Inglaterra

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Fatos.png
Conheça os fatos sobre Inglaterra


●United Fuckdom
●The Commonweath of the British Islands
●Reino Unido da Grã-Bretanha (Inglaterra)

Bandeira da Inglaterra.png England 030206b.GIF
Bandeira Brasão
Lema: Put a keep are you!
Hino: God fuck the Queen - Sex Pistols
Perfect Europe.jpg
Capital Londres
Maior cidade Londres
Língua Inglês (escrito) e Inglês medieval (falado)
Tipo de Governo Monarquia Jurássica Inconstitucional
velha e o seu pega pau Elizabeth II e Theresa May
Heróis nacionais Bono Vox Iron Maiden, Rei Arthur, Robin Hood, Sex Pistols, Jack Sparrow, Sherlock Holmes, David Beckham, Paul McCartney, James Bond, Noel Gallagher e Kate Bush
Independência Conquista Unificação no século IX
Moeda Libra (Vale muito mais que o Dolár!!)
Religião Protestantismo e Crendice
População 49.000.000 de hereges
Área 75.765 m³ (100% de água)
Analfabetismo 0,1%
PIB per Capita 200.000 USD/hab.
IDH 0.94
Fuso Horário 0
Clima Chuveiristico.
Site do Governo Onde a Inglaterra manda
Cquote1.png Mamãe!!! Cquote2.png
Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia sobre Inglaterra

Cquote1.png Um dia os EUA vão estar ocupados com outra coisa mais importante, e ai nós te pegamos! Cquote2.png
Alemanha sobre Inglaterra
Cquote1.png Nosso 24º estado mais rico, mas vamos deixá-los brincar de Idade Média mais um tempinho... não terrr petróleo naquela merrrrda mesmo... Cquote2.png
George W. Bush sobre Inglaterra
Cquote1.png God fuck the Queen Cquote2.png
Sex Pistols sobre Rainha da Inglaterra
Cquote1.png Hanging on in quiet desperation is the english way Cquote2.png
Pink Floyd sobre os ingleses
Cquote1.png Filhos da puta! Cquote2.png
235 povos com problemas com ingleses, principalmente argentinos, irlandeses, franceses, chineses, africanos e ex-colonizados em geral sobre ingleses
Cquote1.png A sorte deles é estarem numa Ilha e, como nem Napoleão nem Hitler gostavam de água já viu né... Sobrou para gente. Cquote2.png
Russos sobre Inglaterra
Cquote1.png The sensation is good, but the movement is quite pathetic. Cquote2.png
Inglês sobre Sexo
Cquote1.png Fica perto de Feira de Santana Cquote2.png
Bira sobre Inglaterra
Cquote1.png "Trabalhe e ganhe dinheiro legalmente na Inglaterra" Cquote2.png
Pegadinha de alguma agência de intercâmbio sobre Inglaterra
Cquote1.png Essa aí eu não encaro não... Cquote2.png
Lancelot sobre a atual Rainha da Inglaterra

Inglaterra é um país da Europa fundado pelo Rei Arthur, um bruxo louco chamado Merlin e mais um bando de bárbaros, que se pintavam de azul e tinham porretes e arcos e flechas nas mãos e é claro, os dentes podres. Atualmente, quem pensa que manda lá é Elizabeth, uma das ex-amantes de Robin Hood, que já está no trono desde o século XIV. Porém, ela está lá apenas para enfeitar (ou nem pra isso, já que a cara não ajuda muito), pois quem manda e desmanda mesmo é o Tony Blair David Cameron.

História[editar]

Pré-história[editar]

Esquema da teoria mais aceita da construção do Stonehenge.

Na antiguidade a Inglaterra era habitada por um grupo de celtas druidas, bruxos, magos que graças à ajuda alienígena construíram Stonehenge e Avebury.

