Bahia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nova Bandeira da Bahia-Desciclopédia.PNG Colé moral, essi negoçaqui é da terra do dendê. O tio qui feiz issáqui é cuncerteza baiano, intõ, sinhá disgraça de lá do sul da minha caceta, num méxi nas porra daqui nã, vu? Ô vô rumaladsgraça e inda chamo a barrêra pá ti pancá, seu comédia.


Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!
Se não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.
E se você se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!



Cquote1.png Fala! Cadê o baiano? Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Nós só não acabamos com isso porque é muito cansativo, sabe. Cquote2.png
Baiano sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Ó meu rei, isso é só mais uma manifetção de cultura, então a gente tem que respeitar. Cquote2.png
Gilbeto Gil sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Que tudo esse grupo, miga! Cquote2.png
Danilinho sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Simplismente, um luxoo. Cquote2.png
Clodovil sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png E vai rolar a fesa, vai rolar! O povo do gueto mandou avisar! Cquote2.png
Ivete Sangalo sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Quanto a isso, relaxa e goza. Cquote2.png
Marta Suplicy sobre Grupo Gay da Bahia
Cquote1.png Pôxa, mas de novo Cquote2.png
Globo sobre o Troféu pau de sebo que levou

Consequências óbvias.

O Grupo Gay da Bahia (GGB) trata-se de uma ONG que tem como objetivo o incentivo da cultura gay para outras regiões da Bahia, a Sede do Local fica no Bairro do Pelourinho, um lugar famoso por possuir museus e outras coisas do tipo. A partir de 1980, o Grupo também se tornou uma filial baiana do infame Clube da Xuxa.

Origem[editar]

A história do Grupo Gay da Bahia começa quando Luiz Mott, um humilde professor de uma pequena escola e admirador do Clube da Xuxa, descobriu a existência do Grupo Homo do Rio Grande do Sul, que nada mais é do que uma filial gaúcha do Clube da Luta, onde os gaúchos da fronteira lutavam todos os dias para impedir que os argentinos invadissem o país, ou seja, pegavam no pesado. Ao voltar para a Bahia, nosso humilde professor já totalmente surpreso com a existência do Grupo Rio grandense, decide criar algo parecido com isso, já que, se existe um Clube Homo no Rio Grande do Sul, é possível existir também um Grupo Gay da Bahia.

Pelourinho, bairro onde fica a sede do Grupo(afinal alguém já viu biba se instalar em lugar que não é chique?)

No início, o Grupo não conseguiu muito apoio, primeiro porque era época de ditadura, segundo porque a maioria da população baiana não se interessou em entrar para o clube, já que ele era muito gay problemático.

Coisas pra se fazer no Grupo Gay da Bahia[editar]

  • Jogar Pokemon;
  • Tocar no berimbau;
  • Vestir fantasias do Bofe de Elite;
  • Deitar na rede;
  • Comer acarajé(sem pimenta porque senão queima a boca);
  • Tomar água de coco;
  • Enfim, coisas de baianos com coisas de gays;

Troféu Pau de Sebo[editar]

Luiz Mott
Luiz Mott

Esse é o prêmio dado as pessoas que não divulgam a cultura GLS, o Troféu Pau de Sebo, equivalente a Framboesa de Ouro, é um prêmio que o Grupo arranjou para ridicularizar homenagear as pessoas (ou meios de comunicação) que não concordam com as ideias do Grupo e para redes de televisão que não fazem uma devida abordagem a esse estilo de vida (pasmem, mas a Globo já recebeu um troféu).

Locais importantes para o Grupo Gay da Bahia[editar]

  • Pelourinho(onde fica a sede do Grupo) - O significado histórico do local remete fortemente aos ideais do Grupo Gay da Bahia,e dos gays brasileiros em geral, uma vez que foi lá no Pelourinho que os baianos, e brasileiros, começaram historicamente a levar couro no rabo, conforme gravuras e testemunhos da época.
  • Praça Castro Alves (onde acontecem os encontros do Grupo).

Objetivos do GGB[editar]

Ver também[editar]