Guarani Futebol Clube

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Aviso importante: Clubismo aqui NÃO, cazzo!
A Desciclopédia é um site de humor, logo, NINGUÉM aqui se importa pra quem você torce, seja o ABC, o CRB, o Brasiliense ou o Gama. Seja engraçado e não apenas idiota.


Guarani Futebol Clube
Escudo do Guarani.png
Brasão
Hino '"Avante,Avante Minha Galinha!"'
Nome Oficial Guarani Phutebol Clube Campinas (Guarani PCC)
Origem link={{{3}}} São Paulo Campinas
Apelidos Galinhas, Gaylinhas
Torcedores FuriaGay, Idiotas e TaDEUs
Torcidas FuriaGay,Gayrreiros da Tribo
Fatos Inúteis
Mascote ìndio
Torcedor Ilustre Havanir Nimtz
Estádio Galinheiro
Capacidade 35000 pessoas, no tobogay cabe um monte de viados
Sede Campinas
Presidente Leléu
Coisas do Time
Treinador Qualquer um
Pior Jogador Nuvola apps core.png Todos
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png Ronaldo da Portaria
Patrocinador
Time
Material Esportivo Tosco
Liga A última
Divisão Em vários
Títulos Só 1, que os bugrinos se apegam desesperadamente
Ranking Nacional Supererro.jpg
Uniformes Gunif.jpg
Gunif2.jpg



Cquote1.png Você quis dizer: Cabeça de Bugre Cquote2.png
Google sobre Guarani Futebol Clube
Cquote1.png Logo o Bugrão volta a jogar Libertadores! Cquote2.png
Bugrino "estúpido" na internet
Cquote1.png No Brinco de Ouro da Princesa, a capacidade é de 20.000 pessoas. 10.000 sentadas e 10.000 no colo. Apesar do público médio não chegar a 200 bibas. Cquote2.png
Pontepretano sobre Estádio do Guarani
Cquote1.png Guarani? É de comer? É de beber?? Cquote2.png
Enquete da Globo sobre Guarani
Cquote1.png Fofúria Cquote2.png
Faixa de torcida bugrina
Cquote1.png Time Fraco, tomo 2 aqui e ganhou roubado no Brinco de Ouro! Cquote2.png
Jaguaré-ES sobre Guarani
Cquote1.png Quando é que o time vai conseguir acesso a primeira divisão do Brasileirão? Cquote2.png
Bugrino sobre o Guarani
Cquote1.png Só se for no ano que o time for rebaixado no Paulistão. Cquote2.png
Ponte Pretano inconscientemente prevendo o futuro do time bugrino
Cquote1.png O Importante que o Ceara vai subir Cquote2.png
Torcedor Imbriagado do Ceara Sporting falando do Guarani
Cquote1.png Guarani é Doly Cquote2.png
Eu flando sobre guarani
Cquote1.png Fazem mais de 50 anos que o Guarani não ganha do meu time. Cquote2.png
Torcedor do Clube Atlético Linense falando das Galinhas.
Cquote1.png O Guarani possui as duas maiores torcidas de campinas: A Fofúria e os Bumbumgrinos Cquote2.png
Lacráia - Torcedor ídolo da Bumbumgrinos

Guarani Phutebol Clube de Campinas, ou Guarani PCC é um clube de futebol/pelota basca/arremesso de cocô de Campicas, afundado no dia 1º de Abril de 1911, especialmente em homenagem aos seus torcedores participantes do Clube da Xuxa. Vangloria-se de ser o único campeão brasileiro do interior, mas sua burrice geográfica não os permitem saber que Santos não é um bairro da capital de São Paulo, mas um município a parte que portante é tão interior quando o Guarani.

Atualmente aspira disputar a 4ª divisão — Módulo Xadrez do Campeonato Brasileiro, tenta se reerguer após uma última década broxante em termos de resultados e parceiros, e batalha com afinco para que o estádio do time não seja leiloado na justiça. A maior rival é a nada gloriosa Associação Atlética Ponte Preta, especializada em disputas de modalidades esportivas tais como a peteca e o pebolim.

O Guarani iniciou o projeto rumo a Tóquio, afundando como está logo chegará ao outro lado do mundo, afinal, o time do Guarani em jogo treino perdeu de 2x1 para o Champs (?????!?!??), com seu time titular, está no caminho certo rumo à extinção.

História[editar]

Fundação[editar]

Fundado no dia da mentira de 1911 como piada bem humorada ao dizer na ata de fundação "Guarani Futebol Clube", quando na verdade era só uma pegadinha e o time na verdade sempre foi de arremesso de cocô.

