Instituto Federal do Rio de Janeiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


CUIDADO!!! CONTEÚDO EXPLOSIVO!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
Bombanuclear4.gif
Chumbo.jpg
Este artigo é relacionado à química.

Somente use água destilada neste artigo.

Night creature.JPG Instituto Federal do Rio de Janeiro surgiu das trevas!!

E está aqui pra puxar seu pé!

Puro osso.gif


 

IFRJ
Logomini.jpg
Nome completo Instituto Federal de Educação,
Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
Tipo de instituição Pública Federal
Fundação 29 de dezembro de 2008
Estado Rio de Janeiro, Brasil
Especialidade Reprovações
Ensino Médio, Técnico e Superior


Cquote1.png Você quis dizer: UFRJ Cquote2.png
Google sobre Instituto Federal do Rio de Janeiro
Cquote1.png Você quis dizer : Federal de Química. Federal de Química! FEDERAL DE QUÍMICA, CARALHO! Cquote2.png
Aluno veterano saudosista sobre antigo nome oficial do colégio
Cquote1.png Que feio, servidor! Você não pode fazer isso Cquote2.png
Orkut sobre servidores grevistas do IFRJ
Cquote1.png Bem-vindos ao inferno Cquote2.png
Veteranos sobre IFRJ
Cquote1.png Tem GRÊMIO no colégio O.o Cquote2.png
Aluno terminando o IFRJ sobre GRÊMIO
Cquote1.png Eu estudo todos os dias! Cquote2.png
Calouro para Veterano
Cquote1.png Entrar aqui é fácil,o difícil é se formar Cquote2.png
Funcionário mal pago sobre IFRJ
Cquote1.png Prefiro o CEFET/RJ Cquote2.png
Aluno invejoso estudioso da Faetec sobre IFRJ
Cquote1.png Greve de novo? Ah vai tomar no **!!! Cquote2.png
Aluno revoltado sobre IFRJ
Cquote1.png São açougueiros Cquote2.png
Aluno frustrado do CEFET-RJ sobre jaleco branco do IFRJ
Cquote1.png Próximo semestre vai haver reformas! Cquote2.png
Diretor de 1970 sobre IFRJ
Cquote1.png Sou monitor do laboratório e ainda não fui pago, ah vai se ***** escola caloteira do ****** Cquote2.png
Aluno monitor sobre IFRJ
Cquote1.png Eu amo química Cquote2.png
Calouro antes de conhecer o IFRJ
Cquote1.png Eu jogo sueca! Posso dar trote? Cquote2.png
Calouros que acham que jogar baralho é ser veterano sobre IFRJ
Cquote1.png Eu acredito no GRÊMIO sim, e daí? Cquote2.png
Futebolista sobre seu time preferido
Cquote1.png Odeio química Cquote2.png
Calouro depois de um período no IFRJ

História[editar]

Que Hogwarts que nada. Isso aqui é IFRJ!


O Instituto Federal do Rio de Janeiro,mais conhecido como IFRJ,foi construído mediante a integração do CEFET Química/RJ e outras escolas técnicas sem importância do Rio de Janeiro(menos o CEFET/RJ que ficou de birra e não quis participar). Há rumores que digam que nos tempos antigos do senhor feudal Getúlio Vargas, veio a ideia de criar uma escola técnica de Química. O intuito do Senhor feudal era de aumentar o número de profissionais na arte de produção de entorpecentes do Rio de Janeiro e instalou dentro da CEFET seu maior mercado consumidor na época a Escola Nacional de Entorpecentes químicos (ENQ). Em 1986 a fábrica cresceu tanto que ganhou sede própria, porém continuou no bairro do Maracanã,já tradicional na produção de substancias que dão um barato louco mano. Em 1999 resolveram camuflar o negócio e se mudar para Nilópolis em busca de novos mercados na baixada fluminense e muda de novo para CEFET Química. Em 2009 o então presidente Luis Inácio Lula da Silva Herdeiro do feudo de Getúlio transforma todas as fábricas de narcóticos incluindo a CEFET Química em Institutos Federais, nasceu assim o IFRJ. Ainda conhecido como CEFET Química, Federal de Química, ou ainda CEFETEQ, o IFRJ se tornou famoso em todos os manicômios estados do país por ser uma inesgotável fonte de provas intermináveis, mão-de-obra especializada em copiar relatórios, aulas soníferas, tradutores mirins, servidores que morrem do nada, pseudo trote e principalmente porque no terraço tem crianças nascendo uma vista linda. Apesar da Sede do IFRJ ser na favela cidade de Nilópolis, sua unidade mais famosa e requisitada nos concursos fica no Maracanã.


