Hinder

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Playinguittar.gif

Pete Townshend deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.

Passarinho.jpg

Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.
Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!

Hinder
Hinder.jpg
Quero ver me encarar!
Origem Oklahoma
País Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 2001-Atualmente
Gênero(s) Pós-Grunge e Hard Rock
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Austin Winkler;
Cody Hanson;
Joe Garvey;
Mark King;
Mike Rodden.
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}
Wikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Hinder.

Cquote1.png Hitler? Não, obrigado! Cquote2.png
Alguém confundindo o nome da banda
Cquote1.png Hidden? Onde? Cquote2.png
Mais um confundindo o nome da banda
Cquote1.png Knight Hinder? Adoro essa série, e achei uma puta falta de sacanagem cancelarem o remake! Cquote2.png
Mais uma pessoa confundindo o nome da banda
Cquote1.png Kamen Hinder? Tokusatsu muito foda! Cquote2.png
Outro...
Cquote1.png Hinder Ovo? Adoro! Cquote2.png
Mais um...
Cquote1.png Quais lábios são os tais lábios de anjo? Cquote2.png
Você com sua mente mais poluída que o Tietê sobre ”Lips Of An Angel”
Cquote1.png Toca Raul! Cquote2.png
Brasileiro em show do Hinder
Cquote1.png É emo! Cquote2.png
Guri retardado sobre Hinder
Cquote1.png Mais uma cópia yankee... Cquote2.png
Nickelback sobre Hinder
Cquote1.png Hinders on the Storm... Cquote2.png
The Doors sobre Hinder
Cquote1.pngCquote2.png
Steppenwolf sobre a versão deles pra “Born To Be Wild”

HINDER é uma banda cujo nome é vítima de piadinhas infames como “Knight Hinder”, “Hinder Ovo”, “Kamen Hinder”, e que tem dificuldade de arranjar fãs devido as confusões com o nome Hitler, que seria uma péssima propaganda, e com Hidden, insinuando que a bandas só vive Hidden (escondido) da mídia, formada no EU da A em 2001, e, pra não se vender ao Emocore pra fazer sucesso, resolveu seguir o esquema Hard Rock/Pós-Grunge mamando nas tetas do Nickelback, que, não paga tanto, mas tem fãs fiéis e que não são vítimas de preconceito e não são requisitados em capas de revistas pra gurias retardadas. Acreditavam que é mais fácil fazer sucesso nesse esquema, onde suas vidas não estariam a prêmio por causa de preconceitos mesquinhos contra Tribos Urbanas. É mais uma daquelas bandas que você raramente ouvirá nas rádios, por causa de sua proposta sonora, ou seja, som nem um pouco afrescalhado.

No Começo:[editar]

Em Oklahoma, mundialmente conhecida como o berço de Chuck Norris, o Mestre do Universo, numa escola à la Rebelde, ou seja, péssimo ambiente, e garotas gostosas e com merda na cabeça que só servem pros homens as imaginarem fazendo um Strip com aquelas roupas de colegiais que elas usam, Austin Winkler, um cara totalmente endividado graças a sua banda cover, então, pediu dinheiro emprestado (que foi mal investido) pra um agiota, uma hora ele viria cobrar. Numa festa na faculdade onde tudo começa, esse agiota invade e cobra o dinheiro do Austin. Cody Hanson e Joe Garvey, conhecendo o trabalho de Austin, negocia com ele: a dívida em troca dos seus préstimos na banda de garagem deles. Não querendo ter seus braços e pernas quebrados, ele aceita o acordo, acaba com a sua antiga banda, deixa todos os integrantes dela na merda e inicia esse novo projeto.

A Carreira:[editar]

Antes de Gravarem CDs e EPs:[editar]

Tocando o terror num posto de gasolina

Sem muito dinheiro, mas, com um estudante de Administração (ou seja, um cara com vontade de ser um Fuckin’ Boss na vida) na banda, que ajudava a investir o dinheiro, conseguiram fazer fãs por Oklahoma, com um principal objetivo de ter como principal fã a maior personalidade local: o Mestre do Universo, pra ver se ele ajudava a investir na banda e assim não precisar tirar muito do próprio bolso pra fazer sucesso sem gravadora, mas, até lá, tocavam em qualquer buraco que os ajudassem por quaisquer esmolas pra ajudar na produção de um CD.

Começando a Gravar:[editar]

2 anos se passaram e, todo o dinheiro arrecadado só deu pra um EP mesmo. Dizem que péssimos investimentos foram feitos nesses anos, mas, pelo menos, com esse EP que foi produzido com pouco dinheiro, com áudio de péssima qualidade que dava pra ouvir o que acontecia na rua entre as faixas, conseguiram um contrato, o que foi bom, pois a grana que entrou com a venda do EP foi usada pra terminar de pagar pela produção dele. Foram buscar a trajetória de sucesso que o Mestre do Universo seguiu pra ser quem ele é hoje, mas, com a cabeça no lugar e sabendo que a banda nunca se igualará a ele (talvez sim, nunca saberemos como acordaremos amanhã. Probabilidades infinitas pra tudo...).