Domínio romano[editar]

Nem os romanos que chegaram ali no ano de 43, loucos como eram por praticar o esporte de invadir e ficar cagando na casa dos outros aguentaram ficar naquela porra de ilha por muito tempo. Principalmente depois de queimarem as florestas de toda aquela merda incluindo a Escócia pré-Whisky/monstro do Lago Ness e País de Gales. O objetivo da queima de todo aquele mato, não foi só pra foder com a guerrilha nativa que combatia contra o Império Romano, mas principalmente para plantar grama naquela joça toda e transformar a ilha num grande campo de férias e recreação do exército Romano para as práticas de futebol, golfe, cricket, bolinha de gude e cuspe à distância, entre outras modalidades que os Romanos já havia surrupiado de outros povos e rebatizado como suas invenções (hábito aliás que os ingleses copiariam destes à exemplo da grama, do imperialismo, e do futebol). Além do que, o fumacê oriundo da queima de todas as florestas da ilha, na mistura dos gases de todas as plantas, dava um barato inigualável por qualquer erva, como relataram navegantes jamaicanos que passaram pela ilha durante o processo.

O problema foi o efeito colateral dessa queima. Devido à mudança de clima, causada por esta cagada monumental este "projeto esportivo", que mudou drasticamente o clima da Ilha, transformando-a num imenso chuveiro natural ( daí a expressão "chuveirinho" no Futebol Inglês ), em que chove dia sim, dois dias também e quando não chove não se enxerga um palmo a frente do nariz nem pra achar um copo e encher a cara pra esquecer aquela merda toda; decidiram os Romanos abandonar tal projeto, a ilha em si, largando tudo na 1ª oportunidade, ou seja no 1º dia de sol que desse pra navegar de volta ao continente, coisa que só aconteceu dezenas de anos depois de tomada a decisão de deixar aquele lugar.

Invasões vikings[editar]

A Inglaterra bárbara.

Poucos séculos e muito anos depois de Arthur, o Corno como assim o chamava Sir Lancelot (o que prova que não se deve confiar nem nos amigos), a Inglaterra foi vencida fragorosamente pelos Guerreiros Vikings que gostavam de estuprar constantemente a ilha mas só pra tirar sarrinho, porque 'casar que é bom' nem pensar. Porém dessa vez liderados pelo lendário Eric, Vermelho, tinham vindo pra ficar em definitivo. No entanto, assim que Eric viu do que tomara posse decidiu que era melhor estar morto e... morreu.

Inglaterra normanda[editar]

Após os Vikings vieram os Normandos, o MST da época que, de tão fodidos e mal pagos, não tendo pra onde ir ficaram naquela merda de ilha mesmo. Curraram todos os ingleses, inglesas e inglesinho(a)s e tomaram conta de tudo.

Guerra dos 100 anos[editar]

Como senhores da Inglaterra, ao se lembrarem que tinham sido chutados da França e mal recebidos na Inglaterra decidiram se vingar de ambos, invadindo a França e começando a Guerra dos 100 ânus (uh la la mon cherry), que não teve 100 anos como a crença popular afirma, mas teve pouco mais de 116 ânus, e de quebra aumentando e mantendo uma rivalidade que perdura até hoje.

Henrique VIII[editar]

Muito depois, um belo dia apareceu um rei louco mas que não era bobo chamado Henrique VIII, que se casou com uma princesa espanhola. Com o tempo, porém, a espanhola embarangou e Quinho ficou de saco cheio dela: quis dar-lhe um pé na bunda, mas a igreja não permitia. Então ele se separou da igreja católica e dos demais comedores de pizza de Roma, fundando o Anglicanismo (religião que mistura suruba com alcoolismo), e pôde enfim se livrar da mulher.

Depois ele arrumou outras 54 esposas, muitas das quais acidentalmente morreram degoladas, mas isso é outra história. O que interessa é que graças a Henrique VIII (os outros 7 henriques nunca fizeram nada que prestasse) a Inglaterra adotou o sistema de veneração da família real, um fenômeno que existe até hoje e que nem eles mesmos entendem porque adoram a família real.

Colonizações[editar]

Bandeira brasileira durante a colonização britânica.