Processo Seletivo[editar]

Folha de rascunho do aluno que foi aprovado em 1º lugar em um processo seletivo do IFRJ

Estudar no IFRJ não é pra qualquer um (mentira), visando isso a bancada avaliadora elabora uma prova dificílima, que exige um alto QI do candidato. Antes da prova se realiza uma inscrição no site do IFRJ (óbvio) que está fora do ar por causa de processos judiciais por roubos de mais de 1 milhão de reais negligências cometidas pela reitoria. Até o momento a prova conta com questões de múltipla escolha, de matemática e de português,tendo ainda uma redação,. Os alunos do IFRJ costumam dizer que a prova para entrar é sem dúvida a mais fácil que alguém faz no colégio. Nas palavras dos próprios "Entrar é moleza, quero ver sair". Ainda mais agora, já que a prova de admissão é inteiramente objetiva. Quem mesmo assim não passa no concurso vai para a FAETEC, Pedro II, CEFET/RJ ou para o 2º Semestre.

Cursos[editar]

O IFRJ tem diversas modalidades de cursos,desde integrado ao ensino médio, concomitante e também graduação. Os alunos que cursam Meio Ambiente e Alimentos ainda teimam que seus cursos são os melhores e que terão os "empregos do futuro" mas não passa de pura ilusão, pois no futuro não haverá mais florestas nem comida, de modo que profissionais da área se farão desnecessários. Os cursos oferecidos que tem mais destaque são os integrados,que vão desde pedreiro (atualmente extinto da escola) a balconista de farmácia,entre outros excelentíssimos cursos nessa mesma modalidade,segue:

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...quando você entra no IFRJ vira rotina tirar nota baixa ?
  • Gari vulgo Meio ambiente e também Agropecuária
  • Frentista vulgo Petróleo e Gás
  • Faxineiro de laboratório vulgo Química
  • Balconista de farmácia vulgo Farmácia
  • Padeiro vulgo Alimentos
  • Tratador de despejos sanitários vulgo Biotecnologia
  • Ajudante de borracheiro vulgo Mecânica
  • Ajudante na limpeza de rios poluídos vulgo Controle Ambiental
  • Instalador de chuveiro elétrico vulgo Eletrotécnica
  • Youtuber gamer vulgo Jogos Digitais

Química[editar]

Cquote1.png O melhor curso! Cquote2.png
Nerd sobre curso de Química
Cquote1.png Professor, não é assim que se faz a fórmula! Cquote2.png
Calouro de química querendo saber mais que o professor

Embora o curso seja o único que fazia parte do nome do colégio, seus cursistas são os únicos alunos realmente nerds do colégio. O mais interessante é o diploma deles: Técnico em Química, especializado em Química. O que é frustrante, uma vez que é ÓBVIO que eles sempre sonharam em se formar em Química com especialização em Metafísica Laboratorial.

Biotecnologia[editar]

Cquote1.png O curso do futuro! Cquote2.png
Aluno de biotecnologia argumentando desesperadamente sobre o curso
Cquote1.png Quando a gente vai abrir os ratinhos? Cquote2.png
Calouro sobre a única parte interessante de Biotecnologia, que não acontece mais

Seus cursistas não passam de projetos de nerds, que puseram "biotecnologia" na sua inscrição porque gostaram do nome "tecnologia". Se fodem ao perceber que não era isso que eles queriam ao entrar no colégio. Na verdade, nenhum estudante de qualquer período já decifrou seu significado oculto. Embora haja várias teses, da mesma forma que os elétrons e o nome do colégio. O fato é que toda vez que um estudante de biotecnologia procura argumentos para defender seu curso, isso parece uma mulher procurando argumentos para explicar a diferença gigante que existe entre creme, marfim e bege claro.

Farmácia[editar]

Cquote1.png Hoje a gente fez sabonete!!!! Cquote2.png
Aluno de farmácia super empolgado sobre seu futuro na indústria saboneteira

Seus cursistas são no geral mulheres, que gostam de aparecer para os veteranos, falar que passaram para um dos cursos mais requisitados, e que gostam de repetir. Geralmente acabam o curso e vão trabalhar no balcão de alguma farmácia na favela, ou mesmo nem trabalham, dão pro farmacêutico e ficam bem de vida.

