Música de maluco

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Heavy Metal)
Ir para: navegação, pesquisa
Kiss.jpg

Roger Waters deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.


Deus metal(2).jpg
Este artigo foi abençoado pelo
DEUS METAL!
Vamos louvar o DEUS METAL!!
\,,/.Ò.Ó.\,,/
HAIL! HAIL! HAIL AND KILL!


331px-Longcat.jpg Prepare-se para ler:
Esse artigo é muuuuito grande e pode causar cegueira.
Pense duas vezes e não seja tão idiota antes de ler algo assim


Cquote1.png Você quis dizer: Rock pauleira Cquote2.png
Google sobre Heavy metal
Cquote1.png Experimente também: Metal siderúrgico Cquote2.png
Sugestão do Google para Heavy metal
Cquote1.png Eu gosto, é meu estilo! Cquote2.png
Narcisa Tamborindeguy sobre Heavy Metal
Cquote1.png Atoro êssis xovens.. Cquote2.png
Bento XVI sobre sua admiração pelo Slayer
Cquote1.png Eu sou metaaaaaaaaaal, raio, relâmpago e trovão... Cquote2.png
Renato Russo sobre Heavy Metal
Cquote1.png Metal is the Law! The Law is the Metal! Metal the Law is...METAL!!! OOOOOOOOOO!!!!! Cquote2.png
Massacration sobre Heavy Metal
Cquote1.png O Metal vai dominar o mundo, e nós somos os profetas!!! Viva o Apocalipse!! Cquote2.png
Massacration sobre Heavy Metal
Cquote1.png Eu sou o Messias do Metal!! Cquote2.png
Clodovil, The Metal God sobre Heavy Metal
Cquote1.png O metal reinará!!! Eu morri e estou aqui para falar Cquote2.png
Carta de Chico Xavier sobre Heavy Metal
Cquote1.png Dizem que canto como sabiá! Cquote2.png
Lemmy Kilmister
Cquote1.png I..(orgasmo).. wanna rock an fuck all night! and HEADBANG every day!!!! Cquote2.png
banda Kiss falando com o DEUS METAL
Cquote1.png Fui eu que inventei essa porra! Cquote2.png
Tony Iommi sobre Heavy Metal
Cquote1.png Eu no paffado era metalêro, companhêro... Má fufri um afidente que me impoffibilita de louvar o Deuf do Metal com af duaf mãof, affim ele me puniu pra fer Previdente da República... Cquote2.png
Lula, um dos fundadores do partido Pentagrama Vermelho, sobre Heavy Metal
Cquote1.png Quero ver outra vez seus olhinhos de noite serena Cquote2.png
Seu Madruga compondo uma música de Heavy Metal
Cquote1.png 1.000.000.000.000.000.000.000.000 notes streak! Cquote2.png
Guitar Hero sobre Metal
Cquote1.png ...666... Cquote2.png
Slayer sobre Metal
Cquote1.png The Number of the Beast!!! Cquote2.png
Headbanger sobre a citação acima
Cquote1.png Star Power Ready Cquote2.png
Izzy Sparks, Pandora, Axel Steel, Judy Nails, Lars Ümlaüt, Casey Lynch, Eddie Knox, Johnny Napalm, Midori, Clive Winston, Elroy Budvys, Xavier Stone e toda a cambada do jogo Guitar Hero sobre Rock N' Roll e Heavy Metal

Tio1.jpg recomenda esse artigo!

O heavy metal (também conhecido como música de maluco ou música do capeta), é um estilo musical que começou a ser difundido lá pelos anos 70, com o surgimento de bandas como Sabão Negro, cujos integrantes estavam cansados da mesmice e farofa do rock progressivo e de bandinhas que seu avô deve ouvir até hoje e falar “isso que era música, e não essas porcarias de hoje em dia!”. Esse tipo de “música” é caracterizado por guitarras rápidas, amplificadores ligados no último volume, letras sobre morte, guerra, sangue, adoração a Satã e, às vezes, filosofia, sentimentos e o significado da vida. Seus fãs geralmente são aqueles adolescentes que acabaram de sair da puberdade e sofrem bullying na escola, mas é possível encontrar gente de todas as idades batendo cabeça igual um demente nos shows. Assim como na música eletrônica, mas diferente de outros estilos musicais, o heavy metal abrange uma porrada de subgêneros, cada um com fãs e músicos mais escrotos que os outros. Quem costuma ouvir esse tipo de som acaba desenvolvendo surdez (o que é bom, nesse caso).