Num país em que roubar é um ato honroso (o herói nacional é Robin Hood), os ingleses viviam só do que conseguiam tirar de outros povos. Por isso, por volta do século XVI, a economia nacional vivia somente à base do que os piratas conseguiam saquear dos navios que vinham da América. Mas, ambiciosos, os ingleses então também resolveram roubar diretamente no Novo Mundo. Os espanhóis, que já estavam lá, ficaram putos, é claro. Acabou saindo uma guerra: o vencedor ficaria com todo o ouro das Américas. Mas como os espanhóis na cabeça só tem topete e nada de cérebro (além de serem azarados, porque suas naus foram pegas por um vendaval muito forte), a Inglaterra mais uma vez teve a Queen salva pelo God e ficou com todo o ouro, se tornando o país mais rico do mundo.

Com a grana roubada, os ingleses construíram a mais poderosa força naval do planeta, a Royal Navy (tradução: "Marinha Real de Sua Majestade o Rei ou Rainha, depende das circunstâncias"). Os piratas, que já eram os maiores heróis nacionais, foram profissionalizados, embarcou nos navios da Royal Navy como marujos, para assaltar o mundo. Por conta disso, ao longo dos séculos XVII até XIX, os ingleses conseguiram pôr a mão em diversos territórios e bolsos alheios nos cinco continentes.

Revolução Industrial[editar]

Com o dinheiro das extorsões vendas de seus produtos, os ingleses incrementaram o relógio de seu parlamento com tentáculos fogos de artifício roubados de sua colônia China.

Estes novos assaltos renderam ainda mais grana. Então, com ela, os ingleses passaram a construir máquinas (que haviam sido criadas por franceses, alemães ou americanos), para fingir que faziam alguma coisa decente, porque esse negócio de só ficar roubando assim, na cara dura, já estava pegando mal. Para disfarçar, disseram que as máquinas serviam a uma tal de "revolução industrial" e inventaram o capitalismo - onde continuaram roubando escandalosamente, mas agora com um certo english style de extorsão.

Devido à já citada falta de criatividade e mau gosto dos ingleses, as tais máquinas só serviram para fabricar coisas inúteis ou desagradáveis (ou ambos), como bastões de críquete (para dar porrada em irlandeses), chapéus-coco; raquetes de tênis, taco de golfe madeira nº 4, romances de Jane Austen, desengomadores de colarinho, grama artificial, tablóides sensacionalistas, roupinha de caçador, Beatles, reis rainhas e príncipes mimados com cara de bunda sempre metidos em escândalos. Com toda esta tralha se acumulando na ilha (e tirando o espaço para plantar grama, pela qual eles têm uma inexplicável adoração), eles resolveram exportar seus "produtos" industriais. Ninguém queria estes "produtos", mas nem assim os ingleses perdiam dinheiro: quando algum país se recusava a comprar essas merdas, eles enviavam os navios da Royal Navy para lá e forçavam os caras a pagar. Portugal por sua vez era o melhor comprador da Inglaterra e por causa disso os portugueses são falidos até hoje. Todo mundo perdeu grana para os ingleses neste período (os únicos que se deram bem foram os suíços, que não têm mar) por isso a Europa inteira odeia a Inglaterra.

Quando finalmente inventaram algo que prestasse (o futebol), os ingleses ficaram muito satisfeitos, mas logo depois ficaram chateados ao constatar que qualquer estrangeiro (mesmo pigmeus de Papua Nova Guiné) jogavam muito melhor que eles. E tiveram que esperar até 1966 para poder, enfim, comprar conquistar uma Copa do Mundo. Roubada, é claro. Em 2014, os ingleses fizeram uma apresentação de futebol na copa tão lixo quanto o Brasil.

Segunda Guerra Mundial[editar]

Inglaterra após a Alemanha ter dado um passeio por lá. Até as cores foram devastadas.

No século XX surge um lunático que tinha meios suficientes pra invadir a Inglaterra. Contudo, durante a Segunda Guerra Mundial, após tomar a França, vendo que a conversa de Churchill de...