Meio Ambiente[editar]

Cquote1.png Meio Ambiente no futuro vai dar grana!!! Cquote2.png
Aluno com problemas de época sobre Meio Ambiente
Cquote1.png Pelo menos a gente viaja bastante! Cquote2.png
Aluna de Meio Ambiente sobre desilusão com o curso
Cquote1.png Que brisa é essa, mano!? Cquote2.png
Aluno de Meio Ambiente em uma aula prática de Química dos Entorpecentes

É o curso daqueles que não queriam estudar no IFRJ. Na escolha do curso os alunos de meio ambiente acharam que ele resumia-se em selva, plantas,arvores... Porém depois da primeira aula de química inorgânica se arrependeram amargamente pela escolha - isso quando conseguem chegar ao 3º período. Muitos acabam seguindo em frente rumo a conclusão do curso, porém a grande maioria acaba ficando decepcionada e se entrega a reprovação. Algo que mais tarde os leva a fumar maconha na escada de incêndio.

Alimentos[editar]

Cquote1.png Você quis dizer: Técnico em merenda escolar Cquote2.png
Google sobre Alimentos

É um curso novo, os alunos das turmas de alimentos são aqueles que não quererem concluir o curso técnico ou seguir a área - isso por terem uma visão errada sobre o curso ou por que não passaram em outra escola técnica mesmo. Não perdem a oportunidade de sair da escola quando passam no vestibular, assim como os alunos dos outros técnicos, porém em alimentos (e meio ambiente) esse índice é bem maior.

TM's[editar]

Cquote1.png Curso dos calouros! Cquote2.png
Veterano zoando as TM's

São turmas criadas após a direção perceber que a cada semestre os alunos que ingressavam na escola se mostravam mais bobões e sem condições nenhuma de ter o nome de um curso técnico em suas turmas. Os calouros dizem que significa "Time Moderno", em confirmação ao fato de que realmente acreditam já ser o sangue novo da escola. Na verdade, o significado é "Turma Mista". Os alunos das TM's sonham em passar para o terceiro período para poderem se dizer parte de algum curso e pra fazer um "escandalozinho" chorando pelas escadas porque os coleguinhas que são de cursos diferentes vão se separar. A maioria desses alunos acaba repetindo em alguma matéria antes de chegar no 3º período.

Campi[editar]

Máquina de gelo do Campus Maracanã.
  • Campus Rio de Janeiro (Maracanã): Campus de tradição, lar do famoso (nem tanto) curso técnico em Química.
  • Campus Realengo: Extensão do Campus Maracanã no Calor da Zona Oeste.
  • Campus Duque de Caxias: Localizado em Gramacho, tem a função de formar novos professores de Química e jogadores de futebol. Também conhecido como pedaço do inferno.
  • Campus Mesquita: Nem eu sabia que existia esse Campus.
    Depois de atravessar infinitas favelas, três vulcões em erupção e todo o lamaçal da baixada fluminense, você finalmente chega ao Campus Duque de Caxias
  • Campus Nilópolis: Maior rival do Campus Maracanã pelo controle das distribuições do mercado de tráfico de alucinógenos. O point dos alunos de lá é o bar do Binho, unica diversão da cidade.
  • Campus Pinheral: Onde diabos fica isso?
  • Campus Paracambi: Filial do Campus Nilópolis onde nem mesmo o povo de Nilópolis sabe onde fica.
  • Campus Volta Redonda: Onde os filhos de metalúrgicos "estudam".
  • Campus São Gonçalo: Controla o tráfico no outro lado da poça.
  • Campus Arraial do Cabo: Campus para tirar férias.
  • Campus Engenheiro Paulo de Frontin: Campus fantasma.

Infraestrutura do IFRJ[editar]

Foco de mosquito da dengue (mais conhecido como piscina) localizado no Campus Nilópolis
  • No Campus Maracanã: O Campus é em si é uma caverna de tão pequeno que é. A escola conta com uma quadra de tamanho razoável, que fica logo na fachada da escola, e todos pensam que ali que os alunos estudam, mas na verdade é nos prédios atrás da quadra que ficam as salas de aula. O Campus Maracanã possui um elevador que nunca está bom o suficiente para uso dos alunos, então os mesmos tem que ir pelas infinitas escadas que o campus possui. Todos os anos falam em colocar uniformes, e catracas para regular a entrada e saída dos alunos, mas isso nunca ocorre, a possibilidade ficou menor ainda depois que antiga reitoria passou a mão nas verbas da escola.
  • No Campus Nilópolis: Há um pântano chamado de Piscina.