História

Moisés abrindo o Mar Vermelho utilizando o verdadeiro poder do metal!
Vocalista da banda de white metal Vatican segurando sua palheta divina e a Santíssima Guitarra Nazarena (na cor vermelha para simbolizar o sangue de Jesus Cristo)

Algumas bandas, como Sacerdote Judas e Zé Pelintra já faziam uma sonoridade mais "agressiva" em algumas músicas, embora nunca tenham sido, em essência, heavy metal. Porém, não conseguiam emplacar na grande mídia como algo revolucionário, e foi só alguns anos depois, com o surgimento do Sabão Preto que o pessoal começou a perceber que vinha merda coisa nova por aí. Suas músicas apresentavam uma temática diferente de tudo que já foi feito até então; mais sombrias, mais escrotas focadas em riffs que se tornaram marcantes com o passar dos anos. Os músicos adotaram visuais alternativos, vestindo-se todos de preto, coisa que se vê até hoje, o que deixa os fãs de heavy metal conhecidos como urubus.

O Sabão Preto influenciou muitas bandas, desde aqueles tempos até hoje, pois suas músicas sempre apresentavam características únicas que foram experimentadas e escrotizadas aprimoradas por outros grupos. E então, para destruir tudo de vez tornar o heavy metal mundialmente reconhecido de uma vez, surge o Armênio, também na Inglaterra, onde os almofadinhas dos The Beatles surgiram anos antes. As músicas eram empolgantes, animadas, cheias de riffs, solos e outras firulas que movem gerações de fãs cabeludos e desempregados.

Mas não parava por aí. O heavy metal se estendia por todo o mundo: os EUA apresentava os primeiros discos do Slayer (que mostrou que era possível juntar a beleza do gospel com a agressividade do rock), a Alemanha mostrava o Helloween e o Blind Guardian (que davam um clima mais alegre e cantarolável, assim permitindo que garotinhos com ouvidos de porcelana também pudessem curtir um bom metal) e o Brasil tinha o Sepultura dos irmãos Caganera. Todas essas bandas (e muitas outras) não se prendiam ao jeito tradicional do Sabão Preto, acabando por criar subgêneros. Nada é tão ruim que não possa piorar...

E piorou! Os anos seguintes (meados de 90 até 2000) quase aniquilaram o heavy metal. Bandas como PopKorn, Lixo no Parque, Síndrome de Down e SlipQueBosta, as escórias do metal, ajudaram a formar um mainstream. Ou seja, logo qualquer pagodeiro retardado com apenas dois neurônios já estava batendo cabeça. As gurias retardadas já podiam se dizer roqueiras, pois ouviam o som pesado e "gótico" do My Chemical Romance e do Evanescence. O legado de Tony Iommi (pronuncia-se Tóin Nhóinhóin) e sua banda, então, pareceu perdido.

Resumindo, caso você seja preguiçoso e não leu nada: Guitarras distorcidas, amplificadores no talo e rebeldia. Popularizou-se, a princípio, na Inglaterra e na Terra do Hambúrguer, mas bastou muito pouco tempo até que a merda se espalhasse pelo ventilador e contaminasse o mundo inteiro. Aqui no Brasil, é conhecido como "roque pauleira", mas temos bandas como Sepultura, Angra, Torture Squad e muitas outras que você não conhece, porque a mídia nacional só se importa com a bunda da Anitta, cornos universitários e a lacração do Pablo Vittar.

