Iara

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Tubarão.jpg Este artigo é aquático!

E é especialista em natação. Se você vandalizar, ele te joga uma tsunami, então cuidado com os tubarões e não leia sem usar uma máscara de oxigênio.

Discionario em png.PNG
O Descionário possui um verbete sobre Iara
Desentrevistasminibox.PNG
O Desentrevistas
possui uma entrevista com
Iara
Cquote1.png Acalmem-se, meus filhos, já já trago o rango de vocês! Cquote2.png
Iara falando de você

Cquote1.png Você quis dizer: Sereia? Cquote2.png
Google sobre Iara
Cquote1.png Você quis dizer: Mãe D'água? Cquote2.png
Google sobre Iara
Cquote1.png Experimente também: Iemanjá Cquote2.png
Sugestão do Google para Iara
Cquote1.png Queria ser um peixe, para em teu límpido aquário mergulhar... Cquote2.png
Fagner sobre Iara

Apresentação[editar]

60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Iara.

Todo mundo sabe que a Sereia é uma lenda originalmente gringa, ou seja, exportada do exterior (ORLY?, diferente seria se fosse exportada do interior) e que só temos conhecimento dela (e de suas escuturais barbatanas) por causa da Globalização, que foi crescendo a partir das Grandes Navegações. Porém, talvez (eu disse talvez, não tenho certeza) bem antes desses inventores de histórias antigas e sodomitas, lá em Terras brisilis, já tinhamos a nossa representante aquática e gostosa "uma metade mulher e outra metade peixe", trata-se da famosíssima (pelo menos no Brasil ela assim o é) Iara (nome bem indígena, não?), também conhecida pelas alcunhas de Mãe D'água ou (africanamente falando como se eu falasse alguma língua africana além do Português) Iemanjá, a Putinha Rainha do Mar (apesar de que, na Amazônia, onde a lenda se originou, não tem mar, mas isso são detalhes irrelevantes).

A Lenda[editar]

Cquote1.png E aí, gostoso? Tá afim de comer uma rabada de peixe hoje? Cquote2.png
Iara dando uma ideia pra algum índio

Segundo os inventores fofoqueiros contadores índigenas de histórias que, óbvio, eram os índios mais velhos e, geralmente, os Pajés da tribo, a Iara era uma criatura marinha, semelhante a sereia de fora do Brasil. Sempre na forma de uma mulher morena (afinal, é legitimamente brasileira e amazônida), cabelos pretos ou verdes (que nem os do Shun de Andrômeda, Iara loira não ecziste, ou é de fora), por volta de um metro de setenta (com calda e tudo, claro, se não ela não passaria de meio metro, já que seu corpo humano vai até o umbigo - se ela que ela tem um) que possuia como diferencial um calda de peixe, ao invés de um par de pernas, pelo visto, fazer as unhas para a Iara era uma perda de grana (sendo para ela uma economia e tanto), já que ela só tinha os dedos das mãos à fazer e, pelo visto, não tinha chulé.

O que a Iara faz quando não está nadando? Com certeza, NADA! (ô piadinha infame)

Sua beleza era tão perfeita, que muitos índios se sentiam seduzidos somente por olhá-la, principalmente quando escutavam-a a cantar suas doces canções de ninar Ivete Sangalo ou Claudia Leitte, agitando toda a floresta. Tal música era hipnótica e, quem a escutasse, se não se sentisse seduzido, enlouqueceria pela melodia que, devia ser horrível para causar tal efeito colateral. Porém, o que ela tinha de bela, tinha de diabólica como toda mulher. A Iara, por ser a mais gostosa criatura marinha, não era flor que se cheirasse e desejava ter todos os homens que quisesse para sí (bem puta, pelo visto), além de que somente os mais bonitos e fortes eram selecionados por ela para viver em seu mundo aquático (exigente, não?).

Mas não que ela quisesse fazê-los seus esposos e causar uma orgia nas águas, pelo contrário, ao invés de levá-los para o seu leito, a Iara os comia (em todos os sentidos da palavra comer), o que deixava muitas aldeias putos da vida, pois não bastava somente para ela levar os seus melhores índios caçadores e pescadores, ela tinha que os matar, para mostrar o seu poderio e para que todos a temessem e soubessem que é que manda nas águas afinal (Cquote1.png Posseidon é o meu pau de óculos! Cquote2.png, dizia ela). Mas o que levava Iara a ser tão mau com os homens? Ela não curtia uma briga de aranhas? É claro que essas perguntas também eram feitas pelos indiozinhos curiosos pelas histórias que os anciãos de sua aldeia contavam, sendo que eles tiveram que pensar mais um pouco para mentir contar a origem de Iara e o que ela fez para virar uma mulher-peixe (sim, Iara não nasceu assim, ela foi transformada).

