Gurupi Esporte Clube

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gurupi Esporte Clube
Escudo do Gurupi.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Pequi Esporte Clube
Origem link={{{3}}} Tocantins- Gurupi
Apelidos
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote
Torcedor Ilustre
Estádio
Capacidade
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador Nuvola apps core.png
Melhor Jogador Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato tocantinense
Divisão
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Gurupi Esporte Clube é uma tradicional equipe do Tocantins, e nada mais além disso, sendo uma equipe extremamente irrelevante e desconhecida para o resto da humanidade.

História[editar]

Fundação[editar]

Em 1988, na então pequena e pacata cidade de Gurupi, um grupo de amigos se reunia todas tardes de domingos sob um pequizeiro para realizar competições de quem comia pequi cru mais rápido. Aos poucos a brincadeira começou a tomar ar de seriedade, e logo o pequeno grupo criou uma equipe profissional de quem come pequi mais rápido para competir com outros times da modalidade no estado do Tocantins. Surgia assim o embrião do Gurupi Esporte Clube.

O Gurupi Esporte Clube foi criado em 1988, mesmo ano em que o estado de Tocantins foi inventado. Por ser um estado novo, a carência de tudo era enorme, inclusive por times de futebol, então qualquer lixo foi aceito como equipe profissional de futebol, só para fazer número mesmo, e assim o Gurupi foi convidado a participar do primeiro campeonato tocantinense realizado em 1993, mesmo que nem tivesse time de futebol, mas apenas comedores de pequi. O nível obviamente baixíssimo do torneio permitiu que o Gurupi encerrasse sua participação de estreia na honrosa 6º colocação dentre 6 times.

Títulos estaduais e primeiras participações na Série C[editar]

Por se tratar do campeonato estadual mais fraco do Brasil, não demorou para que o amador Gurupi ganhasse-o uma vez. Em 1996 e 1997 conquistou o bi-campeonato, época em que no máximo 3 times jogavam essa porcaria. Como nessa época ainda não existia a Série Z, o Gurupi garantiu vaga por 2 anos para disputar a Série C.

Em 1995 encerrou a Série na 50º posição, desempenho que foi comemorado como título, afinal tanto diretoria como torcida já estavam cientes de que aquele time não passaria da 100º posição, mas não foi isso que demonstrou, ficando atrás apenas de 49 times. No ano seguinte o desempenho deixou todos ainda mais estupefatos, o Gurupi ficou na 29º posição, e não na lanterna como qualquer um pudesse esperar. O Gurupi ficou na frente do Pauferrense, por exemplo, a equipe mais tradicional e invicta da cidade de Pau dos Ferros, realmente é algo a se celebrar.

Rebaixamento[editar]

O Gurupi então dá adeus às suas glórias ao terminar na miserável lanterna do campeonato tocantinense de 1998, algo tão inconcebível que não dá nem para imaginar a punição merecida para um time ruim desses. Como não existia Série B em Tocantins, o Gurupi apenas ficou inativo o ano de 1999 inteiro, e depois retornou em 2000 como campeão da Série B tocantinense por W.O.

Tri-campeonato (tri-fiasco em Copa do Brasil)[editar]

Estádio lotado dos familiares dos 11 jogadores do Gurupi para acompanhar mais uma pelada de final de estadual.

Após o primeiros 10 anos do século XXI atuando apenas como figurante no estadual tocantinense, o que é elogiável, pois é extremamente difícil perder por tanto tempo para aqueles mesmos times ruins, o Gurupi finalmente desencantou em 2010 ao se tornar campeão estadual daquele ano, ainda emendando uma série de mais dois títulos em 2011 e 2012.

Tais títulos renderam ao Gurupi três participações consecutivas na Copa do Brasil. Obviamente em todas foi eliminado naquele primeira fase dos times mais podres que ninguém se importa. Apesar disso o time foi muito festejado, pois em todas as três eliminações o Gurupi com muita raça forçou o jogo fora de casa aproveitando-se do clima desértico da cidade de Gurupi para não tomar mais de 2 gols dos seus adversários. Assim, em 2011 perdeu para o Paraná Clube só fora de casa por 3x0, em 2012 perdeu para o Atlético Goianiense só fora de casa por 4x2, e em 2013 perdeu para o América Mineiro só fora de casa por 3x2.

Série D de 2013[editar]

O Gurupi até poderia ter jogado as edições de 2011 e 2012 da Série D, mas ao contrário da Copa do Brasil onde sabia que jogaria só um joguinho de nada antes de ser eliminado, o Gurupi alegando ser um time ruim demais que gastaria dinheiro com viagens a toa para fatalmente apenas perder, temeroso, a equipe desistiu de tais participações na Série D. Em 2013, porém, um grande patrocinador decidiu investir no pobre Gurupi, uma empresa de suco de pequi.

Por muito pouco o Gurupi não conquistou o sonhado acesso. Por se tratar de um time tocantinense, a CBF o colocou numa chave com apenas times café-com-leite do Maranhão, Piauí e Amapá.

Nas oitavas-de-final ainda deu a sorte de precisar enfrentar o inexpressivo Plácido de Castro FC do Acre, obviamente um time que nem existe, e mesmo assim perdeu.

Títulos[editar]

  • Forças segundo jogo na primeira fase da Copa do Brasil: 3 vezes (2011, 2012, 2013)
  • Ser eliminado vergonhosamente de uma competição por um time do Acre chamado Plácido de Castro: 1 vez (2013)
  • Campeonato tocantinense: 5 vezes (1996, 1997, 2010, 2011, 2012)