Laboratórios[editar]

Cquote1.png Você quis dizer: padaria Cquote2.png
Google sobre Laboratório de Alimentos
Cquote1.png Infelizmente vocês nao vão chegar ao resultado esperado porque a água da escola tem pH 6, os ácidos volatilizaram e todo o resto está contaminado Cquote2.png
Qualquer professor de laboratório iniciando a explicação da prática
Cquote1.png O nosso laboratório é o mais lega-al Cquote2.png
Calouro mongol de biotecnologia sobre símbolo de risco biológico na porta do laboratório
Cquote1.png Cadê? Cquote2.png
Aluno em laboratório de Análise Qualitativa sobre algum objeto que deveria estar na sua vidraria

A escola conta com diversos Campus espalhados pelo RJ, neles se encontram inúmeros laboratórios,que são usados para pesquisas e descobertas surpreendentes, como a de um aluno de química do Campus Acre Nilópolis que descobriu por acaso que água e óleo não se misturam. Ditos pelos professores melhores que os de faculdades, entretanto, nunca há pipetas, ou bancadas suficientes. Como se não bastasse, os reagentes fornecidos para os laboratórios são tão puros quanto a água do Rio Maracanã. Pelo que dizem os alunos da própria instituição, os laboratórios do Campus Maracanã sempre têm falta de reagentes e vidrarias, ao contrário da Sede na favela em Nilópolis, onde tem quase tudo, o maior problema mesmo são os calouros, que tem praticamente um infarte quando quebram alguma vidraria do bendito laboratório.

Grandes eventos ocorridos no IFRJ[editar]

Campus Maracanã durante uma enchente

Enchente de 2005[editar]

No Campus Maracanã, uma grande enchente ocorreu antes das 7 horas da manhã e fez com que não houvesse aula no dia 24 de Outubro de 2005. Diz a Lenda que um aluno atravessou o rio Maracanã a nado naquele dia, apenas por esporte.

Bomba de 2006[editar]

Também no Campus Maracanã,uma bomba estourou misteriosamente no início do segundo semestre de 2006, entre 4 e 10 de setembro. O Local é na escada alternativa do 3º andar, onde por muito tempo permaneceu uma tábua de madeira onde gente malandra riscava com giz.

Enchente de 2007[editar]

Outra grande enchente agora ocorrida no dia 24 de outubro de 2007 fez com que um ônibus invadisse a garagem do Campus Maracanã, assustando alguns calouros desavisados. O mais bizarro e interessante é que essa enchente ocorreu exatamente 2 anos depois da de 2005. Tudo isso ainda na Era Cefet Química.

Adeus Cefet Química - 2008[editar]

Depois de tantas enchentes, desmoronamentos,terrorismos, o Cefet Química iria agora passar por uma grande expansão. Se integrou ao Colégio Agrícola Nilo Peçanha (atual Hogwarts Campus Paracambi), novos Campus foram construídos, e passou agora ter diversas unidades pelo RJ.

Professor reivindicando seus direitos durante a greve do IFRJ

Greve de 2011[editar]

Uma grande ato grevista ocorreu naquele ano, professores insatisfeitos com atual situação do IFRJ resolverem optar pela greve como solução. E foi normal, ou seja, não deu em porra nenhuma, só atrasou mais ainda os alunos.

Greve de 2012[editar]

Tendo em vista que a greve anterior não deu em nada, e aproveitando que uma grande greve nacional estava prestes a ocorrer em varias universidades e escolas técnicas do Brasil, o IFRJ resolveu aderi-la. Pois a greve anterior só teve como resultado atrasar e ajudar a reprovar os alunos, isso mesmo, tentaram consertar greve com GREVE. Agora não seria uma greve qualquer, tinha o apoio geral, e do expert em greves, nada mais nada menos que o Colégio Pedro II. Todos os colégios e universidades que aderiram a greve consertaram seus calendários letivos. Até os do Acre. Menos o IFRJ. Com isso, a escola passou a ter seu semestre iniciado em maio, e encerrado em setembro, e foi assim que quase toda a escola reprovou, mesmo assim foi indo, e indo. Até 2014, quando um grande ato viera a ocorrer, denominado de...

