Guerra da Independência do Brasil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Boratnice.jpg Yackshmash! I like you, I like sex, it's nice! High five!
Borat está feliz porque você vai adicionar novas imagens a este artigo! Chenquieh!!!

Ao contrário do que é ensinado nos livros de história e acreditado por grande parte da população, o processo de independência do Brasil não se deu apenas com um cara gritando na beira dum rio. No Nordeste, assim que os portugueses foram informados da declaração de independência, o pau literalmente comeu, gerando uma guerra civil onde basicamente era uma partida de um jogo de futebol onde os dois jogadores escolhem o mesmo time e um tem que jogar com a camisa reserva, já que o exército brasileiro, naquela época, era composto em sua maioria por portugueses, pois a grande maioria da população que não era português era escravo.


Antecedentes[editar]

Em 1807, Napoleão invade a Espanha e leva Portugal junto, obrigando João VI a transferir a corte inteira para o Brasil. O país, até então deixado ao próprio azar, se transformou como sede de um império, invadindo a Guiana Francesa dois anos depois. Dez anos mais tarde, a Revolução Pernambucana eclodiu, porque os portugueses decidiram que os pernambucanos iam pagar a conta da farra que foi feita desde sua chegada ao Brasil. A revolução falhou, mesmo com apoio implícito dos EUA e de alguns oficiais franceses, que queriam trazer um show da turnê mundial de Napoleão Bonaparte para Recife, e Pernambuco perdeu o território das Alagoas, o que não teve nenhum impacto sentido pela capitania rebelde. A farra continuaria até 1821, quando D. João VI foi obrigado a voltar para Portugal por causa da Revolução Liberal do Porto, levando três mil pessoas e tudo o que podiam, o que naquela época era praticamente tudo o que o Brasil tinha, deixando o país a Deus dará, quer dizer, ao seu filho Pedro, e instruindo as Cortes a fazerem o possível e o impossível para que Portugal voltasse a mandar naquela parvónia, inclusive forjar uma carta mandando Pedro de volta a Portugal para ficar sentado no cantinho da disciplina por um tempo indeterminado ou revertendo a divisão do país para o sistema de capitanias. Tal carta levou a uma reação fervorosa do povo (ou seja, a aristocracia e os comerciantes, os únicos que não eram analfabetos naquele tempo), que implorou para Pedro ficar no Brasil, literalmente abrindo as pernas e implorando para que ele governasse o lugar. Pedro, extremamente lisonjeado com tal oferta, agarrou a oportunidade com as duas mãos e proclamou-se dono da porra toda.

Cquote1.svg Vou-me embora, fodam-se vocês Cquote2.svg
D. João VI

Campanhas da Independência[editar]

A estratégia inicial dos portugueses era recuar as tropas inicialmente para Montevidéu, para depois ir subindo até conquistar a Bahia, em uma operação logística que levaria meses para ser concluída e nunca teria sucesso, enquanto a Marinha Portuguesa bloquearia o Rio de Janeiro, impedindo que os cariocas tivessem acesso a basicamente tudo. Enquanto isso, Dom Pedro I tinha como estratégia cercar e isolar as tropas portuguesas, forçando sua rendição. O exército português que foi recuado para Montevidéu acabou se dividindo entre portugueses e brasileiros, que acabaram cercando os primeiros. Pará e Maranhão, por algum motivo desconhecido, queriam se manter como colônias de Portugal, enquanto Pernambuco era completamente a favor da independência e a Bahia estava ocupada demais cozinhando acarajé.