O símbolo adotado foi uma galinha, e sua cor verde por ser filial do Palmeiras (ou Guarani da Capital). Sempre foi só um coadjuvante chorão, sempre reclamando de arbitragem, reclamando que os times da capital tem mais dinheiro, reclamando que os times da capital tem mais cota televisiva, reclamando que a torcida do time rival é maior... jogar futebol que é bom nunca se viu.

Campeonato Brasileiro de 1978[editar]

Aproveitando-se que os principais times do pais haviam cedido jogadores para a seleção brasileira, o Guarani com meia dúzia de bons jogadores que não foram para seleção surrupiaram o caneco, e os demais times grandes do Brasil compactuaram "deixa que é café com leite senão vão chorar".

74 times participaram do Brasileirão de 1978, o regulamento era uma bela porcaria e os times divididos aleatoriamente em chaves que pareciam infinitas. Sem valorizar a regularidade, mesmo o Guarani não ficando em primeiro em nenhuma das chaves preliminares, ao chegar no mata-mata deu uma sorte ou outra e foi campeão, especialmente por enfrentar o Palmeiras na final que todos conhecem sempre amarela.

Claro que o time do Guarani só ganhou o título pois os outros times tinham medo de elas começarem a chorar. Lembrando-se que até Bahia, Coritiba, Atlético Paranaense, Botafogo, Sport e Atlético Mineiro já foram campeões brasileiros, isso faz com que o solitário título do Guarani seja completamente desconsiderável.

Libertadores de 1979[editar]

Alguns torcedores bugrinos talvez se orgulhem da quarta colocação na Libertadores de 1979, eles apenas nunca dão uma olhada na tabela do campeonato para entender tal colocação no torneio, que só foi possível graças à pouca quantidade de times participantes. Na fase de grupos superou o Universitario do Peru e o Palmeiras, que como sabemos são times que participam de Libertadores apenas para fazer número e nunca ganham alguma coisa frequentemente. Na fase seguinte porém não conseguiu superar o Olimpia do Paraguai que até o Atlético Mineiro já venceu numa final.

Campeonato Brasileiro de 1980[editar]

Em mais um campeonato brasileiro que reunia uma infinidade de times e possuía um regulamento nada a ver, o Guarani conquistou em 1980 a 16º posição dentre 44 mil times, um feito notável mesmo para um time que é capaz de perder para o Desportiva Ferroviária por 2x0, dando início ali a um jejum de insucessos contra times capixabas. Só foi avançando de fases porque o regulamento fazia 9 times se classificarem de grupos de 10 times, até o Guarani não dar conta de se superar num grupo com Cruzeiro, Internacional e Palmeiras.

Campeonato Brasileiro de 1986[editar]

No ano de 1986 o Guarani ganhou destaque no cenário nacional ao ser o time que mais fez pontos no campeonato brasileiro de 1986 (53 pontos), mas a CBF na época proibiu que o título fosse dado assim ao Guarani, senão ele seria bi-campeão e teria que ser considerado time grande, algo que seria inaceitável dado a falta de habilidade típica do Bugre. E mesmo que o ídolo do Guarani, o jogador Careca, tenha entregado e errado um pênalti de propósito como jogador do São Paulo, os jogadores bugrinos foram mais incompetentes e erraram dois penaltis, perdendo a final para o São Paulo.

Campeonato Brasileiro de 1987[editar]

No torneio mais zoado dentre todas edições de campeonato brasileiro. o Guarani foi incluído no Módulo Amarelão de maneira aleatória e arbitrária, pois já naquela época sabia-se a pequeneza do Guarani perante os times mais tradicionais do Brasil. O fato do Brugre ter sido vice-campeão 1 ano antes apenas reforçou a condição de time amarelão.

Continuando a luta pelo título do módulo amarelão, Sport e Guarani se enfrentam em 2 partidas de ida e volta. As partidas ocorreram em dezembro de 1987. No jogo de ida o Sport foi derrotado por 2x0. No jogo de volta venceu por 3x0, mas como o regulamento não previa critérios de desempate para este caso houve decisão por cobrança de pênaltis. Quando o placar marcava 11 x 11 o Guarani sugeriu dividir a "Taça", fato não aceito pelo Sport, acabou desistindo da disputa dando assim o título ao Leão.

Posteriormente decidiria o título de vice-brasileiro contra o Internacional, mas esqueceram de avisar os colorados sobre o jogo pois não era comum times de primeira divisão ter que decidir títulos com times de segunda, o jogo assim foi então vencido pelo Guarani pelo placar de W.O.

