Guiné

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
●Guinea
●Império de Guiné
●Guiné (não Bissau, nem Equatorial)

Bandeira de Guine.png Brasao da Guine.png
Bandeira Brasão
Lema: Se não juntam-se a nós então nós os venceremos
Hino: Bohemian Rhapsody
LocationGuineaBissau.png
Capital Conakry
Maior cidade Conakry
Língua Fula
Tipo de Governo Opressão Ditatorial Imperial
Ditador Ahmed Sékou Touré
Heróis Nacionais Lansana Conté Éder
Independência Unificação da tribo Malinke no século XV
Moeda Bazucas
Religião Qualquer uma que envolva muita idolatria
População 7.000.000 de soldados
Área Até onde vai a cerca de arame farpado (15% de água)
Analfabetismo 80%
PIB per Capita 1.000 USD/hab.
IDH 0.35
Fuso Horário
Clima Árido pra porra
Site do Governo O servidor da Guiné foi explodido recentemente


Guiné é o país líder do Conselho de Dominação Mundial de Guiné, formado pelos irmãos Guiné-Bissau e Guiné Equatorial. Guiné é uma região na costa extrema oeste africana que sempre foi povoada por cangaceiros originais e constantemente se envolvia em confusões guerrilheiras.

História[editar]

Império Mali[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Império Mali

No início dos tempos a região fazia parte do Império Glorioso e Magnífico Deserto de Mali, um pedaço bem inútil é verdade... tão inútil que nem tem o que se comentar.

Colonização[editar]

A Guiné foi inicialmente colonizada pelos portugueses, mas que por serem menos burros do que aparentam, em 1890 venderam a Guiné para a França, país que tinha no século XIX uma mania quase inexplicável de colonizar os territórios mais inúteis do planeta, dentre eles a Guiné, a qual fez parte da Federação Francesa dos Territórios Irrelevantes da África Ocidental.

Independência[editar]

Em 1947 um movimento ncionalista pela luta independência surge na Guiné oportunamente na época que a França estava devastada pelos eventos da Segunda Guerra Mundial. Depois de muita guerrilha e assaltos, a Guiné conseguiu a independência e conquistou, depois de mais guerrilha, os territórios conhecidos hoje como Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e Papua-Nova Guiné.

Sekou Touré assume a presidência no mesmo ano de independência, em 1958, e como ele começou o programa nuclear de mafagafos correndo em cilindros, o perigo forçou até a 2 milhões de guineanos a se refugiarem (ilegalmente) no exterior.

Com parte da África e da Oceania conquistados, o exército da União Abençoada de Guiné passou a concentrar esforços no plano de conquista de Gibraltar e do Alasca sob a carismática liderança de Sekou Touré.

Regime militar[editar]

Lansana Conté prestes afazer um churrasquinho de pomba da paz.

Touré morre em 1984 e infelizmente não consegue fazer uma ditadura muito duradoura para os padrões africanos (só 30 anos) por causa do imprevisto de ter morrido.

Como ninguém esperava essa morte, não havia sucessores e ninguém sabia o que fazer. Foi então que o coronel Lansana Conté subiu num barril, botou a mão no peito, e disse sua lendária frase épica: "Deixem comigo! Eu sei como levar um país para a miséria" e assume o poder do país do qual é reeleito mil vezes.

Fatos recentes[editar]

Tensões armadas entre a Libéria e Serra Leoa para descobrir quem é mais fodido trazem para a Guiné 500.000 refugiados liberianos e leoneses que passam por discrminação étnica (como se houvesse diferença entre guineanos, liberianos e leonenses). Mas os guineanos queriam apenas ter alguma coisa para fazer naquele país tedioso.

Conté é reeleito 2007 pela milhionésima vez, mas infelizmente não consegue manter uma ditadura muito longa (só 28 anos) pois foi atingido pelo imprevisto da morte em 2008. O general Mussum até tenta liderar um golpe militar, mas como suas armas foram trocads por vassouras pelos opositores o golpe falha e a Corte Guineana anuncia a realização das primeiras eleições democráticas da história do país.

Mas Lansana Conté não foi sepultado, e seu corpo levado a laboratório recebeu partes de cyborg e renasceu como Alpha Conté que concorreu nas eleições e obviamente venceu, já que na Guiné há uma lei que qualquer um que tenha o sobrenome "Conté" é eleito presidente caso se candidate.

Subdivisões[editar]


Política[editar]

Partido único e hereditário, o Império da Guiné vai ser governado para sempre pela família de cangaceiros/guerrilheiros pseudo-terroristas Conté.

A democracia no país é simples: o povo pode escolher e votar em um dos candidatos a presidente, mas quem não votar nos Conté, morre misteriosamente.

A liberdade de expressão é negada, e a Guiné apoia a política de opressão aos direitos-humanos. Se você não gosta desse tipo de vida de macho e prefere uma vida de viadagem, então mude-se para a Europa e viva em seus subúrbios!

Flag-map Guiné.png Guiné
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografia
EconomiaCulturaTurismo


TOTO.jpg
África
v d e h

Países: África do Sul | Angola | Argélia | Benim | Botswana | Burkina Faso | Burundi | Cabo Verde | Camarões | Chade | Comores | Congo | Costa do Marfim | Djibouti | Egito | Eritreia | Eswatini | Etiópia | Gabão | Gâmbia | Gana | Guiné | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Lesoto | Libéria | Líbia | Madagascar | Malawi | Mali | Marrocos | Maurício | Mauritânia | Moçambique | Namíbia | Níger | Nigéria | Quênia | República Centro-Africana | República Democrática do Congo | Ruanda | São Tomé e Príncipe | Senegal | Serra Leoa | Seychelles | Somália | Sudão | Sudão do Sul | Tanzânia | Togo | Tunísia | Uganda | Zâmbia | Zimbabwe

Territórios: Canárias | Ceuta | Galmudug | Mayotte | Melilla | Reunião | Saara Ocidental | Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha | Somalilândia