Cquote1.png ...não haveremos de ceder nem fracassar. Iremos até o fim: ...lutaremos nos mares e oceanos ...jamais nos renderemos, e mesmo que ...esta Ilha ...seja subjugada e esteja passando fome, nosso Império de além-mar, armado e guardado pela esquadra britânica, continuará a lutar até que, quando Deus quiser, o Novo Mundo, com toda a sua força e poderio, se ponha em marcha para socorrer e libertar o Velho... Cquote2.png

...era séria, papo-reto; Hitler que não estava a fim de ficar brincando de esconde-esconde com Churchill pelo resto do planeta, decidiu que não valia a pena tomar aquela ilha chuvarenta, de cerveja quente, mulheres feias e gordas, tablóides sensacionalistas cheios de viados fazendo fofocas de celebridades, reis, rainhas, principes, princesas, todos os dias e gastronomia terrível. Então pra tentar intimidar, tentando ganhar a guerra só na pressão, mandou a Schutzstaffel bombardear Londres e outras cidades inglesas, diariamente pra ver se os ingleses pediam água. Mas meses e muito bombardeiros alemães com suas respectivas tripulações depois, os ingleses nada de desistir. Foi quando percebeu que Stalin estava chegando por trás (ui), devagarinho, como quem não quer nada, e decidiu trocar a Inglaterra pela União Soviética como alvo, até porque pra chegar em Moscou, pensou ele (que odiava avião e principalmente barco), dava pra ir de trem ou limousine. Assim, com Hitler não contente com a possibilidade de apenas despejar Churchill e os ingleses da ilha, sem obter a rendição deles (que já avisavam, iriam continuar a perrenga de outras partes do Império Britânico), mais a entrada da União Soviética, depois os Estados Unidos, e até do Brasil na briga contra a Alemanha e seus aliados, os ingleses finalmente puderam soltar o cu da mão, e cagar aliviados, porque apesar de ter passado raspando, tinham se livrado de mais essa. Assim, puderam continuar com sua gastronomia terrível, mulheres feias e gordas, cerveja quente, tablóides sensacionalistas, por mais tempo... que dura até hoje.

Guerra dos dentes Podres Punks seguidores de Stalin e Oscar Wilde[editar]

Nos anos 70' um bando de retardados, amigos de Oscar Wilde, resolveram fazer uma guerra porque estavam cansados de chorar, ver tempo chuvoso, mulheres feias e gordas e péssima gastronomia, então montaram armaduras de couro com espinhos de metal (segundo Clodovil ficaram muuuuutio bre-gás!) e pegaram suas guitarras e sua falta de talento musical e fundaram o Movimento Punk, com pactos satanistas imaginários drogas e putaria. Com sua maior arma, a falta de noção, foram liderados pelos Sex Pistols que foram sucedidos pelos Punks de moicano cor de rosa os Gayks.

Nessa guerra totalmente sem sentido (como tudo no movimento punk, incluindo a música) os punks expulsaram todos os dentistas, bixinhas e indies do Reino Unido. Mas a rainha da Inglaterra, aliada de Adolfinho e dos Smurfs conseguiram vencer os punks com uma bomba de sabão, granadas de desodorante e uma boa dose de Música Erudita, e ainda usando sua arma ultra-secreta inventada pelo MI-6: comida terrívelmente ruim, capaz de derrubar qualquer invasor.

Mas os dentistas e a pasta de dente não foram salvos da ira dos Sex Pistols e nunca mais foram vistos. Nem a péssima comida foi capaz de derrubá-los, pois, como o MI-6 não suspeitou, eles se alimentavam de capim.

Fatos recentes[editar]

Os ingleses atualmente inventaram o Monty Python e provam de sua própria incompetência por hoje serem mais pobres que sua ex-colônia Estados Unidos, o seu papel hoje no mundo é apenas pagar pau para os americanos e fazer tablóides sensacionalistas.

Política[editar]

Um parlamentar inglês e todo o seu glamour. Motivos de orgulho.

Não se sabe como algumas leis foram criadas (e aprovadas). A legislação britânica está cheia de exemplos bizarros, que continuam em vigor, pra inveja ao Congresso Nacional Brasileiro.