Subgêneros

Define-se como heavy metal todo o tipo de música ouvida e tocada por dementes pessoas possuídas pelo Deus Metal, que lhes concedeu poder divino para tocar em enormes shows ou participar de um público insano de metaleiros fedidos que batem cabeça, fazendo disso um espetáculo louco, belo e bizarro. E como dito acima, muitas bandas que surgiram pós anos 80 não se prenderam ao estilo firmado pelo Sabão Preto e Sacerdote Judas. A cada dia foi surgindo mais porcaria formas de tocar, de cantar e de mostrar para o mundo que você é rebelde e toma Toddynho sem agitar. Para você ter uma ideia, teve até idiotas misturando rap com heavy metal, como é o caso do já citado Lixo no Parque. São uma caralhada de subgêneros, desde músicas que falam sobre sexo com dragões até sodomia de virgens em nome do tinhoso. Veja alguns:

Power Metal: Conhecido como metal melódico ou música de castelinho, é um dos estilos mais incertos quando se diz sobre origem e heranças. Percebe-se influências de música erudita (Choppinho, MozZzZart, etc.), speed metal e, como se não bastasse, combina bem com elementos do metal sinfônico e do thrash. A teoria mais aceita sobre o surgimento do power metal diz que os guitarristas do Helloween foram os responsáveis por difundirem um som mais melódico e cantado ao heavy metal. Algumas bandas: Rhapsody of Flower, Camelo, Cornata Arctica, Guardião Cego...

Thrash Metal: Pegue aquele seu tio gordão que sempre fica bêbado em todos os churrascos e dê uma guitarra para ele. Deu para imaginar a merda? Então... Algumas bandas desse subgênero falam sobre bebedeira (Tankard), guerras (Sodom), política (Megadeth) e religião (Slayer). Fazem um som cru, extremamente veloz. As músicas quase não possuem solo, e se possuem, são tão rápidos quanto aquela punheta que você corre para terminar quando ouve a porta de casa se abrindo. Um fã de thrash metal é facilmente reconhecido: sempre estão vestindo coletes jeans com logos de banda costurados e as calças rasgadas, com uma garrafa de Heineken ou Skol na mão.

Isso é o que você encontra em um festival de heavy metal.

Progressive Metal: Metal progressivo. Aquela farofa interminável que o Rush, Genesis e outras bandas de rock progressivo faziam nos anos 60-70, com milhões de efeitos de teclado, solos de guitarra quebrados em vários compassos, músicas com mais de meia hora de duração, letras sobre drogas e montar em unicórnios misturada a guitarras pesadas. Podemos citar Dream Theater, referência em músicas intermináveis. Uma curiosidade nada interessante desse subgênero é que ele combina bem com qualquer outro subgênero, como o death (Opeth) e o power (Symphony X). Os fãs de progressive geralmente não saem do próprio quarto.

Nu Metal: Embora o nome sugira, não, não é um subgênero onde as pessoas tocam peladas, mas é algo tão ridículo quanto. Trata-se, majoritariamente, de bandas que misturam o rap ou alguma outra merda com o metal. Limp Biskit e Korn são exemplos perfeitos disso. As bandas de Nu Metal, também chamado de metal alternativo, ganharam gigantesca atenção da mídia.

Folk Metal: Bêbados com flautas, gaitas de fole e outros instrumentos regionais de algum lugar europeu cantando sobre fadinhas, duendes, mitologias ou, simplesmente, beber. Korpiklaani é um ótimo exemplo de música de bar. Ensiferum, ao contrário, fala sobre lutas de espadas, sexo com valquírias e outras histórias épicas.

Symphonic Metal: Metal incorporado com elementos sinfônicos, como orquestrações e tecladinhos Casio. 99% das bandas tem uma mulher como vocalista. Ninguém liga pras letras ou mesmo a melodia, pois há uma peituda gostosa rebolando no palco. Maioria dos fãs são meninas adolescentes que enjoaram de Evanescence. Algumas bandas são Epica, Nightwish e Xana.

