Idealismo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Para aqueles que não manjam dele, o Papai Noel tem várias palavras pra dizer sobre o idealismo. Ou teria, já que ele tá morto. Coitado.

Cquote1.png Viva! Viva! Viva a sociedade alternativa! Cquote2.png
Raul Seixas praticando o idealismo com as suas idéias drogadas

Idealismo é uma corrente filosófica que emergiu apenas com o advento da modernidade, uma vez que a posição central da subjetividade é fundamental. Seu oposto é o materialismo, sendo que esse sem dinheiro não teria como se realizar o seu ideal, ou sim.

Sobre o idealismo[editar]

Tendo suas origens a partir da revolução filosófica iniciada por Descartes e o seu cogito, é nos pensadores nazistas emos filhos da puta que o Idealismo está em geral associado, desde Kant até Hegel, que seria talvez o último grande idealista da modernidade. Muitos, ainda, acreditam que a teoria das idéias de Platão é historicamente o primeiro dos idealismos, em que a verdadeira realidade está no mundo das idéias, das formas inteligíveis, acessíveis apenas à razão, por isso va fumar o seu baseado e viva o seu mundo ideal, na sua cabeça.

Tipos de idealismos[editar]

Como todo bom filósofo conhece, uma palavra vale mais do que mil, sendo o idealismo possui diversos significados diferentes, isso depedendo na cabeça das pessoas:

Idealismo absoluto: Doutrina idealista inerente ao hegelianismo, caracterizada pela suposição de que a única realidade plena e concreta é de natureza espiritual, sendo a compreensão materialística ou sensível dos objectos um estágio pouco evoluído e superável no paulatino desenvolvimento cognitivo da subjectividade humana, podendo aprender a voar, soltar técnicas especiais com o seu KI, se transformar num Super Saiyajin, ou simplesmente ter o poder dos elementos da natureza, isso depedendo de tão drogado que estejas.

Idealismo dogmático: Idealismo, especialmente o berkelianismo, que se caracteriza por negar a existência dos objetos exteriores à subjetividade humana [Termo cunhado pelo filósofo alemão nazista Immanuel Kant (1724-1804) para designar uma orientação idealista com a qual não concorda.], não é a toa que eles pensavam que os judeus sejam Pedobearns que roubavam os seus menininhos de noite.

Idealismo imaterialista: Idealismo defendido por Berkeley (1685-1753) que, partindo de uma perspectiva empirista, na qual a realidade se confunde com aquilo que dela se percebe, conclui que os objetos materiais reduzem-se a idéias na mente de Deus e dos seres humanos; por exemplo é você ficar feito uma besta sobre um mar e tentar faze-la dividir em duas partes pensando que você sejas o Moisés.

Idealismo transcendental (também chamado formal ou o chato que nunca se contenta com nada): Doutrina kantiana, segundo a qual os fenômenos da realidade objectiva, por serem incapazes de se mostrar aos homens exactamente tais como são, não aparecem como coisas-em-si, mas como representações subjectivas construídas pelas faculdades humanas de cognição. Seu oposto seria o idealismo dogmático. Mas por fim, todos são uns bando de drogados, então ignore-os e siga o seu próprio idealismo.