Libertadores de 1988[editar]

De novo enfrentou Universitario e Alianza Lima do Peru, por isso o Guarani não é conhecido internacionalmente fora do Peru. Classificou-se, óbvio, pois os peruanos só sabem tocar flauta e mal sabiam as regras do futebol.

Mas nas oitavas-de-final, só foi pegar um time mais ou menos, o San Lorenzo da Argentina, que foi logo sendo eliminado.

Campeonato Brasileiro de 1989[editar]

Demorou, mas finalmente o Guarani conquistaria seu primeiro rebaixamento. As justificativas é que os rivais do grupo eram times tradicionais demais como Inter de Limeira, Vitória e Bahia.

Falência[editar]

Vendeu a alma para o Clube dos 13 e decretou a sua falência logo no começo da década de 90. Com os times tradicionais da capital com o comando da grana, sobrava para o Guarani umas esmolas cujos presidentes corruptos e comprados aceitavam e embolsavam para si próprios, afundando aos poucos o Guarani num ciclo de endividamentos e descensos até finalmente sumir e nunca mais se ouvir falar de Guarani nas notícias de futebol, apenas nas notícias de "vende-se estádio".

9 rebaixamentos em 12 anos[editar]

O timaço do Guarani e seus novos reforços.

O período de 2001 a 2013 foi marcado por um recorde a nível mundial, em um espaço de 12 anos o Guarani conquistou nada menos do que 9 rebaixamentos! Estranhamente, por estes mesmos 12 anos consecutivos o Guarani conquistou participações na Copa do Brasil como convidado (porque se dependesse do critério técnico de seu desempenho no Campeonato Paulista, o Guarani sumiria eternamente da Copa do Brasil e do cenário esportivo). Ao invés de aproveitar a chance, o Guarani assumiu também o recorde de maior quantidade de eliminações relâmpagos na Copa do Brasil.

Começando por 2001, não passou da segunda fase da Copa do Brasil com eliminação para o Atlético Paranaense com derrota em casa. E o inédito rebaixamento no Paulista, ficando em 15º de 16 times, sendo que apenas 4 eram bons, ou seja, de 12 potenciais times a rebaixar o Guarani foi o penúltimo.

Em 2002 mas uma eliminação tosca para algum time aleatório ruim qualquer, dessa vez o Paraná Clube. O rebaixamento no ano foi no Torneio Rio-São Paulo, que era grande demais pro bugrinho.

Em 2003 não chegou a rebaixar em algum lugar, mas não perdeu a oportunidade de esbanjar amadorismo ao ser eliminado da Copa do Brasil por escalar jogador irregular.

O ano de 2004 foi o melhor do Guarani no século XXI, pois chegou às oitavas-de-final da Copa do Brasil, o mais longe que um time feito o Guarani pode sonhar, feito alcançado apenas porque pegou times sub-12 do Acre como o União Cacoalense, e mesmo assim empatou as duas partidas com esse time horrível e se classificou pelo critério de gol fora. E mais um rebaixamento, dessa vez da Série A do Brasileirão, onde se esforçaria a retornar só para rebaixar de novo.

No ano de 2005 não foi rebaixado, mas na Copa do Brasil foi eliminado logo no começo para o Santa Cruz, aquele time de Pernambuco que viria a ser eliminado pelo Ulbra de Rondônia mais adiante.

Compensando a falta de rebaixamentos no ano de 2005, o Guarani em 2006 foi rebaixado logo duas vezes, para tentar manter uma média de 1 rebaixamento por ano. Exatamente como os russos no projeto do Poço Superprofundo de Kola decidiram explorar as camadas mais profundas da crosta terrestre por pura curiosidade científica, o Guarani decidiu vasculhar o fundo do poço do futebol brasileiro. Rebaixamento da Série B para a Série C, e rebaixamento da Série A1 para a Série A2 do Paulistão, no mesmo ano.

Nos anos de 2007 e 2008 não conquistou rebaixamentos porque não havia divisões mais inferiores de onde ele estava, por isso se dedicou a subir de divisões novamente, para experimentar mais quedas posteriormente. Na Copa do Brasil de 2007 e de 2008 sequer passou do primeiro jogo se superando no quesito de eliminações em Copa do Brasil, chegando a perder de 4x2 pra Ponte Preta em 2008.