No Campus Maracanã, a mando pedido da direção, alunos do IFRJ retiram a faixa de protesto que eles mesmo colocaram lá. No dia seguinte, os alunos colocaram a faixa na ponte de acesso á escola. Minutos depois a direção chamou a prefeitura que retirou

Greve de 2014[editar]

Os alunos ficaram revoltados com a greve que estava prestes a ocorrer, tendo em vista que aquele não era o momento ideal para isso, já que o calendário estava totalmente atrasado e a escola acabava de vir de uma greve. Depois que a notícia de que a reitoria tinha roubado mais de 1 milhão de reias em verbas cometido negligências se espalhou, os alunos se revoltaram e decidiram também fazerem manifestações, o que culminou a ira de alguns servidores do IFRJ que não queriam que a imagem manchada da escola fosse denegrida.

Atentado ao IFRJ[editar]

No dia 19 de Agosto de 2014 o Campus Duque de Caxias do IFRJ sofreu um ataque por parte de traficantes que a muito tempo ocupavam uma quadra próxima ao colégio. Um professor acabou sofrendo um sequestro relâmpago e tendo seu carro roubado. No dia seguinte os traficantes ainda invadiram a escola e comeram ameaçaram as funcionarias, e a diretoria. Dias depois as aulas foram suspensas por duas semanas. Isso tudo fez o governo federal parar pra pensar porque diabos foi colocar uma unidade do IFRJ (que já não é lá aquelas coisas né) no meio da favela em uma região de alta periculosidade. Afinal, o que de bom eles esperavam ocorrer cometendo tal burrada equivoco ?

Ensino[editar]

Alunas do IFRJ no dia da prova de recuperação
Um dia de aula comum no IFRJ

O IFRJ é famoso pelo seu alto índice de reprovação e pelos roubos cometidos pela reitoria, isso indica então, que o ensino da escola é excelente (ou não), tal fato gerou até pesquisas para saber a causa de tantas burrices reprovações por parte dos alunos. Dados apontam que de 70% dos alunos reprovados em um período no IFRJ, 99% estavam matando aula. Muitos não sabem mas o aluno fica sendo escravizado estudando no IFRJ por 4 anos, isso por conta do ensino técnico que é integrado ao médio, por isso dados apontam que :


  • 0,1% dos alunos concluem os 4 anos no IFRJ e recebem o diploma
  • 99,9% dos alunos desistem do IFRJ porque já repetiram muitas vezes

Períodos[editar]

O diferencial do IFRJ é que lá não se estuda anualmente, e sim a cada seis meses. Porém, isso acaba fodendo prejudicando os alunos, porque os períodos (semestres) são divididos em dois trimestres (G1 e G2) - que mais parecem bimestres porque passam rápido pra caralho - onde o G2 tem peso 2. Porém isso pode ser sua salvação ou sua ruína. Tudo vai depender do seu estudo, e principalmente da sua relação sexual convivência com os professores. As avaliações do IFRJ são digamos, podres. Sempre tem um professor frustado na vida que não queria estar ali e sim em casa vendo Fátima Bernardes e recebendo seu salario sem fazer porra nenhuma, que desconta seus fracassos da vida nos alunos. Tenha uma certeza, se você vê uma questão de uma prova do IFRJ e achar fácil, das duas uma : ou você não sabe porra nenhuma, ou o professor que elaborou a prova é um boçal que está cagando para os alunos e só quer saber do salario no fim do mês (que por acaso é uma bosta).

Afeto com Química[editar]

A escola muda o nome, cresce, mas a química não sai. É um fator a ser estudado. Tudo bem que a escola se chamava Cefet Química (nem precisa explicar o porque), mas isso era só na porra da favela unidade de Nilópolis e do Maracanã, até porque, só tinha essas. Nos novos campus que foram construídos deveria ter mais variedades de cursos, como edificações, administração,etc. Porque é isso que atrai mais sofredores alunos pra instituição. Mas ai a escola põe os cursos livres da demoníaca Química lá na puta que pariu no meio dos matos, em pinheiral, volta redonda, volta quadrada e o cacete a quatro, e os mais difíceis na capital e baixada. Nos principais Campus da instituição só tem curso que é 90% química, parece que não entenderam, a escola agora se chama INSTITUTO FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, não INSTITUTO DE QUÍMICA DO RIO DE JANEIRO.

