Helmut Kohl

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bismarckpre.jpg
Frauleinpre.jpg
Desciclopédia über alles in der Welt!!!

Esta arrtigö é alemön!!! Issö querr dizerr que ele suschtenta ö gerraçön interra com bratwurst e sauerkraut ou é parrte dö conspürraçön gerrmänica parra inwadir ö Frankreich por trrás outrra wez.

Nón faça scheiße, ou te porremos de quatrro nö corredorr polonês.
Ö autörr voi comerr uma fräulein e já volta...
60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Helmut Kohl.



OBS: Esse artigo já foi censurado uma vez pelo próprio Kohl, ou isso. Cuidado ao lê-lo, pois você corre o risco de ser censurado também...

O homem, o mito, a lenda: Helmut Kohl e sua avantajada pança

Cquote1.pngVocê quis dizer: Um tremendo Joselito sem noção.Cquote2.png
Google sobre Helmut Kohl
Helmut Kohl foi chanceler (cargo equivalente à presidência, só que mais burocrático) da Alemanha entre 1982 e 1998 que ficou conhecido por seu extremo conservadorismo e seu temperamento instável, que lhe causava súbitas irritações. Seus planos eram de eternizar-se no cargo, coisa que só não conseguiu por causa de protestos da oposição, que o chanceler chamava de "grupelho".

Tabela de conteúdo

[editar] História

Nascido em 1900 e guaraná com rolha em Aftazarden, cidadezinha pequena e sem-graça na fronteira com a Bélgica, Kohl nunca escondeu suas aspirações a ditador líder político. Ainda pequeno, conheceu o popular líder alemão Adolf Hitler quando passava o versão numa colônia de férias em Auschwitz, e o encontro marcaria sua vida para sempre.

Grande esportista que era, Kohl tinha um desempenho muito bom em jogos como frite o judeu, boliche com cabeça de cigano e encha esse polonês maldito de gás. Impressionado com o garoto, o fureh führe comandante o presenteou com uma metralhadora Uzi-N, de forte poder destrutivo, que foi fundamental para o desenvolvimento da mentalidade dominadora do pequeno Kohl. Anos mais tarde, já chanceler, escreveria em seu livro de memórias Todo o nojo que senti que sem a Uzi-N jamais teria chegado aonde chegou.

[editar] Entrada na política

Letreiro que o chanceler mandou afixar do seu lado do muro que dividia o país

Logo depois da queda do Nazismo e subseqüente humilhação mundial dos alemães, que foram obrigados pelos países vencedores da Segunda Guerra Mundial a andar com um adesivo escrito "me chuta" nas costas, Kohl filiou-se ao ultraconservador Partido dos Preceitos Fundamentais (PPF), onde conheceu Schwein Jynx, uma combativa militante que seria a grande (e única) paixão de sua vida. Foi com ela que, aos 24 anos, perdeu sua virgindade. Mais tarde, quando Kohl entrou para a vida pública, Jynx fez parte de sua tropa de choque, já que seu temperamento difícil -- e, dizem as más línguas, sua aparência pouco agradável -- mantinha os opositores a uma distância segura.

Seu primeiro cargo público foi prefeito de Bonn, que em meados da década de 70 era a capital da Alemanha Ocidental. Logo tomou gosto pela coisa, e articulou nos bastidores (e Kohl sempre foi um homem de bastidores) sua futura eleição para chanceler, que aconteceu em 1982. Logo que chegou ao cargo, articulou novamente (eu não disse?) uma nova constituição que lhe garantia poder vitalício. Como aquele foi um ano de Copa do Mundo e a safra de chucrute havia sido boa, ninguém prestou atenção e Kohl foi ficando.

Tudo começou a mudar em 1989, quando o muro que dividia Berlim foi derrubado em um protesto do sindicato dos pedreiros e a Alemanha, que era dividida em Oriental e Ocidental, virou uma só. Logo, uma multidão de novos cidadãos entrou no país, passando também a ser governados pelo chanceler.

[editar] Reforma política

Kohl sempre demonstrou muito bom humor quando contestado

Vindos de um regime autoritário e opressivo, os ex-alemães orientais também queriam participação política, coisa que era vedada pelos membros do PPF. Assim, teve início uma onda de protestos contra o regime vigente na Alemanha, através da exigência de mandatos para os parlamentares (que eram todos vitalícios), maior participação popular nas eleições e, por fim, uma nova Constituição, já que todas as leis que os alemães possuíam eram aquelas ditadas pelo chanceler -- segundo ele, elas haviam sido pensadas pelos "fundadores da pátria" num momento longínquo da história, mas ninguém tinha comprovação disso.