Na Copa do Brasil de 2009 deu azar de pegar um time bom após 9 anos consecutivos de eliminações no torneio por placares apertados. Dessa vez perdeu logo de 5x0 para o time do Internacional que não viu a menor dificuldade em despachar o Guarani. Como estava de volta à Série A1 do Paulistão, pode se dedicar bastante e rebaixar mais uma vez no estadual.

Ninguém sabe como um time lamentável do nível do Guarani apareceu na Série A de 2010, mas importa que não decepcionou o que podia-se esperar dele, foi rebaixado com algumas rodadas de antecedência. Não satisfeito com todas humilhações já sofridas na Copa do Brasil, se eu fosse o Guarani eu parava de jogar esse torneio, dessa vez nas oitavas-de-final foi a vez de ser escorraçado e humilhado por 8x1 pelo Santos nas oitavas-de-final.

Não tendo mais para onde rebaixar em 2011, o Guarani teve que concentrar seu fracasso do ano em mais uma lamentável derrota na Copa do Brasil (de novo), dessa vez para o Horizonte do Ceará, porque ser eliminado por times conhecidos já estava manjado e nem estava mais sendo humilhante o bastante.

Em 2012, rebaixamento na Série B do Brasileirão indo parar na Série C, para não perder o costume de descer divisão. E eliminação óbvia logo na segunda fase da Copa do Brasil.

Em 2013 por mais uma vez não passou sequer da primeira fase Copa do Brasil, e mais uma vez para um time desconhecido, o Confiança do Sergipe. No Paulistão conquistou sua primeira lanterna, a 20º de 20 times e rebaixamento garantido com muitas rodadas de antecedência.

No ano de 2014 mais uma vez, primeira fase da Copa do Brasil, já virou até piada pronta, quando parece que não existe time mais varzeano capaz de eliminar o Guarani ridiculamente, surge o Santa Rita de Alagoas e os eliminam. Só não rebaixou por se salvar na última rodada.

Série A2 do Paulistão de 2015[editar]

Cquote1.png Agora vai! Cquote2.png
Torcedor iludido do Guarani, após vitória do time na A2 de 2015, antes de na rodada seguinte perder pro Água Santa

Em meio a notícias sobre leilão e venda do Brinco de Ouro, enquanto o Guarani assiste o ascensão do Red Bull Brasil em Campinas, a equipe formada por jogadores de várzea do Guarani não rebaixou na Série A2, e isso já foi o suficiente. A torcida (se é que ela ainda existe) esperançosa, a cada vitória acreditava no deslanche do Guarani, mas aí na rodada seguinte a equipe perdia para um time completamente desqualificado, e tanta irregularidade fez o Guarani terminar no fim da tabela, com direito a derrota para Velo Clube (que merda de time é esse?).

Série C de 2015[editar]

Cquote1.png Agora vai! Cquote2.png
Torcedor iludido do Guarani, após vitória do time na Série C de 2015, antes de na rodada seguinte empatar com o rebaixadíssimo Madureira

Nas seis rodadas finais da Série C de 2015 o poderoso e tradicional Guarani único campeão brasileiro do interior e blá blá blá ganhou cinco jogos e empatou uma, parece grandes coisas, não? Inclusive uma incrível goleada por 5x3 na última rodada sobre o tradicional e expressivo Caxias (já rebaixado). Terminou empatado com o Brasil de Pelotas na quarta colocação, mas graças ao critério de desempate que previa que times que estivessem vendendo o próprio estádio a preço de banana não mereciam classificação, o Guarani sequer pode ir jogar as quartas-de-final (que o Brasil de Pelotas aliás passou a subiu de divisão).

O Guarani pelo menos não rebaixou, e o feito foi amplamente comemorado.

Série A2 do Paulistão 2016[editar]

Cquote1.png Agora vai! Cquote2.png
Torcedor iludido do Guarani, após série de vitórias do time na Série A2 do estadual 2016, antes de na rodada seguinte perder para o rebaixadíssimo Atlético Sorocaba

Mais uma vez, o único alento para a cada vez mais reduzida torcida do Guarani foi não ter rebaixado. Com uma campanha extremamente irregular, o time pode pelo menos se orgulhar de não ter disputado rebaixar, mesmo que 6 times tivessem sido rebaixados neste ano. Mesmo que neste campeonato de nível amador chamado Série A2 do Paulista classificassem nada menos que uma enxurrada de 8 times para a segunda fase, o Guarani conseguiu a façanha inacreditável de terminar o campeonato na nona posição, mesmo que na última rodada dependesse apenas de si mesmo para avançar, mas foi derrotado por grandes duas potências do futebol mundial, o Atlético Sorocaba e o Barretos EC.

