Império do Brasil

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


●Brasil Episódio V: O Império Contra-Ataca
●Reino Unido do Pau-Brasil com café e biscoitos
●Brasil

Bandeira do Império do Brasil (1822-1889).png
Bandeira
Lema: Sai pra lá Paraguai
Hino: Chega de Saudade
Mapa brasil.jpg
Império Brasileiro em seu auge
Capital Rio de Janeiro
Língua Latim
Tipo de Governo Eclesiástico Ditatorial
Imperiador de Pedro I a Pedro II
Moeda mirréis
População 14 milhões de súditos
Cquote1.png Você quis dizer: Brasil Fodão? Cquote2.png
Google sobre Império do Brasil

Cquote1.png O império contra-ataca Cquote2.png
Star Wars sobre Império do Brasil
Cquote1.png Intendência de morte!!! Cquote2.png
D. Pedro I sobre Império brasileiro
Cquote1.png o RLY? Cquote2.png
Militares brasileiros sobre citação acima
Cquote1.png Acho que eu vou lucrar mais sendo imperador nesse país imenso do que naquela merda adoradora de bacalhau e vinho Cquote2.png
D. Pedro sobre Império do Brasil
Cquote1.png ZZZZzzz! Cquote2.png
D. Pedro II sobre Império do Brasil
Cquote1.png Agora é tudo meu Cquote2.png
Deodoro da Fonseca sobre Império brasileiro
Cquote1.png Vai tomar no cu seu traidor Cquote2.png
D. Pedro II sobre citação acima

Brasil Império foi o período em que o país foi colonizado pelos imperadores D. Pedro Vader I e seu filho.

Vinda da Corte e Independência[editar]

Pra começar, a corte não veio pro Brasil porque gostava do país, claro que não. Eles estavam com medinho da Napoleão Bonaparte, depois que ele criou o Bloqueio Continental, como uma forma de arrasar com as pretensões econômico-político-sexuais dos pupilos da Rainha. E como D. João VI era um bundão que ficava sempre do lado que ganhava, teve que fugir, pois fechava com os manos da Inglaterra.

Napoleão gostava de criar inimigos, pois achava que sua marinha era tão forte quanto a zaga do Fluminense. Então, em 1806, ele instaurou o tal bloqueio. Qualquer um que tivesse alguma relação sexual comercial com a Inglaterra, seria exterminado, pulverizado e sodomizado. Isso afetou diretamente Portugal.

Pressionado pelos brasileiros e pelos negões, em 1808, D. João teve que assinar a abertura dos portos às nações miguxas, tornando o Brasil uma colônia da Inglaterra. Era o fim do Pacto Colonial, agora o Brasil era independente... Independente para fazer compras e ser mais uma marionete nas mãos dos britânicos.

Deixar o Brasil nas mãos da Inglaterra irritou muito os portugueses, pois eles nunca iriam querer que certo país de língua inglesa dominasse o mundo. Mas mesmo assim, D. João teve que selar o compromisso com aquele país e assinar mais uns 20 tratados dando total liberdade aos britânicos a virem até aqui, roubar nossas mulheres, matar nossos escravos, tomar nosso dinheiro, dominar nosso mercado, e outras coisas simples e cotidianas. Mesmo fodendo com todo mundo e matando geral na Revolução Pernambucana, os dissidentes lusitanos não ficaram satisfeitos com D. João e organizaram uma festa em sua homenagem para dizer o quanto o amavam.

Em 1815, o Brasil foi elevado a Reino Unido da Grã-Bretanha de Portugal e Algarve. Como Portugal não unia nada, são burros como o Flamengo, o país estava mais dividido que nunca. Cinco anos depois, a Revolução do Vinho Porto implantou a monarquia já existente no Brasil e D. João fugiu voltou a Portugal. Aqui no país deixou seu filho da puta, D. Pedro, que foi intimado duas vezes a voltar, mas como gostava muito das morenas desse lugar, proclamou o dia do Fico e em setembro, ao saber que uma delas estava grávida, gritou independência ou morte, caralho!

O Primeiro Reinado[editar]

Ninguém queria deixar o poder na mão de um fanfarrão como o D. Pedro I, o cenário político no primeiro Reinado foi marcada pela disputa da conquista de territórios brasileiros. O primeiro combate entre as filosofias políticas ocorreu na criação da constituição de 1824. Durante o ano anterior, as disputas pelo poder foram inúmeras, enquanto a burguesia queria que quem mandasse fosse os ricos o povo, a monarquia portuguesa queria cada vez mais poder. O fim da picada foi a noite da agonia:

Cquote1.png Sou eu que mando nessa porra! Cquote2.png
D. Pedro sobre Império do Brasil

Ele acabou com a constituinte, fechou o parlamento e agiu com as próprias mãos. Mas para espairecer, D. Pedro ia todas as noites para a Lapa, dar umas lapadas nas moças de lá.

A reação quanto à única atitude máscula de D. Pedro I em sua vida foi intensa. Em 1824, os revolucionários já queriam o Brasil livre daquele monte de bosta adoradora de bacalhau, então fizeram a Confederação do Equador. Claro que não conseguiram livrar o Brasil sendo chefiados pelo frei Caneca, que foi morto. Os intrometidos reconheceram o Brasil livre no mesmo ano, mas Portugal só veio a se livrar dessa pica depois que viu a dívida externa brasileira. Em seguida, D. Pedro perde o Urugay e percebe que todo mundo o odeia.

