Guaraná Antarctica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Suco de química verde Cquote2.png
Google sobre Guaraná Antarctica

Guaraná Antárctica é uma bebida gasosa de gosto atraente, mas que só serve para te fazer pagar mico ao soltar pum no elevador ou então te fazer gastar aquilo que você não tem comprando vários tipos de remédio contra gases.

Na década de 90, esta bebida era um sucesso absoluto, disputando em pé de igualdade o seu espaço no mercado com aquele negócio preto esquisito, mas, atualmente, sua qualidade caiu muito, e você nem percebeu, pois você é sempre o último à saber. Você já deveria ter reparado que a fabricante deste refrigerante andou trocando alguns detalhes da fórmula:

  • Guaraná: foi substituído por aromatizante artificial;
  • Água pura: foi substituída por uma água não tão pura assim;
  • Açúcar: até mesmo na versão normal, grande parte foi substituída por aspartame genérico made in Paraguai (lucro, na certa);
  • Corante verde: foi descartado: a água utilizada já é verde o suficiente;
  • Gás: foi quase totalmente descartado, já que as bactérias presentes, ao ingerirem o produto, soltam seus próprios gases, originando uma reação em cadeia parecida com a da bomba atômica, fazendo o trabalho do gás original;
  • Conservante: já que o produto não é embalado à vácuo (processo de retirada do ar), é necessário enchê-lo de conservantes, e possivelmente um deles é o dióxido de enxofre, um derivado daquela substância que a bíblia conta que existe no Inferno.

Enfim, até a Carla Perez sabe que água pura não dá lucro; o jeito é filtrar, depois superaquecer, e depois tacar uma química barata para matar o restante das bactérias, e depois filtrar de novo. Aí é só maquiar, colega, e você nem percebe a diferença (só duas horas depois, no banheiro)...

História[editar]

Bons tempos quando tinha propaganda de guaraná com gostosas.

O Guaraná Antárctica foi criado em um grande laboratório chamado Fazenda Santa Helena na lendária cidade de Maués, onde as coisas mais naturais e saudáveis presentes eram os agrotóxicos usados no cultivo do fruto. Pedro Baptista de Andrade, considerado o mestre da intoxicação química industrial, se empenhou em criar algo que destruísse a humanidade aos poucos fosse bom, bonito e barato, e daí que surgiu esse suco de química batizada chamado Guaraná Antárctica.

Propaganda da época que seu avô carregava um litrão de Guaraná Antarctica quando criança.

Desde a criação do refrigerante, quem mais lucrou foram os médicos e as farmacêuticas que fabricam remédios contra cólica. Só fez sucesso no Brasil porque seus habitantes já estão acostumados com coisa muito pior. Muitos dos efeitos não aparecem logo de cara, pois é cumulativo, e a vítima só percebe quando é tarde demais. A única solução é fazer transplante de estômago, já que o mesmo fica mais cheio de crateras do que a Lua.

E, por falar em Lua, aproveite para admirar o céu enquanto toma seu engenhoso Guaraná Antárctica, e memorize esta bela paisagem, pois a próxima paisagem que te espera não é tão bonita assim. Aproveite também e faça um pedido inteligente para a sua estrela cadente da guarda como, por exemplo, que ela caia em cima da sua cabeça antes do sofrimento todo começar. Exagero? Não. Você fala isso porque não possui seu próprio microscópio em casa, e assim não enxerga a nano-festa protagonizada por microorganismos que se disfarçam de bolinhas de gás.

Lenda[editar]

Uma lenda indígena conta a história de uma mocréia linda donzela que queria se casar com um rapaz de uma tribo inimiga da sua. Seu pai lhe proibiu de casar-se com o rapaz, mas, algum tempo depois, o demente do rapaz foi pego no rala-rala com a donzela e foi caçado, e antes que fosse assado pelos índios, o rapaz afirmou que, depois dos seus olhos serem enterrados (costume indígena), nasceriam olhos semelhantes aos seus que possuiriam um líquido extremamente prazeroso (ECA). Todos interpretaram ambiguamente esta afirmação mas, no final das contas, ele estava falando apenas sobre o guaraná, este fruto vermelhinho que você só experimentou até hoje misturado com aquele monte de química.