Grêmio Estudantil[editar]

Cquote1.png Você quis dizer: Chopada Cquote2.png
Google sobre Grêmio Estudantil do IFRJ

Um debate normal entre as chapas

Cada Campus do IFRJ possui seu Grêmio Estudantil, que teoricamente é a "voz dos alunos". Na teoria ele seria responsável pela organização de diversas atividades acadêmicas e de "afrontar" a diretoria por melhorias no colégio. Na prática a maioria dos Grêmios só sabe organizar festas onde a sucessagem é livre e que a maioria no final acaba ficando bêbado e falta a escola no dia seguinte. Em um certo espaço de tempo ocorre uma eleição pra decidir qual será a nova gestão de cada Grêmio. Nesse período é normal ver os candidatos fazendo promessas que eles mesmos sabem que não conseguirão cumprir como "se a minha chapa for eleita iremos colocar frigobar nas salas" ou "se ganharmos iremos diminuir a média pra passar de período". As chapas são eleitas praticamente pelos votos dos próprios integrantes, pois a maioria dos alunos votam em abstenção por falta de opção, é como uma eleição entre Marina Silva e Marta Suplicy.

  • Debate entre Chapas : No período de eleições ocorre um debate entre as chapas concorrentes a gestão do grêmio. Nesse evento uma chapa tenta mostrar pra outra que é a melhor opção para o colégio, e ficam discutindo interminavelmente, uma apontando o erro na proposta da outra, o que normalmente não da certo e acaba numa treta maligna.

Lendas do IFRJ[editar]

O 5º andar fantasma[editar]

DramaticQuestionMark.png
Você sabia que...
  • ...é impossível não ficar em recuperação no IFRJ? (Sim, é possível, se você reprovar direto!)

Boatos rolam que no 5º andar do Campus Maracanã acontecem coisas "estranhas". Pelo o que dizem, de tudo ocorre naquele lugar. Desde funcionários pegando funcionários, alunos pegando alunos, e vice-versa. Não, você não está lendo um dos contos eróticos, é sério , aquele lugar é sobrenatural. A única certeza a respeito de tal lugar é que o acesso é restrito, alunos que conseguiram a façanha de entrar lá viraram papais ou ficaram grávidas (alguns psicologicamente mesmo). Boatos relatam que a parede do 5º andar era verde, mas ficou totalmente branca, isso graças a porra que cobriu a parede toda , a algo aterrorizante que ocorreu lá. Os alunos geralmente ficam na escada de acesso a tal andar matando aula, ou tentando de alguma forma entrar lá.

O bandejão Invisível[editar]

Em uma era pós jurássica o IFRJ oferecia o famoso Bandejão aos seus alunos. Só que isso acabou e até então na maioria das unidades não há alimentação gratuita, pode haver alguma exceção, mas algo que só o mestre dos magos possa explicar. Como não há comida de graça, uma solução para saciar a fome dos nerds obesos alunos, são as cantinas (com exceção do Campus Maracanã que não tem mais pois construiram um laboratório no lugar). Claro, elas tem um preço burguês popular e acessível a ricos todos, sem contar que as cantinas tem um sistema de higiene excelente e invejável a qualquer outro estabelecimento alimentício. Sendo assim, elas oferecem diversas gratuidades, ratos e baratas por exemplo, tem direito a entrada franca nas panelas de comida.

O repetente[editar]

No caldeirão da reprovação cujo a Bruxa do 71 cozinha, há vários elementos, ente eles um é o fim da era IFRJ pra qualquer repetente. É a temida jubilação. Depois de reprovar alguns períodos o aluno é convidado, a digamos, meter o pé da escola. Por que percebe-se que ele ja é um caso perdido e não tem mais jeito mesmo. O único motivo pelo qual ele ainda pode está lá é receber os auxílios que a escola dá. Então depois desse pé na bunda, o aluno ainda tem uma "luz no fim do túnel". Que é fazer o processo seletivo novamente e entrar de novo na escola. Coisa que ninguém é otário de fazer.

Alunos do IFRJ[editar]

Veterano[editar]

Alguns veteranos (2 ou 3) realmente são exemplos de alunos, que adquiriram maturidade e que conseguiram chegar longe na escola, a quase ou se não ao ultimo período, mesmo que isso tenha lhe custado 2/3 de sua vida. Mas a maioria esmagadora acham-se fodões e conselheiros da vida. Na verdade são tão imaturos quantos os calouros, que eles aliais, vivem assediando. Dedicam o resto de suas vidas no IFRJ à fazerem coisas que não fizeram durante toda a vida escolar, como criticar o grêmio estudantil (que é uma bosta mesmo), cornetar a diretoria, ou mesmo encher a cara pós prova.

