Gurupá

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Gurupá
"Guru o quê?"
Bandeira de Gurupá.png
Bandeira
Fundação Não disponível
Gentílico gurupano
Apelidos Cidade Esquecida
Localização
Localização de Gurupá
Estado link={{{3}}} Pará
Mesorregião Ilha dos Búfalos
Microrregião Porcaria
Municípios limítrofes Macapá, Almerim, Porto de Moz, Melgaço, Breves
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área Não disponível
População Não disponível
Idioma indioês
Clima Não disponível

Cquote1.png Você quis dizer: Garupa Cquote2.png
Google sobre Gurupá
Cquote1.png Experimente também: Bicicleta Cquote2.png
Sugestão do Google para Gurupá
Cquote1.png Nosso forte é melhor! Cquote2.png
Macapá sobre Forte deles
Cquote1.png Nosso forte é mais antigo! Cquote2.png
Belém sobre Forte deles
Cquote1.png Nosso forte é mais bonito! Cquote2.png
Rio de Janeiro sobre Forte deles
Cquote1.png Nosso forte assiste micareta! Cquote2.png
Salvador sobre Forte deles
Cquote1.png Nosso forte é destruído! Cquote2.png
Gurupá sobre Fraco Forte deles

Gurupá é a união de mais uma das 3.852 ilhas presentes somente no Pará, no Norte do Brasil, mais precisamente em uma porção de terra flutuante no meio da água conhecida como Ilha do Marajó.

Basicamente como todos os outros municípios dessa ilha nortista e flutuante, Gurupá fica mais próxima da capital do Estado do Amapá, Macapá, do que próxima à Cidade das Mangueiras e terra de nascimento do Menino Jesus. Por esse motivo que a cidade sobrevive mais com o comércio com o Amapá do que com o próprio Pará, sem falar que, se dependesse do próprio Pará, essa cidade já poderia se emancipar há um bom tempo. Apesar de todo esse escanteio que o Pará coloca para a cidade, ela ainda não criou coragem para deixar de lado a Metrópole da Amazônia e tocar o seu rumo sozinha.

História[editar]

O Forte de Gurupá que nunca ficou em pé. Deveria se chamar de "Fraco" ao invés de Forte.

Heróis, galantes guerreiros, mocinhas indefesas, uma paixão em conflito, brigas entre duas famílias rivais e muitos conflitos internos por terras? Isso nunca fez parte da história de Gurupá, haja visto que durante toda a trajetória histórica da cidade, ninguém sequer se interessou em pegá-la para sí. Tal enredo está mais para uma novela das oito que passa às nove e meia do que para a história dessa cidade, que nunca foi interessante nem para colonizadores.

A priori ela era dominada por um bando de índios, assim como todas as cidades do Norte do país uma vez o foram (sendo que algumas ainda continuam sendo, mas isso são detalhes). Os índios se corromperam e começaram um comércio com os estrangeiros, principalmente holandeses e ingleses, deixando de lado os portugas que não lhes davam assistência. Quando tal coisa foi descoberta, os portugueses meteram o pau em todo mundo (ui!), expulsaram os invasores e logo construíram um forte no local onde seria hoje a cidade de Gurupá, porém, o forte era tão frágil quanto a casa de palha do primeiro porquinho e nunca ficou em pé, até hoje.

Geografia[editar]

A histórica cidade de Gurupá, ainda igualzinha a da sua fundação.

Atualmente a vida continua na mesma situação desde que a cidade foi edificada, lá por volta de 1616, mantendo até mesmo a maioria dos seus habitantes com cara de índios. Quando tornaram o lugar em uma freguesia, logo em sua aurora, não demorou muito para que ela virasse uma Vila, haja visto que deixar o lugar como freguesia poderia atrair mais fregueses invasores, já que freguesias não tem tanta autonomia assim. Depois disso, a vila acabou virando um município, dando ainda mais poder, faltando somente o status de estado para que ela deixe o Estado que nunca lhe deu assistência e possa viver em paz como merece.

Clima[editar]

O clima deles é Equatorial superúmido, ou seja, além de estarem mais estrategicamente próximos à Linha do Equador, lá ainda chove mais do que em São Paulo com os seus invernos (bom, contanto que a população esteja feliz, isso realmente pouco importa pra qualquer um).

População[editar]

Hoje, ela conta com cerca de mais de oito mil 24.000 habitantes, que dividem um espaço minúsculo e que quase estão indo morar na água, já que não tem mais terra para eles expandirem os seus terrenos (lembra que eles estão em uma ilha?).