Metal extremo

Entre os subgêneros, existe uma classificação (lembra das aulas de Biologia?) para enquadrar todos os malvadões, xiitas, ateus, socialistas e extremistas: o metal extremo. Colocamos aqui o death metal, o black metal e o grindcore. O thrash segue mais ou menos essa linha, mas como os adolescentes rebeldes sabem que são adolescentes rebeldes, então não se encaixa aqui. O metal extremo é um estilo muito seleto, ou seja, só os mais dementes entre os mais dementes dos metaleiros curte esse tipo de som.

Death metal: Como o próprio nome sugere, morte. Morte, sangue, morte, necrofilia, mais morte e às vezes um louvor à Satã (com mortes). Temos o Deicide, que tem quinhentos álbuns atacando o universo mais famoso da Marvel, o cristianismo, e o Cannibal Corpse, que entre os temas mais leves abordados podemos citar o sexo com cadáveres na chuva.

Black metal: surgiu na Noruega como uma resposta negativa ao death metal tocado na Suécia e ao cristianismo. Aliás, 99,9% das músicas de black metal são anticristãs (em 100% dos casos por puro marketing, tipo Berro do Mamute ou Dê-me o Boga). Temos o exemplo do clássico Mayhem, onde um dos integrantes conseguiu a proeza de se matar antes de terminar as gravações de um disco. Isso pra não falar da queima de igrejas...

Um típico fã de black metal. Dá pra ver como são pessoas sociáveis...

Grindcore: Tudo o que existe de mais podre nesse mundo, que ao ouvinte de primeira viagem faz parecer marketing de algum açougue. Sangue, cadáveres, vermes, sangue de vermes no cadáver, sexo com cadáver, pau sangrando, fezes, sexo com cadáver fedendo a merda... Os nomes das bandas são tirados de livros de patologia, e as capas são imagens tiradas dos mesmos, ou é alguma foto tirada após um confronto de corinthianos, com sangue pelo chão e cabeça estourada. Quando a doença é maior, a banda trata de assuntos pornográficos, tipo vomitar na mulher nua, pisar nas bolas (ai!), comer merda de homossexuais, enfim... Os fãs desse subgênero não se encontram em meios de convívio humano.

Viking metal: O viking metal pega um pouco do folk e mistura com black metal, numa temática exclusivamente de mitologia nórdica. Muito se fala que Amon Amarth é uma banda de viking, mas não! É death metal melódico, porra! Pode-se citar o Bathory em alguns álbuns e o Eluveitie.

Doom metal: Subgênero criado por fãs de Doom, que estavam cansados de ficar jogando isso por 10 horas regadas a Doritos e guaraná Dolly e decidiram fazer música. Temos bandas como Paradise Lost e Candlemass, viajadas pra caralho. As músicas são leeeeentas, não em questão de duração em minutos, mas em andamentos. Cada acorde dura quinze segundos, acompanhados de uma voz gutural (arroto de mortadela, para quem não sabe).

Subgêneros de fusão

Subgêneros que pegaram elementos de outros subgêneros e acabaram por formar um estilo próprio. O death metal melódico, por exemplo, que une alguns elementos do power e junta com o death (Arch Enemy, Mamão Marte, Children of Bodom), o black metal sinfônico, que não é black metal (como os fraldinhas do Cradle of Fritas), o death metal progressivo (caso do Gojira e do Opeth nos álbuns mais antigos), atmospheric black metal, que incorpora música de elevador com black metal, como Alcest, blackened death, que mistura um pouco de black com death (se é que dá pra entender isso), como Berro do Mamute...

Entendendo a diferença entre os subgêneros

O atual vocalista da banda Ghost.

Tá, você leu tudo isso aí em cima uma, duas, três vezes e não entendeu porra nenhuma? Pois saiba que você é um burro existe um jeito muito mais simples de entender. Vamos imaginar uma situação e então ver os desfechos na abordagem de cada estilo:

  • No alto de um castelo, há uma linda princesa, que é muito, muito carente. Ali foi trancada. O herói precisa salvá-la, mas antes, deve derrotar um temível, poderoso, colossal dragão.