Em julho de 1994, num discurso que se tornou famoso, Kohl disse aos novos cidadãos que não estava nem um pouco interessado em reformar as leis do país:


Absolutamente não vejo necessidade de mudança alguma na Alemanha, parem de criar confusão!
Cquote1.png Não é certo meia dúzia de cidadãos que chegaram com a Alemanha prontinha para eles viverem e toda preparada pra recebê-los quererem agora mudar tudo para que fique do seu jeito ignorando totalmente os princípios básicos pensados para o país. Ninguém convidou vocês para o país. Vocês vieram por livre e espontânea vontade e conscientes de que a Alemanha já possuía um sistema estabelecido. Querer utilizar o sistema de administração da Alemanha para implodir o próprio sistema beira o imoral e o repugnante. O que se está propondo pelos alemães orientais é de fato jogar no lixo um sistema que funcionou perfeitamente e de maneira justa desde os primórdios da Alemanha para que o ego de meia dúzia de cidadãos receba um afago. Me desculpem, mas isso simplesmente não é correto e eu não vou consentir com isso. Eu entrei para a vida política por prazer, não para ficar vendo grupelhos ficarem causando alvoroço no país. Cquote2.png
Helmut Kohl dirigindo-se aos alemães orientais numa cervejaria em Frankfurt

O pronunciamento de Kohl saiu como um tiro pela culatra e sua popularidade despencou. Reformas foram exigidas, houve tentativas de revolução, mas como aquele também era ano de Copa do Mundo, as coisas foram esfriando. No ano seguinte, porém, deu-se início a uma assembleia constituinte, que reformaria completamente o sistema político do país. Kohl deixaria o poder em novembro de 1998, depois da Copa do Mundo (que naquele ano foi sediada na Alemanha), para não causar muita polêmica num ano tão importante.

[editar] Kohl depois da política

Mesmo aposentado, Kohl ainda tem uma legião de seguidores puxa-sacos no governo alemão
Após deixar o cargo de chanceler, Kohl mudou-se para o sul da Alemanha, onde comprou uma fazenda e estabeleceu uma criação de suínos. Ainda está casado com Schwein Jinx, com quem tem sete filhos. Hoje ele não pretende voltar à vida política, mas colabora com o jornal Frankfurt Beobachter com uma coluna de poesias. Apesar que ele achava poesia coisa de viado, mas...

[editar] Retirada estratégica

Durante algum tempo, Helmut Kohl esteve formalmente aposentado e administrou uma firma de contratação de pedreiros e serventes para obras em fundos de quintal. E dizem que, nas suas horas livres, Kohl aproveitava para editar a nossa querida Desciclopédia, afinal ele está bem velho e senil, e só alguém muito caduco mesmo para passar o resto da vida achando graça em editar essa joça. Ou não.

Foi descoberto, no ano de 2009, que Helmut Kohl se refugiou na República das Bananas para tentar viver em paz o resto de sua vida que já estava quase no fim. Helmut podia ser facilmente encontrado a qualquer hora em alguma praça em Santarém lá no Pará, onde o mesmo faz roda de mariachis e churrascada com seus poucos marionetes amigos todos os dias.

[editar] A queda ou Eu falei que ia dar merda

A ausência de Kohl do parlamento alemão foi estratégica. No inicio do último inverno germânico, pouco a pouco o veho político retomou suas atividades, prometendo que não se imiscuiria em brigas intestinas e apenas cuidaria da burocracia. Rapidamente sua volta foi saudada pelo velho partido que correram em massa a seu gabinete para o felicitar.

Logo nas suas primeiras ações, grandes confusões surgiram. Como os velhos Bourbon, Kohl não tinha aprendido nada, mas não tinha esquecido nada e tudo prometia que recuperaria as velha práticas do Reich.

Foi quando parlamentares aliados apresentaram em plenário evidências incontestáveis de desmandos e malversação, com corrupção de menores, manipulação de eleições e desvio de verbas do Ministério da Agricultura para marionetes de carne. Gravações foram apresentadas em que o chanceler era ouvindo traficando influência e manobrando o parlamento a favor de seus partidários. O mar de lama, o iceberg de merda foi tão grande que por unanimidade das leis Kohl perdeu seus direitos políticos. Dado amplo direito de defesa, preocupou-se em acusar seus desafetos e culpar as Forças Ocultas, aquelas que depuseram Jânio Quadros. E era tudo verdade. É sim!

Golpe de Estado!!!!
No parlamento da União Européia, Kohl foi defendido por partidários da Holanda, que acusaram um golpe de Estado, exigindo a volta de Kohl ao trono alemão e a restituição imediata de Manuel Zelaya em Honduras. Além da cabeça de São João Batista numa bandeja de prata. Um falso morador da Galícia tentou também intervir, expulsando a embaixada alemã de Galícia, mas acabou sendo chamado de furry e tarado e teve que digerir suas palavras como achou agradável.

Os alemães mandaram os holandeses pastar e avisaram que já os invadiram duas vezes para pegar a França, poderiam invadir uma terceira. Além de chamarem eles de belgas, o que para um holandes é o pior dos insultos. Os partidários do ex-chanceler nos Países Baixos bem que tentaram fazer um escândalo internacional, mas quem ligaria para assuntos internos da Alemanha? A Alemanha para os alemães. Finalmente, os alemães, os franceses e os canadenses (sim, o Canadá faz parte da União Européia!) os ignoraram e eles voltaram a plantar tulipas e andar de tamancos.

Hoje em dia não se sabe realmente o que Kohl faz da vida. Alguns afirmam o viram pelas ruas de Berlim gritando MY PRECIOUS!!!

[editar] Ver também

Ferramentas pessoais
Ver e modificar namespaces

Variantes
Visualizações
Ações
Navegação
Colaboração
Votações
(F)Utilidades
Novidades
Redes sociais
Correlatos
Ferramentas
Outras línguas