A grande saga de amadorismo do time já começa na terceira rodada durante confronto contra o Marília, quando os massagistas do clube saem do estádio em pleno jogo para comprar gelo. Como o mercado ficava a 30 Km de distância, o gelo chegou derretido ao estádio e não serviu. O elenco do time, como sempre, estava nem aí pro Guarani, a maioria fingia lesões de tanto desgosto em jogar por este time. A melhor rodada exibida do time foi no jogo contra o poderoso Penapolense em Penápolis, quando por falta de verba a diretoria do clube alugou um hotel-fazenda nos arredores do estádio para hospedar o time, onde os jogadores dividiram espaço com carrapatos, vacas e bodes, claro sem ar condicionado. No dia do jogo os uniformes chegaram faltando 5 minutos para o jogo, e o resultado foi uma derrota por 2x0.

Juntando a tudo isso, havia o medo do time em jogar em casa diante da própria torcida, uma vez que não é mistério para ninguém o nível de estupidez do torcedor bugrino que após 20 anos de fracasso se recusa em apoiar o time, concentrando-se todos em apenas xingar, ameaçar e denegrir seus próprios jogadores.

Série A2 do Paulistão 2017[editar]

Cquote1.png Agora vai! Cquote2.png
Torcedor iludido do Guarani, após vitória massacrante de 2x1 contra o Oeste de Itápolis na estreia do paulistinha 2017.

Mais uma saga recomeça, após a grande conquista do vice campeonato brasileiro da série C de 2016, feito amplamente comemorado pela torcida do time que sempre foi conhecida por se contentar com pouco, vencido pelo time dos ETs de Varginha/MG, o poderoso Q-BOA que humilhou os bugrinos aplicando um 3x0 na final, começa em 2017 o sonho de chegar à série A1 do Paulistão, para quem sabe um dia rebaixar mais uma vez. A estreia com vitória sobre o Oeste de Itápolis encheu a torcida de esperanças, mas na terceira rodada vem a realidade e já começa o desespero do rebaixamento...

Estádio[editar]

O estádio do Guarani é o Brinco da Princesa, e possui uma lojinha De Mudanças da Arábia (com artigos Babacass também, é claro). A beira da falência, vendeu o estádio para pagar suas dívidas, e nem mesmo o Red Bull Brasil se interessou por esta bosta de estádio.

Uma nova polêmica é sobre a venda do Brinco de Ouro da princesa. O estádio sempre vazio será vendido pra dar lugar a uma granja, afinal é preciso variar em Campinas, o Estádio da Ponte já um chiqueiro, pois que venha o galinheiro.

Estádio é também conhecido como Brinco de Pirita da Princesa. A pirita é um minério sem valor algum conhecido como ouro dos tolos, foi utilizada na pedra fundamental do estádio, era utilizada como espelho para despertar impulsos mediúnicos, isto explica os trejeitos esquisitos de sua torcida, como a pirita contém ferro, está explicado porque que o time gosta de levar ferro nos jogos. Os índios norte-americanos usavam a pirita como amuleto, já os bugrinos usam como acessório erótico e sentam e cima, no México, era usada por suas qualidades refletoras isto é; refletia o que as pessoas mais próximas desejavam, o que explica o recorde de 9 rebaixamentos no século.

Torcida[editar]

Uma fruta do Amazonas: O Guaraná. Pronto, colocamos uma imagem, irão largar do nosso pé agora ?

Acredita piamente ser a dona da maior torcida do interior do Brasil, porém este titulo já é de fato da torcida pontepretana, que devotou toda a sua miserável existência secando o time do Guarani, hoje em dia não é mais necessário secar o fraco e quase extinto bugre, é só risada, piada pronta...

Hino, um exemplo incrível de falta de criatividade[editar]

Eu levo sempre comigo
O símbolo do sofredor
A camisa do verde-e-branco
desse time que é um horror

o nosso estádio vive vazio
e a torcida a mais bundona
conhecidos como galinhas
corneteiros sem vergonha

Avante, avante galinhas
Vamos nos arrumar
Porque hoje é dia de jogo
e nos vamos chorar

Avante, avante galinhas
Que nós sofremos por ti
No empate ou na derrota(eles nunca vencem)
o lanterna é o guarani!

Títulos[editar]

  • 17 Eliminações relâmpagos na Copa do Brasil
  • 1 Campeonato Brasileiro de 1978
  • 9 rebaixamentos em 12 anos