  • É proibido morrer no Parlamento britânico.
  • É considerado ato de traição colar um selo da rainha de cabeça para baixo.
  • Em York, pode-se matar um escocês dentro dos muros da velha cidade, apenas no caso de ele estar carregando arco e flecha.
  • Em Londres, quem tiver peste bubônica não pode chamar um táxi. E um taxista não pode transportar um cão raivoso nem um cadáver em seu carro.
  • A cabeça de qualquer baleia encontrada na costa britânica é propriedade do rei; o rabo, por sua vez, é da rainha.
  • É obrigatório pelo menos uma vez na vida (ou sempre que puder) beijar o chão pisado pela rainha (imitação na religião).

Geografia[editar]

A Inglaterra é dona de todas as ilhas do mundo devido ao tratado que fizeram com Deus, em troca teriam que ser a terra natal das Girls Aloud e das Spice Girls, além de terem dentes irremediavelmente malcuidados, um alimentação apenas de batatas e a maior população de mulheres feias do mundo.

Alguns acreditam que a verdadeira localização do país Klingon é na sua face sul da Inglaterra. Os castelos sempre cheiram a mofo em Londres, também tanta chuva...

Subdivisões[editar]


A Inglaterra é subdividida em 9 regiões, sem contar as Ilhas Falkland. Devido à falta de criatividade nos nomes, as regiões chama-se Norte, Sul, Leste, Oeste, Sudeste, Nordeste, Noroeste, Sudoeste e Centro.

Clima[editar]

A ilha é um imenso chuveiro natural (daí a expressão "chuveirinho" no futebol) em que chove dia sim, dois dias também e quando não chove por causa da neblina não se enxerga um palmo a frente do nariz nem pra achar um copo e encher a cara pra esquecer aquela merda toda.

Economia[editar]

A base atual da economy inglesa é a exportação de bandas de Indie-rock, que em sua maioria disponibilizam as músicas e álbuns na Internet, pois ninguém iria comprar mesmo. Aliado a tal prejuízo, eles importam muito chá, pois ninguém em sã consciência conseguiria viver num lugar destes sem poder viajar.

As semi-falidas confecções inglesas só conseguem manter suas portas abertas porque estão falsificando as mundialmente reconhecidas casimiras de Taubaté.

População[editar]

Esse tipo de inglesa acaba sempre ficando com os escoceses.

Quando nasce um inglês há muita festa, porque é um acontecimento muito raro: o intercurso sexual entre dois indivíduos da mesma espécie (humana) e de gêneros diferente é raríssimo por lá. Mais raro ainda que seja um intercurso bem sucedido. Além disso, esse fenômeno só é registrado no verão (que, na Inglaterra, este ano caiu dia 3 de junho). O mais comum é o contrário - isto é, o contato entre indivíduos do mesmo sexo e de espécies diferentes. Exemplos: Elton John e o Big Ben; príncipe Charles e Camila Bowles.

Ainda muito jovem, quando atinge a idade de 3,87 pés e 4 pence, o inglesinho deve optar pelo seu "lifestyle", algo que vai definir o seu futuro para sempre. As suas únicas opções de escolha são:

( ) “Ladrão” (também são válidas as opções “pirata”, “batedor de carteira” etc)
( ) Corno gay
( ) Homossexual, pentasexual, pansexual, Boy George (etc)
( ) Todas as alternativas anteriores.

Quem não quiser optar por nenhuma das possibilidades é enviado para a Marinha Real de Sua Majestade a Rainha, onde acabará virando naturalmente uma, duas ou as três coisas.

Para os que estudam em Ethon, há as possibilidades de ser ladrão, corno ou viado, mas com o tratamento de “sir”. Em termos práticos, o título de “sir” não significa porra nenhuma. Mas os ingleses dão muita importância a ele. Afinal, serve para diferenciá-los nas multidões. Por exemplo, se alguém, no meio da torcida do Hertwshamforestshireham gritar “Ô, viado!”, receberá a resposta num coro de milhares de vozes supostamente masculinas (“What?!”) Mas se você chamar pelo “Sir viado!”, só responderão uns três ou quatro.

Escolhido o que quer ser da vida, o inglês passará o resto da vida bebendo até as 22h nos pubs enquanto assiste o jogo de futebol do seu time preferido – como o Chaterburgshireham City, por exemplo – para, no “final da noite” ir para cama com um amigo da torcida, depois de bater sua carteira.