Calouro[editar]

Entra iludido na escola achando que ali é o paraíso. Antigamente a maioria entrava no instituto com foco e realmente procurava se esforçar o bastante para passar de período. Mas a realidade agora é outra. Os calouros só passam a se importar com a escola quando reprovam. Mesmo aqueles que passaram do primeiro período na cagada, estes que não estão nem ai mesmo, tanto que acabam reprovando o segundo período.

Nerd[editar]

Domina todas as matérias sem muito esforço. Mesmo assim se fode em alguma, isso é uma lei pra quem estuda na Federal. Mas não quer dizer que ele reprove, pelo contrário, passa com sobras e as vezes não joga na cara do amiguinho frustrado que reprovou. Esse é o nerd. Ser que está muito próximo da extinção no IFRJ.

Acha que é Nerd[editar]

Geralmente é aquele que veio de uma escola particular fraca, e que começa a ter um evidente bom desempenho no primeiro período. Tira diversas notas 10, tudo a maior maravilha. Até quando chega o segundo período, quando ele percebe que tudo aquilo foi uma ilusão e ele é só mais um dos iludidos, metidos a intelectuais. Esses são os que mais se fodem, pois se iludem tanto ao ponto de achar que o colégio é fácil e que o papo dos veteranos é balela (na maioria das vezes é mesmo). São bastante individualistas.

Repetente[editar]

É o tipo de aluno que ninguém sabe como entrou lá, mas ao mesmo tempo sabe que foi por cotas. Vive esbravejando que a escola é difícil, que não aguenta mais e mimimi. Não faz um mínimo esforço pra passar, e no final do período fica chorando pelos cantos, fazendo um drama, falando a todos que fez o seu melhor. Mesmo assim um ser desse continua na escola. Tudo pra ficar bancando o sabichão e assustando os calouros dizendo para estudar porque lá é muito difícil.

Revolucionário[editar]

É aquele que gosta de falar por todos. Se um dia falta papel higiênico na escola, ele já começa a organizar manifestações e espalhar cartazes. Tudo para chamar atenção e ganhar todo o crédito quando os alunos conseguem algum avanço no instituto. Alunos assim geralmente estão ligados ou são a oposição do órgão mais corrupto do IFRJ, vulgo grêmio estudantil.

Campus Maracanã e adjacências[editar]

É o campus número 1 do IF por ser o mais próximo da reitoria, o que literalmente não quer dizer porra nenhuma. Um dos andares prediletos de alguns alunos em especial os do técnico é o quinto, onde histórias remetem que em seu muro existem mais de vinte anos de porra grudada pinturas rupestres. Tem como ponto de referência o Estádio Maracanã,e a Quinta da Boa Vista,onde pode-se encontrar os animais mais bizarros, como um estudante da Faetec matando aula. Nele, assim como num hospício, você encontra todo tipo de maluco, desde professores à alunos. A característica marcante do campus é que a sua infraestrutura é uma bosta, algo que já foi citado aqui, porém que merece ser ressaltado. Se você for prestar concurso para lá não se iluda, pois além do ensino desgastante, não há atrativo algum no campus ou próximo a ele, só prédios, avenidas, e instituições de merda alto nível, das quais podemos citar:

CEFET-RJ[editar]

O Centro de Esnobes Favelados e Tapados é uma instituição de ensino do RJ onde seus alunos pensam que estudam em Harvard. Até hoje a escola corre atrás pra virar universidade tecnológica, pois se acham tão superiores ao ponto de não quererem virar IF. Se preocupam mais com a imagem do colégio do que com ensino, que com o passar do tempo vem ficando precário. Vivem zoando os alunos da Faetec que coitados, não tem culpa de que a escola é uma bosta mesmo. O cefet fica localizado próximo ao Rio Maracanã, que quando chove acaba transbordando e inundando o colégio, levando assim na agua podre, a arrogância de seus alunos.