Heavy metal tradicional (ao estilo Motörhead): O herói chega numa Harley Davidson, enche a cara de cerveja antes de entrar no castelo, mata o dragão, resgata a princesa e transa com ela.

Power metal: O herói chega, derrota o dragão e salva a princesa, mas não fazem sexo porque ele prefere jogar Final Fantasy em seu SNES. Na pior das hipóteses, World of Warcraft. Anos depois, elfos cantam uma música sobre esse feito heroico (na língua deles, claro).

Thrash metal: O herói chega bêbado, embriaga o dragão e passa por cima dele, salva a princesa e transa com ela até que ela desmaie.

Folk metal: O herói chega bêbado, vê que não tem festa rolando no castelo e vai embora.

Viking metal: O herói chega num navio, mata o dragão com seu machado, assa-o e come. Estupra a princesa, pilha o castelo e toca fogo em tudo antes de ir embora, e transa com a princesa mais uma vez no meio do fogo.

Uma banda de power metal em seus primórdios. Foto rara.

Death metal: O herói é invocado do inferno, mata o dragão, estupra a princesa, mata ela e volta pro inferno.

Black metal: Chega de madrugada, pela neblina. Assusta o dragão com seu corpse paint escroto. Salva a princesa, transa com ela, corta seus pulsos com uma faca e bebe o sangue, e depois transa com o corpo.

Grindcore: O herói chega, despista o dragão, salva a princesa, amarra ela e dá pro dragão comer, e depois brinca com os restos. Enfia algum osso no cu, mete em todos os orifícios possíveis, vomita em cima e depois tira algumas fotos para o próximo álbum de sua banda.

Doom metal: O herói não faz nada, pois está em casa jogando Doom.

Progressive metal: O herói chega, toca um solo virtuoso na guitarra por mais de dez minutos, explorando os arpejos na escala maior de D# com a sétima bemol no campo harmônico de Am com quinta em F lídio. O dragão implora para que ele pare com essa tortura e o deixa passar. Chega até a princesa, toca outro solo que explora todas as escalas menores em compassos quebrados. A pobre moça não aguenta e se mata com uma facada no peito.

Symphonic metal: O herói chega, mata o dragão e pede pra princesa ser a vocalista de sua banda.

O headbanger

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Metaleiro
Doro Pesch, raro exemplar de heabanger gostosa.

Headbanger é o nome dado ao doente que curte heavy metal. Num grosso português, "batedor de cabeça" (as duas: a de cima, nos shows; e a de baixo, na punheta, já que não conseguem pegar mulher). Geralmente são cabeludos e fedidos, não conhecem shampoos nem desodorantes. Só se vestem de preto, sempre, mesmo que esteja um calor do caralho, já que a intenção do heavy metal é fazer você se sentir no inferno. Ou são lobos solitários ou andam em bandos de urubus, e no segundo caso, compram aqueles vinhos baratos no Extra e ficam ouvindo Slipknot ou alguma outra bosta no quintal de casa. Nenhum deles ouviu falar na palavra higiene, então não fique próximo de um por muito tempo, ou senão, vai acabar pegando pulgas. São também chamados de metaleiros, mas todo mundo sabe que metaleiro é quem faz panela. Os fãs de power metal, especificamente, são lobos solitários. Ficam em casa jogando muito RPG (Ragnarök Online, Tibia ...) e se põem na obrigação de escutar o Nightfall in Middle-Earth uma vez por dia.

Essa aqui já tá entregue nas mãos do capiroto desde jovem.

Antigamente, existia uma briga entre fãs de punk e metaleiros. Hoje em dia, os próprios metaleiros brigam entre si. "Megadeth é melhor que Metallica", "a banda que você curte é um lixo", "(insira um nome aqui) metal é um lixo" e por aí vai...

São facilmente reconhecíveis. Roupa preta, jeans (também preta) rasgada, algum logo de banda estampado... E não só pela aparência, mas eles emanam uma aura negra, que é a pura essência do metal maligno (também chamado de fedor).