Cultura[editar]

Os emos nasceram na Inglaterra (é só reparar no hairstyle deles).

Os ingleses são muito pouco criativos e não sabem resolver problemas. Por isso, quando tem algum problema ou precisam de alguma coisa, eles tomam dos outros.

Num país em que roubar é um ato honroso (o herói nacional é Robin Hood), os ingleses queriam ter dinheiro mas não queriam trabalhar. Então resolveram roubar o ouro que os espanhóis roubavam da América. A coroa lançou o concurso “Seja um nobre você também” e milhares de aventureiros se lançaram à pirataria. Os 10 maiores ladrões ganharam o título de “sir” e assento (com pino de segurança) na Câmara dos Lordes. O campeão foi Sir Francis Drake. O segundo, cujo nome ninguém lembra mais, o primeiro presidente da FIFA.

O futebol é a religião da Inglaterra, além disso tem o rúgbi onde vários ‘parrudos’ sem armadura se agarram atrás de uma bola, além é claro da grande tradição do chá das 5, onde de tão variados gostos, os mijos podem sair diferentes.

Outras peculiaridades culturais desse amável país são:

  • Povo bravo, é na Inglaterra que foram inventados o soco inglês, o rifle, o tamanco e os Hooligans.
  • Lugar onde as mulheres pensam e agem como homens, e os homens pensam e agem como mulheres.
  • Na Inglaterra os dentistas foram banidos, por isso toda população tem os dentes podres, exceto a rainha que usa dentadura.
  • Humilham sempre argentinos, franceses, alemães, espanhóis, italianos, suíços... Em todas as guerras que disputa, mas só depois que elas acabam, afinal, não têm coragem de enfrentar ninguém cara a cara, só na trairagem - por isso, para não terem de correr o risco de saírem derrotados de nenhuma contenda, acabaram inventando uma figura que decidisse quem ganha: o rei, mas que hoje é chamado de reeferee ou árbitro. Há uma variação moderna de nível global chamada OMC.
  • O futebol inglês é ruim até na Inglaterra.
  • É o país que mais tem emos no mundo, pois é lá onde nasceu o emocore.
  • A Inglaterra é o local que possui os times mais ‘curiosos’ do mundo, os quais: Um realiza surubas entre seus atacantes, outro é o maior freguês de sulamericanos da historia do futebol, outro possui apenas um jogador inglês e um monte de franceses e por último um mafioso que tem como objetivo contratar todos jogadores do mundo, para finalmente, poder vencer todos times por W. O e ser finalmente campeão da Champions League.

Idioma[editar]

Você sabia que tem que aprender a língua inglesa obrigatoriamente nas escolas (como o resto do mundo,tirando o Brasil onde "ais pessuas iscreven açin") e que eles não aprendem nenhuma coisa de qualquer outra língua (se perguntar quantos idiomas existem a um inglês ele contará só com a língua dele). Não sabem falar inglês nem que seja com sotaque americano, tem que falar ou eles o obrigaram a falar inglês fazendo-se de burros com você, já que eles serão sempre mais importantes que todos (as mães deles tem os cus pintados de ouro branco).

Eles ainda te obrigam a saber palavras locais. Em Londres se você falar "underground" ou "subway" para se referir ao metrô, os londrinos te olham torto e te corrigem, dizendo que é para falar "the tube".

O idioma inglês é uma língua tão (sub)desenvolvida, vejam isto: I eat, you eat, he she, it eat's, we eat... Tradução: Eu comer, tu comer, ele comer, nós comer... Parecem aquelas falas dos ogres nos desenhos animados "huga buga mim comer isto".

The gay is on the bed?[editar]

So you must fuck him

And Now for Something Completely Different

Somethingcompletelydifferent.jpg

Em virtude da homossexualidade (latente ou explícita), todo inglês se sente meio corno, senão de fato, de direito. A mítica nacional tem como símbolo maior o rei Artur: sentou no trono por acidente, tinha um mágico como ajudante, e casou com "aquela vagabunda" da Guinevere, que o traiu, dando uns pegas no Lancelot (que era francês), por quem o Arthur era apaixonado e com quem mantinha um caso.