Faetec[editar]

É uma escola estadual do RJ que tem cursos técnicos. Lá você encontra tudo de baixo nível possível, desde à alguns alunos, alguns professores, ensino, comida, etc. Como todas as escolas estaduais do RJ, seu ensino é uma bosta juntamente com sua infraestrutura, onde tudo é velho e ultrapassado. É sempre lembrada como uma das principais escolas públicas do RJ; a Faetec nesse meio é literalmente como uma vaca em cima de uma arvore, onde ninguém sabe como ela esta lá, mas todo mundo sabe que vai sair.

Universidade Veiga de Almeida[editar]

Conhecida como "uva", essa universidade particular é só mais uma onde estudam pessoas que não conseguiram passar num vestibular público. Assim como o Campus Maracanã, qualquer um pode entrar e sair a vontade de lá, assistir até as aulas que ninguém percebe. Fica ao lado do Campus Maracanã literalmente o engolindo, algo que o torna o principal ponto de referência daquela região.

Colégio Pedro II[editar]

É um colégio público federal de tradição do RJ que foi fundado por ninguém menos que um pirralho aleatório. A sua maior tradição é o uso de saias curtíssimas por parte das alunas, algo bastante comemorado e ressaltado pela comunidade hétero (se ainda existir) de alunos da instituição. A mini saia como uniforme para as alunas, foi um dos maiores motivos para o Mr Catra ter optado estudar seu ensino médio no Colégio Pedro II.

Entretenimento[editar]

CopaTec[editar]

Trata-se do maior torneio de futsal acadêmico RJ, onde os alunos dos diferentes cursos participam e podem além de competir de forma sadia, desfrutar da grande estrutura oferecida pelo IFRJ nos dias dos jogos... E ainda tem idiotas que acreditam. A grande realidade é que não passa de um torneio de alunos peladeiros que já estão no fim do 7º e 8º período, assim , cagando se reprovarem ou não (até porque já reprovaram muito mesmo). Os calouros na maioria das vezes só assistem ou ficam esquentando banco, porquê a panelinha é tão grande que dá até pra cozinhar comida pro pseudo bandejão do IF. No fim do torneio o time campeão ganha um troféu - atualmente estão dando cuecas e meias pois a escola está sem verba - que é apenas simbólico mesmo, visto que ninguém que está ali tem talento para ser jogador de futebol, até porque se tivesse estaria nas categorias de base do Flamengo ou Vasco, não nadando no enxofre do IFerno.

Olimqui[editar]

É uma competição na qual os alunos representam seus cursos nas modalidades de esporte que podem ser competidas numa quadra pequena e sem estrutura do IF. Esse grande evento foi resgatado da época em que as bolsas dos monitores eram pagas no prazo e que havia pipetas e reagentes nos laboratórios. Ou seja, o resgate dessa competição jurássica foi um grande marco para o IF, visto que os alunos de química necessitavam de algum pretexto para jogar na cara dos colegas que seu curso é o melhor e mais requisitado da escola. Há boatos que a direção não gosta de atividades acadêmicas desse porte, visto que movimentam muito a escola. Para conter o caos que era estabelecido durante competições assim, foram colocadas câmeras no 5º andar como medida de segurança.

Semana da Química[editar]

É considerado o maior evento organizado pelo IFRJ, onde os baba-ovo alunos mostram não só para os professores, mas para todos presentes, grandes projetos. Durante essa semana não há aula na escola, só projetos, peças (fúteis) teatrais e mães gordas falando : "Que orgulho do meu bebê!". Mais impactante que um aluno jubilado, é falsidade dos professores ao aplaudirem e ovacionarem projetos que ficaram uma bosta que eles sabem que ficaram uma bosta. A grande verdade é que os alunos mais espertos ficam em casa durante essa semana estudando, pois sabem que o "mito" que a escola é só estudar, estudar e estudar é real.

Semana da cachaça Festas organizadas pelo excelentíssimo Grêmio Estudantil[editar]

Após se foder numa prova, não há nada melhor do que encher a cara e se pá, perder o BV, não é mesmo? O Grêmio Estudantil é ciente disso, e assim organiza diversas festas para os nerds obesos jogadores de LoL terem alguma esperança de sair da seca. Porém se fodem, pois as cobiçadas gostosas do IF estão fazendo neEnem, e não nestas festas chulas. Assim, os obesos frustrados voltam pra casa de madrugada bêbados de uma 1 latinha de cerveja e acabam perdendo a mesada de 1kg de bacon semanal. No final das contas, o máximo que eles conseguem durante as festas é perder algumas calorias dançando funk.