A História da Lenda[editar]

Iara pensando no que irá fazer agora que virou uma mulher-peixe

Iara era uma linda índia guerreira, exímia caçadora e ótima utilizadora do especial de porrada, o que acarretava em grandes ganhos para a sua aldeia, que ela amava e respeitava na alegria e na tristeza.... Por ser tudo isso e um pouco mais, o pai dela a admirava muito, sempre pensando em ideias incestuosas com a menininha, mas nunca tomando nenhuma atitude pois isso não era muito bem aceito em sua tribo (não era aceito ainda). Os brithers de Iara não gostavam muito do Ibope que o papai dava para a filha. Morrendo de ciúmes da guria retardada, resolveram bolar um plano para estuprá-la matá-la e falar que tudo "foi sem querer querendo" ao pai, que, de repente, ela havia se jogado sobre as lanças que ele apontavam para ela e resolveu morrer sem consultar ninguém.

Iara, que estava do lado de fora da oca onde os irmãos armavam o esquema de seu assassínio, uso-se de ligítima defesa, amparada pela Lei sabe-se lá das quantas de 1900 e guaraná com rolha e resolveu matar todos eles, antes que ele fizessem isso com ela. Como era mais forte e esperta do que eles (afinal, era uma mulher morena), conseguiu derrotá-los facilmente, já que todos estavam distraídos. Agora, como uma criminosa e procurada pela polícia indígena e pela FUNAI, Iara fugiu para a Floresta, que foi exatamente para onde o seu pai foi procurá-la. Raivoso por ter matado todos os cabra ômi de sua família, o pai de Iara captura a moça e joga-á de um prescipício para dentro do Rio Solimões.

Como Iara era muito admirada por todos, até mesmo os animais, os peixinhos não poderiam deixá-la morrer de tal forma. Por isso, aproveitando que era uma Lua Cheia (não sei o que as lendas tem contra as outras fases da lua como a Minguante, a Crescente e a Nova), os animais marinhos fizeram uma macumba básica e transformaram-na em uma sereia, afim de manter a sua beleza e o dom de poder respirar dentro da água. Com isso feito, Iara agora poderia se vingar dos homens que, por causa de seu pai e de seus irmãos, começaram a ser tratados como inimigos de estado (assim como o Osama é para os Estados Unidos). Compreendeu agora, porque somente homens? Espero que sim! Ou não.

O Fato Mais Conhecido[editar]

Cquote1.png Venha, venha meu querido, conhecer o meu Reino Encantado! Cquote2.png
Iara cantando mais um índio tapado Tapuia

Entre as variações de lenda existentes por esse rincão brasileiro, uma é a mais contada quando o assunto é a Iara e os índios que ela resolve conquistar, trata-se do fato que se passou um corajoso guerreiro Tapuia, que, mesmo tentando resistir aos encantos da Iara pois era gay acabou cedendo, mais cedo ou mais tarde, a lenda é mais ou menos assim:

Iara, como sempre, resolvia sair da água para conquistar mais um otário bravo guerreiro, sempre antes do sol se por, enfeitada com flores vermelhas em seu cabelo (já que no corpo não tem onde ela colocar, já que vive nua). Um índio Tapuia, que voltava para a sua tribo, resolveu pegar um atalho e atravessar o lago proibido, habitat da Iara, afim de economizar gasolina tempo em sua canoinha furada. Foi então que ele a viu, tão bela e tão cantora, mas ele resistiu, tapando os seus ouvidos e seguindo reto (não se sabe onde ele enfiou o remo para continuar o trajeto, já que ele estava com os ouvidos tapados, e nem quero saber também).

Naquele mesmo dia, o índio não estava mais aguentando a horrível música da Iara não saia da sua cabeça, ele precisava estar perto dela. Foi então que no dia seguinte ele seguiu para o mesmo lago, onde a encontrou novamente, cantando alegremente um animado axé. Ele se joga de sua canoa para as águas e nunca mais é visto (a não ser por um índio que presenciou tudo isso e pode fofocar contar para os outros). Acredita-se que, nesse mesmo dia, tenha rolado o maior bacanal no Reino da Iara, para comemorar a chegada do índio, porém, outros dizem que, no dia seguinte, Iara já estava de volta para o mesmo lugar de sempre, esperando (de barriga cheia, afinal ela comeu um homem inteiro) por mais uma vítima (MWAHAHAHAHAHA!).

Curiosidades[editar]

Uma Iara de verdade (ou uma montagem bem feita)

Você sabia que:

  • Iara só existe uma? A lenda fala somente de uma mulher com a metade peixe, não de uma legião como na Odisséia;
  • Iara não usa "conchas como sutiã"? Ela faz top-less sem nenhum medo, somente coloca os cabelos sobre os seios quando os seus faróis estão acesos;
  • Ela não gosta de homens e muito menos de mulheres? Iara prefere criaturas aquáticas e pratica tentaculofilia;
  • Não adiante se você é gay, emo ou hermafrodita, você nunca resistirá a Iara?
  • Como toda a lenda surgida na Amazônia foi inventada iniciada por índios?

Ver também[editar]