Em 1830, numa suruba no Palácio do Imperador na Tijuca, ocorreu o assassinato de um playboyzinho de merda e isso fez o povo brasileiro e português não tolerar mais D. Pedro I. Aos 7 de abril de 1831, ele pede pra sair em favor de seu filho: Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga.

Período Regencial[editar]

Padre feijão Feijó, o regente da feijoada

Cquote1.png Você quis dizer: bagunça? Cquote2.png
Google sobre Período Regencial

Esse foi o período mais favelado de todos. Ninguém queria deixar o povo as pessoas corretas no poder. Enquanto tínhamos gente querendo a volta de Dom Pedro, outros estavam cagando e andando pra ele. Houve várias transformações: o Partido Português se transformou em “Caramuru” e queria que Dom Casmurro Pedro voltasse. O Partido “Brasileiro” se dividiu que nem o Flamengo e o Fluminense: Farroupilha e Chimango, um contra e outro a favor da centralização política. Mas quem mandava na real era a Inglaterra mesmo. A Regência Trina criou a Guarda Nacional, mais uma tentativa falida de organizar essa merda. A Constituição foi reformada e D. Pedro I continuava em Portugal, até que morreu.

Império do Café[editar]

O café foi introduzido no Brasil no início do século XVIII, e de repente, se tornou a maior fonte de renda do Brasil no mercado internacional, como uma forma de mostrar que só as coisas pretas davam lucro ao Brasil.

O café fez o sucesso assim, pois no sudeste a terra era boa, ainda mais no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde não só a terra, mas outras coisas também são muito boas. Em São Paulo destacou-se o café pela terra roxa, numa tentativa de falar rossa em espanhol. Mas, como os paulistas são burros, pensaram que era terra roxa.

Uma das principais colaborações desse produto para o Brasil, além de noites de insônia e dinheiro gasto na boate, foi a ajuda no fim do tráfico de manos negros da África para o Brasil, substituindo os escravos pelos italianos mal-qualificados e desempregados quase a ponto de mandar suas mulheres e filhas irem trabalhar como prostitutas.

Em 1844, a Inglaterra começa a perder seu principal roubo: foi criada a Lei Alves Caucasiano, que extinguia as taxas alfandegárias favoráveis aos ingleses. Na sua cara, Elizabeth.

Finalmente o Segundo Reinado[editar]

Dom Pedro II muito entusiasmado com o seu reinado

Mesmo com todas essas conquistas, os portugueses queriam voltar, e dessa vez: O IMPÉRIO CONTRA-ATACA. Com quase duas revoluções republicanas por mês, os regentes estavam ocupados demais em Pernambuco matando dissidentes holandeses e nem perceberam a burrada que fizeram: aprovaram a maioridade de D. Pedro II e agora ele volta ao trono mais gordo dorminhoco poderoso do que nunca.

Durante o Segundo Reinado, a monarquia se acomodou e esqueceu que tínhamos muitos, mas muitos escravos trabalhando nas nossas fazendas. Começava a luta pela abolição da escravatura. Enquanto isso, D. Pedro II se envolvia em guerras contra a Argentina e brincava de aumentar nossa dívida externa. É por isso que até hoje o Framengo não tem dinheiro.

A abolição da Escravatura[editar]

Claro, a principal responsável pela abolição da Escravatura você já sabe, foi a Senhorita Morello Princesa Isabel. Bom, qual mulher não ama um negão livre? Quanto maior o negão melhor. Era assim que pensava a filha do Imperador. Ela andava pelo pátio do palácio até que viu um escravo se exercitando ao levar três toras de madeira ao mesmo tempo para construir um banheiro. Ela disse:

Cquote1.png Nossa, que pau enooooooooorme, como você consegue carregar tudo isso? Cquote2.png
Princesa l Isabel fala para Escravo

Cquote1.png Motumbo, kuaná, akauí atá. Cu atê pau, macu-lêlê. Cquote2.png
Escravo fala Princesa Isabel.

Depois disso a Princesa tentou criar várias leis para libertar os negões:

  1. Lei do Ventre Livre: Os escravos que nascessem agora eram livres, ebaaaaa. Livres para irem pra floresta sozinhos sem seus pais.
  2. Lei dos Sexagenários: Não, não tem nada a ver com sexo. Os escravos velhos poderiam sair da senzala. Se chegassem a essa idade.
  3. Lei Áurea: Agora os negros não são mais vistos como escravos, só como bandidos, favelados, pretos, ladrões, etc.

A proclamação da República[editar]

Esse é o Tio1.jpg, que não tem nada a ver com o Império do Brasil

Depois de acabar com a última fonte de renda do país, a Princesa Isabel percebeu que traiu o movimento caucasiano, todo mundo ficou boladão, cheio de ódio dela, da família real e principalmente daquele Imperador de merda que não fazia nada. Movimentos foram crescendo, e crescendo, até que perceberam que com a monarquia não daria dinheiro pra burguesia Pátria amada Brasil. Militares, positivistas e outros puxa-sacos conseguiram fazer a cabeça do Marechal Deodoro da Fonseca. Até então, Deodoro era como uma irmã pro Imperador. Com tudo marcado para o dia 20 de novembro, o Marechal Deodoro percebeu que as coisas estavam calmas demais. Até que um major de merda baderneiro espalhou o boato de que Deodoro e Constant seriam presos e enjaulados com os escravos. Temendo que lhe tirassem a honra, Deodoro se adiantou, e em 15 de novembro de 1889 expulsou a família real antes que lhe pegassem e deu o poder à burguesia. O Brasil se tornava uma ditadura república e era criado mais um feriado.

Ver também[editar]

v d e h
Estados Extintos