Bandas notáveis

  • Angra - Banda que mistura power metal com toques de progressivo, que teve como vocalistas André Matos, Edu Se meu fusca Falaschi e agora conta com a presença do tapa-buracos italiano Fabio Lione.
  • Metallica - Já foram bons no passado. Hoje em dia, são velhos que dão ataque de pelanca e só pensam em dinheiro.
  • Iron Maiden - Ícone do heavy metal. Ninguém vê problema em pagar R$500,00 pra ir num show deles.
  • Cradle of Filth - Metal para tr00s que não abrem mão de uma gostosa no palco.
  • Sepultura - Era bom até os irmãos Caganera abandonarem.
Uma das últimas fotos do papa antes do hiato de sua banda.
  • Helloween - Expoente do power metal, adorado até pelos tr00s (que, claro, ouvem escondido no banho).
  • Slipknot - Banda formada por palhaços. Genial.
  • Sodom, Kreator, Destruction... - Farinha do mesmo saco germânico de thrash metal.
  • Slayer - Banda norte-americana que conseguiu juntar o gospel com a agressividade do heavy metal.
  • Mayhem - Banda norueguesa de forró que incorpora elementos do metal.
  • Megadeth - Ícone do thrash metal, liderada por um pato.
  • Black Sabbath - Não é o seu dedo do meio, mas é o pai de todos!
  • Burzum - Tida como a primeira banda de black metal a incorporar rádios de pilha velhos em seu som.
  • Arch Enemy - Banda de metal com uma gostosa rebolando no palco.
  • Blind Guardian - Os deuses do power metal. Cantam sobre as obras de J. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. R. Tolkien

Festivais

Os metaleiros se reúnem em festivais, que costumam acontecer em céu aberto... Só na Europa, porque aqui em terras tupiniquins você tem que dar sorte de encontrar algum barzinho com uma banda underground tocando. E, geralmente, esses lugares são fedidos, podres, encardidos, mas criam o clima perfeito para boas amizades e descontração!

O mais famoso é o Wacken Open Air, que acontece todo ano na Alemanha. Mais de cinquenta bandas agitam os três dias de evento. O problema é que a cerveja é cara pra caralho, mas a gente releva!

Hinos do heavy metal

Goste você ou não dessas bandas, deve admitir: são canções movidas pelas gerações, ao contrário do pop, que possui músicas chicletes que depois de um mês ninguém mais lembra.

  • Helloween - I Want Out
  • Black Sabbath - Iron Man
  • Iron Maiden - Wasted Years
  • Kreator - Hail to the Hordes
  • Manowar - Brothers of Metal
  • Massacration - Metal is the Law
  • Slayer - Raining Blood
  • Anthrax - Madhouse
  • Megadeth - Hangar 18
  • Metallica - Hit the Lights
  • Slipknot - Before I Forget
  • Avenged Sevenfold - Nightmare


Ligações externas

Como cantar heavy metal em casa

Ver também

v d e h
Subgêneros do rock
1172872303 mumudamangueira02.jpg
Art Rock | Blues | Blues-Rock | Cena Canterbury | Country Rock | Dreampop | Folk Rock | Funk Rock | Glam Rock | Grunge Rock | Happy Rock | Hard Rock | Heavy Metal | Indie Rock | Invasão Britânica | J-Rock | Krautrock | Madchester | Math Rock | Mersey Sound | Modern Rock | New Wave | Noise Rock | Piano Rock | Psychobilly | Pop Rock | Pop Rock Brasil | Post Rock | Power Pop | Pub Rock | Punk Rock | Rock Alternativo | Rock and Roll | Rock Cristão | Rock de Garagem | Rock Gótico | Rock Industrial | Rock Pernambucano | Rock Progressivo | Rock Psicodélico | Rock Sinfônico | Rockabilly | Shoegazing | Synthpop | Soft Rock | Space Rock | Stoner Rock | Visual Kei
Bandas de Rock (e outras coisas também) | Tudo que tem a ver com rock