A lenda criou o "complexo de Artur", que acomete a toda a população inglesa de forma endêmica e que resulta no chamado "Paradoxo de Albion": "Se não sou corno sou gay, se não sou gay sou corno". Otelo é o personagem que melhor ilustra esta característica.

Essa paranoia com a cornice faz com que os ingleses, com medo de serem viadinhos, tenham profundo horror às mulheres. Envolver-se com elas significa grandes perigos. A própria “moral shakespeareana” (Shakespeare também era “uma bichoooona”) é sustentada neste axioma em que “mulher, melhor evitá-las”. Senão, vejamos o resumo dos principais roteiros do bardo gay:

  • "Rei Lear": o cara tá de bola toda, mas a porra da mulé enche o saco dele e ele faz merda;
  • "Romeu e Julieta": Se meter com mulher dá em tragédia;
  • "Hamlet": emo fica tristinho porque não vai sentar no trono e coloca purpurina na comida de todo mundo;
  • "Henrique V": numa história sem mulheres e com homens viris, o fim é sempre glorioso;
  • "Sonhos de uma noite de verão": homens e mulheres heterossexuais britânicos se pegando no "verão"... só poderia ser "sonho" ou comédia.

Não impressiona que essas histórias de viadinho tenham feito tanto sucesso por lá.

E só para lembrar: ainda no terreno da ficção, as maiores mentiras no filme de James Bond não estão nos artefatos malucos que ele carrega (avião de bolso, isqueiro com raio laser, submarino de papel, vibrador digital etc) mas no fato de o personagem principal ser um "inglês que gosta de mulher" (for God's sake!).

O ódio inglês por brasileiros[editar]

Um celular inglês.

Os ingleses, assim como os franceses, recebem os brasileiros em seu país, da mesma forma que recebem os Poloneses e qualquer pessoa que não seja branca (caucasiana), cristã e/ou ocidental, na base da porrada e do chumbo, ou seja, para um brasileiro, o Iraque é mais seguro do que a Inglaterra. A desculpa que os ingleses dão é que brasileiros são parecidos com terroristas, são burros, destroem os valores cristãos (Você acha que o Brasil aprendeu a ser Estado Laico só no nome com quem?) e ainda tem que terminar de pagar as dívidas que fizeram no 7 de Setembro de 1822 com o Reino Unido.

Até a Scotland Yard, famosa agência de investigação inglesa, conhecida mundialmente por resolver casos sem usar armas, usa armas contra brasileiros. Talvez pelo sopapo que levaram mesmo com um homem a mais na Copa de 2002...

Até mesmo vagas de emprego para os Brasileiros no Reino Unido é pior do que para um Refugiado sírio. Afinal de contas, na Síria o país foi bombardeado e nós temos dividas históricas.

A resposta brasileira[editar]

O governo HUEHUEHUE BR criticou a forma e tentou praticamente resolver isso. Mas simplesmente os Ingleses só negociarão com Jair Bolsonaro, representante principal da Igreja Evangélica no Brasil (E possível espião Britânico).

Agora simplesmente quando um bretão vem pro Brasil, temos que praticamente tratar ele e seus produtos super perfeitamente, afinal de contas, temos dívida com eles até hoje (Mas como caralhos não vieram tirar Ronald Biggs, mesmo que fosse a força?)

Unidades de medida[editar]

Na Inglaterra e em outros países de língua inglesa, como os EUA, as pessoas nunca ouviram falar no metro e seus derivados; eles usam as próprias jardas, polegadas, braçadas, linguadas e o diabo a quatro para medir tudo que você puder imaginar!

Esportes[editar]

Futebol, só. Todos os ingleses que gostavam de outros esportes (com exceção do rugby, com esses caras ninguém é maluco de mexer) foram mortos, torturados e humilhados (nessa ordem) pelos hooligans.

Time de futebol preferido da população:

Ver também[editar]

Flag map Inglaterra.png Inglaterra
HistóriaPolíticaSubdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo
Eu!naz1.gif
Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | República Tcheca | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Jan Mayen | Kosovo | Nagorno-Karabakh | Ossétia do Sul | País Basco | Svalbard | Transnístria