Gravando CDs:[editar]

Capa do Take It To The Limit: fotografada em uma das mansões dos integrantes da banda e com os carros dele.

Em 2005, finalmente lançam um álbum, álbum mesmo, não EP com 3 faixas, decidindo que seriam iguais a quase todas as bandas não-emo do país, assim fazendo sucesso rápido, e se aliando a todas as outras bandas que parecem cópias umas das outras, e isso tem público, formado principalmente por quem ficou de saco cheio de só ouvir bandas Emo nas rádios, e que aceitava qualquer alternativa que oferecessem. Os fãs estavam putos que els não lançaram mais nada após o 1º álbum, então, em 2007, a banda é contratada pela Liga Dos Pilotos Gordinhos pra regravar um clássico do Steppenwolf: Preciso mesmo dizer qual música foi?. Tio Bill quis que fosse uma banda assim, sabendo que se fosse uma banda emo, a categoria perderia mais fãs do que ela já estava perdendo, e porque queria um “som pesaaaaado!”. Embalados, lançam um 2º álbum, que rendeu uma mulher ao vocalista, que já estava desde o inícoo da carreira musical na seca, se preocupando em não se foder em dívidas, e, nessa fase eles já estavam podres de ricos, suas garagens pareciam mais grids da FIA GT1, e, se quisessem, não poderiam fazer mais nada da vida, mas, por amor aos fãs e a vontade de sacanear os críticos do seu som, lançam um 3º álbum pra continuar fazendo sucesso dizendo que estão de saco cheio do folclórico Sonho Americaano, já que a concorrência é implacável e, todos tinham lançado álbuns, se bem que todos nesse gênero são superamiguinhos...

Infos:[editar]

Integrantes:[editar]

CDs (Só CDs mesmo, lançar LP em pleno 2011 é coisa de Indie):[editar]

  • Comportamento Extremo: Retrata o cotidiano Americano, que, se resume a atitudes inimagináveis (2005);
  • Fui Até o Limite: Falam do quão foi difícil fazer esse álbum, e o quanto exigiu lançá-lo (2008);
  • O Pesadelo Americano: Sonho Americano o Caralho! Ele não existe! Mas o pesadelo sim existe, o de viver num país que resolve suas diferenças na base da guerra (2010).

Músicas Famosas (Só entre quem não ouve rádios aqui no Brasil):[editar]

Capa do Extreme Behavior. Após 2 semanas de incansáveis testes do Sofá, essa garota foi escolhida
  • ESTÁTUA!: Uma ode a inocente brincadeira de infância (inocente só se não tiver um mal intencionado na brincadeira);
  • Lábios de Anjo: 20 anos após Ian McCuloch e Seus Blue Caps falarem de lábios açucarados, eles conseguem o sucesso também falando sobre lábios, quando foi beijado por lábios angelicais (e como seriam esses?). Uma controvérsia foi lançada na sociedade não-conservadora: quais lábios eram os de anjo? Os de cima ou o de baixo?;
  • Quanto Tempo?: Eles demoraram pra finalmente gravar o 1º álbum? Uns 2, 3 anos?;
  • Melhores Que Eu: A banda tem seu momente “Humildão” e fala ds outras bandas de Hard Rock/Pós-Grunge nas paradas. Ou seja, um pouco de auto-crítica;
  • A Rainha da Volta Pra Casa: O vocalista se declara pra garota que recebia os esportistas da faculdade quando voltavam pra casa após serem derrotados nos campeonatos. E deu certo! Ele se casou após escrever essa música;
  • A Música do Steppenwolf: A NASCAR e o Tio Bill pediram pagaram pra eles fazerem a regravação, mesmo eles não terem nascidos pra serem tão selvagens assim...;
  • Me Use: Cquote1.png Algumas pessoas querem ser usadas, outras querem que você as usem Cquote2.png
    Eurythmics
  • Sem Você: Após muit0s anos do U2 dizer que iria se foder com ou sem você, eles foram mais seguros e independentes;
  • Indo A Noite Toda: Falam de suas vidas sexuais;
  • Carregado e Sozinho: Nome com altas influências Daftpunkianas, mas que não lembra em nada o som deles;
  • O Pesadelo Americano: Ao contrário de muita gente (mais de 300 milhões de pessoas), eles sabem que há algo de errado naquele país estranho com gente esquisita.
  • Me Salvar: Apesar do título parecer que trata de uma música de salvar algué, é exatamente o contrário. Essa música é o que todos queriam dizer pra aqueles religiosos que batem na sua porta tentando mostrar o caminho da salvação.